Richard Dawkins: sociopata, delirante ou desonesto. Ou os três?

8
103

Não é de hoje que eu defino a crença humanista como uma ideologia que gera comportamentos que beiram a sociopatia.

Basicamente, a doença começa com uma crença visualizando que um paraíso ocorrerá em Terra, e este paraíso ocorrerá somente por causa da participação de um grupo de pessoas (humanistas). A religião seria composta de um grupo de “malvados” que estariam impedindo a “salvação” do mundo pela ciência.

Embutidos desse mantra, que usam por repetição ad nauseam, perdem todas as estribeiras e não demonstram qualquer sinal de decência.

É claro que eu voltei às minhas raízes, e não apresento crenças no cristianismo. Mas tenho muito mais desprezo pelo humanismo de gente como Dawkins.

Uma amostra da periculosidade humanista está neste texto, publicado no blog Bule Voador. (Sim, sim, eu sei, eu ADORO esmagar textos publicados lá…)

Dawkins, como todos sabem, foge de debater com William Lane Craig como o diabo foge da cruz.

A explicação é evidente: Dawkins mente o tempo todo e só sabe executar estratagemas. Truques que, com o mínimo amparo filosófico, são facilmente refutados. A quantidade de fraudes intelectuais é tamanha que basta prestarmos atenção para achar mais de um truque por parágrafo.

O fato é que Craig, como sabemos, é um filósofo cristão EXTREMAMENTE ATENCIOSO durante os debates. Seu nível de detalhismo chega a me incomodar algumas vezes. O mais interessante é que ele desmascara ateus militantes com uma polidez que eu jamais teria.

Dawkins sabe que é praticamente um hacker que teria seu rastro trilhado por um auditor especializado em Segurança da Informação. Picaretas assim, é claro, buscam fugir dos auditores.

Esse é o único motivo pelo qual Dawkins foge do debate com Craig. E fim de conversa.

Mas, como todo bom desonesto, ele tenta maquiar a sua fuga, e a partir daí a coisa se torna ainda mais ridícula para os neo ateus.

Ele começa dizendo que talvez o leitor talvez “nunca tenha ouvido falar de William Lane Craig”. Errado. Já é lugar comum saber que Craig é o cristão mais falado no que diz respeito a debates com neo ateus. Ele já debateu com Sam Harris e Christopher Hitchens…

Portanto, o truque logo de cara é furadíssimo. Dica: fingir que não se conhece um investigador NÃO SIGNIFICA que a pessoa está livre de uma investigação. Assim, fingir que Craig “não é conhecido” NÃO SIGNIFICA que alguém esteja livre de ter seu argumento investigado por ele. *bocejos*

Em seguida, Dawkins fala que Craig se “autopromove como filósofo”. Mentira. Não existe “autopromoção como filósofo”, pois ele é professor de filosofia, e escreveu livros sobre filosofia da religião.

Quando Dawkins diz que Craig talvez seja “um teólogo”, é óbvio que está tentando nos enrolar, pois a teologia PRESSUPÕE a existência de Deus, mas a filosofia não. Basta ler grande parte do material de Craig em que a existência de Deus NÃO É PRESSUPOSTA.

Como se cara pau pouca fosse bobagem, ele diz: “nenhum dos professores de filosofia que consultei jamais ouviu seu nome.”

Mas ele cita os professores de filosofia que foram consultados? Seriam amigos dele? Seria o Steven Pinker? Ou o Sam Harris?

Pois se for ficou fácil: imaginem só que você esteja sendo investigado por um auditor por causa de supostas atitudes de engenharia social no trabalho e esteja para ser processado. Mas aí você chama alguns amigos e diz: “nenhum dos amigos amigos que consultei jamais viu indícios de engenharia social aqui”. E fim! Não precisa mais de auditoria?

Dawkins, isso é FANFARRONICE ao estado da arte!!!

E isso tudo apenas no primeiro parágrafo.

Em seguida, Dawkins usa uma frase que provoca arrepios em todos os pêlos do corpo de sua patuléia: “Isto ficaria muito bem no seu currículo, mas não tão bem assim no meu”.

Finalmente eu concordo com ele!

Um debate entre Dawkins e Craig mostraria Craig demolindo os argumentos do neu ateu com extrema facilidade. Por outro lado, mostraria Dawkins como desonesto e mau caráter, pois todas as mentiras seriam pegas uma a uma pelo “auditor” Craig.

É, verdade, concordo que não ia ficar bem no currículo de Dawkins ir para um debate com Craig…

Assim como não ficaria bem no currículo de um fraudador corporativo passar pela investigação de um BOM AUDITOR.

Não sei se os fiéis de Dawkins perceberam, mas a frase que ele usa como trunfo serviria mais para COMPROVAR A DESONESTIDADE do líder neo ateísta.

Na sequência, ele diz que já debateu “com um arcebispo de New York, dois arcebispos de Canterbury, vários bispos e o rabino-chefe”. E mais, segundo ele: “estou esperando por meu iminente, sem sombra de dúvidas mais civilizado, encontro com o atual arcebispo de Canterbury.”

Ou seja, ele gosta de debater com sacerdotes sem um embasamento filosófico forte, para fingir que “venceu” debates, e daí fugiria de um exímio caçador de fraudes neo ateístas?

Mais uma cuja emenda ficou pior que o soneto…

Algo como: “Olha, para mostrar que eu sou honesto e não fraudo, eu já passei pela auditoria do Zé Bonitinho, do Tonho da Lua e do Bastião… Portanto, não preciso passar pela auditoria de um Auditor certificado em CISA e CISM pelo ISACA…”. Faça-me rir, Dawkins!

Como a cereja do bolo, Dawkins tenta uma cartada: demonizar o oponente. Mais ou menos assim: “vamos ver como eu me viro aqui. Vou tachar Craig de genocida e conseguir alguns aplausos da minha turma, para ver se não me chamam de covarde, mas sim de um herói”.

Daí ele usa o estratagema que já refutei há tempos, na qual diz que “o Deuteronômio manda o fiel sair matando”. Quer dizer, baixou o nível de vez.

Mas, já que estou em nova fase, secular, vou substituir o que Craig falou por NATUREZA.

Exemplo: “A natureza é maravilhosa, nos dá tudo o que temos. Mas, mesmo assim, a natureza pode se voltar contra o ser humano e nos extinguir”. Fim.

Será que é intelectualmente honesto sair gritando aos quatro ventos que eu defendi o extermínio do ser humano? Claro que não.

Já não me surpreende mais que os leitores do Bule Voador aplaudam em uníssono os truques de Dawkins. Para eles, quanto mais mentiras contra o adversário, melhor.

Curiosamente, Craig não apoiou formalmente nenhum genocídio. E nenhuma ideologia usada a favor de genocídio. Já Dawkins, como humanista, é cúmplice moral de todos os genocídios que usaram o discurso humanista. Claramente, ele usa a técnica do “acuse o oponente daquilo que se faz”.

Ele sabe da periculosidade de sua crença, e portanto tenta impor essa periculosidade à crença do Craig.

O que resta, no final, é a constatação: o humanismo leva não só a falhas morais. Mas também a graves falhas no que diz respeito à honra e a dignidade.

E isto já deixa Dawkins próximo do diagnóstico de sociopatia.

Como conclusão final, Dawkins deu uma boa idéia para todos os fraudadores que queiram fugir de uma auditoria.

Dizer frases de efeito, mentir sobre o auditor e afirmar que a auditoria “não ficaria bem no currículo dele, só no currículo do auditor”.

Mas é elementar, meu caro Watson!

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Só pra deixar claro, caso alguém diga alguma coisa:
    Esta ideia do Craig defender genocídio é por causa de uma resposta na qual ele fala do massacre dos cananeus, justificando porque a matança não tornava Deus mau. Foi uma resposta elaborada, mas como sempre a neo-ateuzalhada sequer analisa o evento. Tem um segundo post, no qual Craig dá mais argumentos para justificar a justiça divina, e sequer foi tocado no assunto.

    Passando os links do Craig:

    http://williamlanecraig.wordpress.com/2010/12/20/a-matanca-dos-cananitas/
    http://feracional.net/2010/12/23/moralidade-ordenada-por-deus-e-voluntarismo/

    Deixa só como dado para futuras tentativas de argumentação e chororôs do tipo “ai, Deus é malvado por mandar matar uma nação que queimava crianconhas…”

  2. Comentei essa mentira de Dawkins aqui:

    http://neoateismoportugues.blogspot.com/2011/11/richard-dawkins-mente-portal-ateu.html

    Dawkins não é apenas cúmplice moral de homicídios já cometidos no passado por outros malucos com as mesmas ideias dele.

    Ele está ainda associado a quem pretende, hoje, acabar com o direito à vida dos “menos aptos”. Cito uma parte:

    « Dawkins é moralmente exigente nas suas relações sociais. Ele não consegue apertar a mão a quem defende que Deus pode ser bom e mandar matar. Ele só consegue ser amigo e colaborar com o defensor do infanticídio Peter Singer. O mesmo que diz publicamente ser capaz de matar um bebé deficiente.»

    Prova da confissão assassina de Singer aqui:

    http://paiocomervilhas.blogspot.com/2011/07/ameaca-neo-nazi-em-portugal.html

    Prova da camaradagem ideológica entre Dawkins e Singer:

  3. A bem da verdade, convém dizer que Lane Craig também tem recusado debater com um ex-aluno seu ( ateu). Como disse Victor Reppert ( se não estou em erro), “Craig devia aceitar o desafio, até porque ganharia facilmente.” E concordo. Só para termos uma ideia, esse tipo que o desafia, escreveu que Sam Harris esteve muito bem no debate com Lane Craig.

    • Ah, o almofadinha do John Loftus?
      Ele até que conhece bons argumentos ateístas, mas é muito prepotente e não sabe reconhecer quando perde. Teve até um blogueiro que o despedaçou num post de seu blog (sobre mind-brain), e ele o baniu!
      Creio que o Craig o venceria numa margem apertada.

  4. “Uma amostra da periculosidade humanista está neste texto, publicado no blog Bule Voador. (Sim, sim, eu sei, eu ADORO esmagar textos publicados lá…)” Hehehe… já voltou botando pra foder com o Bule.
    E vejam bem, o Craig sequer vive correndo atrás do Merdawkins. São os promotores dos debates que gostariam de realizar o evento. Craig simplesmente faz cara de riso quando olha a reação nervosa de Dawkins após ter seu coração esmagado por Craig em 10 minutos, na demonstração do livrinho de auto-ajuda “deus, um delírio”.

    “Mas é elementar, meu caro Watson!”

  5. “Uma amostra da periculosidade humanista está neste texto, publicado no blog Bule Voador. (Sim, sim, eu sei, eu ADORO esmagar textos publicados lá…)” Hehehe… já voltou botando pra foder com o Bule.
    E vejam bem, o Craig sequer vive correndo atrás do Merdawkins. São os promotores dos debates que gostariam de realizar o evento. Craig simplesmente faz cara de riso quando olha a reação nervosa de Dawkins após ter seu coração em 10 minutos, na refutação da auto-ajuda “deus, um delírio”.

    “Mas é elementar, meu caro Watson!”

  6. Curioso é que o Gregory – o mais lúcido que frequenta e muito pouco publica no Bule – disse algo certo: Dawkins não é obrigado a saber as coisas que é necessário saber para debater com Craig. E ninguém seria.
    Mais curioso ainda é ele (gregory) esquecer que dawkins fala coisas que não sabe e que o próprio dawkins está constantemente a debater com pessoas que sabem coisas que ele não sabe, o arcebispo é um exemplo.
    Ainda que Dawkins tenha utilizado um ad hominen válido, como defende o Gregory, o argumento seria um tiro no próprio pé, pois igualmente Craig jamais poderia aceitar um debate com alguém que possui o conhecimento de dawkins.
    No fundo, o pessoal do bule, e infelizmente também o Gregory (a quem estimo), não foram capazes de perceber que o buraco era mais embaixo, e que há muito mais m*rd4 por lá.
    Fácil é pensar pouco.

    RESP. LUCIANO

    Esse tipo de atitude do pessoal lá é algo que me surpreendia no início, mas ultimamente não me surpreende mais. Antes eu achava que o pessoal do Bule era um bando de iludidos. Hoje eu os vejo, na quase totalidade, como desonestos.

Deixe uma resposta