Crime com co-responsabilidade esquerdista: Quadrilha invade prédio no centro de SP e provoca pânico entre moradores

7
82

Fonte: Folha

Seis homens –cinco deles armados– assaltaram na noite de sábado (21) um prédio residencial na rua Santa Efigênia, no centro de São Paulo. Durante a ação, seis moradores foram mantidos reféns. Ninguém ficou ferido.

Segundo a Polícia Militar, a quadrilha invadiu o prédio por volta das 22h. Enquanto os cinco homens armados subiam para os apartamentos, o assaltante desarmado rendia os moradores que chegavam pelo andar térreo.

Seis moradores que chegavam no momento da ação foram feitos reféns, mas ninguém se feriu. A polícia foi chamada e ao chegar no local rendeu Ivan Sinval Carvalho, 37, suspeito que estava no térreo. Os outros cinco integrantes conseguiram fugir sem levar nada.

De acordo com informações da PM, Carvalho era procurado pela Justiça. Ele foi condenado a 18 anos e quatro meses de prisão por homicídio e porte ilegal de arma e não voltou ao presídio após o último benefício de Natal.

Meus comentários

Leu com atenção os quatro parágrafos da notícia acima? (Especialmente o último)

Se leu, talvez percebeu que o criminoso Ivan Sinval Carvalho, de 37 anos, tinha sido condenado a 18 anos e quatro meses de prisão por HOMICÍDIO, dentre outros crimes. Não foi por que ele roubou uma galinha ou chutou um retrovisor, mas sim, repito, HOMICÍDIO…

E mesmo assim, o sujeito estava solto sob “benefício de Natal”.

Mas quem definiu que deveriam existir coisas como “benefício de Natal” para criminosos?

Naturalmente, esse afrouxamento de penas é consequência da estratégia de Apologia e Tolerância ao Crime, encabeçada pela esquerda – e incluo aí naturalmente partidos como PSDB, PT, PCdoB, etc.

Normalmente, eu defino cinco conscientizações que temos que fazer em relação às consequências da inserção do pensamento de esquerda em nossa sociedade:

  • 1) criminalidade – a esquerda tolera o crime, e até o incentiva
  • 2) excesso de impostos – os impostos pagos pelo cidadão, totalizados ao longo do ano, são até maiores do que aqueles roubados pelos ladrões de rua
  • 3) perda de liberdade – o aumento do estado, e sua presença nos menores aspectos de nossa vida
  • 4) totalitarismo – em caso de sucesso dos esquerdistas, o totalitarismo chega aos níveis do absoluto, e os genocídios de décadas atrás só puderam ocorrer por causa deste totalitarismo absoluto
  • 5) perda de valores de referência – sem valores de referência, a população não consegue julgar todos os 4 efeitos acima

Esse é o tipo de conscientização a ser feito EM DIREÇÃO ao cidadão comum, mostrando que a esquerda é responsável por tornar a vida dele um inferno.

Um exemplo da conscientização 1 poderia ser feita em relação à notícia acima, onde um criminoso que DEVERIA ESTAR PRESO (se este fosse um país sem tanta influência do pensamento de esquerda) pôde sair com “benefício de Natal” para cometer crimes violentos.

Ou seja, o Estado AUTORIZA o bandido a cometer esses crimes.

É uma regra básica da Dinâmica Social do crime: um criminoso só pode cometer um crime por ter os MEIOS e OPORTUNIDADE de fazê-lo. Estando ele preso, nem MEIOS e nem OPORTUNIDADE estariam disponíveis.

Tais meios e oportunidade foram fornecidos a ele por uma tolerância ao crime, implementada pelos ideólogos esquerdistas. As legislações de tolerância ao crime, naturalmente, só vieram depois desta pressão de ideólogos.

É hora de conscientizar os cidadãos que são VÍTIMAS de crimes quem são os responsáveis morais pelo fato de hoje o Brasil ser o campeão mundial da criminalidade.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Sr. Greenhlagh, como autor da lei do desarmamento o que é que V.Exc. tem a declarar com respeito a esses inúmeros assaltos, onde nos cidadãos honestos soms mantidos refens em nossas casas, nossos excritórios, nossas ruas, sem direito de defesa sem prote’cão duma polícia que parece mais conivente com os crimes que protetora da sociedade? PELA CONSTITUIÇÃO E PELO DIREITO INTERNACIONAL TODO CIDADÃO TEM O DIREITO DE PROTEGER SUA VIDA, A DE SEUS FAMILIARES E DE SUAS PROPRIEDADES! PORTANTO ENQUANTO O ESTADO NÃO PROPORCIONA ESSA PROTEÇÃO, SEJA POR INCOMPETÊNCIA SEJA POR CONIVÊNCIA, EXIGO O DIREITO DE POSSUIR E PORTAR UMA ARMA PARA MINHA SALVAGUARDA E A DE MINHA FAMÍLIA. Acredito que V.Exc. deveria se manifestar e detalhar quais as providências que estaria tomando para enfrentar essa situação calamitosa comparável somente a uma guerra civil ou outra qualquer, com o cidadão pagante de impsotos escorchantes não tem o minimo retorno e menos ainda continua a respectiva proteção para pelo menos continuar trabalhando com tranquilidade a fim de obter recursos para continuar pagando esses mesmos impostos que sustentam V.Exc. assim como todos os políticos deste país!!!!! Muito obrigado pela atenção!

  2. Beneficio de natal…Quero saber quem inventou este beneficio pra assassinos, estupradores, pedófilos e outros criminosos..Gostaria de ver um levantamento de quantos praticam crimes nas suas “folgas” e que tipo de controle o estado tem sobre suas saidas sem volta. Estamos perdidos!!!

    • Eu digo quem inventou: foi o João Figueiredo, último presidente da ditadura. Ele pertencia ao ARENA e quando este terminou foi para o PDS, ambos partidos Conservadores. Caso duvide, eu te dou uma ajuda para se certificar:

      1. A saída temporária é definia nos artigos 122-125 da lei 7.210 de 1984 (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm)
      2. O presidente do Brasil neste época era o ditador militar direitista conservador João Figueiredo (http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Figueiredo) conhecido por frases como: “Uma coisa que nunca entendi é porque todo artista, esse tal de Caetano Veloso por exemplo, tem de ser dessa tal de esquerda”.

      A Saída Temporária é um benefício criado nos tempos de ditadura militar ultra-direitista e sinceramente não sei de onde o autor desse blog tirou que se trata de algo da esquerda. A não ser que ele ache que a esquerda é cúmplice dessa lei por não tê-la revogado após os últimos 17 anos de poder.

      E continuo: o estado tem o direito de exigir monitoramento eletrônico de TODOS os beneficiários (esse parágrafo foi incluído em 2010 por ninguém menos que o Governo Lula!! – que aliás incluiu outros parágrafos que dificultam a saída ou a tornam mais segura). Só não faz isso por falta de dinheiro. Além disso, condenados a regime fechado NÃO possuem direito a Saída Temporária (Art. 122. Os condenados que cumprem pena em regime semi-aberto…). É de se causar estranheza uma pessoa condenada a homicídio estar em regime semi-aberto, então provavelmente existem detalhes que foram omitidos ou que são desconhecidos pelo repórter que redigiu o texto original.

      • Alguns pontos estranhos em sua análise. Você chama a ditadura militar de ultra-direitista, mas nada é mais falso que isso. O governo de Fernando Collor, ao quebrar a reserva de mercado e iniciar o processo de privatizações, MATOU a idéia de que a ditadura militar era de direita. Alguns dos generais, no entanto, tinham uma orientação mais a direita, enquanto que João Figueiredo aceitou demais as pressões de esquerdistas. Não é surpreendente que uma legislação de tolerância ao crime tenha surgido NO PENÚLTIMO ANO do regime militar. Aliás, os governos de esquerda também implementaram coisas que ampliaram essa tolerãncia ao crime, como a abominável lei de impunidade aos menores. Esse cenário, de contínuo afrouxamento no combate ao crime, levou ao cenário atual, onde policiais são desafiados na cara dura. Assim, não chega a ser estranho ver um homicida estar em regime semi-aberto. Na verdade, é uma consequência direta do pensamento de esquerda. Aliás, quais parágrafos incluídos por Lula dificultam a saída temporária?

      • É lógico que eram ultra-direitistas. Ou será que jogavam xadrez com os comunistas nos “famosos porões da ditadura”? O combate sistemático aos comunistas é prova disso. As empresas públicas não eram prova de não direitismo, já que os militares possuíam um viés nacionalista dentro de sua ideologia conservadora e preferiam manter a indústria em sua mão por uma questão meramente de orgulho. Não tem nada a ver com o controle dos meios de produção para conter o capitalismo. João Figueiredo entrou no cargo com a tarefa de terminar o regime de ditadura e restaurar a democracia. Ele não fez nenhuma transição para o esquerdismo e muito menos cedeu à esquerda – aliás, como um governo militar autoritário e repressivo, protegido por um AI-5 (o JF tinha acabado de suspender, se não engano, mas a oposição já estava minada a uma altura dessa), sofreria pressão externa de grupos rebeldes mal-organizados? É evidente que a Lei 7.210 de 84 exprime fielmente o que o Governo pensava, governo militar forte e orgulhoso que não cederia a pressões, governo esse fortemente influenciado pelo conservadorismo e que torturava sistematicamente os inimigos e os comunistas. Não dá para engolir que essa lei seja esquerdista, principalmente baseado em especulações do tipo “João Figueiredo aceitou demais as pressões dos esquerdistas.” Seria mais “engolível” e desse nome aos bois, dizendo QUEM fez a pressão, qual o poder de pressão que tinham e em que pontos o JF cedeu.

        Mas se você insiste em culpar a esquerda, você pode mostrar também quais leis criadas por governos que você chama de esquerda propiciaram o regime semi-aberto de um homicida e quais leis seriam as adequadas, porque não vi nenhuma por aqui.

        Um outro detalhe relevante é que a maioridade penal no Brasil ocorre aos 18 anos, segundo o artigo 27 do Código Penal, reforçado pelo artigo 228 da Constituição Federal de 1988 e pelo artigo 104 do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei nº 8.069/90). Ou seja, se menores de 18 anos não podem ser mandados para a prisão como um adulto, mas sim “encaminhados” para centros de “reabilitação” (como a antiga febem, atual casa) por culpa de leis que vieram do Governo Collor para trás! E se a maioridade penal não passou para 12 anos no fim do governo Lula, podemos culpar (além do próprio Lula) as entidades como a Igreja Católica, que se opuseram a ela através da CNBB. Só que mais uma vez, estaríamos apenas culpando a esquerda por não ter revogado o que a direita fez.

        Por fim, entre os artigos 122 e 125 daquele link, as leis incluídos pelo Governo Lula (o qual eu repudio, mas que também sei que não errou em tudo, pois isso é praticamente uma impossibilidade matemática) são os parágrafos que terminam com (Incluído pela Lei nº 12.258, de 2010). A lei 12.258 permitiu o uso monitoramento eletrônico (a tornozeleira), incluiu mais condições para liberar o detento e regulamentou a saída para estudar – o que é extremamente útil para a recuperação social do criminoso, já que não queremos que ele saia da cadeia e cometa outros crimes.

      • Há um erro lógico seu, e tenho encontrado isso na maioria dos debates aqui no Brasil. Isso ocorre por causa da estratégia esquerdismo invisível, que já tratei aqui:

        http://lucianoayan.com.br/2012/01/09/estrategia-de-esquerda-esquerdismo-invisivel/

        É por isso que se pensa que se não é comunista, então é ‘ultra-direitista”.

        Aliás, não existiam “porões da ditadura” no governo João Figueiredo.

        O excesso de empresas públicas é um exemplo de esquerdismo, não de um pensamento de direita. Tínhamos até a reserva de mercado na época, o que foi eliminado de vez pelo Collor.

        Há um outro erro seu, baseado em um mito. Você disse que o governo militar de Figueiredo “era forte e orgulhoso que não cederia a pressões”. Mas foi esse governo que cedeu às pressões pelas Diretas Já, que ocorreram a partir de 83-84. Ou seja, já era um governo que estava se abrindo às pressões externas.

        Tecnicamente, não era que os esquerdistas que pressionavam o governo queriam a democracia, mas iniciar uma luta gramsciana pelo poder, que é o que ocorreu e hoje vemos os resultados. (Atenção, nada contra as eleições diretas, mas acho que os direitistas deveriam ter começado um duelo contra-gramsciano também)

        Assim, sua teoria de “governo orgulhoso” não se sustenta, e o governo específico de Figueiredo não era um “mar de torturas”. Aliás, quantas pessoas foram torturadas nessa época de Figueiredo?

        Outra informação baseada em mito, que você defende, é a de que a oposição estava “minada” na época de Figueiredo. Nada mais falso, e a campanha pelas Diretas Já serve para mostrar que a esquerda preferiu a estratégia gramsciana, melhor do que a luta armada. (foram espertos, nesse caso)

        Em relação às idéias de tolerância ao crime, temos um histórico de apologia ao crime, pela esquerda, desde os tempos de Foucault. Sendo o governo de Figueiredo um governo que, mesmo militar, já sofria a pressão da oposição de esquerda, é natural que idéias de esquerda fossem aceitas.

        Alias, não é curioso que tal frouxidão penal só veio a aparecer no FINAL do governo militar?

        A esquerda historicamente é contra prisões e a favor de “educação ao preso”, ou outros discursos de tolerancia ao crime. Já citei Foucault, mas também até o indulto dado a homicidas, condenados a prisão perpétua, nos Estados Unidos, pelo governador Dukakis, é um exemplo desse tipo de postura, claramente esquerdista.

        Em 1988, não tínhamos um governo de direita, mas um governo de esquerda, e os apologistas da lei de impunidade ao menor, que, como vc diz, surgiu em 1988, vieram de esquerdistas, como Rita Camata. O problema é que pelo gramscismo, e a estratégia das tesouras, você talvez ache que PMDB ou PSDB sejam direita. Não são. São de esquerda.

        Você diz que além dos esquerdistas tradicionais, entidades como CNBB se opuseram ao fim da redução da maioridade penal. É verdade, mas a CNBB é completamente de esquerda, por causa da TEologia da Libertação. Aliás, os bispos da CNBB também apoiam o MST.

        Enfim, temos direções opostas nessa, e isso pode ser visto em situações como TODAS as notícias relacionadas ao crime. Quem é de direita é contra o bandido, e os de esquerda culpam a “sociedade” e capitalizam, mas evitam ficar contra o meliante.

      • ERRATA: Diferentemente do que publiquei antes, o criminoso em questão não foi liberado pela “Saída Temporária” regulamentada pelos artigos 122 a 125 da Lei 7210 mas sim por decreto presidencial que este tem direito de emitir baseado nos artigos 187 a 193 e no inciso XII do artigo 84 da constituição. De qualquer forma, a lei que regulamenta os indultos foi criada por governos conservadores e de direita e é de praxe em todo o mundo moderno.

        Saiba mais sobre a diferença entre Indultos e Saídas Temporárias aqui: http://direito.folha.com.br/1/post/2010/6/indulto-e-sada-temporria-so-coisas-distintas.html
        Conheça o Decreto do Indulto de Natal de 2007 aqui (um exemplo de indulto): http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6294.htm
        Conheça o Decreto do Indulto de Natal de 2009 comentado aqui: http://www.conjur.com.br/2009-dez-23/regras-indulto-natal-sao-publicadas-nesta-quarta-feira
        Conheça o artigo 84 da Constituição aqui (vá ao inciso XII): http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao.htm

Deixe uma resposta