Jogo esquerdista: Obtenção de autoridade moral

9
84

Última atualização: 15 de junho de 2013 – [Índice de Jogos] [Página Principal]

De todas as estratégias da esquerda, seja durante a execução do framework completo como de qualquer uma de suas rotinas, aquela que é de prioridade número 1 de execução é a “Obtenção de Autoridade Moral”.

Tecnicamente, esta característica não está só presente em ideologias como marxismo, humanismo, positivismo e outras do tipo, como também em doutrinas que alguns classificam como “de direita”, como o nazismo e o fascismo. Mas, como sabemos, essas duas ideologias são coletivistas, ao invés de individualistas. O pensamento de direita (ou conservador) é essencialmente individualista.

O mais importante no momento é definir por que a obtenção de autoridade moral é tão fundamental. Tanto que, sem a implementação desta estratégia, todas as outras perdem parte de seu efeito.

Existem contextos conservadores no qual a obtenção da autoridade moral existe. Por exemplo, muitos conservadores são católicos, e acreditam que o Papa não erra (a questão da infalibilidade papal). Isso dá, automaticamente, uma autoridade moral ao Papa. Mas não é um problema tão crítico, por causa da sociedade laica.

Isso tudo se torna crítico quando vamos para o cenário político, em que a obtenção de autoridade moral de um grupo sobre o outro tende a fazer com que o primeiro seja ouvido, e o segundo, ignorado. Somente pela obtenção da autoridade moral.

Vamos a um exemplo bem simples. Imagine que você coma carne diariamente. E então apareça um vegetariano, afirmando que o ato de comer carne é indigno, vil e cruel. Automaticamente, ele vai se colocar do lado dos animais, as criaturas “sofridas” por causa de seres cruéis (aqueles que comem carne). Ele poderá usar imagens de animais sofridos em fazendas de criação de vitela para impressionar o público e jogá-los contra você. Se obtiver sucesso, poderá até conciliar com outra estratégia, “A Retórica do Ódio” (da qual falarei em breve), e deixar todos com raiva de você. E a partir daí ele terá conquistado a imagem de alguém que protege os animais contra os “malvados”. Observe que ele poderá convencer a platéia de que os interesses deles são tão altruístas, mas tão altruístas, que ele defende não só os humanos, como também os animais. E assim ele defenderia a criação de uma regra na qual os humanos poderiam viver em paz, e os animais também. Enfim, ele obtém a autoridade moral perante a platéia.

É claro que os animais que deixarem de viver em fazendas de criação estarão vulneráveis às leis da selva, podendo ser predados por outros animais, ao invés de servirem de alimentos aos humanos. Mas isso tudo é omitido do discurso do vegetariano. Ele omite obviamente pois isso não é importante para a propaganda dele. O centro da propaganda é tentar convencer a platéia de que os interesses dele são mais nobres, e portanto alguém com autoridade moral sobre os demais.

Para compreender a questão da autoridade moral, é preciso saber a diferença entre autoridade jurídica e autoridade moral. A autoridade jurídica é aquela imposta por obrigação. Por exemplo, um oficial da lei possui autoridade jurídica sobre o cidadão comum caso este esteja cometendo delitos. Já a autoridade moral não é imposta por obrigação, mas por aceite aparentemente espontâneo daqueles que se subordinarão a alguém. No caso, a subordinação ocorre por que alguém possui mais conhecimentos (em uma organização, por exemplo), ou por que possui interesses mais nobres do que os demais (especialmente no debate político).

No exemplo do vegetariano, todo o discurso estaria planejado para mostrar que ele possui interesses mais nobres do que aqueles que comem carne.

Na questão de apresentar “nobrezas” de interesses, aí os socialistas (assim como os nazistas) são especialistas. Por ambos serem coletivistas, é mais fácil para eles convencerem a platéia de que estão lutando por um “bem maior”, ao invés dos individualistas, que teriam a sua imagem vendida ao público como se fossem pessoas que só pensam em si mesmas. (Naturalmente, nem de longe isso é um fato, mas o que importa nessa estratégia é o convencimento da platéia, e não os fatos em si)

No caso desta estratégia em específico, há uma enorme quantidade de rotinas de argumentação e rotinas de frame. Em relação às rotinas de frame, em especial, muitas delas são especialmente desenhadas para atenter à estratégia de obtenção de autoridade moral.

Veja como exemplo as rotinas de frame Auto cético, Cético universal e Sou liberal. Cada uma delas, se não refutada, garante a obtenção da autoridade moral para o esquerdista.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Luciano.

    Viste a entrevista da Beth Carvalho sobre comunismo?

    Se não viu, não deixe de buscar no google e se divertir com as reações e respostas dela. Hahuahuhaa.
    O “Anti-Americanismo” é parte integrante do pacote dos esquerdistas de hoje.

    Conheço um metido a militante comunista no orkut que não faz outra coisa a não ser bradar seu ódio contra os EUA e tudo que vier de lá. E louvar seus idolos, Fidel Castro, Lenin, Mao Tse Tung…..e qualquer um que se opor ao EUA como Kadalfi e este último que morreu na Coreia do Norte ….

    Ele chegou ao ponto de falar em investida militar contra EUA e Europa.
    E pra fechar o pacote, não acredita em “nada” que sai na mídia famosa, “Globo, Veja, Época, Revistas da Abril Ou seja lá o que for!“ . Só valem fontes “de esquerda”, aquelas cheias de teorias de conspiração….

    • É divertido que eles mostram padrões. Eu vou abordar a estratégia do anti-americanismo nessa seção também. Por enquanto, mapeei 21 estratégias (e mais de uma centena de rotinas). Vai dar trabalho, mas acho agradável fazer isso.

      Tem o link dessa entrevista da Beth Carvalho? Quero ver, pois sempre é fonte para material aqui.

      Um abraço,

      LH

      • Eu ia falar a mesma coisa que o Jordan =P A infalibilidade papal só ocorre em pronunciamentos de doutrina(tanto é assim, que o Papa João Paulo II se confessava toda semana… Não me parece algo que alguém que não erra faria). Mas comprendo o engano, eu mesmo já me expressei mal me referindo a infabilidade papal. =)

  2. Só no individualismo existe o respeito, a dignidade e a liberdade ao ser humano, pois vc é tratado como único, uma pessoa de fato.
    E no coletivismo vc é tratado apenas como um número de série, sendo ditado e escravizado por interesses de uma convenção de meia dúzias de líderes que alegam saber o que é melhor para vc.

  3. Do ponto de vista metodológico, em minha modesta opinião, quem fez a melhor distinção entre coletivismo e individualismo foi Karl Popper no livro “A Sociedade Aberta e seus inimigos” (“The Open Society and its enemies”), sua obra seminal de filosofia política. Ele demonstra que, ao contrário do que era (ainda é) propagado, o altruísmo está com o individualismo e nunca com o coletivismo totalitário.

Deixe uma resposta