Prepare-se para ser xingado!

1
68

Em um debate contra esquerdistas e humanistas, conservadores e cristãos devem estar preparados para uma coisa: sofrer difamações e ofensas.

Mas não espere poucas ofensas.

O que você deve esperar é ser ofendido de maneira OBSESSIVA por eles.

Vamos avaliar aqui algusmas das opiniões típicas de um conservador cristão.

Em seguida, lembremos que tipo de ofensas eles farão contra nós SOMENTE pelo fato de verbalizarmos tais opiniões.

Por exemplo, em relação ao apoio ao conceito de família e do valor do relacionamento heterossexual.

Queremos, é claro, que nossos filhos sejam educados sob os conceitos da família tradicional.

E por que queremos isso?

Por que pagamos impostos (no caso das escolas públicas) e mensalidades (no caso das escolas privadas) e não queremos que ensinem aos nossos filhos uma moral que nada tem a ver conosco.

Claro que até entramos em um acordo e entendemos o conceito de estado laico.

Nas escolas públicas, eu mesmo não faço questão que se ensine religião.

Mas não posso tolerar que usem o MEU DINHEIRO (lembremos: sem nossos impostos, não existiria nem sequer um estado, e muito menos escolas públicas) para ensinar uma moral que surgiu para ser OPOSIÇÃO aos ensinamentos religiosos.

A nossa requisição é tão legítima quanto exigir um juiz neutro para um jogo de futebol.

Imaginem a seguinte situação hipotética: há dois times, X e Y, que disputam uma partida na qual o time X quer definir quem é o juiz.

Suponhamos que o time Y proteste contra isso e ache injusto, ao ponto do time X declinar da idéia de definir o juiz.

Ainda nesse exemplo, imagine que o time Y aproveite o burburinho gerado não para lutar pela presença de um juiz independente, mas pelo direito dele próprio ESCOLHER o juiz.

E aí, a partir do momento que os dirigentes do time X protestam, os dirigentes do time Y começam a xingar os dirigentes do time X.

É exatamente essa a situação que acontece nos conflitos ideológicos atuais.

Nós, conservadores, recuamos e deixamos que eles tirassem a educação conservadora das escolas.

Mas no momento em que exigimos que eles tirem a educação esquerdista/humanista, eles começam a nos xingar.

Qual a conclusão que tiramos disso?

Estamos diante de um adversário que não tem dignidade.

Eles sabem exatamente disso, e até para que não discutamos eles começam com a xingação.

Uma vitória deles ocorre quando uma ofensa é recebida pelo nosso lado e não é revidada.

O mesmo pode ser dito do recente movimento Conservador “Tea Party”.

Basicamente, o que pedimos é a redução de impostos e a diminuição do estado.

Isso foi o estopim para que TODOS os participantes deste movimento (que hoje conta com a simpatia de 30% dos norte-americanos) fossem tachados de extrema-direita, ultra-fundamentalistas e coisas do tipo.

Naturalmente, rótulos ofensivos que não tem absolutamente nada a ver com o objeto de discussão. São apenas meios de difamação e ofensa.

Assim como na recente invasão dos morros pela Polícia e o Exército. Invasão esta que culminou com vários traficantes mortos e muitos presos.

O mero apoio à essa iniciativa contra os bandidos é suficiente para que o conservador seja tachado de “fascista”.

Como não ficam felizes com isso, ainda dizem que o conservador quer que APENAS os pobres sejam punidos. Com isso, os esquerdistas transformam um mero evento de bandidos contra cidadãos decentes e a polícia em mais uma “guerra de classes”.

O que quero dizer, em resumo, é que para que QUALQUER opinião de um conservador sobre a vida pública, há um conjunto de ofensas específicas resultante.

Isso tudo para que o esquerdista passe a sua vida ofendendo o conservador.

Essa tática de ofensa continuada tem por objetivo fazer com que aquele ofendido veja que a baixaria chegou a tal limite que certo dia DESISTA de discutir. É a tática pela qual são lançados na espiral do silêncio.

Seja lá como for, temos que deixar claro que qualquer conservador que entrar em discussão e lançar pontos legítimos da opinião conservadora tem que estar preparado para SER XINGADO E VILIPENDIADO.

Mas isso não significa que você deva ser conivente com as ofensas.

Por exemplo, quando você diz que não quer uma educação incentivado o homossexualismo em salas de aula nas quais seu filho assiste, e por isso é chamado de homofóbico, faça um revide à altura.

Chame o ofensor de safado e mentiroso, e se preciso leve a questão aos tribunais.

Vale o mesmo para alguém que te chame de “fascista” só por que você apoiou a ação dos militares contra os traficantes.

Como exemplo, neste caso em que Datena teria ofendido os ateus. Os movimentos sociais humanistas e ateus fizeram tanto fuzuê que o MPF entrou com uma ação contra o apresentador.

Todas as ofensas feitas por Datena não são nem um décimo daquelas feitas pelos principais líderes do ateísmo militante contra os religiosos.

E qual o tipo de reação religiosa contra esses ateus militantes na mesma proporção que os militantes ateus fizeram contra Datena?

Simplesmente nenhuma.

Quer dizer, estão dizendo em público que a ofensa ao cristão e ao conservador é algo a ser consentido.

Vai demorar muito tempo (algumas décadas) para que alguém que seja conservador e/ou cristão volte a merecer o mínimo respeito.

Mas é como a Bíblia nos ensina: é o livre arbítrio.

Se quisermos voltar a receber o mínimo de respeito necessário a qualquer ser humano, temos que ESCOLHER com assertividade essa opção, e nos comportarmos como se realmente tivéssemos essa intenção.

E para isso temos que revidar as ofensas e não deixar nada barato.

É como em uma cena do filme “Indiana Jones e a Última Cruzada”, em que o personagem principal perde uma peça rara pela qual lutou.

O sujeito que lhe venceu diz: “Você perdeu essa, mas não precisa gostar de perder”.

A mensagem era a seguinte. Mesmo que alguém perca uma batalha, não é preciso passar a vida perdendo. Pelo contrário, as derrotas devem servir como motivação para a obtenção de vitórias.

Vale o mesmo para o cristão conservador.

Hoje, em debates, tua vida é ser ofendido pelos opositores.

Mas não precisamos gostar disso.

Anúncios

1 COMMENT

Deixe uma resposta