Mais uma piada involuntária neo ateísta: “Professor sugere república de ateus para conter intolerância religiosa”

4
56

Fonte: Paulopes

O professor Renato Lessa (foto), titular de teoria política da UFF (Universidade Federal Fluminense), escreveu um artigo dizendo que “uma república de ateus é não só viável, mas pode ser uma condição necessária” para garantir a laicidade do Estado e proteger a sociedade da intolerância religiosa.

“Trata-se de uma tese que pode chocar o leitor, pela aparente ausência de espiritualidade, mas pode ser interpretada de modo inverso: a garantia de incolumidade diante do que creio só pode ser dada se sou protegido da intolerância promovida por outras crenças”, disse ele em artigo publicado ontem (4) no caderno “Aliás,” do jornal O Estado de S.Paulo.

“Só pode fornecer tal garantia [contra a intolerância] um Estado indiferente a todas as crenças e, neste sentido, desespiritualizado”, acrescentou.

Após citar o ensaísta francês Michel de Montaigne (1533-1592), entre outros, como sendo um dos primeiros a denunciar o horror da religião de Estado, Lessa se mostrou preocupado com a pregação conservadora da Frente Parlamentar Evangélica e seu poder crescente no governo, por intermédio da coalização partidária que acabou de garantir um ministério ao senador e pastor Marcelo Crivella, da Igreja Universal.

“A unção ministerial do senador Crivella, para além do que possui de autoevidente, é portadora de presságios ainda mais preocupantes do que o usual.”, escreveu. “Se associada a episódios recorrentes da ação da liga evangélica na política nacional, sugere ameaça à república laica.”

A ideia de uma república de ateus é polêmica. Além de ser rechaçada por parte dos próprios céticos, ela causa arrepios nos líderes religiosos porque eles entendem que esse regime de governo é contra as crenças. Na definição de Lessa, contudo, uma república descrente não seria “contra” as religiões, mas “indiferente”.

Quando se fala de governo liderado por ateus, religiosos e políticos de direita sempre lembram, entre outros, o regime ditatorial soviético, principalmente na época de Stalin, que matou milhões de opositores.

Essa é outra polêmica, porque se trata de uma argumentação equivocada ou de má-fé, porque nenhum ditador matou em nome do ateísmo, independentemente de sua cor ideológica, mas tendo como bandeira o socialismo, no caso de Stalin, ou seu projeto pessoal de poder.

Talvez Lessa esteja superestimando o poder da direita evangélica. Ou não. De qualquer maneira, ele fez uma pergunta para a qual a sociedade terá de dar uma resposta, que definirá o rumo do país: “É razoável que crenças particulares constituam base para legislação e políticas públicas?”

Meus comentários

O que está acontecendo com os neo ateus atuais? A minha teoria da Espiral da Bobagem realmente fica mais e mais sólida a cada notícia em que vejo um neo ateu abrindo a boca.

A partir do uso da estratégia Estilo sem Substância, Renato Lessa diz: “a garantia de incolumidade diante do que creio só pode ser dada se sou protegido da intolerância promovida por outras crenças”. Incolumidade significa “ausência de perigo”. É, eu sei, esquerdistas são sempre assim. É puro enrolation.

Seja lá como for, ele “garante” que é totalmente seguro para os religiosos e anti-religiosos ficarem em um país regido por ateus.

A lógica dele é baseada no seguinte (segure-se na cadeira): “Só pode fornecer tal garantia [contra a intolerância] um Estado indiferente a todas as crenças e, neste sentido, desespiritualizado”.

Quer dizer, ele REDEFINE o ateísmo para indiferença em relação a Deus, e a todas as crenças. Por isso, um estado “indiferente” é seguro.

Mas o que estou mostrando aqui, em vídeos contínuos, é que os neo ateus (que são um tipo de ateus) estão longe de serem indiferentes aos religiosos. Pelo contrário, eles são muito mais intolerantes em relação aos religiosos do que os religiosos são intolerantes em relação aos ateus e outros religiosos. Ou seja, a tese de Lessa cai por terra.

O “perigo” apontado por Lessa é o fato do pastor Marcelo Crivella ter obtido um ministério no governo do PT. Também não gosto de Crivella e muito menos do PT, mas e em relação aos humanistas? Com certeza, há muito mais humanistas no governo do que religiosos tradicionais. Portanto, a tese de Lessa continua sem sair do zero. Os humanistas são religiosos políticos, e muito mais intolerantes em relação aos religiosos, do que estes em relação aos humanistas.

Paulopes também continua o show do ridículo ao dizer que quando religiosos lembram que Stalin “matou milhões de opositores”, isso é uma “argumentação equivocada ou de má-fé”. Errado. Não há nenhuma má fé em constatar o óbvio. A tese neo ateísta é de que a violência ocorre POR CAUSA da religião. Ora, para testar a tese neo ateísta, temos que testar estados totalitários que tenham tido líderes ateus. Se a tese neo ateísta estiver correta, os genocídios da Rússia, China e Cambodja SIMPLESMENTE NÃO PODERIAM ocorrer.

Só que as evidências são claras e a verdade é nua e crua: mesmo sem a religião, e com o ateísmo presente, os genocídios ocorreram em maior número. Provavelmente por que ao invés de religiosos tradicionais tínhamos religiosos políticos.

Afirmar que o religioso político mata mas antes de cometer o crime talvez diga “olha, estou matando, mas não é em nome de ateísmo, viu?” não é vantagem nenhuma. Será que afirmar “vou te matar, mas é em nome de qualquer outra coisa, mas não em nome de ateísmo” vai ressuscitar os mortos? Claro que não.

Enfim, afirmar que um governo “ateu” trará SEGURANÇA TOTAL para todas as crenças não passa de um delírio. E, como neo ateu convicto, Paulopes apóia qualquer delírio proferido por neo ateu, mesmo que tenha que recorrer a estratagemas manjadíssimos.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Ouche! E eu achando que o Estado Brasileiro já era “indiferente” quanto as religiões exatamente por ser LAICO e não teocrático.

    AH! mas pera aí! O que o neo ateu está a firmando é que as religiões deveriam ser, na verdade e com as essenciais palavras de um cara-de-pau, eliminadas ao status de acessório opcional e inutil, “para eliminar essa influência nociva que matou tanto e é tão cruel *T.T snif*” tal discurso é o mesmo velho, desonesto, utópico e batido de todos os “proeminentes” neo-ateus, como Richard Dawkins, são robôs, só pode…

    • “Ouche! E eu achando que o Estado Brasileiro já era “indiferente” quanto as religiões exatamente por ser LAICO e não teocrático.”

      faço minhas suas palavras.
      Um Estado ateu seria beneficiar um lado, o que vai contra o “indiferença”.
      O fato de não haver uma crença num ser divino não implica em indiferença.

      A mesma coisa que em uma escala numérica eu, p/ garantir “neutralidade” ou indiferença como usado no texto, deveria ficar não no 0 e sim no -1.

  2. Esse é o ateísmo “made in Paraguay”:

    * La garantía soy yo. *

    A propósito, obrigado por destacar que o motivo REAL da “preocupação” do ilustre docente é a invejinha em relação ao Sr. Crivella — o qual aliás deveria se envergonhar de aceitar um Ministério cuja única razão-de-ser é colocar mais “companheiros” no Pudêrrr.

  3. Luciano, usemos um exemplo mais “explícito” de “exemplos de morte em nome do ateísmo militante”: a Albânia de Enver Hoxha, cujo governo foi pioneiro em adotar o ateísmo como posição OFICIAL em questões religiosas, perseguindo todas as demais crenças religiosas propriamente ditas EM DEFESA desse ateísmo estatal. Esse tipo de exemplo – com mostras argumentativas – é que deveria ser usado sempre que alguém argumentar de forma mais sofisticada o papo-furado de que “não houveram mortes a favor do ateísmo pelo socialismo”.

Deixe uma resposta