Fortuna do militante ateu Richard Dawkins vem de escravos que trabalharam para sua família, que há séculos se opõe a iniciativas cristãs, afirma jornal britânico

7
33

Fonte: Notícias Gospel

O ativista ateu Richard Dawkins tem enfrentado questionamentos pelo passado de sua família, pois recentemente, foi descoberto que seus ancestrais eram senhores de escravos na Jamaica. A revelação foi feita em um artigo escrito para o jornal britânico “The Telegraph”, no último dia 19/02.

A informação é de que Henry Dawkins, ancestral do militante ateu, possuía uma fazenda de cana de açúcar na Jamaica, com 1.013 escravos trabalhando. Uma das propriedades da família na Inglaterra, uma área de 400 acres que acabou sendo herdada pelo pai de Richard Dawkins, teria sido comprada com dinheiro proveniente do trabalho escravo.

A luta contra a escravidão no Reino Unido começou em 1796, quando o parlamentar William Wilberforce propôs uma lei para acabar com a escravidão. William tinha se convertido ao evangelho um ano antes, e um dos votos contra sua proposta, partiu de James Dawkins, que havia comprado a propriedade mencionada acima. O irmão de James Dawkins, George, que também era contra a abolição da escravatura, afirmou que “a rápida aniquilação da escravatura seria acompanhada pela devastação das colônias das Índias Ocidentais, com inevitável desconforto e miséria reservados à população negra”.

Porém, em 1833, a proposta do parlamentar evangélico William Wilberforce foi aprovada, abolindo a escravidão em terras britânicas. A luta contra a escravidão dos negros no Reino Unido levou 37 anos para ser aprovada no parlamento. O Relatório Anti-escravidão de 1831, portanto, escrito antes da aprovação da lei, criticava os fazendeiros escravagistas por obrigarem seus escravos a trabalharem aos Domingos, não permitindo que eles frequentassem ou realizassem cultos religiosos, condenando-os “ao trabalho duro e ao secularismo”.

Quando questionado sobre suas ligações com a escravidão, Dawkins afirma que apenas 1 a cada 512 genes de seu corpo descendem do senhor do engenho que mantinha escravos, e que a propriedade herdada de sua família não rende lucros. Curiosamente, ele é autor de um documentário, lançado em 2007, intitulado “Escravos da Superstição”, em que critica as práticas religiosas. Há informações de que existem pessoas se organizando para exigir indenização da família Dawkins por sua oposição à abolição da escravatura, segundo o blog “O Contorno da Sombra”.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Oi, Ayan.

    Aqui onde trabalho, o MPU/MPF/PGR, o pessoal começa a perceber, após entrar no 6º ano sem reajuste salarial, que passou de beneficiário-funcional a somente funcional – e de beira de brejo. Veja como refizeram a definição para o partido que antes idolatravam:

    “O Partido dos Traidores é orientado por pseudo-intelectuais que fingem estudar pra não ter que trabalhar, formado por militantes que fingem trabalhar pra dizer que não têm tempo para estudar, comandado por sindicalistas que não estudam nem trabalham e que encheram o rabo de dinheiro às custas de eleitores idiotas que trabalham feito escravos e não têm dinheiro nem pra estudar nem pra comer.”

    Agora ficam todos amuados pelos cantos, invocando, inutilmente, a ajuda do Chapolin Colorado:

    “Oh… E agora? Quem poderá nos defender?”

    Cria cuervos… – eu os prevenia. Pelo menos deixaram de me esculhambar. Como dizia aquele recém melhor amigo-de-infância de Lula: o tempo é o senhor da razão.

  2. Hmmm, será que algum movimento de “ativismo negro” vai passar a encher o saco do Dawkins, exigindo “indenizações retroativas” 🙂 ou algo do gênero? 😉

    A propósito, já faz vários anos que ouvi na CBN uma notícia sobre uma série de TV que foi abortada pela pressão dos negro-ativistas, porque ela mostrava (entre outras coisas) que a escravização dos negros africanos pelos muçulmanos e pelos europeus foi auxiliada pelos próprios africanos.

  3. Ra!
    Na comunidade ´´Contradições do ateísmo.“ esta rolando um surto de bipolaridade Ateista!

    São varios cerebros entrando em curto, por um lado repetindo as mesmas falancias culpando a religião e Biblia pela existencia da escravidão, que é horrivel etc.

    Por outro lado defendendo o Guru deles com perolas que so lendo p crer ´´ah, mais isso era normal no passado“, ´´naquela epoca não era crime“, ´´e dai?“

    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=15220045&tid=5711620507630596773

    • O pior problema com o neo ateísmo é justamente esse. Eles são esquerdistas, e por isso trabalham com o paradigma “bom é o que está do lado deles, errado é o que está contra”.

      • Sim, vale lembrar que uma das armas deles para dizer como a biblia é uma “abominação”, era dizer que ela “apoia” a escravidão.

        dois pesos e duas medidas? NÃÂÃOO é hipocrisia mesmo

  4. Opa opa opa! Vamos com calma nesse post! Dawkins é um trambiqueiro de marca maior e há várias provas disso – irei até depois desse comentário aqui postar um artgo de Dr. Daniel Came, professor da mesma Oxford de Dawkins E ateu, chamando Dawkins de covarde pela recusa deste de debater com William Lane Craig e, de quebra, ainda ataca a irracionalidade do neo-ateísmo -, mas essa reportagem tem um quê incómodo de sensacionalismo, no mínimo.

    Primeiro: os ancestrais escravistas de Richard Dawkins se opuseram às leis abolicionistas por motivos DECLARADAMENTE “ateístas” ou, no minimo, anti-cristãos? Avaliar por meios implícitos, sutis e ambíguos como o título da matéria faz – sendo que nada em claro é mostrado na mesma – é de certa forma desonesto, sinto muito.

    Segundo: quais as relações ESCANCARADAS, em termos de comportamento moral, entre Dawkins e seus antecessores escravocratas? Seria ele um escravocrata só porque seus descendentes o foram? Se sim, como explicar isso? O único “indício” disso é quando Dawkins mesmo diz, em seu característico estilo bobalhão-cínico, que “apenas 1 a cada 512 genes de seu corpo descendem do senhor do engenho que mantinha escravos”, o que não define nada e que poderia ser inclusive usado ao seu favor de certa forma.

    Terceiro: Talvez Dawkins esteja mentindo ao dizer a propriedade não rende lucros, mas mais importante que isso: o rendimento que RICHARD Dawkins POSSA ter adquirido com essa propriedade deriva DIRETAMENTE de trabalho escravo? Não há nada que indique isso na reportagem.

    Duas coisas que PODEM ser usadas contra Dawkins no que tange essa questão é 1º: ele nunca ter dito nada a respeito ao longo de sua carreira até agora e, 2º: as reações irracionais de seus asseclas em suas tentativas de defender SUPOSTAS mal-feitorias do guru. Afora isso, não há muito o que DE FATO se aproveitar com essa reportagem, que, além de não ter muita profundidade investigativa, periga em cometer uma atitude anti-bíblica: culpar Richard Dawkins por crimes unicamente praticados por seus antepassados – até que se prove o contrário…

    • Olá Acauã, eu concordo com os pontos que podem ser usados contra Dawkins, e não vejo motivos para criticá-lo pelo que seus antepassados fizeram. Acredito que se formos buscar meus antepassados eu também ache alguns que tenham sido a favor da escravidão.

      O que é mais irônico na notícia é que Dawkins afirmava que religião tinha CULPA pela escravidão, e a notícia mostra que, se há culpa, há mais dos antepassados dele do que da religião.

      Para aumentar a ironia, um cristão lutou contra a escravidão (Wilberforce), enquanto um antepassado de Dawkins lutou a favor.

      Acredito que o maior aspecto da notícia está na ironia e em como ela torna mais vazia ainda a pregação de Dawkins a favor de que “religião é má, pois por culpa dela tivemos escravidão”.

Deixe uma resposta