Quando avisar é inútil: cristãos comemoraram antes da hora, sobre “conversão” de um ateu, e agora pagam o preço do ridículo

15
139

Fonte: Paulopes

A história do ateu americano Patrick Greene (foto), 63, que anunciou sua conversão ao cristianismo, teve uma sequência inesperada: ele disse que voltou a ser ateu.

A notícia da “conversão” foi destaque em sites religiosos de todo o mundo, embora Greene fosse até então um obscuro e desconhecido cidadão. No Brasil, por exemplo, o Verdade Gospel, do pastor Silas Malafaia, estampou: “Ateu se converte; veja do que a compaixão é capaz”.

A “compaixão”, no caso, teria sido uma boa ajuda financeira que Greene tinha recebido de uma igreja batista para levar adiante o tratamento de uma doença que o ameaça deixar cego de um olho.

Em um e-mail onde afirma ter anunciado “cedo demais” a sua conversão ao cristianismo, Greene diz que, em que pese o “amor, bondade e compaixão” que recebeu dos batistas, não pode renunciar a 50 anos de ateísmo.

Ele disse que, após ter feito um exame de consciência no último fim de semana, concluiu que se dizer religioso vai contra tudo que lutou em toda a sua vida, como a igualdade de direitos aos homossexuais e legalização do aborto. “Eu não posso continuar pensando e sentindo que mudei o meu coração e mente.”

A história foi mal contada desde o começo porque verdadeiramente ninguém deixa de ser ateu de um dia para outro, após um depósito em sua conta bancária. Ou Greene não bate bem da cabeça ou ele aplicou um golpe nos crentes.

Meus comentários

Se eu achava que havia limites para a ingenuidade, agora vi que eu estava errado. Novos limites são descobertos a cada dia que passa.

No meio de uma guerra política, é óbvio que qualquer pessoa adulta deveria encarar a tal “conversão” do Patrick Greene com ceticismo. E jamais, sob hipótese alguma, sair “comemorando” essa conversão. Como alguns sites cristãos, incluindo o de Silas Malafaia, fizeram a “comemoração”, agora terão que aguentar a extrema humilhação de terem sido tratados como idiotas.

Eu sinto muito falar a verdade (mas é a orientação deste site: falar a verdade nua e crua), mas esses são os fatos.

Ademais, se esqueceram da regra máxima da guerra política. O importante é ficar no ataque, não na defesa. Para que “defender” o cristianismo (usando a propaganda de um suposto ateu convertido), se o importante é atacar o neo ateísmo e o humanismo?

Entretanto, a necessidade de “defender” o cristianismo foi tanta, mas tanta, que eles criaram um ponto de vulnerabilidade, que foi exposto quando o ateu disse que a conversão dele era só “brincadeirinha”.

Quem foi ingênuo, que aguente a humilhação.

Esta, infelizmente, eu tenho que reputar como uma merecida humilhação.

Anúncios

15 COMMENTS

  1. Felizmente, isto não ocorreu quando da “conversão” de Antony Flew do ateísmo para o teísmo, com flertes para com o Cristianismo. Óbvio que Flew era um filósofo sério e aristotélico, e não um moleque facilmente identificável como Greene.

    A deserção de algum expoente cristão ou ateu não deve abalar ou animar quaisquer dessas crenças. Particularmente, minha fé no Cristianismo não aumentaria se Edir Macedo se convertesse à fé cristã se arrependendo publicamente daquilo que ele hoje é: um ateu simoníaco.

    Os cristãos que caíram na pegadinha não devem ter lido (ou devem ter esquecido) o conselho do apóstolo São Paulo: “Sede simples como as pombas e astutos como a serpente”.

    Como se diz no futebol: há vitórias enganosas e derrotas pedagógicas.

  2. Pior é que pelo menos foi o que eu entendi da historia, é que o sujeitinho ateu em questão fez isso de caso PENSADO, não só pra “ZUAR” com a cara dos teístas (que por sinal como bem diz o texto, foram mesmo muito TOLOS nessa história), mais também pra tirar umas gorjetas, dos teístas involvidos!!! Se fosse ao contrário um VIGARISTA “teísta”, tivesse feito o mesmo, iris aparecer todo o tipo de defensor das causas”humanitárias” e a mérdia esquerdista, caindo em cima do sujeito aproveitando a brecha também pra infiar na conta de todos os teístas seu MAU CARATISMO, mais como foi um “bom” velhinho ateísta, né, NINGUÉM apareceu nem da MÉRDIA, nem defensor de “causa” nenhuma, pra buzinar no ouvidinho dele, e todo mundo só levou o MAU caratismo do sujeito, como uma “brincadeirinha” e mais nada!!!

  3. Agora eu lembrei: ia dizendo antes de sair, o sujeitinho ateu em questão fez um crime pela qual os cristãos que se sentiram lesados financeiramente por ele podem sim PROCESSA-LO. que é ESTELIONATO: Afnal segundo consta a história, ele se FINGUI de convertido pra obter um beneficio financeiro de um grupo de cristãso de uma determinada igreja, ou seja ele agiu de MÁ fé não só pra debochar desses como também ter ajuda financeiras desses mesmos!!! Esse é o PONTO da história toda que os cristãos deveraim usar pra agir de REVIDE contra o sujeito e também pra REVERTER um pouco essasituação de INGENUIDADE da qual eles se embrenharam com essa história toda!!!

  4. Isso sim é que pode ser considerado um “milagre pascal” XD

    Ou, no mínimo, cantar “vitória” antes da hora…

    Sério agora: e vai ficar por isso mesmo? Greene devolverá o dinheiro da doação como forma de se redimir ou, ao menos, minimizar um (por que não?) mal-entendido? ou vai fingir que nada ocorrera? Os batistas em questão vão pedir o dinheiro de volta – o que, francamente, seria uma emenda pior que o soneto – ou terão a HOMBRIDADE de admitir que se enganaram em sua esperança de conversão de um terceiro mas que, mesmo assim, desejam o melhor para ele? Haverá algum diálogo conciliatório entre os envolvidos diretos na pandega ou mais uma vez será exercida a iniquidade humana por meio de uma contenda política na qual um grupo acusará perversamente ao outro?

    Eu irei é comer um ovo de páscoa, algo menos mundano e blasfemo e lamentável que tudo isso. Fui!

  5. Quando vi que ele estava ambíguo em relação à homossexualidade, apercebi-me que algo estava errado. Nunca é bom saltar para dentro do barco antes de saber se ele aguante com o peso.

  6. Esse tal de Patrick Greene não somente afrontou a inteligência dos cristãos que o ajudaram, como também os “lesou” financeiramente. No entanto, o maior dano não foi financeiro, afinal, cristãos poderiam ajudar até o pior dos perversos neo-ateus desinteressadamente. O dano maior, a meu ver, foi subestimar a “longanimidade” dos teístas e usar de má fé para se beneficiar. Quando ateus se convertem genuinamente, eles naturalmente relatam, sem precisar de porta-vozes mega eufóricos, porém vítimas de deslumbramento.

    Fica aí algumas lições para os cristãos aprenderem:

    1- Se quiserem ajudar pessoas como Greene, façam despretensiosamente ou deixe que eles busquem ajuda na turma deles.

    2- Não confie em neo-ateus. Se eles disserem que “se converteram”, acredite, porém, duvidando. O tempo mostrará.

    Um colega ateu afirmou que tinha deixado o ateísmo e estava desejoso de tornar-se cristão, porém, estava precisando de ajuda para crer, emprestei-lhe bons livros e dispensei tempo e atenção ao sujeito, só para depois perceber que ele estava se aproveitando do material teísta que eu lhe enviara, para refutar as ideias em questão, juntamente com seu grupinho. Sentir que tinha “entregado ouro ao bandido” ou “lançado pérolas aos porcos” ( ao repassar-lhe por exemplo o blog do Snowball), mas me confortei na convicção que tenho no poder da verdade.

    3- Deixe que os neo-ateus testemunhem suas conversões por si mesmos. A iniciativa deve ser deles.
    Avaliem se suas vidas e filosofias de vida mudaram. Mas não confiem precipitadamente confiar-lhes o nome de cristãos nem o título de teístas.

    4- ser cristão não é ser bobo. Fazer o bem sem olhar a quem é o ideal. Porém, neste mundo em que vivemos temos que ser, obrigatoriamente, cautelosos e seletivos. Ingenuidade em nome da bondade ou fé pode trazer não somente prejuízos, mas também pode ser fatal.

    P.S: No comentário magistral e (quase) irretocável do Marco Antonio, houve apenas um pequeno equívoco. As palavras ” sede simples como as pombas e prudentes como as serpentes” foram proferidas pelo próprio Jesus e não o apóstolo São Paulo.

    Saudações a todos…

    • Sobre o item (2) na listinha acima:

      — você lançou pérolas aos [palavrão], isso é verdade;

      — os neo-ateus *refutaram* os artigos do Snowball, isso é completamente falso e impossível 😀
      você devia ter escrito que eles *atacaram* os argumentos do Snowball, o que é bem diferente de *refutar* 😉

      Saudações outonais.

      • JMK:

        Sobre “…lançar pérolas…”, o “palavrão” é uma metáfora de Mateus 7:6. Você deve está ligado.rs

        Confesso que falhei em não ter colocado aspas na palavra refutar do item apontado por você e, postado por mim. Você tem razão. Quis dizer que eles contra-atacaram. Na verdade faltou outras correções gramaticais e revisões no meu comentário, vendo agora, depois de postado.

        Agradecido.

  7. uma conversão depois de uma ajuda financeira não é algo que se pode acreditar muito… Já vi muita gente se tornar um “crente fervoroso” depois de ajuda financeira, me pergunto se se aproximaram mais de uma determinada ideia de divindade ou só estão se aproveitando do dinheiro fácil. Se de graça até ingeção na testa, então imaginem como deve ser fácil se declarar algo recebendo dinheiro.
    Ninguém acredita ou deixa de acreditar do nada, portanto qualquer coisa brusca deve ser olhada com o pé atrás, principalmente quando tem ajudas financeiras envolvidas.

    Sobre ter feito cristãos de besta, acho que foi bem o contrário. Ele, com seus 63 anos, ficou parecendo um adolescente confuso pensando: eu não acredito. agora eu acredito. aah, espera um pouco, não acredito mais não. Uma pessoa realmente grata mas que fosse ateia simplesmente agradeceria muito ao ato, mas fazer de conta que se converteu é desonestidade.

    • Pois é, jroiz. Concordo com seu comentário, de ponta a ponta.
      Agora, lembra de Hitchens? Nos momentos finais de sua vida, recebendo muito apoio (moral, medicinal e social…) de Francis Collins, não demonstrou em momento algum estar aberto à conversão em face do momento difícil que vivia (embora eu tenha esperança de que ele tenha deixado o ateísmo no íntimo do seu ser) e ajuda solidária em cartazes, mensagens e orações feitas pelos próprios cristãos. Nesse aspecto, admirei o Hitchens pela firmeza de personalidade – não necessariamente seu posicionamento ateísta. Ou seja seria fácil para Hitchens, em gratidão fingir uma falsa conversão ou que revisaria sua cosmovisão ateísta, mas sabemos que ele deixou claro o contrário

Deixe uma resposta