Ver marxistas radicais indo comer no McDonald’s NÃO TEM PREÇO

6
156

Fonte: Blog do Aluizio Amorim

Não tem preço ver a turma do MST/PT fazendo fila nesta loja no McDonald, logo o MST que costuma condenar essa extraordinária empresa global norte-americana que em passado recente foi atacada em várias partes do planeta pela bandalha esquerdista.

A foto chegou ao conhecimento do blog via FaceBook da atenta Solange Frota que não perdeu tempo e postou e já caiu em todas as redes sociais.

Com este calor nada como uma Coca-Cola bem gelada, um sundae e, para rebater, um McLanche Feliz… com a qualidade do McDonald que opera com ingredientes de primeira qualidade e oferece um ótimo atendimento à sua imensa clientela que agora inclui também até mesmo os bate-paus do MST.

Meus comentários

É por causa de cenários como esse citado acima pelo Aluizio Amorim que fiz o texto “A Ilusão do Esquerdismo Moderado”.

Embora seja difícil mencionar alguém do MST como “moderado”, podemos dizer que a atitude acima é uma negação a alguns dos princípios fundamentais do marxismo moderno. O princípio, no caso, é a rejeição a todos os ícones que provam o sucesso do capitalismo.

É exatamente por isso que muitos militantes odeiam o Windows, pois ao usar o Linux (um sistema de graça) estariam mandando às favas uma empresa que representa o capitalismo.

Ora, se é assim, por que não vão comer esfirras no boteco do Seu Joaquim? Poderiam também tomar uma tubaína…

Mas pode ser que, no momento em que lembraram daquela esfirrinha minguada, ou daquele ketchup aguadíssimo dos botecos de segunda categoria, a fé marxista não foi tão forte…

Anúncios

6 COMMENTS

  1. É a típica cena do idiota útil,
    idolatram pessoas, selas mandam eles protestar e vandalizar, lá vão eles.
    Se mandam eles reprimir e odiar, lá vão eles.

    Se mandam eles responder qual o sentido da sua ávida militância, respondem com ódio e argumento vago…

    Se avisam para eles que o que eles estão fazendo tem toda uma cara de subversão comunista e que eles são apenas peões de gente malígna, se surpreendem, te chamam de burro e ainda dizem que estão é lutando pela “verdadeira democracia” e o “lula” (<– insira o nome do idolo aqui) é um anjo trabalhadô.

  2. O MST luta pela Reforma Agrária, não pelo fim do capitalismo. Se o McDonald paga um salário digno e respeita os direitos trabalhistas de seus funcionários, não tem razão para reclamar ou muito menos invadir. E se fosse para renegar todo o capitalismo, seria melhor viver numa selva. Aceitar viver no capitalismo não significa concordar com tudo que acontece nele. Parace até a época de Médici: Ame-o ou deixe-o!

    • Carlos, estou apenas investigando a contradição da mente marxista. Como a doutrina marxista necessita um DUPLIPENSAR eterno do marxista, eles podem ir a um símbolo do capitalismo, o McDonald’s. E é por isso que disse que eles tinham que fazer concessões nas crenças deles. Eu não fui contra eles irem em um lugar que é simbolo do capitalismo, mas apenas notei a ironia de tudo.

    • Uma vez eu li um livro do próprio MST publicado, salve engano, em 1985. No livro diz que um dos objetivos do movimento é o socialismo.

      No site do movimento, não vi nada falando de socialismo, mas na parte “Nossas Bandeiras”, há as chamadas políticas públicas que defendem.

      Note-se que as causas pelas quais eles lutam não diferem em quase nada da agendo dos partidos de esquerda do Brasil. Até porque o PT sempre foi ligado com o MST.

      alguns excertos interessantes:

      REFORMA AGRÁRIA

      (…) Estabelecer um limite máximo ao tamanho da propriedade de terra, como forma de garantir sua utilização social e racional. (…) A política de exportação de produtos agrícolas deve ser apenas complementar, buscando maior valor agregado possível e evitando a exportação de matérias-primas.

      COMBATE A VIOLÊNCIA SEXISTA
      (…) As mulheres continuam sendo mais mal remuneradas no mercado de trabalho, continuam tendo dupla, às vezes, tripla jornada de trabalho e continuam sofrendo com o assédio sexual e a violência física por parte dos homens. (…) Lutamos para transformar a sociedade e entendemos que a organização das mulheres é fundamental para a SUPERAÇÃO DO MODELO CAPITALISTA e para por fim a violência sexista enraizada neste modelo.

      DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO
      O povo tem o direito de organizar seus próprios meios de comunicação social, de forma associativa. E o Estado deve garantir os recursos para que exerça esse direito. É preciso democratizar os meios de comunicação, começando por acabar com o monopólio privado dos meios. Atualmente no Brasil menos de dez grupos – constituídos por famílias ou agremiações religiosas – controlam as maiores redes de comunicação, incluindo televisão, rádio, jornais, revistas e portais na internet.
      O Estado deve estimular, com políticas e recursos para que se amplie o maior número possível de meios de comunicação, sob CONTROLE SOCIAL, nas mais diferentes formas de organização popular. (…)
      Acreditamos que as concessões de radiodifusão (radio e TV) que têm caráter público devam ser discutidas no âmbito da sociedade, para que essa possa debater sobre outorgas e renovações. DEVE SER PROIBIDO O USO DE CONCESSÕES PÚBLICAS DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMO FORMA DE OBTENÇÃO DO LUCRO. A COMUNICAÇÃO NÃO É MERCADORIA. (…)

      SISTEMA POLÍTICO
      Queremos um país que crie e utilize permanentemente mecanismos de participação e decisão direta da população, nas várias instâncias de decisão do poder político e social, construindo uma verdadeira democracia popular participativa. É preciso regulamentar os plebiscitos, referendos e consultas populares para tomada de decisões de importância para o povo. (…)

      (Todos os maiúsculos são meus).

  3. E tanta babaquice que até cansa. Aff!! Antes de criticar o marxismo ( e o MST como movimento marxista que é), procure estudar sobre ele pra não passar vergonha!!!
    Ah! Esqueci, o capital é grosso e complexo demais pra quem não gosta de estudar. Melhor e mais rápido é tirar foto e ficar falando besteira sobre um mundo inventado em quem vive nele não pode nem existir. Já parou pra pensar que todas as mercadorias que existem são obras do capital?. Da pasta de dentes ao carro importado. E agora o que faremos se vivemos nesse mundo mas não concordamos com a exploração realizada pelo sistema? Deixamos de consumir o que é produzido pelos trabalhadores em nome de uma suposta ética à ser seguida por quem é anticapitalista? Faça-me o favor!!!

Deixe uma resposta