Entidades religiosas cuidam dos alagados no Acre… e neo ateus ficam OFENDIDOS. Eles são ou não são gente finíssima?

7
52

Fonte: Paulopes

O governador Tião Viana (PT), do Acre, livrou-se da obrigação do poder público de dar assistência às vítimas de alagamento e a repassou a igrejas e bancos.

O que ocorre normalmente, nesse tipo de socorro, é o estabelecimento de cooperação com igrejas e outras instituições. Nesse caso, contudo, o governador entregou todas as responsabilidades a igrejas.

Viana anunciou ontem (27) que o poder público deixará de administrar os donativos e também não mais decidirá quem deve receber a ajuda.

Ele repassou essas atribuições para a Igreja Católica, Assembleia de Deus e Igreja Renovada. São elas que vão gerir as contas bancárias abertas no Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal para o depósito das doações em dinheiro.

Vianna “privatizou” o socorro sob o pretexto de se ter maior transparência na destinação das doações, admitindo, indiretamente, a incompetência de seu governo de impedir que haja desvio ou mau aproveitamento dos recursos.

Ele se desincumbiu de uma atribuição que seria do seu governo ao mesmo tempo em que agradou as igrejas, concedendo-lhes poder. E se algo der errado, a culpa não será dele, mas das igrejas. Vianna se mostrou “esperto”, no sentido pejorativo da palavra.

Meus comentários

O bizarro campeia solto nos comentários do blog Paulopes. Decerto, todos estão corretos ao criticarem o petralha Tião Viana por transferir uma responsabilidade que é do estado para as Igrejas. Quanto a isso, não há discordância entre eu e os neo ateus. Mas esse é o único acerto do blogueiro neo ateu e seus comentaristas.

Entretanto, já que o governador se omitiu, e as Igrejas assumiram essa função, eles deviam AGRADECER aos religiosos, certo? Errado, isso só seria possível para uma pessoa de mentalidade normal, não um neo ateu.

Segundo o comentarista Willpap isso tudo prejudica o ‘estado laico’: “Como atingiremos um estado laico com plenitude se os nossos governantes não cooperam.”

Ele afirma: “É um tiro no pé. Dá-se a elas [Igrejas] um poder que elas não deveriam ter. Lamentável.”

Aliás, Willpap pensa como esquerdista, pois “ajuda humanitária faz parte de ações que só cabem ao governo”. Na verdade, a OBRIGAÇÃO é do governo, obviamente, mas a ajuda VOLUNTÁRIA é um direito de qualquer um que queira fazê-lo. Ele está fulo pois essa ação humanitária “vai se tornar uma forma de promoção para bancos e igrejas.”

Quer dizer, o sujeito não está se preocupando com as vítimas, mas sim com o fato das Igrejas se “auto-promoverem”? Ora, se o problema é esse, por que organizações de ateus não vão lá e fazem “ajuda humanitária” também?

Mas esse tipo de opinião perde no torneio de afirmações bizarras para o seguinte anônimo: “O acre foi castigado por que tem muitos evangelicos. Se tive somente ateus com certeza isso não ocorreria, por que temos mais qualidade técnica e instrução para lhe da [sic] com desastre. Para começa dariamos mais valor ao planejamento urbano e familia, e grande investimentos em educação e saúde.”

Realmente, possuem “muita instrução”, mas a pontuação e gramática do texto acima não são toleráveis nem para um aluno da segunda série.

Mas fica aqui o desafio: se os neo ateus leitores do Paulopes estão tão emputecidos pelo fato das Igrejas assumirem o papel da ajuda humanitária, ao invés de ficarem promovendo ódio na Internet, por que não vão lá ajudar também?

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Aqueles neo ateus ali não se organizam p/ajudar porque assim eles estariam se tornando entidades nos moldes das que mais gostam de criticar: governo e igrejas.

  2. É incrível! Não, é só previsível.

    Paulopes faz leitura mental dos religiosos e lhes atribui oportunismo. Depois, emprega a falácia do falso dilema, como se ações oficiais do governo e ações voluntárias de entidades privadas fossem mutuamente excludentes. Ora, se fossem ONGs não vinculadas a grupos religiosos, certamente o blogueiro não ficaria tão revoltado.

    O “pobrema” (by Lula) é que as vítimas não podem esperar. Parafraseando Mao, um dos ícones da esquerda: não importa a cor do gato desde que caçe os ratos. Como o gato neoateísta não está nem aí pros ratos, merecia mais era ficar cara a cara com Kika, a cadelinha dengosa – aí ela pararia de mancar para lhe dar um corridão.

  3. “[n]O acre foi castigado por que tem muitos evangelicos. Se tive somente ateus com certeza isso não ocorreria[/n], por que temos mais qualidade técnica e instrução para lhe da [sic] com desastre. Para começa dariamos mais valor ao planejamento urbano e familia, e grande investimentos em educação e saúde.”

    Po%#@! Primeiro é o cara que “foi iluminado transcedentalmente” após ler Dawkins (abaixo), agora esse sujeito do Acre falando uma besteira dessa? Só pode ser do Acre mesmo – um estado que não existe…

    Brincadeiras à parte, essa frase desse neo-ateu anônimo é uma pequena comprovação de algo que eu recentemente tomei conhecimento teórico em minhas pesquisas: a [i]inversão da condenação definitiva de pessoas de forma secular[/i]. Vou tentar explicar isso de forma breve: se em muitos sistemas religiosos se tem a promessa do castigo eterno no Inferno e similares para quem fica contra Deus e Sua obra, nas “religiões políticas” que tem o ateísmo – ou mesmo formas gnósticas usurpadoras do reinado divino -como base ativa se tem um “inferno na terra” para todos aqueles que não são aderentes de tais “religiões”.

    Reparem só no comentário desse anônimo: é comum de se ver, quando há alguma catástrofe, certos religiosos dizendo que tal coisa ocorreu por culpa dos pecados das pessoas de tal lugar ou algo assim (não vou entrar no mérito de isso ser verdadeiro ou não). O que o neo-ateu acima faz é o OPOSTO: [n]A tragédia ocorreu, para ele, pelo mero fato de haver religião no Acre![/n] E esse tipo de comentário não é nem isolado e nem novo. Isso é só uma amostra…

  4. Se esse tipo de neo-ateu fosse coerente, nunca deveria se tratar um hospital nem estudar em universidade. Afinal, são instituições criadas pela Igreja Católica.

  5. Até acredito que esses neo-ateus e anti-religiosos podem ajudar, não por pura caridade, mas muito provavelmente para tentar fazer média.
    Agora, um tipo de gente que deveria estar lá ajudando pelo tanto que falam, são os comunistas pois eles ficam bradando aos quatro ventos que estão do lado do povo pobre e sofrido, mas quando há essas catástrofes, nem doação de água mineral os caras fazem. Nem campanha do agasalho esses comunas desgraçados fazem.

Deixe uma resposta