Olavo de Carvalho deixando uma entrevistadora de esquerda sem chão

13
113

 

Quando aprendi a essência do ceticismo (e vi sua aplicação contra projestistas astrais em uma comunidade do Orkut), notei que sempre havia uma sensação de “perda de chão” por um crédulo que via sua crença demolida pela apresentação de fatos mostrando a invalidade desta crença.

Nesse vídeo (que também pode ser visto no site Mídia sem Máscara), Olavo de Carvalho concede uma entrevista a uma entrevistadora da Istoé. Momentos em que Olavo aproveita para demolir toda e qualquer esperança esquerdista de que “as revoluções são feitas pelo povo, e para o povo”.

Ele mostra, com fatos, que as revoluções só estão ajudando na verdade os grupos de poder. Comprovando, como sempre tenho dito, que esquerdista (assim como qualquer humanista), SEMPRE SERÁ massa de manobra. (Se for do tipo funcional, claro).

Todos esses militantes de esquerda que REALMENTE acreditam nos ideais da esquerda tem uma SERVENTIA, que é simplesmente dar poder aqueles líderes de esquerda que optaram por essa via de discurso.

E para chegarmos a essa conclusão, podemos fazermos uma análise científica.

Imagine se alguém aparece a você e diga que tem um tônico contra a queda de cabelos.

Qual a reação cética? Obviamente, pedir testes (ou evidências de testes, sem viés) na qual um grupo de controle tenha tomado o tônico capilar, certo? Temos que comparar os resultados, do grupo de controle que tomou o tônico, e em outro grupo que não tomou.

Mas e se as pessoas do grupo de controle que usou o tônico não mostrassem nenhum ganho no experimento. Mais ainda: imaginem que as pessoas apresentassem QUEDA MAIOR de cabelos em relação a antes de tomarem o tônico?

Qual a constatação que teríamos? Simples: (1) o remédio não funciona, OU (2) prejudica os cabelos, ao invés de ajudá-los.

Nesse tipo de investigação, pensar assim é pensar cientificamente.

E o que temos de alegação “core” de muitos esquerdistas: “nós defendemos uma idéia que LEVA A justiça social”.

Devemos entender a “justiça social” como se fosse a “redução da queda de cabelos” no exemplo anterior do suposto remédio.

Um dos argumentos centrais é que, na “justiça social”, os “poderosos” perdem, para que os “oprimidos” ganhem. Ah, então temos que testar isso.

Onde devem ser feitos os testes? Não precisamos nem organizar, pois já temos vários países onde o experimento já foi feito: China, Cambodja, Rússia, etc. E temos outros países onde o experimento também está sendo feito, mas em menor escala (pois não conseguiram dar o totalitarismo suficiente para os líderes de esquerda): Brasil, Estados Unidos, toda a Europa.

Para comprovar a alegação de esquerda, teríamos que ver os DONOS DO PODER (os principais, é claro) perderem seu poder, em PROPORÇÃO ao aumento do poder da classe oprimida.

Mas o que vemos? Em todos os exemplos, vemos que os donos do poder estão ficando cada vez MAIS PODEROSOS. (Aliás, o Fidel Castro é uma das pessoas mais poderosas do mundo…)

Das duas uma, ou o remédio não funciona, ou ele é feito não para corrigir um sintoma, mas para amplificá-lo.

A esquerda, como eu sempre tenho afirmado, não é criada para “ajudar os pobres”, mas sim para dar mais PODER aos donos de poder (que tenham optado por essa via de discurso, é claro) através de um discurso que apela a uma série de instintos emotivos da patuléia que acredita neste tipo de conversa. A crença da patuléia é uma fé cega. Mas tem espertos que se beneficiam disso.

Ou seja, ao investigarmos criticamente todas as alegações de esquerda, tiramos o chão dos militantes esquerdistas.

Em um dia o sujeito acredita que está “lutando pelo mundo melhor”. Mas basta mostrarmos os fatos e mostrando que ele está lutando na verdade pelos líderes de esquerda, para que eles fiquem mais poderosos. (E que as organizações que os apóiem fiquem também mais poderosas)

E se você achar que isso irá “acordá-los” de um transe, melhor desistir. Pois, como já disse, o Efeito Backfire é poderoso.

E o que resta à jornalista Rachel Costa fazer? Nota-se a voz dela, fragilizada, ao receber as informações de Olavo que tiram dela todas suas ilusões. É impagável o momento em que ele pergunta algo mais ou menos assim, para a entrevistadora: “Os grupos de poder ficaram mais poderosos ou menos?”. Ela: “Ficaram do mesmo jeito”. Ele: “Ficaram iguais nada. Aumentaram seu poder”. (Aliás, será que esquerdistas tem que esconder até a revista Forbes para não verem os fatos?)

O que resta a ela, e aos demais ideólogos de esquerda da Istoé, é não publicar a entrevista mesmo. Tentar no máximo fingir que ela jamais ocorreu.

E, depois, com a crença fragilizada, reunirem-se de novo entre amigos militantes em uma mesa de bar e ficarem conversando umas 2 ou 3 horas, REFORÇANDO de volta sua crença no esquerdismo.

Assim, os esquerdistas se protegem psicologicamente, mentindo para eles próprios.

Restará a eles, é claro, transformarem Olavo de Carvalho em um vilão.

Espere, mas isso eles já fazem. A comunidade de esquerdistas, “Olavo de Carvalho nos Odeia”, atende a esse objetivo.

A reação dos esquerdistas não é diferente da reação de crentes na leitura da borra do café que tenham tido suas crenças esmagadas:

  • (1) toma-se uma traulitada enorme, ao ver suas crenças queridas reduzidas a pó
  • (2) surge o sentimento de perda de “chão”
  • (3) junta-se com os amiguinhos para reforço da crença, através do Efeito Backfire
  • (4) demoniza-se o questionador
  • (5) ficam confiantes de novo

Podem estudar o comportamento daqueles esquerdistas que vocês executarem e testem essas reações.

São coisas assim que podem tornar nosso empreendimento de debater com eles algo divertido.

O esquerdista em debate conosco passa a ser não mais que um macaco de laboratório.

Anúncios

13 COMMENTS

  1. OLAVO: E está acontecendo isso, e mais isso, mais aquilo tanto, e mais isso….
    ENTREVISTADORA: anham…
    OLAVO: Isso ocorre por causa disso, que veio disso, com mais aquilo….
    ENTREVISTADORA: âââ…anham….
    OLAVO: e hoje tá assim por causa dessa putada esquerdista toda, e mais isso, por causa disso e vai acontecer aquilo…
    ENTREVISTADORA: / 404 Error, File Not Found /

  2. Interessantíssimo esse comentário sobre a mesa de bar. Dá pra ver isso acontecer naquele poço de ignorância chamado Conservapedia: Perdem o chão ao ver o criacionismo cada vez mais longe das escolas (por decisões judiciais, pelo fiasco do “Design inteligente”), juntam-se com os amiguinhos num site em que só eles podem editar, demonizam os adversários (Evolução ajudou o nazismo) e ficam confiantes de novo (campanha “Question Evolution!”).
    Efeito Backfire é mais um comportamento aparentemente absurdo que a Psicologia Evolutiva ajudou a explicar. Parece que a cada explicação da Psicologia Evolutiva, a visão da realidade fica mais feia do que já é.

      • É bem interessante quando alguém defende os argumentos da “oposição”, por exemplo o filósofo cristão Niki Trakakis escreveu “The God beyond belief”, em que defende o Argumento do Mal de William Rowe.
        Mas quanto ao Design Inteligente, não dá pra falar que o projeto não foi um fiasco em relação aos objetivos traçados no “Wedge Document”, de 2003. Por exemplo, eles queriam que em cinco anos o DI fosse aceito nas escolas (com dez Estados aceitando isso), duas universidades aceitando DI como visão dominante, uma centena de artigos científicos, DI virando conceito-chave nas ciências sociais… estamos em 2012 e o máximo que conseguiram foi uma derrota na suprema corte.

      • Argumentos “non sense”. Admitindo-se, apenas por argumentar, que todo o seu comentário fosse verdadeiro, isso, em nada, afeta o Design Inteligente. Demais disso, nessa “conversa de bar”, Dawkins discorda integralmente de você.

      • “Argumentos “non sense”.” – Mostre em quê que eles são “non sense”. Do contrário, você está cometendo a Falácia do argumentum ad lapidem.
        “Admitindo-se, apenas por argumentar, que todo o seu comentário fosse verdadeiro, isso, em nada, afeta o Design Inteligente.” – E quando eu disse que afetava? O meu comentário foi sobre o COMPORTAMENTO torpe dos conservapedistas, que depois de verem seu projetos fracassados se juntam para demonizar os adversários, como o Luciano descreveu.
        “Demais disso, nessa “conversa de bar”, Dawkins discorda integralmente de você.” –
        Primeiro que o vídeo é suspeitíssimo. No meio da conversa sobre a POSSIBILIDADE de o design ser explicação, eles cortam a fala do Dawkins, não deixam ele terminar o raciocínio e cantam que ele admitiu o DI. Isso é o estratagema da “Falsa proclamação de vitória”. Dawkins disse que demonstrar o DI seria POSSÍVEL se fossem encontrados indícios de design nas estruturas celulares (a tal assinatura). E mesmo assim, ele diz que tal designer teria que ter surgido por outro processo, como a seleção natural. Ele não disse que o designer poderia ser sobrenatural, e nem que ele achava que o design fosse a explicação MAIS PROVÁVEL. Quanto ao admitir o DI como ciência, Dawkins no máximo disse que é uma pesquisa que PODE ser feita. Daí para dizer que é uma ciência legítima para fazer parte do currículo escolar é um salto gigantesco.
        Segundo que mesmo que o Dawkins CONCORDASSE (o que ele não fez) que o DI fosse verdadeiro… e daí? Dawkins não é meu papa nem meu messias para eu precisar da aprovação dele, e isso não afetaria o consenso científico da Evolução. Eu poderia até citar cristãos como Ken Miller que criticam publicamente o DI.
        Só para retomar o ponto do meu comentário:
        1- Criacionistas perdem o chão ao verem ser demolida a crença de que vão substituir o naturalismo científico por sobrenaturalismo (“ciência teísta”), como mostrado no “Wedge document” (que comprova que a intenção do DI era doutrinação religiosa, e o próprio Discovery Institute admitiu a veracidade do documento).
        2- Juntam-se na “mesa de bar” (a Conservapedia), onde não encontram oposição (só quem eles deixam pode editar os artigos) e podem ficar lá reforçando suas crenças com seus amiguinhos.
        3- Demonizam o adversário: “Hitler era ateu, Hitler era evolucionista, evolucionistas são ateus, ateus são gordos, ateus não pegam ninguém, Evolução leva ao racismo, ateus/evolucionistas aprovam sexo com animais, evolucionistas são irracionais” foi o que eu achei em APENAS DOIS artigos.
        Fontes: http://conservapedia.com/Evolution e http://conservapedia.com/Atheism
        4- Ficam confiantes de novo (Campanha “Question Evolution!”, dizem que eles são o “Davi” contra o “Golias” ateus/evolucionistas).
        Esse comportamento é exatamente o que o Luciano descreveu no artigo.
        Se quiser me refutar, prove que esses pontos são falsos. Assim, a Conservapedia não seria a “conversa de bar”. Não adianta dizer que fulano ateu diz que DI pode ser ciência.
        Vai encarar?

      • Leo, sei que a maioria dos leitores do meu blog são cristãos, mas não posso deixar de concordar com você em gênero, número e grau neste post. Abs, LH. (aos leitores cristãos, peço que me entendam. Se eu defendo um método de ceticismo, e um framework de ceticismo, que estou aplicando aos poucos, além de estudar a Dinâmica Social dos debates políticos, este método se aplica tanto a ateus como teístas, tanto a quem é de direita como é de esquerda)

      • Leo, respondo aqui, porque não encontrei o link “Responder” abaixo de seus últimos comentários. Inicialmente, não se trata de “encarar” ou “não encarar”, mas apenas e tão somente de convicções diferentes. Digo mais, após ler sua última manifestação, pude perceber que temos alguns pontos em comum, como por exemplo, o fato de eu não ser “Criacionista” e de Dawkins não ser meu “Papa”, nem meu “Messias” (nesse particular, aliás, meu respeito por você aumentou).
        Peço-lhe, ainda, licença para, neste espaço, fazer um breve destaque, acerca dos dizeres do Luciano, a respeito de sua resposta a mim. Como ele se referiu aos “Cristãos” e não especificou o termo, é pertinente ressaltar que o fato de ser Cristão não significa, necessariamente, que se seja Criacionista e nem tampouco que seja adepto do Design Inteligente. A pessoa pode ser cristã e ser um evolucionista; pode ser cristã, aderente ao DI e não ser criacionista. Alister McGrath, Francisco Ayala, entre outros são exemplos de cristãos evolucionistas.
        Com relação aos “argumentos non sense”, eu me referi ao segundo comentário feito por você e os reitero aqui. Todos sabem que argumentos non sense são aqueles que não servem de fundamento daquilo que se quer afirmar e nem de sustentáculo do que se pretende provar.
        Você disse que “quanto ao Design Inteligente, não dá pra falar que o projeto não foi um fiasco em relação aos objetivos traçados no “Wedge Document”, de 2003″, expôs os objetivos que seus idealizadores almejavam, mas “o máximo que conseguiram uma derrota na suprema corte”.
        Essa é, sem dúvida, uma asserção depreciativa, irônica, sarcástica e cáustica, que demonstra, pelo menos, um certo desprezo pelo DI.
        Mas veja bem, admitindo como verdadeiro tudo o que você disse, isso não retira o caráter científico do DI. Se for verdade que ele não (ainda) não foi aceito nas escolas; se for verdade que “conseguiram” apenas uma derrota na suprema corte (você não disse qual suprema corte), nada disso tem validade para suprimir o caráter científico do DI.
        Somente argumentos científicos (e pertinentes ao tema) é que, se verdadeiros, poderiam afetar a credibilidade científica do DI, e nada do que você disse tem essa particularidade, porque você não disse nada de científico.
        Por outro lado, muitos evolucionistas/ateus perdem o chão ao verem questionada a Teoria da Evolução e aí se juntam numa “mesa de bar” “onde não encontram oposição e podem ficar aí reforçando suas crenças com amiguinhos” – vide link http://www.youtube.com/watch?v=9DKhc1pcDFM.
        Esses mesmos evolucionistas/ateus são primorosos em dizer que todos os problemas do mundo, todas as guerras, morticínios etc., são culpa das religiões (vide Deus, Um Delírio), enquanto se deliciam em falar mal de Deus – http://ateus.net/artigos/critica/o-que-e-religiao/ – do Papa de de Cristo – http://www.ateismo.net/2011/12/27/o-papa-acredita-no-que-diz/ – isso só para citar alguns.
        Depois, esses evolucionistas/ateus, saem felizes, cantando vitória – http://ateus.net/artigos/ateismo/ateismo-o-caso-contra-deus/http://ateus.net/artigos/entrevistas/entrevista-com-andre-cancian/
        “Esse é exatamente o que o Luciano descreveu no artigo”
        Quanto ao caráter científico do DI, sugiro que veja o debate entre William Lane Craig e o Prof. Ayala. Se quiser é só procurar na internet.
        Não posso, entretanto, terminar essa manifestação, sem antes reconhecer a sua cultura, capacidade e inteligência, que ficaram evidenciadas nas poucas palavras que aqui deixou. Penso, apenas, que estamos em campos diversos.
        Seja como for, um Feliz 2012.

      • Olá Luciano.
        É bom saber que você concordou com meu texto, sinal de que eu fui rigoroso.
        Olá, João.
        Concordo plenamente que ser cristão não significa ser criacionista (no sentido estrito) nem aderente do DI, tanto que há a idéia da Evolução Teísta, aceita por 70% das pessoas no Brasil.
        Quanto à depreciação do DI, só citei fatos comprovados: é um projeto educacional e cultural que parou na Suprema Corte dos EUA no caso Kitzmiller v. Dover Area School District por ser inconstitucional e por ser uma tentativa de doutrinação religiosa dentro das aulas de ciências. Pode ver isso no wedge document, do Discovery Institute:
        http://pt.wikipedia.org/wiki/Estrat%C3%A9gia_da_cunha e http://www.antievolution.org/features/wedge.pdf
        Quanto a essa derrota invalidar o caráter científico do DI, um ponto importantíssimo da sentença foi que DI não era ciência e não podia assim fazer parte do currículo escolar. Nas palavras do juiz John E. Jones III, numa tradução minha, o DI falha como ciência “em três níveis diferentes, qualquer um deles suficiente para invalidar o DI como científico. São eles (1) o DI viola as centenárias regras fundamentias da ciência por permitir causação sobrenatual; (2) o argumento da complexidade irredutível, central ao DI, apresenta o mesmo dualismo ilógico que derrubou a “ciência criacionista” na década de 1980 [que se em um aspecto o evolucionismo é desacreditado, o DI é confirmado]; e (3) os ataques dos proponentes do DI ao evolucionismo foram refutados pela comunidade científica.” Ou seja, o juiz disse que a falta de caráter científico do DI é exatamente o que torna seu ensino inconstitucional. Não dá para falar que essa derrota não é um indício da falta de mérito científico do DI.
        Quanto a ateus terem o comportamento da mesa de bar, eu acho bem possível que isso ocorra entre os neo-ateus, pois a militância e a falta de rigor intelectual dos líderes deles abre a possibilidade para que suas crenças sejam refutadas. Como o Luciano bem disse, esse comportamento pode vir de qualquer grupo humano.
        Já quanto ao debate entre Craig e Ayala, acho que foi muito pouco representativo da questão. Concordo que Craig, graças à sua espetacular habilidade como debatedor, ganhou facilmente o debate, e Ayala não apresentou caso algum contra o DI. Por isso o debate na Suprema Corte foi muito mais representativo: era uma questão de “vida ou morte”, tanto que o próprio Michael Behe participou.
        Se você quiser ver o que Ken Miller, Ph.D em biologia e evolucionista teísta, tem a dizer sobre sobre o DI (ele participou do julgamento do lado contra o DI), com destaque para alguns momentos:
        39:15 – 45:10 Refuta a complexidade irredutível do flagelo bacteriano.
        45:00 – 49:44 Refuta o exemplo da coagulação sanguínea.
        49:30 – 51:20 Mostra que o sistema imunológico pode evoluir.
        55:35 – 56:18 Mostra que os defensores do DI admitem que este é sobrenaturalista.
        http://www.youtube.com/watch?v=JVRsWAjvQSg
        Por fim quero reconhecer que o debate está estimulante intelectualmente estimulante e retribuir os elogios.
        Abraços e feliz 2012 para todos!

  3. Da pra provar que a mulher ao telefone é mesmo Rachel Costa?Essa entrevista me parece suspeita,teve menos que 10 pergundas até hoje não vi uma entrevista na Istoe sem ter no minimo 10 perguntas.Sendo que so duas parecem ter sido pre-selecionadas.Agora me explique o que a familia real britanica ganha apoiando os muçumanos.

  4. Leo, venho aqui apenas para lhe dar uma satisfação acerca do nosso “debate”. Deixo de lhe responder, mais detidamente, neste momento, porque estou em um pós operatório que me impede de dispôr de mais tempo para deixar aqui uma resposta condizente com o nível de sua cultura. Acho que a minha “Evolução” não foi bem concluída, ou meu “Design” não é tão “Inteligente”.De qualquer maneira, assim que me restabelecer, volto para continuarmos a nossa agradável conversa.
    Em tempo: Pude assistir ao vídeo que me indicou e o considerei bastante inteligente, lógico e coerente, embora eu não concorde com todo o seu teor. Mas isso fica para quando os médicos me autorizarem.
    Um abraço.

Deixe uma resposta