Óbvio: publicação de pesquisa prova que esquerdistas são mais desonestos cientificamente que conservadores

8
246

Fonte: Yahoo Notícias

Um estudo feito pela Universidade Brock, de Ontário (Canadá) coletou dados por mais de 50 anos e chegou a uma polêmica conclusão: pessoas com ideologia de esquerda (ou liberal, como dizem no hemisfério norte) são mais inteligentes que pessoas de direita e conservadoras.

Após entrevistar cerca de 15 mil pessoas no Reino Unido em 1958 e 1970, os pesquisadores compararam os níveis de inteligência com a posição política dos participantes da pesquisa depois de adultos.

Como efeito de comparação: pessoas muito conservadoras tinham Quociente de Inteligência de 94 pontos (a média é 100). Pessoas de centro tinham QI de 100 pontos e as pessoas muito liberais tinham QI médio de 106 pontos.

Meus comentários

Não é de hoje que cientistas de esquerda cometem fraudes homéricas em suas pesquisas para tentar encontrar pontos onde podem atacar conservadores. O curioso é que basta uma análise minimamente cética sobre cada uma dessas pesquisas para encontrar as fraudes.

Temos aqui um padrão comportamental: mentir compulsivamente, fazendo uso até de supostas pesquisas científicas (que nada tem de científicas, diga-se). Para se ter uma idéia de como isso funciona, vamos antes a um exemplo de Franz de Wall, primatólogo de esquerda.

Franz De Wall usou uma tese publicada em seu livro “A Era da Empatia” para inventar algumas idéias absurdas como “macacos socialistas”. Na verdade, o que ele chama de “socialismo” dos macacos é apenas a manifestação de empatia. Ué, mas se todos nós sempre soubemos que a empatia é um atributo humano (e de qualquer espécie também), como ele pode dizer que “empatia” é socialismo? Detalhes…

O mais grotesco é ver uma mentira clamorosa, que pode ser vista a partir de 1:30 no vídeo abaixo, onde Franz afirma: “Estou reagindo fortemente aos conservadores, especialmente os conservadores dos EUA, que tentam apresentar a sociedade como uma imitação da natureza. ‘A natureza é uma luta pela vida, um terrível processo de competição e precisamos imitar isso na sociedade’. E eu não estou convencido de que a natureza é assim, em primeiro lugar. E eu não estou convencido de que o que a natureza faz precisa ser copiado pela sociedade. E meu argumento seria que nós temos muita tendência para cooperar, para sentir empatia e coisas assim, e se isso é parte da natureza humana, precisa fazer parte da sociedade também. Precisamos construir uma sociedade que possui espaço para isso e não apenas baseada em competição”

Notaram o caso dele? Ele “conclui” que conservadores são predadores, querendo ver os desfavorecidos à míngua, enquanto que os esquerdistas são “empáticos”, conforme ele mostraria no livro. Para ele, conservadores querem sociedade “100% baseada em competição”, enquanto que os bons esquerdistas querem “empatia” no mundo. O problema é que os dados fornecidos por Ann Coulter, em uma análise do livro de Arthur Brooks, mostram exatamente o oposto. Em análise de ações voluntárias, os conservadores são mais “empáticos” que os esquerdistas.

Enfim, vejam o vídeo:

 

Como já disse, Wall faz parte de uma tradição específica de esquerdistas que usam a autoridade que a função de cientista lhes dá para fazer propaganda política, e atacar em especial os conservadores.

Outros exemplos de cientistas que usam suas pesquisas e cometem fraudes intelectuais na análise das informações incluem Steven Pinker, Richard Dawkins, Sam Harris e outros. Ao que parece, os conservadores ainda não descobriram esse nicho e não começaram a avaliar profundamente as “pesquisas” que eles tem lançado.

Essa pesquisa em Ontario segue exatamente o mesmo princípio, com a diferença que a cara-de-pau deles é imbatível. (Aliás, uma boa idéia para um verbete pode ser “Pesquisa forjada para ataque à direita”)

Prestem atenção onde está a fraude. A entrevista foi feita com 15 mil pessoas em território aberto, no Reino Unido. Ou seja, pegaram cidadãos na rua e foram entrevistando.

O problema é que a pesquisa omite um fator fundamental: a estratégia gramsciana. E o que tem a estratégia gramsciana com a demolição de toda a pesquisa? Simples.

Pessoas com QI mais alto tem MAIOR CHANCE de chegarem aos maiores níveis de estudo, e isso inclui, obviamente, a universidade. Esse é um dado que atende tanto ao senso comum, quanto a qualquer estudo da MENSA.

A estratégia gramsciana prega que no ambiente escolar, desde a escola fundamental, mas em especial na universidade, os professores de esquerda devem utilizar o ambiente para extensiva DOUTRINAÇÃO de alunos em ideologias da esquerda.

Logo, a pesquisa mostra o óbvio: os “intelectuais” que vemos por aí, e na maioria dos casos chamamos eles de esquerdistas, são os que, por causa de seu QI mais alto, tiveram a chance de frequentar um ambiente acadêmico por maior tempo, e portanto sofrer LAVAGEM CEREBRAL DE ESQUERDA por mais tempo.

Se já temos toda a obra de Antonio Gramsci (falando da estratégia, portanto não temos uma “teoria da conspiração”, mas a leitura dos fatos), eventos como Occupy Wall Street (que surgem de acadêmicos, na maior parte dos casos), os recentes casos de vandalismo na USP e diversas evidências de que hoje em dia universidades tem sido usadas mais para doutrinação de esquerda do que o ensino de técnicas úteis para o dia-a-dia do profissional, é claro que a pesquisa perde totalmente o seu valor.

Só haveria valor nesta pesquisa se todos os fatores que causam viés fossem eliminados. Por exemplo, uma pesquisa envolvendo pessoas da escola fundamental, depois uma outra envolvendo universitários, e uma outra envolvendo os principais debatedores de cada um dos lados.  (Mas é claro que uma pesquisa dessa seria séria, e não uma baixaria propagandística como esta da Universidade Brock)

Para se ter uma noção do absurdo que é a fraude contida no “estudo”, vamos a um exemplo.

Suponha que surja uma mania dos CEOs em relação aos mais capacitados das organizações (que possuam mais alto QI, inclusive): ao chegarem lá no topo organizacional, todos serão doutrinados em budismo. Em seguida, sabendo desse viés, basta omiti-lo e fazer uma pesquisa sobre os “mais inteligentes”. O resultado vai dar que os mais inteligentes são budistas e aí é feito o marketing: “Budistas são mais inteligentes que judeus, ateus, cristãos, etc.”.

Quando a coisa chega em um baixo nível como é visto nesta pesquisa, é momento de sabermos que eles estão apelando aos truques mais sujos, mais torpes possíveis, e, pior, que serão vistos como razoáveis por pessoas que não estão conscientizadas do mais alto grau de desonestidade possível a que mentes doentias podem chegar.

Agora a tendência é essa: a partir de fraudes em “pesquisas científicas”, esquerdistas tentarão uma nova forma de demarcar território. E isso irá requerer uma reação ainda mais cirúrgica, pois estaremos duelando com pessoas que já vão tentar de imediato ganhar a platéia com suas credenciais.

É preciso ampliarmos o grau de conscientização conservadora, pois quando o seu adversário perde todo tipo de freio moral e age sem limites éticos de qualquer espécie, temos a mais difícil das lutas.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. É o cumulo do absurdo que esses miseráveis tem prazer em criar pesquisas enviesadas…

    No hall de desonestidades entram aquelas que dizem:

    * A europa está se tornando ateísta, quando na verdade os números só apontam que as pessoas estão declarando não seguir religião, ou serem agnósticas quanto a Deus (neo-ateus sempre botam agnósticos na conta deles como de costume).

    Ex:aff não acho o link da matéria específica

    * Ateus são mais inteligentes que teístas, se baseando como fator de inteligência as inúmeras incertezas causadas pelas incontaveis teorias que os ateus formulam para explicar o universo no naturalismo, logo quanto mais dúvida e confusão mais inteligência (pode isso arnaldo?).

    Ex:http://www.acemprol.com/viewtopic.php?t=1690

    * Que ateus tem uma vida sexual melhor que teístas (!!! sim tem essa “pesquisa” tbm), baseando-se que ateus são mais felizes por experimentarem “coisas novas” no sexo e teistas não (leia-se sexo anal, orgias, swing, traições de carnaval, o que vc pensar), fora dizer que teístas sentem CULPA por fazer sexo, LOL…

    Ex: http://gloss.abril.com.br/blog/eu-quero-sexo/ateus-tem-vida-sexual-melhor-do-que-religiosos/

    Já notou que todas essas pesquisas tem cheiro de EUGENIA permeando tudo? Tipo “”ah! “Provamos” que a classe X é inferior, logo é dever nosso elimina-los ou isolá-los, quem sabe esterilização?””

    • Igor, concordo exatamente com sua preocupação ao final. Os conservadores devem reagir de forma energica a essas tentativas desonestas deles, pois isso será usado COM CERTEZA para se criar “higienizações” no futuro.

      Aliás, uma coisa, sobre a pesquisa de “ateus mais inteligentes”, ela também pode ser refutada com a existência da estratégia gramsciana. Pessoas mais inteligentes tendem a ir para as faculdades, e PORTANTO tendem a sofrer doutrinação de esquerda, portanto aumentando a chance de serem atéias. (O exemplo do budismo explica bem isso)

      Já a segunda pesquisa é até divertida, e pode ser usada contra eles. Pela dinâmica social, mulheres religiosas são as melhores PARCERIAS de relacionamentos de longo prazo, pois tendem a ser mais fiéis. Mulheres seculares são melhores para serem usadas e jogadas fora, pois como são “mais liberadas”, não é bom investir em relacionamento de longo prazo com elas.

      Quer dizer, mulher religiosa (eu prefiro as católicas, claro) são boas para casar. E mulheres atéias são boas para sexo casual.

      Outro fator curioso é que pessoas que “refreiam” sua sexualidade, tendem a ser mais fiéis. O que é bom em termos evolutivos, pois casais que não se separam cuidam melhor do PATRIMÔNIO DOS FILHOS. É diferente de um sujeito que tem 1 esposa atual e 3 ex-esposas. Ele precisa compartilhar seus bens com várias esposas. Alguém que tem uma esposa só precisa compartilhar seus bens só com esta esposa e os filhos que teve com ela.

      Mas a pergunta da pesquisa está errada: ao invés de perguntar se a vida sexual é “feliz”, devia-se perguntar, aos 40, 50, 60 anos, se a pessoa está FELIZ em um dado momento com as decisões que tomou durante a vida sobre sua vida sexual.

      Casais religiosos, com seus filhos já na escola, poderão estar muito felizes. Já pessoas que optaram pela “curtição” durante a vida, poderão, especialmente as mulheres, estar com 50 anos e com a vida de titia, e em depressão contínua.

      Concluindo, a primeira pesquisa é fraude intelectual pura, como a que eu citei neste post, e a segunda poderia ser até mais expandida, e ser usada contra os próprios esquerdistas.

      • By the way, houve uma pesquisa aí que demonstrou que a média de relações sexuais por semana era maior entre os casados do que entre os solteiros. Já tem um tempinho, não lembro se vi isso na Época ou na Veja (mas poderia ter sido numa Superinteressante ou Galileu da vida).

        Se bem me lembro, a média dos casados era “três vírgula pouco” relações por semana, enquanto que os solteiros tinham como média “um vírgula muito”. Infelizmente não lembro agora a abrangência; idade é um fator que pesa para todos.

        Outra coisa aqui é importante: monogamia é sinônimo de monotonia desde quando? Acho, particularmente, que a verdade é o contrário…

  2. Em adendo ao seu texto, no artigo original foi dito que a pesquisa foi feita com crianças, entrevistando-as em 1958, e acompanhando-as até 1970, pelo que entendi. Isso foi há 40 anos. E, convenhamos, para os milhões de habitantes presentes no Reino Unido na década de 70, 15 mil entrevistados, mesmo que bastante, é pouco para definir qual ideologia tem membros mais inteligentes. Isso somado à possibilidade deles poderem ter forjado a pesquisa, selecionando quem entrevistar ou não.

    Outra coisa interessante é que no texto original eu não vi uma linha sequer se referindo a esquerdistas, mas liberalistas (creio que liberalista não deva ser a mesma coisa que esquerdista). A conclusão que se chegou nessa pesquisa foi que crianças inteligentes tendem a ser liberalistas na fase adulta, enquanto crianças com baixo nível de inteligência tendem a ser conservadoras.

    Ou seja, eu achei isso tudo muito forjado, generalizado, desatualizado e com uma pitadinha de falta de interpretação por parte de quem traduziu a notícia.

    Mas até aqui foi só minha opinião, agora veja o pior (chega a ser engraçado):

    Outra coisa que o senhor Nisz (quem escreveu a notícia) esqueceu de mostrar ao público é que após o artigo original ser escrito, o mesmo autor escreveu outro artigo, intitulado, adivinha o que?: “If Liberals Are More Intelligent than Conservatives, Why Are Liberals So Stupid?” (o que me deixou na dúvida se ao dizer ‘liberals’ ele quis dizer esquerdistas, mas agora eu acho que ele quis dizer esquerdistas mesmo).

    Está aqui o artigo para ler: http://www.psychologytoday.com/blog/the-scientific-fundamentalist/201003/if-liberals-are-more-intelligent-conservatives-why-are-lib

    Com destaque nas frases: “If they are more intelligent, why are liberals – especially those in Hollywood and academia – so much more likely than conservatives to say and do stupid things and hold incredulous beliefs and ideas that stretch credibility?” e “Charlton suggests that liberals and other intelligent people may be clever sillies”.

    Uma coisa ficou certa. Não leio mais as notícias do yahoo sem depois olhar a verdadeira fonte de onde ela veio.

  3. O Efeito Flynn é um dos motivos pelos quais muitos cientistas são totalmente céticos a exames de QI. Aliás, não se pode medir o que se desconhece e ninguém sabe o que é a inteligência, alguém que diga que sabe, é um mentiroso ou um ignorante. De acordo com o Efeito Flynn um adolescente da nossa época seria, de acordo com seu teste de QI, muito mais “inteligente” do que um cientista como Newton, se Newton tivesse feito um teste de QI na época dele, provavelmente o resultado do teste de Newton seria muito menor do que o resultado do teste de QI de um adolescente dos nossos dias.
    Ou seja, QI é balela. Já vi um ateu que fazia um curso de linguistica e conhecia bastante de neurociência ficar chocado em um debate porque colegas ateus estavam falando sobre uma pesquisa onde o QI dos ateus era mais elevado do que o QI dos religiosos. Ele tentava fazer os colegas entenderem por que testes de QI não valem absolutamente nada para muitos cientistas. Um livro muito bom que fala sobre esse assunto é o livro “A falsa medida do homem” do Stephen Jay Gould que desmarcara, cientificamente, os testes de QI e outro livro também bacana sobre esse assunto é “A mente desconhecida” do John Horgan.
    Sobre o Efeito Flynn, ver mais aqui: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL163563-5603,00-GENIO+MAIS+VELHO+PODE+SER+APENAS+NORMAL+HOJE+SUGEREM+PESQUISAS.html

    Resumindo: Toda pesquisa baseada em QI, não vale como comprovação para o que quer que seja.

  4. É por que esses testes se baseiam nas quantidades diferentes de informação que a pessoa conhece, até teorias fajutas entram na conta, soma-se a habilidade do individuo ser malicioso e ver duplo sentido nas coisas(questões contendo pegadinhas)…

    Nenhum teste do mundo é capaz de medir a facilidade em alguem aprender, gravar coisas, arquitetar um argumento lógico, etc , por que isso varia de acordo tanto com o estado psicológico da pessoa quanto treinamento e habilidades inatas que por sua vez tendem a outra medição errônea, por exemplo, eu posso estar no nível de gênio para saber convencer pessoas em uma conversa e saber encaixar minhas memórias nos meus argumentos para solidifica-los com base, mas também posso ser uma bela porcaria para lidar com a compreensão da funcionalidade de cada peça em um hardware de pc e o zé da esquina pode estar exatamente no oposto a mim…

  5. Desculpa aí Ayan por um esquerdista ateu estar invadindo seu espaço, mas eu também discordo dessas pesquisas, tanto a de que ateus serem mais inteligentes quanto a de esquerdistas serem mais inteligentes.

    A de ateus inteligentes deve ser gozação, só para dizer que temos tempo livre nos domingos para lermos outros livros que não a bíblia. rsrs.

    Mas supondo que esta última tenha sido feita seriamente, tenha grande amostragem, tenha resultados publicados, isso significa que pode ser auditada, e pelo que me consta você ou é auditor ou sabe como auditar.

    Não acho que tendencia política tenha influência ou seja influenciada por graus de inteligência. Para mim conservador tacanho e esquerdista ortodoxo são a mesma coisa, e são muito diferentes de pessoas com ideias sensatas, não importa a ala.

    Eu sinceramente gostaria de saber o que tornou essa pesquisa “viciada”, se é que você me entende.

    Grato.

    • Antonio,

      Sempre que estudamos grupos, temos que considerar os EVENTOS que atingem esses grupos.

      Por exemplo. Se pessoas que usam computador, tem mais chances de usar óculos, não podemos dizer que pessoas com mais posses (e portanto, que usem mais o computador), tem maior tendência a usar óculos. O uso de óculos seria uma CONSEQUÊNCIA do uso do computador, e o uso do computador é para pessoas de melhor situaçao financeira. (Há pessoas do sítio, humildes, como o caseiro do sítio, que jamais usaram um notebook)

      Caso alguém saiba deste evento (o aumento do uso de computador, por pessoas de maior renda), uma pesquisa que “conclua” que pessoas mais ricas tendem a usar óculos está omitindo um fator, pois a pesquisa deveria “concluir” que pessoas que usam computador tendem a usar óculos ou ter problemas de visão.

      Isso é o que aconteceu nesta pesquisa. Depois da publicação dos Cadernos do Cárcere, Gramsci se tornou o autor número 1 da esquerda no Ocidente, e a defesa de Gramsci é que a doutrinação de esquerda seja feita nas escolas.

      Logo, alguém de QI maior tem mais chances de ir para a escola, e especialmente a universidade, e PORTANTO sofrer doutrinação de esquerda. Como a doutrinação de esquerda é um FATOR, a conclusão do estudo deveria ser “pós-universitários tem maior chances de possuir alto QI, e como consequência tem maiores chances de serem doutrinados na escola em esquerda”.

      Simplesmente fazer uma pesquisa de rua levantando doutrina ideológica, e associando a QI, é uma DESONESTIDADE INTELECTUAL depois do evento Estratégia Gramsciana.

      Por isso, a pesquisa deveria contabilizar esse fator, mas o omitiu, o que a transformou em pesquisa viciada.

      No livro “Flim Flam”, de James Randi, ele dá dicas de como ver pesquisas viciadas feitas por médiuns, parapsicólgos, etc. O truque é o mesmo.

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta