Qual a semelhança entre uma cadelinha manca e neo ateus que dizem que são “da razão” ou “da ciência”?

3
77

Não me lembro se já contei a história de uma cadela (falsamente) manquitola que minha família teve.

Se não contei, ótimo. Se já contei, conto de novo, pois eu não posso perder esse “timing”.

O fato é que tínhamos uma cadela basset, Kika, que aos 2 anos foi atropelada por um carro e quebrou a perna. Levamos a Kika de imediato ao veterinário e ela ficou com uma tala na perna por algumas semanas. Quando a tala foi tirada, Kika ainda mancou por cerca de 1 mês…

Na verdade, foi muito mais que isso. O fato é que o “mancar” da cadela não sumia. Todos ficavam com pena da Kika quando a viam mancando, e ela não saía do colo das pessoas por isso. Intrigados, levamos a cadela de volta ao veterinário mais de uma vez, e ele disse que não havia nada de errado. Mas se não havia nada de errado, por que ela não parava de mancar? Ficamos preocupados…

Por acidente do destino, deixamos uma câmera de vídeo desligada, e descobrimos um fenômeno: a Kika SÓ MANCAVA se visse alguém por perto. O fato é que o cérebro dela assimilou a seguinte informação: “se eu manco, recebo carinhos”. Sendo assim, ela associou o “mancar” à uma recompensa. O resultado foi um comportamento instintivo que ela não largava. Obviamente, não paramos de fazer dengos na Kika, embora já sabíamos que o mancar dela não passava de uma farsa.

E o que isso tem a ver com a maioria dos neo ateus e humanistas seculares da Internet? Praticamente tudo.

Por exemplo, me aponte um neo ateu discutindo no Orkut, e eu lhe apontarei alguém que dirá representar a “razão”, em um duelo contra a “fé”. Ele também afirmará representar a “ciência”, em oposição à “religião”. Ele professará representar o “saber” em relação à “ignorância”. Esse discurso continuará ad aeternum. Em um debate de 30 minutos esses recursos serão tentados no mínimo umas 10 vezes.

Mas ele realmente provará representar a “razão” mais que seus oponentes? Claro que não. Também não demonstrará que “representa a ciência” ou sequer “o saber”. Ele no máximo terá um discurso anti-religioso no qual associará religião ao “não saber” e o ateísmo ao “saber”, e portanto dirá que está do lado da razão, sabedoria e ciência, contra os religiosos medievais.

Ele fará isso de forma instintiva, pois seu cérebro assimilou algumas “recompensas”. Por exemplo, se ele tiver um blog, e for incisivo nas repetições de “dono da razão” e “representante da ciência”, alguns comentaristas poderão até dizer “é, está certo, continue aí nos protegendo desses religiosos medievais, e defendendo a ciência”. Ele ficará orgulhoso. Outros comentaristas, em fóruns e comunidades, se forem neo ateus/humanistas, repetirão os agrados. Ele dormirá mais orgulhoso ainda. Os carinhos que a Kika recebia em forma de afagos ele receberá em forma de elogios, e isso lhe trará conforto mental.

O cérebro dele não pensa em forma dialética, mas sim em relação à RECOMPENSA psicológica que irá obter. Não é que ele esteja do lado da razão, ciência ou sabedoria, mas sim que acostumou-se a obter os benefícios psicológicos que a repetição deste discurso lhe fornece.

Fico imaginando hoje como a Kika reagiria se soubesse falar, entendesse minha linguagem e eu dissesse a ela: “Kika, não seja desonesta, sabemos que você não está mancando, não tente nos enrolar”. Acho que tentaria me morder.

Isso é exatamente o que ocorre quando eu questiono os neo ateus e humanistas (ou seja, qualquer leitor do site Bule Voador ou do Paulopes). Todos eles só faltam querer me fuzilar.

Por exemplo, um deles chega dizendo: “Por que você é contra a razão?”. No que eu respondo: “Quem disse que sou contra a razão? E quem disse que você está mais do lado da razão do que eu? Comece a argumentar, pois repetir que ‘é da razão’ não vai funcionar no debate comigo”. Eles perdem a cabeça na hora.

Outro exemplo é quando um deles fala: “A ciência resolve todos os nossos problemas, a religião evita a resolução”, e eu respondo: “Quem disse que você representa a ciência? Aliás, eu adoro ciência. Quem disse que essa definição de ‘ciência’ usada por você é realmente válida em termos epistemológicos?”. Nesse momento, é como se perdessem o chão por debaixo dos pés.

Tive até uma idéia ao fazer esse texto. Quando tentarem essas trucagens de novo, eu vou dizer-lhes: “Ei, pare de agir feito uma cadela manquitola”, e mandarei o link para este texto. E prosseguirei: “Isso não funciona mais, que tal começar a debater de fato?”.

Se a cadela Kika não era capaz de entender a linguagem, quem sabe os neo ateus/humanistas não entenderão? Sim, eu sei, estou sendo esperançoso demais.

Mas se eles não entenderem, ao menos a platéia do debate compreenderá que estamos desmascarando safados, que usam um discurso não por sua validade filosófica, mas pelo benefício psicológico que estão obtendo.

Hoje, confesso: eu teria pena de ver uma cadela recorrer a esse expediente para receber carinho e a afagaria. Mas não podemos aceitar o mesmo em relação a marmanjos desonestos que só pensam em vencer debates e mentir sobre seus oponentes.

Com seu manquitolar falso, a cadela Kika não prejudicava ninguém. Ao contrário dos neo ateus/humanistas, que possuem intenções totalitárias.

Portanto, para a cadela Kika, os afagos. Para os neo ateus/humanistas, as chineladas.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Como você mesmo disse em um post antigo, Luciano, o neo-ateísmo é um caso de auto-engano patológico cujas probabilidades de cura são muito baixas, infelizmente. Eis aqui a pérola que eu acabei de encontrar:

    «
    Feliz é o ateu.
    Porque….

    Vive sua vida honestamente,pelo simples fato de saber que essa é a forma correta, sem a exigência de recompensas ou medo de castigos eternos.

    Tem a certeza que após sua morte, restarão apenas seus atos, que, por mais insignificantes que possam parecer, decidirão o futuro de muitos.

    Acredita na ciência como o caminho possível de adquirir conhecimentos que ajudarão a desvendar mistérios naturais e facilitar a vida do próximo.

    Não teme a escuridão e a vê como apenas falta de luz e não como um esconderijo de fantasmas.

    Adquiriu a maioridade intelectual e não precisa se apoiar num pai eterno castrador e punitivo.

    Sabe que o maior tesouro da humanidade é a liberdade de escolher o rumo de seus pensamentos e imaginação.

    Tem a humildade de se colocar ao lado de todos os outros animais que convivem no mesmo planeta.

    Conseguiu se libertar dos fantasmas que povoaram as mentes de nossos antepassados, mas não os condena por isso.
    »

    [ fonte:
    http://br.answers.yahoo.com/activity?show=kc0qTTEEaa ]

    Para quem entende latim: Risum teneatis, amici? 😉

  2. Tem um joguinho que eu jogo online com uns amigos cujo sistema de formação de partidas possui algumas deficiências, e de vez em quando ele coloca equipes bastante experientes pra competir contra outras com bem menos habilidade.

    Coisa MAIS RIDÍCULA que eu já vi é jogadores de nível 1 no ranking desse jogo dominando totalmente a partida e ainda se gabando e zoando com a cara dos outros de nível mais baixo. É tipo “tá bom fera, a gente sabe que você é o maioral, não precisa ficar repetindo isso pra todo mundo, muito menos pra quem tá começando agora”.

Deixe uma resposta