Instituto vê tensão entre imprensa e governos da América Latina

0
64
=
Presidente do Equador, Rafael Correa

Fonte: Abert

O peruano Instituto Imprensa e Sociedade (IPYS) qualificou de “aguda” a tensão entre os monopólios das comunicações com os governos da América Latina, depois que a Corte Nacional de Justiça do Equador ratificou a sentença por “injúria caluniosa” contra o jornal El Universo.

“Esta decisão reflete que a tensão é evidentemente aguda, apesar de por diversos motivos, em países como Venezuela, Equador e Argentina”, disse à AFP Ricardo Uceda, secretário-executivo do IPYS, organização que reúne jornalistas locais que atua em Venezuela, Equador, México e Argentina.

“A causa dessa tensão é a base autoritária desses governos, esse seria o denominador comum. Em outros países como Brasil, Paraguai, Uruguai e Peru essa tensão é menor”, completou o principal diretor do IPYS.

“Não é a esquerda ou as ideias de esquerda, mas o autoritarismo de cada presidente que impulsiona essa tensão entre imprensa e governo”, disse Uceda à AFP.

“No Peru, o governo de Ollanta Humala teve muitas das ideias defendidas por Chávez e Correa. Isso indica que não é a linha política que leva a essa situação. Uruguai e Brasil também são exemplo disso”, ressaltou.

“O caso do Equador – completa Uceda – é o mais grave, porque o uso de um poder do Estado – a Justiça – de forma obscena”.

Uceda descarta que outros presidentes da região devam imitar Correia e processar a imprensa “incômoda”, como sugeriu esta semana o presidente equatoriano.

Por sua vez, o Conselho da Imprensa Peruana, que reúne os proprietários dos meios de comunicação, como a corporação El Comercio e o grupo de rádio RPP, qualificou de “abuso de poder o fato de um presidente processar um jornal”.

“Foi um processo cheio de irregularidades e vícios jurídicos. Foi uma ação desmensurada que reflete a animosidade do presidente Correa contra a imprensa”, disse à AFP Kela León, secretária-executiva do Conselho da imprensa peruana.

A decisão judicial no Equador indica que os responsáveis pelo jornal El Universo podem ter de cumprir até três anos de prisão e pagar 40 milhões de dólares de indenização.

AFP

Anúncios

Deixe uma resposta