Militantes dão dicas de ‘ativismo digital’ e diminuem papel das redes sociais em revoluções

1
43

Fonte: Gigablog (UOL)

Se na série “Guia do Mochileiro das Galáxias” a toalha é um item indispensável, no “Manual do Revolucionário da Internet” o celular tomaria o seu lugar… ou algo assim. Representantes de movimentos que usaram as redes sociais para “fazerem muito barulho” no mundo estiveram na tarde desta sexta (10) na Campus Party para falar um pouco de suas experiências – e até deram dicas de como levar adiante protestos.

Apesar de considerarem as redes sociais como uma ferramenta fundamental para articulação dos movimentos, os ativistas rechaçam a ideia de que elas são ator principal dentro das revoluções. “É ofensivo dizer que a tecnologia é que permite uma revolução, quando temos pessoas morrendo por causa disso”, disparou Leila Nachawati, espanhola de ascendência síria e ativista pelos direitos de liberdade de expressão.

Para ela, as redes sociais são mais ferramentas usadas dentro de um cenário propício para manifestações sociais do que propriamente o seu estopim. “Imagine um país como a Síria, onde não há mídia livre e o regime usa o silêncio para dominar as pessoas. O celular e o YouTube são meios muito poderosos para que os cidadãos quebrem esse muro do silêncio”, explicou.

Charles Lenchner, representante do movimento Occupy Wall Street, acredita que a internet acaba com a figura do gatekeeper – quem distribui a informação em massa – permitindo que qualquer pessoa seja uma fonte sobre injustiças no mundo. “Sejam agentes livres, o poder de vocês é maior que o das organizações contra as quais vocês lutam”, instigou o ativista.

Revolução: faça você mesmo

O tom dos palestrantes, que falaram para uma plateia das menos lotadas do palco principal da Campus Party, era o de instrução: como as pessoas podiam atuar como “cidadãos globais” e ajudar movimentos sociais em outros continentes e, além disso, como elas mesmas podiam protestar contra o que consideram injusto.

Leila pediu solidariedade ao povo sírio, que sofre com a censura do regime autoritário de Bashar al-Assad. “Vocês são cidadãos globais e esse é um assunto que diz respeito a todos”, frisou a ativista espanhola. Entre as ações possíveis, citou a doação de celulares para cidadãos sírios e a pressão via mensagens no Twitter em governantes que possuem perfis no microblog.

Olmo Gálvez, do movimento do 15-M e Acampada de Sol, que reuniu milhares de jovens espanhóis em acampamentos espalhados em 60 cidades do país no ano passado, destacou o uso de métodos não-violentos de protesto, livres de parcerias e apoio de partidos políticos, colaborativos e abertos. “É preciso formar uma rede de pessoas, depois redes das redes e ir para a rua”, incitou o espanhol.

Gálvez, no entanto, disse que é preciso tomar cuidado com a mídia, “que da mesma forma que pode promover, também pode destruir um movimento”, e com líderes políticos. “Faça o que julga legítimo e compartilhe seu conhecimento”, aconselhou o ativista.

Lenchner, do movimento Occuppy Wall Street, destacou que não existe uma fórmula certa para levar uma manifestação à frente, mas enfatizou ações simples como o uso de histórias e experiências reais de pessoas atingidas por um problema, muito mais do que mostrar fatos isolados; de páginas com links para que pessoas possam enviar suas reclamações diretamente aos representantes de governos e corporações; além do foco maior no sentimento das pessoas, e não no impacto que o movimento causará.

“Mudar o mundo é muito mais legal que ficar jogando online. Quantas pessoas passam o tempo atirando em coisas que simplesmente não existem?”, brincou.

Meus comentários

É importante entender como os revolucionários pensam se quisermos combatê-los, como sempre tenho dito. Sem conhecimento do inimigo, a chance de vitória é zero, como sempre Sun Tzu afirmou.

Atenção para a parte em que Charles Lenchner, esquerdista (movimento Occupy Wall Street), afirma que deve ser dado um “foco maior no sentimento das pessoas”, usando a técnica que mencionei no texto “Falando ao coração”.

Ele mesmo também afirma que é “mudar o mundo é muito mais legal que ficar jogando online”. Ele sabe que o militante de esquerda deverá usar o seu tempo de Internet para praticar a revolução. Detalhe: para eles “mudar o mundo” significa implantar o socialismo e dar o poder de forma totalitária aos beneficiários.

Se agora vimos um dos líderes dos idiotas úteis confessando em público que realmente eles usam o recurso de “falar ao coração” e que passam realmente a maior parte do tempo militando na Internet, o que falta é a conscientização do nosso lado do modus operandi deles.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Como o olavão sempre diz: “leiam os artigos/pesquisas/projetos científicos de hoje/ontem para entenderem as estratégias políticas de ontem/hoje.”

    Particularmente, estudei Hans Magnus Enzensberger (New Left) na universidade (disciplina de Teoria da Comunicação), e hoje, posso comprovar tanto o que o Olavo diz, quanto o que o tal Enzensberger profetizara – e que minha professora, presidente da SBPC à época e esquerdista roxa, dizia se tratar de uma utopia impossível. O poeta dizia que o potencial revolucionário da internet é incrível; ele viu no novo meio o melhor caminho para a emancipação (sic) do homem.

    Antes da farra que estamos vendo, Hans Magnus Enzensberger acabou desanimando e perdeu a fé na suposta maluquice que aventava… e que hoje sabemos não ser nenhuma maluquice.

    Com certeza ele deve estar dançando o Chá-chá-chá com uma cueca na cabeça e dizendo: como sou phoda!

Deixe uma resposta