Anthony Daniels falando a verdade que os esquerdistas odeiam ouvir

11
228

Nascido em 1949, na Inglaterra, Anthony Daniels é conhecido pelo pseudônimo Theodore Dalrymple. Sob este pseudônimo, ele escreveu vários livros narrando sua experiência como psiquiatra em prisões. Em 17 de agosto de 2011, ele deu uma entrevista à Revista Veja, na qual mostra apego aos fatos e uma visão da realidade que poderá traumatizar alguns esquerdistas.

Abaixo, segue a introdução da Revista Veja, e, posteriormente, a entrevista em si:

O psiquiatra inglês Anthony Da­niels, de 61 anos, é mais conhe­cido em seu país como Theodore Dalrymple, pseudônimo utili­zado por ele em artigos com análises impiedosas mas realistas sobre o siste­ma prisional, o comportamento dos cri­minosos e o vício em drogas, entre ou­tros temas.

Aposentado desde 2005, começou a escrever sobre sua expe­riência de quinze anos como médico em prisões britânicas quando ainda es­tava na ativa, daí a necessidade de assi­nar com outro nome. Antes, trabalhou em países africanos como Tanzânia, África do Sul e Zimbábue. Daniels é autor de 22 livros e colaborador regular de publicações como a revista The Spectator e o jornal The Telegraph. Re­centemente, escritos seus sobre a im­portância da religião foram citados no manifesto de Anders Breivik, o autor do massacre na Noruega. “Não fiquei nada feliz com isso”, diz Daniels. Na semana passada, em visita ao Brasil, ele falou a VEJA.

O senhor costuma dizer que a influência das teses do suíço Jean-Jacques Rous­seau (1712-1778) prejudicou a noção de responsabilidade no mundo atual. Por quê?

Rousseau difundiu a idéia de que o ser humano é naturalmente bom, e que a: sociedade o corrompe. Eu não sou religioso, mas considero a visão cristã de que o homem nasce com o pecado original mais realista. Isso não significa que o homem é ine­vitavelmente mau, mas que tem de lu­tar· contra o mal dentro de si. Por in­fluência de Rousseau, nossas socieda­des relativizaram a responsabilidade dos indivíduos. O pensamento intelec­tual dominante procura explicar o comportamento das pessoas como lima conseqüência de seu passado, de suas circunstâncias psicológicas e de suas condições econômicas. Infeliz­mente, essas teses são absorvidas pela população de todos os estratos sociais. Quando trabalhava como médico em prisões inglesas, com freqüência ouvia detentos sem uma boa educação formal repetindo teorias sociológicas e psicológicas difundidas pelas uni­versidades. Com isso, não apenas se sentiam menos culpados por seus atos criminosos, como de fato eram trata­dos dessa maneira. Trata-se de uma situação muito conveniente para os bandidos, pois permite manter a cons­ciência tranqüila. Podem dizer que roubam porque não tiveram oportuni­dades de estudo, porque nasceram na pobreza ou porque sofreram algum trauma de infância, entre outras des­culpas. “Enquanto a sociedade não mudar, não se pode esperar que eu me comporte de outra forma”, tal é o dis­curso corrente entre os presos.

Por que os intelectuais incentivam esse pensamento?

Intelectuais são, em geral, pessoas muito desonestas. Eles não pensam em si mesmos como irrespon­sáveis, mas costumam atribuir essa ca­racterística a outras pessoas com gran­de facilidade. Ao criarem explicações sociológicas e psicológicas para des­vios de comportamento, eles acabam por desumanizar os criminosos. Um exemplo disso ocorreu na Inglaterra anos atrás, quando houve uma onda de furtos de cano. Os bandidos envolvi­dos nesses crimes, além de lucrar com isso, realmente gostavam da emoção de furtar muitos veículos em um curto pe­ríodo de tempo. Alguns criminologis­tas e psicólogos, ao analisar o fenôme­no, começaram a dizer que furtar car­ros era uma forma de vício. Sobre essa teoria, produziram-se inúmeros estu­dos, alguns dos quais incluíam até exa­mes de ressonância magnética do cére­bro dos bandidos, pára provar que se tratava de uma doença neurológica. Em pouco tempo, os ladrões de carro co­meçaram a me dizer na cadeia que eram viciados em furtar veículos. Eles obviamente não chegaram a essa con­clusão sozinhos. Apenas estavam repe­tindo urna tese produzida por arrogan­tes intelectuais de classe média que desconsideravam o fato de os bandidos serem capazes de escolher entre o certo e o errado independentemente de fato­res externos. Negar sua capacidade de discernimento é O mesmo que diminuir sua humanidade.

Isso também vale para criminosos com prováveis distúrbios mentais, como An­ders Breivik, que matou 77 pessoas no mês passado na Noruega?

Sim. Breivik pode ser louco, mas nem por isso é menos responsável por seus atos. Na tradição legal anglo-saxônica, o mero fato de você ser doente mental não sig­nifica que não esteja apto a responder por um crime. Depende do tipo e do grau da loucura. Suponhamos que os médicos descubram que Breivik tem um tumor no lobo frontal do cérebro. Em casos como esse, o indivíduo pode, sim, ser menos responsável por seus atos. Da mesma forma, muitos idosos com Alzheimer perdem a inibição se­xual e comportam-se de maneira ina­propriada. Há, portanto, algumas doen­ças neurológicas que atrapalham a ca­pacidade da pessoa de ter consciência plena de seus atos criminosos ou antis­sociais. Não acho que Breivik se encai­xe em nenhuma dessas categorias.

É possível arriscar um diagnóstico sobre Breivik?

O assassino norueguês é, ob­viamente, um homem muito estranho. , Ele tentou justificar a matança com um manifesto de 1500 páginas. A leitura de algumas páginas é suficiente para notar características muito claras. A primeira é que ele acredita ter en­contrado as respostas para todos os problemas do mundo. A segunda é que ele é paranóico, pois pensa que há uma grande conspiração destruindo seu país. Terceiro, ele é narcisista. Breivik tem uma idéia muito elevada c exage­rada de sua própria aparência. À parte tudo isso, ele também tem inúmeros ressentimentos pessoais. Seu pai o abandonou quando ele era ainda muito jovem, por exemplo. A verdade, po­rém, é que nada disso serve para traçar o perfil de um assassino como ele. É possível encontrar muitas pessoas com as mesmas características e que nunca fizeram ou farão o que ele fez.

Em seu manifesto, a frieza de Breivik es­tá expressa na convicção de uma verda­de absoluta sobre o mundo. O senhor identificou frieza parecida, beirando a psicopatia, ao analisar a obra de ficção de Cesare Battisti, o terrorista de es­querda que foi condenado por quatro as­sassinatos na Itália e ganhou visto de permanência para viver no Brasil. O se­nhor vê semelhanças entre os dois?

Há semelhanças, sim. Ambos tinham certeza de que, com seus crimes, estavam fazendo o bem. Isso, evidentemente, demonstra que não tinham nenhum senso de proporção. Eles não conse­guiam perceber que sua irritação em relação à sociedade, ao sistema político e ao governo de seu país era, na verda­de, irrelevante e de uma dimensão muito inferior comparada a todos os outros problemas da humanidade. Sem esse freio psicológico ou moral, eles se con­sideraram no direito de dispor da vida de inocentes como bem entenderam.

Como explicar a simpatia de intelectuais e políticos brasileiros por Battisti?

Acho que, na visão dessas pessoas, Battisti teve coragem de exibir uma brutalidade que elas gostariam de ter tido em algum momento da vida. Ao apoiá-lo, elas dão respaldo simbólico a um passado pessoal perdido. Além disso, os crimes perpetrados por esta­dos e grupos totalitários de esquerda ainda encontram justificativa ideológi­ca. Muita gente acredita piamente que os erros cometidos em nome do co­munismo foram por uma causa nobre, o que é um absurdo. Em especial, os intelectuais que compactuavam com o marxismo. Dá para entender: eles eram levados a acreditar que tinham um papel de liderança na sociedade. Com o desmoronamento do Muro de Berlim, foram empurrados para a irre­levância. Tudo o que esses intelec­tuais mais odeiam é uma sociedade que não precisa deles. Por isso, prote­gem indivíduos como Battisti: para reviver um período idealizado.

O senhor é a favor de prender consumidores de drogas?

A maneira como ve­mos o vício de drogas é errada. Trata­mos os viciados como vítimas, incapa­zes de ser responsabilizados por suas escolhas. Isso é falso. Eles não são ví­timas de seu próprio comportamento. Não existe droga tão viciante a ponto de ser impossível livrar-se dela. Os drogados usam os entorpecentes por uma decisão pessoal. Isso não significa que eu não me solidarize com essas pessoas. O estado mental que as drogas induzem é muito atraente para elas, em comparação com sua realidade. Mas, quando cometessem algum crime, ain­da que pequeno, sob efeito de drogas ou para comprá-las, os viciados deve­riam ser forçados a entrar em uma clínica de reabilitação. Se não aceitassem o tratamento, deveriam ser mandados para a prisão. Isso lhes daria motivação para levar a sério o processo de reabili­tação, pois o maior problema com o ví­cio é que as pessoas não encontram ra­zões para parar. O medo da prisão pode ser uma delas. A outra é a certeza de ter uma vida melhor livre das drogas.

A prisão pode ser eficiente mesmo com a facilidade de conseguir drogas atrás das grades?

Sim, porque o indivíduo não estará na rua, violando a lei. A prisão não é uma instituição terapêuti­ca. Sua função principal é prevenir crimes que um condenado poderia co­meter se estivesse solto. Há também evidências de que, quanto mais tempo uma pessoa fica na cadeia, menor a probabilidade de voltar à bandidagem depois de ser libertada.

Penas longas são mais eficientes?

Sim. Na Inglaterra, por exemplo, temos pe­nas muito brandas e poucos detentos. Isso não é bom. A polícia inglesa, muito incompetente, prende apenas um em cada doze assaltantes de casas .. Destes, um em cada treze recebe pena de prisão. Isso significa que apenas um em cada 156 assaltantes cumpre pena em presídio. A média para esse tipo de crime é de um ano de cadeia. Na In­glaterra, isso significa que o bandido é solto em apenas seis meses. Com uma punição tão leve, a pergunta não é por que ocorrem tantos assaltos, mas por que há tão poucos. Meu país deixou de ser uma sociedade ordeira para se tor­nar uma das mais afetadas pela crimi­nalidade, quando comparada a outras da Europa. O número de presos caiu em proporção ao de crimes. Em 1900, para cada 6,5 crimes registrados, havia um detento. Em 2000, eram 114 cri­mes para cada preso. Claro que penas curtas são melhores do que nada. Um bandido reincidente comete, em mé­dia, 140 crimes por ano. Ou seja, se ele for mantido na prisão por seis me­ses, setenta crimes serão evitados, o que também é bom. Um dos argumen­tos contra as penas de prisão é que a maioria dos detentos é pobre, e que is­so é injusto. Ocorre que a maior parte de suas vítimas também é pobre. E, como o número de vítimas é sempre muito maior do que o de bandidos, prendê-los não é uma punição aos pobres, mas um benefício a eles.

A Justiça brasileira passou a ter à sua disposição medidas altemativas à prisão preventiva, como monitoramento eletrô­nico e pagamento de fiança. Isso é bom?

Pela experiência britânica, tais medidas são um desastre. Um terço de to­dos os crimes da Escócia, inclusive es­tupros e assassinatos, é cometido por pessoas em liberdade condicional. Sou a favor desse recurso em algumas cir­cunstâncias, como para crimes não violentos, mas para uso geral é uma tragédia. As tornozeleiras eletrônicas são uma temeridade em lugares onde a administração pública não é eficiente. Nem na Inglaterra a polícia consegue monitorar os criminosos com esses equipamentos. A pena de prestação de serviços comunitários também é um pesadelo. A taxa de reincidência para bandidos condenados a prestar servi­ços comunitários é a mesma dos que recebem pena de prisão: 70%. O pro­blema é que a estatística conta apenas os crimes cometidos após o fim da pe­na. Nada garante que, enquanto estão soltos, prestando serviços comunitá­rios, eles não cometam novos crimes. Por fim, em média, cada detento na In­glaterra já foi condenado outras dez vezes a penas alternativas. Ou seja, não adiantou nada. Basicamente, ao saber que cumprirão penas alternativas e ficarão soltos, os bandidos se con­vencem de que não têm nada a perder ao cometer um crime. É melhor man­tê-los presos, e por bastante tempo.

P.S.: Essa entrevista tem tudo a ver com as estratégias da esquerda, que abordarei nos próximos posts, em especial a estratégia Apologia e Tolerância ao Crime.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. É o tal pensamento do “direitos humanos” : bandido é coitado por que a sociedade o levou a isso.
    Ai temo de ouvir essa pachorra quando um traficante matar e estuprar sua mãe e ainda vê-lo solto porque é réu primario e têm um advogado caríssimo que sabe usar os buracos da lei.

    • Pois é, Albert, até semana que vem vou abordar essa estratégia da esquerda (Apologia/Tolerância ao Crime) e explicar os motivos pelos quais eles agem assim.

  2. Rousseau? Ainda há quem acredite nele em alguns aspectos? O próprio teve de rever, em vida, algumas de suas ideias. E, ora, se o homem nasce bom, mas a sociedade é que o corrompe, quem corrompe a sociedade? Essa é uma pergunta circular, até autodestrutiva. E, obviamente, tem respaldo freudiano: “isso é culpa de algo que aconteceu lá trás, na minha vida, enquanto eu era uma criança, adolescente, algo do tipo”.

    Gostei da matéria.

  3. Einstein disse uma vez que a teoria muitas vezes acaba sendo assassinada pela experiência.
    Esses ditos do Anthony Daniels não estão pautados em teorias malucas, que os esquerdistas adoram repetir, mas sim na experiência prática, nos fatos.
    Agora quanto a reportagem, só não gostei de um trecho da pergunta do reporter: “a frieza de Breivik es­tá expressa na convicção de uma verda­de absoluta sobre o mundo”.
    Se Breivik realmente estivesse alicerçado na verdade, ele não teria feito aquela monstruosidade. Na verdade, Breivik estava alicerçado em uma neurose, que é uma mentira contada para si mesmo em que a pessoa acredita piamente que aquela mentira é uma verdade.

  4. Pelas características psicológicas do Ander Breivik, me parece q a ideologia esquerdista foi desenvolvida por gente com o mesmo perfil q ele, mas no entanto não com a mesma função se desempenhar. Breivik seria um funcional e intelectuais seriam beneficiários e funcionais. Mas enfim, parece q a turminha da esquerda a princípio são criminosos, bandidos q desenvolveram ideias para justificarem seus crimes, e no âmbito político, criarem o império da maldade (como diria Olavo).

  5. Um exemplo: algumas pessoas propagam de forma equivocada teorias de psicologia, como o comportamentalismo, um exemplo é esse coitadismo. O comportamentalismo fala que o ambiente que leva o sujeito a comportar-se e não uma estrutura que chamam de mente. Muitos ao verem isso levam,primeiro, para o lado mecanicista: tal coisa gera tal comportamento, segundo, se é o ambiente eu (ou o criminoso) não mereço ser punido pq a culpa é da sociedade que faz com que ele seja assim.
    Mas esquecem que Comportamentalismo não é determinista, não é “isso VAI causar esse comportamento”, e sim que algumas coisas podem fazer com que certas respostas comportamentais sejam mais prováveis que outras. Só por isso já cai por terra o coitadismo “ai, eu não tive isso ou aquilo por isso eu roubo, tadinho de mim”. Pq por mais que o ambiente influencie, as respostas não são determinadas e não significa que a pessoa não tenha parcela de culpa e “a culpa é da sociedade má”. As escolhas ainda são do indivíduo.

    Outra coisa interessante é que com a punição aprende-se menos. Ninguém aprende nada ficando somente privado da liberdade, pq isso pode ser aversivo p/ mim ou p/ você, mas p/ muitas pessoas não é e ser preso não causa medo nem afastamento de situações que possam resultar nisso.O que eu penso que seria bom para o sistema carcerário é: pensemos o seguinte, o número de reincidentes é grande, isso leva a crer que a prisão em si só pune mas não ensina. Se sabemos que punição não é a melhor saída, podemos aliar à privação de liberdade a oferta de alternativas, por exemplo, fazer trabalhos, cursos, estudar e etc dentro da cadeia, ocupar a cabeça, realizar atividades construtivas e, principalmente, gerar renda. Ao sair da prisão a pessoa tem mais escolhas, aplicar o que aprendeu, e não somente aquela coisa de “meu único destino é o crime por que essa sociedade me obriga a ser assim”;
    Não por acaso as pessoas costumam não contratar ex-presidiários, e não é propaganda na globo que vai convencê-los a fazer o contrário, se já sabem que a prisão não ensina nada, como exigir que pensem: “que lindo um ex presidiário trabalhando no meu estabelecimento!”. Penso que a alternativa que comentei ajudaria a minimizar de forma eficaz esse estereótipo e esse medo (que é mais questão de defesa que de discriminação maldosa).

  6. Hehehehehehehe, olha essa entrevista que eu perdi, engraçado que conhecia o Theodore mas não tinha noção da aplicabilidade dele para a própria segurança pública, que interessante.

    O que é interessante nessa entrevista foi o fato do entrevistador ter ficado embaraçado com a questão das drogas.

Deixe uma resposta