Uma ação da esquerda terrorista contra o estado de direito

11
83

Segundo notícia da Folha.com, o policial do vídeo acima foi afastado por ter dado uns safanões (que não foram nem tabefes) em um invasor de propriedade da USP.

É uma situação revoltante para cidadãos que pagam seus impostos e entendem o que é viver em sociedade.

Eu mesmo, por exemplo, jamais pratiquei invasão ao patrimônio dos outros. Já os “estudantes” do vídeo estavam em uma situação de invasão. Obviamente, um ato criminoso.

Para piorar, o segundo vídeo ainda mostra coisas mais aviltantes, como os meliantes desafiando a polícia. Um deles, em pleno desacato à autoridade, chama o policial de racista. Veja abaixo:

De novo, atenção: vejam as contínuas ofensas lançadas contra o policial. A mais frequente delas, como eu já disse, foi “racista, racista!”.

Então, vamos aos fatos, em relação ao jogo de erros vistos na situação.

O policial errou, e feio. Mas não em relação a ter retirado o meliante à força. Quanto a isso, o policial fez sua OBRIGAÇÃO. Eu, como cidadão, pago impostos e ajudo a manter aquela tal de USP.

Ora, se eu pago impostos, aquilo também é meu patrimônio, e TEM QUE SER USADO para que os alunos estudem. Eu não pago impostos, que sustentem a USP, para que eles façam mau uso daquele recinto.

Portanto, o policial, ao tirar o vagabundo, estava defendendo o MEU direito.

O erro dele foi SE JUSTIFICAR para os criminosos. De fato, foi patético vê-lo dar explicações para os “estudantes”.

Considerando a Dinâmica Social, se você der satisfações a quem NÃO DEVE receber satisfações, automaticamente você estará dando ao outro um poder que ele não tem.

O máximo que os meliantes deveriam ter feito é registrar sua queixa posteriormente, mas não tentar impedir uma ação policial com pressão.

Entretanto, o maior erro de todos foi o afastamento do policial por parte do estado.

Vejamos. Dentre os invasores, nenhum saiu ferido. E o local foi desocupado. Isso significa uma ação policial com sucesso.

O governador deveria ASSUMIR PUBLICAMENTE a defesa moral do policial e mostrar que ele fez o seu trabalho.

Entretanto, ao afastá-lo, aceitou a pressão psicológica dos invasores, e então forneceu automaticamente aos baderneirosuma autoridade moral que eles jamais mereceriam.

E segundo o Correio do Brasil, Alckmin foi ainda além em sua torpeza. Ele afirmou: “Houve um erro, e (o policial) vai ser punido. A polícia tem uma corregedoria muito firme. Nós não toleramos nenhum tipo de abuso.”.

Para piorar, é uma atitude de extrema covardia, pusilânime até, deixar que um dos desocupados ofendesse publicamente um policial chamando-o de “racista”, sem que tenha sido comprovada efetivamente uma ação de racismo.

Logo, se o estado não processar esse sujeito que ofendeu o policial (e, como eu já disse, é um processo que pode ser qualificado como injúria, calúnia E difamação), estará em público assumindo sua incapacidade de fazer cumprir as leis básicas. Isso significa que o estado estará dando carta branca para esse pessoal avançar cada vez mais em suas atitudes terroristas.

Se em 2006, criminosos assassinaram vários policiais no Salve Geral, em uma ação do Primeiro Comando da Capital, de onde terá surgido a idéia de que policiais são pessoas que não merecem respeito? É claro que é de uma cultura de esquerda que idolatra o criminoso e demoniza a polícia.

Toda essa ação de demonização da PM no Campus da USP deveria ser repelida da mesma forma que tratamos uma doença venérea.

E, lamentavelmente, enquanto isso, as autoridades continuam dando razão aos esquerdistas.

Ou seja, o invasor de uma propriedade, claramente um criminoso, é tratado como “vítima”, e um policial que fez o seu trabalho (errando apenas em se justificar aos criminosos, único momento no qual ele falhou na Dinâmica Social) é afastado, injustamente acusado de “excesso de autoridade”.

Ora, se um policial não pode retirar um invasor de um lugar que está sendo invadido, então já esquecemos que a função da polícia é, antes de tudo, manter a ordem.

Infelizmente, ao tomar partido dos meliantes, o estado está novamente incorrendo em riscos, que, no passado, já se materializaram.

Que sejam moralmente responsáveis pelas consequências resultantes dessa covardia.

* Esta é uma versão revisada do texto publicado às 20:00 hrs. *

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Sobre o vídeo no YouTube, já deixei minha opinião registrada lá, só não lembro o pseudônimo que eu usei 🙂

    Quanto ao (des)governo ds SP, putz, ele conseguiu pisar na bola MAIS UMA VEZ (grrr)
    Há alguns anos, ele transformou o dia 2 de janeiro (que foi numa segunda-feira) em “ponto facultativo”, para dar um feriado prolongado imerecido aos funcionários públicos. Resultado? Um monte de gente que havia marcado consulta médica nas unidades de saúde estaduais para aquele dia, simplesmente “dançou”.

    -.-

  2. Pergunta: O muleque que tava filmando mandou: “Isso é uma aula de democracia???”. Que diabos a democracia tem a ver com isso?!?! O cara desrespeita a Lei e quer o que? Uma votação entre os presentes pra decidir se eles podem ou não ficar alojados no local? Que tosqueira.

    Aí o cara pede a carteira de estudante de um aluno, que não mostrou e “agrediu”(fala sério, né?) o cara. O cara era negro, de fato, mas isso não é racismo cara. O homem a quem ele pediu a carteirinha não a apresentou, ele iria exigir de outro aluno? Que loucura!

    Melhor ainda é o estudante se explicando: “Ele pediu pra eu mostrar a carteirinha e eu me recusei”. Pô, então você pediu por medidas mais drásticas, criatura! Se tava com a carteirinha porque não entregou logo e resolveu o problema? Só podia estar querendo confusão. Tanto o policial não era racista, que o próprio estudante disse que “quando apresentei a carteirinha ele me soltou”. Se fosse racista, ainda estaria tentando arranjar algum problema no menino. E que tipo de agressão é essa que não deixa uma dor no corpo do indivíduo? Palhaço.

    Depois, os estudantes dizem que o Policial “invadiu o local”… Ah, tá. Porque os estudantes não tinham invadido não. Ou seja: O estudante pode invadir o local, e o policial está proibido de entrar para retirá-los. O cara que mais xingou o PM de racista foi ameaçado de ser preso, e o que mais me espantou foi o outro: “PRENDER PORQUE?!”. Oras, por desacato à autoridade, inteligência. Já deveria ter sido preso, aliás.

    Depois: “Ele não te desacatou”… Só pode ser sacanagem. Nem dá pra acreditar na desonestidade desses estudantes. E depois ainda “você colocou a mão nele”. Desculpe, me esqueci que estudante negro era intocável(?)… Vergonha desses estudantes. No resto, concordo com o Luciano

  3. O que tem de blog esquerdista choramingando quanto a “opressão” contra os estudantes da USP não é brincadeira…

    A propósito Luciano, vc conhece o blog do “esquerdopata”? Ali tem material pra vc se divertir à beça.

  4. http://www.jornalarcadas.com.br/congregacao-torna-rodas-persona-non-grata/
    Impressionante como o atual reitor da USP conseguiu unir a Direita e a Esquerda da Faculdade de Direito… CONTRA ELE.
    Talvez esse seja um dado importante para entender a oposição à PM na USP. Rodas é comprovadamente autoritário, é aliado político do atual governo de SP (foi nomeado pelo Serra, apesar de ser o 2º mais votado, e o PSDB continua no poder com o Alckmin) e a PM é subordinada justamente… ao governador do Estado. Assim a oposição à PM no campus parece bem longe de ser apenas “quero fumar maconha, tire os PMs daqui”.

    • Leo, mas qual parte desse texto mostraria tanto direita e esquerda contra o Rodas? Me parece que são apenas movimentos de esquerda, não? Por favor, me fale mais a respeito disso, pois eu não conhecia movimentos de direita na USP. Mas, é claro, se tiver mais informações, eu agradeço.

      Agora, uma coisa eu concordo. Eu não vejo que a esquerda quer a PM fora do Campus para “fumar maconha”. O que vejo são aplicações de rotinas relacionadas à esta estratégia aqui: http://lucianoayan.com.br/2012/01/08/estrategia-de-esquerda-apologia-e-tolerancia-ao-crime/

      Um abraço, LH

      • Luciano, a parte que mostra que a direita ficou contra o Rodas é a palavra “unanimidade”. Dentre os professores, posso citar Eduardo Marchi e Elival da Silva Ramos, este último crítico ferrenho do ativismo do STF, foram opositores do Rodas mesmo sendo “tachados” de conservadores.
        Quanto aos movimentos, há na Faculdade de Direito o Movimento Resgate Arcadas, partido adversário do Fórum da Esquerda (são os principais partidos atualmente). O Rodas inclusive virou motivo de VERGONHA para o Resgate, que o apoiou em 2007, por várias baixarias que o ex-diretor Rodas fez durante sua gestão (por exemplo, deixar os alunos por meses sem biblioteca até o Ministério Público tomar providência).
        Quanto ao motivo de não quererem a polícia lá, é difícil pensar que seja tolerância ao crime, já que o crime que aconteceu lá (latrocínio) poderia ter atingido qualquer estudante. É claro que os estudantes não querem andar pelo campus com medo de morrerem a tiros. Por outro lado, há o receio de que o Rodas e seus aliados políticos usem o fato como pretexto para colocar a PM lá a serviço deles, já que o reitor tem um péssimo histórico de passar por cima da democracia, começando por sua eleição.
        Mas foi importante eu citar a parte da maconha, pois como você disse o Brasil é corroído pela inveja, e no Facebook por exemplo há várias campanhas difamatórias estilo “estudante da USP quer fumar maconha em paz”.
        Abraços!

      • Leo,

        Uma unanimidade em um cenário de estratégia das tesouras (ver o texto “Esquerdismo Invisível”) ainda seria uma unanimidade de esquerda. A meu ver, não dá para saber se há movimentos de direita contra o Rodas.

        Note que não estou dizendo que sua informação é falsa ou inválida, mas ainda não vi informações sobre o Movimento Resgate Arcadas ser de direita, por exemplo. (Mesmo sendo adversário do Fórum da Esquerda)

        Já a questão da tolerância ao crime, isso independe dos esquerdistas correrem riscos de serem assaltados. Aliás, tenho até um texto sobre isso, chamado “O Amigo do Urso”, que fala de uma crença que é perigosa para o portador, e para os outros também. A tolerância ao crime é uma estratégia que faz o esquerdista pensar no criminoso como um “irmão injustiçado”, e várias rotinas existem para isso, inclusive a demonização da polícia. Falarei dessas rotinas em breve, por enquanto falei da estratégia.

        A idéia de que a PM no Campus serviria “ao Rodas”, e que portanto a preocupação esquerdista estaria justificada, não é embasada senão em um medo injustificado. Claro que os fatos poderiam mostrar que a “PM serve ao Rodas”, mas não há fatos que levem a isso. Mas existiram fatos de crimes no Campus, e a redução do crime após a entrada da PM. Não podemos contrapor fatos em relação à suspeitas injustificadas. E nesse caso as suspeitas de que a PM “atenderia ao Rodas, eliminando a liberdade de expressão” não tem base.

        Quanto a parte da maconha, realmente vários conservadores chamaram os anti-PM de “maconheiros do Campus”. Mas você queria o que? Quando a polícia foi enquadrar três maconheiros, um monte de esquerdista se juntou para se manifestar contra a PM. O que o cidadão comum vai achar disso? É claro que vão achar que é maconheiro querendo se dar bem.

        Note que eu não usei este argumento “estudante da USP querendo fumar maconha”. Minha ênfase é no estudo da estratégia de Apologia e Tolerância ao Crime, que tenho estudado há tempos. Mas depois da manifestação contra a prisão dos maconheiros, eu poderia dizer que esse é o tipo de fama conquistada com esse tipo de manifestação.

        Abs,

        LH

      • Luciano, esse é o máximo de informação que eu posso passar aqui sobre o Resgate (além de ter apoiado o Rodas, que definitivamente é de direita), até porquê hoje em dia as propostas dos partidos são muito vagas (“lutar contra a corrupção”, “somos a favor da democracia”, “queremos representatividade”). Mas se eu achar mais informações que não pareçam testemunhos pessoais eu posto aqui.
        Mas é difícil achar que na FD há unanimidade de esquerda como na FFLCH. Afinal a MESMA Congregação que o elegeu diretor (ele foi diretor da FD antes de ser nomeado reitor da USP) o declarou por unanimidade “persona non grata”. E é óbvio que a esquerda não iria eleger um inimigo, a não ser que ele tivesse se passado por esquerdista, caso em que ficaria ainda mais feio para ele.
        Quanto ao medo ser injustificado, há fatos que mostram que o Rodas pelo menos não é flor que se cheire. Já seriam uma justificativa para o medo. Se isso vai fazer diferença na questão, depende da necessidade de a PM estar no campus para prevenir a violência, já que há outras alternativas (guarda universitária, empresas de segurança). Como não sou especialista em segurança, não vou opinar.
        Concordo que você não usou o argumento “da maconha”, e que o cidadão comum vai achar que é safado querendo fumar. Mas esse último é mais um motivo para eu citar as outras questões envolvidas, pois nesse caso poderia aparecer algum comentário usando rótulo odioso, e discussão ficaria feia, né?
        Abraços!

      • Leo,

        Só uma coisa. Você citou uma aliança de Rodas com o PSDB, não? O PSDB é um partido de esquerda. Aliás, é o Partido da Social Democracia Brasileira.

        E mesmo que as propostas de partidos HOJE sejam vagas, isso é normal, pois todos são de esquerda (essa é a hegemonia, que Gramsci defendia). Mas um partido de direita teria como plataformas:

        – Redução de impostos
        – Redução do tamanho do estado
        – Aumento da liberdade individual e responsabilidade individual (inclusive de portar armas)
        – Rigor na punição ao crime

        Algo que fuja disso é de esquerda. É como no meu texto “O mito da neutralidade política”.

        Quando eu falo que há unanimidade de esquerda, estou dizendo que um pode ser do PSDB, outro do PMDB e outro do PT. São todos de esquerda.

        O que existe, no Brasil, hoje, são vários “tons de esquerda”.

        Em relação à necessidade da PM estar no Campus para prevenir a violência, tínhamos um caso de epidemia de violência no Campus. E, quando a PM entrou, tivemos uma redução drástica da violência. E não aconteceu nenhum caso da PM ser usada para “retirar liberdade de expressão”.

        Então, o que temos NO MOMENTO, é a falta de justificativa objetiva para a PM não estar lá. Alguém poderia dizer que há uma “conspiração de Rodas com a direita para implementar uma ditadura”. Claro que pode dizer. Mas esse tipo de “ameaça” é algo que só está na imaginação. Posso até suspeitar de que é uma fantasia criada para dar uma tonalidade mais “heróica” para a vida do esquerdista.

        Se nós formos nos basear nossos argumentos baseados em ficções (criadas muitas vezes com objetivos puramente políticos), aí ficaria fácil lutar contra qualquer coisa.

        Só concluindo, sobre o cidadão comum achando que é “safado querendo fumar”. Lembro novamente que tivemos um ato de manifestantes contra a PM por causa de 3 estudantes que foram presos… usando maconha.

        Nesse caso SIM temos uma suspeita (de que os esquerdistas queriam ‘fumar maconha na USP’), mas pelo menos teve um FATO que poderia justificar a suspeita.

        Abs,

        LH

  5. Olá Luciano!Sou historiador formado em Universidade pública!Durante todo período de graduação me deparei com tipos iguais a estes do vídeo!Em sua maioria são filiados ao PSTU ou ao PSOL.Praticam todo tipo de depredação,vandalismo em nome de melhorias da universidade.Em cursos de no mínimo 4 anos de duração,levam mais de 6 anos pra se formarem e muitos são até jubilados,tudo as custas do nosso dinheiro.Aprendem a lidar com a burocracia do campus pra extrair vantagens
    (moradia,alimentação,bolsas…) e obterem títulos de mestrado e doutorado pra produzirem nada mais do que estudos marxistas.Graças a Deus não me contaminei com essa ideologia nos tempos de faculdade
    (ainda mais se tratando de História a situação é ainda mais complicada).Parabéns pelo excelente blog!Tenho estudado bastante seus artigos e usado suas técnicas principalmente no debate com neoateus!A propósito,desculpe sair um pouco do tema,mas nas minhas pesquisas pela internet, encontrei um blog cujo autor é ateu!E suas críticas fogem bastante do esteriótipo dos neoateus comuns.Gostaria,se possível,que vc desse uma olhada no material dele:http://rebeldiametafisica.wordpress.com me pareceu um material de extrema qualidade e bem embasado em seus argumentos.Grande abraço e mais uma vez parabéns pelo excelente trabalho!

    • Boa-madrugada, Anderson

      Olha, acabei de bizoiar 2 páginas de artigos do blog que você indicou, e francamente, o autor dele é menos forte do que pode parecer à primeira vista. Porque ele parece conhecer bem somente o teísmo da linhagem judaico-cristã, e ignora bastante qualquer coisa que se situe além dêsse “círculo mágico” — especialmente a religião nas culturas ditas “primitivas”, bem como a existência de DOIS níveis no campo do “não-profano” ou “sagrado” (o esoterismo ou Tradição, de um lado, e o exoterismo ou religião, do outro lado). Apenas a título de observação, hoje me considero “agnóstico”, e apesar de ter sido ateu durante muito tempo, nunca fui materialista e nem cientificista, o que provavelmente foi o que me impediu de ser um cético “seletivo” e de cair na armadilha do humanismo.

Deixe uma resposta