Será o nazismo de extrema-direita? Not so fast, Junior…

115
2764

Marxistas, humanistas, progressistas, obamistas e neo ateus (o que dá tudo no mesmo) adoram fantasiar o passado da Alemanha Nazista para chamá-los de “extrema direita”. E o que faz um cético político? Obviamente, vai investigar a alegação.

Nada melhor que começar com uma análise do PROGRAMA DO PARTIDO NACIONAL SOCIALISTA DOS TRABALHADORES ALEMÃES, publicado em 24 de fevereiro de 1920, no Hofbrauhaus-Festsaal em Munique. Esse é o paradigma que deu sustentação à todas as ações de Hitler, incluindo o Holocausto Judeu. Não há nada melhor para estudar o cerne da mente nazista do que estudar este documento.

Para cada um dos 25 termos do programa, iniciarei meus comentários com a explicitação de com qual ideologia o nazismo se alinha, podendo ser “Neutro”, “Direita” ou “Esquerda”. (É interessante notar que os pontos iniciais são neutros, mas do décimo para a frente a coisa definitivamente se avermelha de vez)

Comecemos:

1. Nós exigimos a união de todos os alemães numa Grande Alemanha com base no princípio da auto-determinação de todos os povos.

Neutro. Não é possível qualificar o ponto acima como algo relacionado nem a Esquerda como à Direita.

2. Nós exigimos que o povo alemão tenha direitos iguais àqueles de outras nações; e que os Tratados de Paz de Versalhes e St. Germain sejam abolidas.

Neutro. É, como se nota, o esquerdismo ainda não se manifestou, mas muito menos uma concepção de mundo que possa ser qualificada como “de direita”.

3. Nós exigimos terra e território (colônias) para a manutenção do nosso povo e o assentamento de nossa população excedente.

Neutro, tendendo à Esquerda. Por enquanto, temos apenas um país reconhecendo seu aspecto belicista, e avisando que vai botar para quebrar, o que qualifica o ponto acima como parcialmente neutro. Entretanto, a promessa de “garantir a manutenção do povo”, através da ação do estado, é uma abordagem esquerdista.

4. Somente aqueles que são nossos compatriotas podem se tornar cidadãos. Somente aqueles que tem sangue alemão, independente do credo, podem ser nossos compatriotas. Por esta razão, nenhum judeu pode ser um compatriota.

Neutro. A filosofia do período, tanto esquerdista quanto de direita, não pregava a exclusão dos judeus. Alguns poderiam dizer que Marx teria dito que os judeus “pereceriam no holocausto”, mas ele queria dizer com isso que os judeus deixariam de ter uma identidade de povo (como todos os outros povos deveriam fazê-lo) para se juntar à revolução. Marx não tinha nada contra os judeus, apenas contra o fato de terem uma “identidade judaica”, quando para ele deveriam ter uma identidade de classe (proletários X burgueses). Mesmo assim, a qualificação de um grupo (os judeus) como bodes expiatórios de todos os males é uma extensão da filosofia de guerra de classes de Marx. Mas, por questão de caridade, deixarei este ponto como neutro.

5. Aqueles que não são cidadãos devem viver na Alemanha como estrangeiros e devem ser sujeitos à lei de estrangeiros.

Neutro. Alguns difamadores da esquerda diriam que esta é uma proposta de direita, principalmente pelo fato de alguns Republicanos nos Estados Unidos terem sido contra a imigração ilegal. Entretanto, coibir a imigração ilegal não é o mesmo que definir os estrangeiros como não-cidadãos.

6. O direito de escolher o governo e determinar as leis do Estado pertencerá somente aos cidadãos. Nós portanto exigimos que nenhuma repartição pública, de qualquer natureza, seja no governo central, na província, ou na municipalidade, seja ocupada por qualquer um que não seja um cidadão. Nós combatemos a administração parlamentar corrupta pela qual homens são indicados para vagas por favor do partido, não importando caráter e aptidão.

Neutro. É a extensão do ponto anterior.

7. Nós exigimos que o Estado especialmente se encarregará de garantir que todos os cidadãos tenham a possibilidade de viver decentemente e recebam um sustento. Se não puder ser possível alimentar toda a população, então os estrangeiros (não-cidadãos) devem ser expulsos do Reich.

Esquerda. Enfim, começou a ladainha. Aqui temos a criação de bodes expiatórios para, no caso da população precisar de sustento, jogar neles as culpas pela penúria que porventura a população passasse. Este truque (o da guerra de classes) é essencialmente esquerdista.

8. Qualquer imigração adicional de não-alemães deve ser previnida. Nós exigimos que todos os não-alemães que entraram no país desde 2 de Agosto de 1914 sejam forçados a deixar o Reich imediatamente.

Neutro. Esta medida era contextual, em um período que a Alemanha passava dificuldades após a Primeira Guerra Mundial. Uma medida abjeta, diga-se, mas que não é diretamente sustentada nem pela filosofia de direita e nem a de esquerda. 

9. Todos os cidadãos devem possuir iguais direitos e deveres.

Direita. Esta é uma abordagem essencialmente direitista. Já os esquerdistas pregam que alguns devem ter mais direitos que os outros. Um exemplo está na recente questão da causa gayzista, a PL 122. Com essa proposta, os gayzistas querem que seja proibida a crítica aos gays. Isso é dar mais direito a um grupo em detrimento de outro. Podemos (e devemos) contestar os critérios que os alemães usaram para definir quem seria um cidadão – e, como falarei mais profundamente na conclusão, este foi um truque para usar o princípio de forma distorcida. Mas, em essência, dar direitos e deverem iguais para todos os cidadãos é uma ação com o DNA da direita.

10. O primeiro dever de todo cidadão deve ser trabalhar mental ou fisicamente. Nenhum indivíduo fará qualquer trabalho que atente contra o interesse da comunidade para o benefício de todos.

Esquerda. Coletivismo em detrimento do individualismo é uma manifestação 100% esquerdista. Isso pode ser evidenciado na idéia obsessiva de Karl Marx da guerra de classes, em que ele visualizava grandes “blocos coletivos”, ao invés de indivíduos lutando por seus interesses.

11. Portanto, nós exigimos: Que toda renda não merecida, e toda renda que não venha de trabalho, seja abolida.

Esquerda. E o discurso aqui é plenamente copiado de Karl Marx. Não é raro vermos esquerdistas reclamando de pessoas que são ricas por terem “recebido herança”, como se isso fosse algum pecado. Para alguém de direita, se alguém recebe uma herança é por que seus antepassados lutaram por algo para deixar aos filhos, e portanto algo lícito.

Quebrando as Algemas do Interesse

12. Como cada guerra impõe sobre o povo sacrifícios em sangue e bens valiosos, todo lucro pessoal proveniente da guerra deve ser tratado como traição ao povo. Nós portanto exigimos o confisco total de todos os lucros de guerra.

Esquerda. Sair culpando o lucro (independente de onde for) é obviamente uma iniciativa que tem como seu principal Messias a figura de Karl Marx. Logo, esquerda até a medula.

13. Nós exigimos a nacionalização de todos os grupos investidores.

Esquerda. Adeptos do livre mercado, da direita, não pensam em nacionalização de empresas. Já esquerdistas, como pôde ser visto há poucos meses na Argentina da mandona Cristina Kirchner, adoram arrumar o primeiro pretexto que puderem para “nacionalizar” empresas.

14. Nós exigimos participação nos lucros em grandes indústrias.

Esquerda. Participação em lucros não é algo que deve ser exigido, mas conquistado através de acordos e mérito. Isso, é claro, no pensamento da direita. Já a esquerda…

15. Nós exigimos um aumento generoso em pensões para idade avançada.

Esquerda. Pois quem é da direita já optaria pelas pensões oriundas da iniciativa privada.

16. Nós exigimos a criação e manutenção de uma classe média sadia, a imediata socialização de grandes depósitos que serão vendidos a baixo custo para pequenos varejistas, e a consideração mais forte deve ser dada para assegurar que pequenos vendedores entreguem os suprimentos necessários ao Estado, às províncias e municipalidades.

Esquerda. Isso é economia totalmente controlada pelo estado, com uma intervenção excessiva e até ações que poderíamos definir como tirânicas. É praticamente uma escravização do povo em prol do Estado.

17. Nós exigimos uma reforma agrária de acordo com nossas necessidades nacionais, e a oficialização de uma lei para expropriar os proprietários sem compensação de quaisquer terras necessárias para propósito comum. A abolição de arrendamentos de terra, e a proibição de toda especulação na terra.

Esquerda. E nem preciso dizer o motivo.

18. Nós exigimos que uma guerra dura seja travada contra aqueles que trabalham para o prejuízo do bem-estar comum. Traidores, usuários, aproveitadores, etc., serão punidos com morte, independente de credo ou raça.

Esquerda. Discurso de “bem-estar comum”? E o parangolé é sempre deste tipo. Quem não está “trabalhando para o  bem-comum” é um inimigo do povo, e portanto tudo pode ser feito contra ele. Esquerdistas sempre foram acostumados a pensar com tal carga de ódio contra os “inimigos da causa”. Quem é de direita, por sua vez, sabe que as pessoas não precisam lutar “pelo bem-comum”, mas por seu próprio bem, e, ao conseguir isso, por CONSEQUÊNCIA, estarão auxiliando a melhorar a vida dos outros, sendo até mais eficientes que os proponentes do “bem-comum”.

19. Nós exigimos que a lei romana, que serve a um arranjo materialista do mundo, seja substituída pela lei comum alemã.

Esquerda. O ódio pelo Direito Romano vem da esquerda, não da direita. Quem é de direita sabe que as leis devem ser respeitadas e se algo não atende aos seus princípios, deve-se lutar para mudar as leis. O esquerdista pensa diferente, achando que, se é pela causa do lado dele, então não há problema em quebrar as leis.

20. A fim de tornar possível para todos os alemães capazes e industriosos obter educação mais elevada, e assim a oportunidade de alcançar posições de liderança, o Estado deve assumir a responsabilidade de organizar completamente todo o sistema cultural do povo. Os currículos de todos os estabelecimentos educacionais serão adaptados para a vida prática. A concepção da idéia do Estado (ciência de cidadania) deve ser ensinada nas escolas desde o início. Nós exigimos que crianças especialmente talentosas de pais pobres, quaisquer que sejam suas classes sociais ou ocupações, sejam educadas às custas do Estado.

Esquerda. Quanto mais escolas públicas, melhor para o esquerdista. Qual é o objetivo disso? Obviamente, usar o território da escola pública para doutrinação das crianças na ideologia do estado. Essa sempre foi uma plataforma esquerdista.  Para quem é da direita, seria melhor se o estado usasse bolsas de ensino para que os alunos pudessem buscar escolas privadas.

21. O Estado tem o dever de ajudar a elevar o padrão de saúde nacional fornecendo centros de bem-estar maternal, proibindo trabalho infantil, aumentando aptidão física através da introdução de jogos compulsórios e ginástica, e pelo maior encorajamento possível de associações relacionadas com a educação física do jovem.

Esquerda. Aqui, como sempre, é o uso do estado como aquele que tem o “dever” de financiar o ensino. O motivo já está claro.

22. Nós exigimos a abolição do exército regular e a criação de um exército nacional (popular).

Esquerda. Jogar para a galera é especialidade de esquerdistas. Aliás, todos os ditadores de esquerda adoram dizer que o exército agora é um “exército do povo”. Um exemplo evidente está em Hugo Chavez. O populismo, como sempre, é uma das armas centrais da esquerda.

23. Nós exigimos que haja uma campanha legal contra aqueles que propaguem mentiras políticas deliberadas e disseminem-nas através da imprensa. A fim de tornar possível a criação de uma imprensa alemã, nós exigimos:

(a) Todos os editores e seus assistente em jornais publicados na língua alemã deverão ser cidadãos alemães.

(b) Jornais não-alemães deverão somente ser publicados com a permissão expressa do Estado. Eles não deverão ser publicado na língua alemã.

(c) Todos os interesses financeiros em, ou de qualquer forma afetando jornais alemães serão proibidos a não-alemães por lei, e nós exigimos que a punição por transgredir esta lei seja a imediata supressão do jornal e a expulsão dos não-alemães do Reich.

Jornais que transgridam o bem-estar comum serão suprimidos. Nós exigimos acão legal contra aquelas tendências na arte e literatura que tenham influência ruidosa sobre a vida do nosso povo, e que quaisquer organizações que que atentem contra as exigências agora mencionadas sejam dissolvidas.

Esquerda. Controlar a mídia está no DNA de todo esquerdista. Na Venezuela e Cuba, a mídia está completamente controlada, e o mesmo pode-se dizer do Equador. Na Argentina, a situação está caminhando a passos largos para a ditadura formal, e um símbolo dessa iniciativa foi a invasão do Clarin pelas forças do governo. No Brasil, a recente proposta do PNDH-3 visava controlar a mídia. Como se nota, o padrão esquerdista não muda. Desde os tempos de Stalin e Hitler, dois de seus mais cuidadosos representantes.

24. Nós exigimos liberdade para todas os credos religiosos no estado, à medida que eles não coloquem em risco a existência ou ofendam a moral e senso ético da raça germânica. O Partido como tal representa o ponto-de-vista de um cristianismo positivo sem ligar-se a qualquer credo particular. Ele luta contra o espírito judaico materialista internamente e externamente, e está convencido de que uma recuperação duradoura do nosso povo só pode vir de dentro, sobre o princípio: BEM COMUM ANTES DO BEM INDIVIDUAL

Esquerda. Bem comum antes do bem individual é uma das promessas da esquerda. Aliás, o cristianismo positivo é uma variação humanista do cristianismo, todo distorcido para se adaptar ao culto ao homem. Como o humanismo é uma das variações da esquerda, de novo essa plataforma do NSDAP entregou os nazistas como esquerdistas.

25. A fim de executar este programa, nós exigimos: a criação de uma autoridade central forte no Estado, a autoridade incondicional pelo parlamento político central de todo o Estado e todas as suas organizações.

Esquerda. Estado, estado, estado…  nota-se que os nazistas cultuavam o estado até mais que o pessoal de Stalin.

Conclusão

Dos 25 pontos do partido alemão, 6 são neutros, 1 poderia ser chamado de centro-esquerda, 1 de direita, e os 17 restantes são plenamente esquerdistas. No único ponto que pode ser associado ao pensamento de direita (“9. Todos os cidadãos devem possuir iguais direitos e deveres.”), ele é tão óbvio que até os esquerdistas o entendem como algo facilmente assimilável, mas no caso dos nazistas eles usaram um truque. Como esquerdista gosta de privilegiar uma classe sobre outra (pelo pensamento da guerra de classes), eles acoplaram esse único princípio da direita, e definiram alguns como “não cidadãos”. Ora, aí fica fácil. Bastou a eles usarem um princípio da direita para remodelá-lo através de outros novos pontos que dêm um “bypass” no princípio.

O que importa é que de direita a plataforma do partido nazista não tem nada. Entretanto, especialmente do meio para o final, o que é vê é a essência do pensamento esquerdista, incluindo:

  • uso da guerra de classes
  • populismo
  • inchamento do estado
  • culto ao mesmo estado, é óbvio
  • limitação da atividade de imprensa
  • sistema de ensino público (para doutrinação no culto ao estado)
  • estatização de empresas
  • reforma agrária
  • ataque aos lucros das empresas
  • coletivismo, ao invés do individualismo

Qualquer pessoa honesta intelectualmente irá reconhecer que o nazismo não é um empreendimento de extrema-direita, mas de extrema-esquerda.

Por fim, fica claro que os marxistas sempre chamaram os nazistas de direita, pois Hitler se opôs a Stalin, embora tenha sido seu aliado em priscas eras. Entretanto, se opor à União Soviética não é o mesmo que se opor ao comunismo, e, mesmo que alguém fosse oponente ao comunismo, isso não implicaria em ser de direita (lembremos da rotina “Eu não sou comunista”). Entretanto, comunismo não é a única forma de esquerdismo, e nem a União Soviética era a única forma de comunismo. Unicamente por confusões (a meu ver, propositais) deste tipo, é que alguns ainda acham que nazismo é de direita.

Por tudo que está demonstrado aqui, da próxima vez que algum marxista lhe taxar de “nazista” por ser contra as idéias esquerdistas, mostre-lhe um link para esta matéria, e veja que, de acordo com o que os próprios nazistas afirmaram, ser nazista é ser de esquerda. Ou melhor, extrema-esquerda. É por isso que estou legitimado a colocar todas as genocídios da União Soviética, do Cambodja, da China e da Alemanha Nazista na CONTA DA ESQUERDA.

Uma cena que eu gostaria de acompanhar é um diálogo no qual o esquerdista chega dizendo: “Você não apóia minhas idéias, pois é um nazista”, recebendo o coice a seguir: “Não, eu não sou nazista, pois não sou da tua turma”, seguido da citação à plataforma do Partido Nazista.

E não tenha dó deles no debate. Eles merecem essa humilhação. As vítimas que eles já causaram (e ainda estão por causar) justifica essa patada.

Anúncios

115 COMMENTS

  1. “In the contemporary Anglosphere, “right” tends to refer to economic liberalism, free markets, corporatism and globalism. Taken to its logical conclusion, far-right economics would be radically libertarian laissez-faire capitalism in which the nation, in ethnic, cultural and structural terms, is rapidly moving towards its expiry date.

    In an age when “right” has come to mean, less state and more markets and corporations, the economic policies offered by the NP parties are often further to the “left” than many of those offered by centrist social democrats” (The European far right: actually right? Or left? Or something altogether different?, The Conversation, May 2012).

    Ver mais The Conversation.

    • Hoje em dia, é comum ouvir a afirmação de que os nazistas foram os alas da esquerda. A alegação se baseia em uma definição redutora do conservadorismo como simplesmente anti-estatismo. Uma vez que os nazistas criaram um governo totalitário, o argumento, eles podem não ter sido conservadores. Mas esta visão, expressa principalmente no livro de Jonah Goldberg Liberal Fascism, é simplesmente retórica e prestidigitação filosófica da mão. Onde se diz que o conservadorismo significa oposição ao papel do governo? Conservadorismo, muito simplesmente, é a defesa das tradições e da singularidade de um povo contra as forças que procuram miná-lo. Não é por acaso que os termos esquerda e direita e do próprio conceito de conservadorismo nasceram na Revolução Francesa, o ponto do genocídio europeu de partida. Ao abraçar códigos morais universalistas, o Culto da Igualdade e do ideal anti-democrático dos direitos humanos, substituindo o status atribuído pelo governo da cidadania para noções mais profundas da ancestral que pertencem, a Revolução Francesa semeou as sementes cujos frutos apocalíptico está sendo colhida em nossa próprio tempo. A esquerda eram os que estavam sentados literalmente à esquerda da Assembleia Nacional em Paris. Eles foram os jacobinos firebrand pedindo suas tradições países para ser posta à tocha. A direita, os que estavam sentados do outro lado, estavam céticos das mudanças propostas e procurou contê-los. Não há realmente nenhuma razão para acreditar que o conservadorismo tem nada a ver, por si só, com o libertarianismo, economia de livre mercado ou anti-estatismo . Esta definição de conservadorismo é uma importação americana. As definições tradicionais do conservadorismo, com base em torno da defesa de um povo, não pode ser aplicado nos Estados Unidos, porque nos Estados Unidos não há pessoas a serem defendidos. A América é um aglomerado de povos, uma construção artificial, um zoológico com efeito, não uma nação orgânica que serve como a casa de uma tribo ancestral. Esquerda e direita não tem nada inerentemente a ver com o governo grande ou pequena governo. O eixo da diferença não é econômica, mas moral: anti-nacionalismo contra o nacionalismo. As pessoas são naturalmente nacionalista, então um argumento poderia ser feito que anti-nacionalismo só poderia ser feita eficaz ao nível da política através de ação do governo intrusivo. O esquerdismo, então, tem uma inclinação mais natural para o governo grande ou mesmo totalitarismo do que o conservadorismo não. Desde o início dos tempos, no entanto, governantes inescrupulosos têm procurado suprimir o impulso nacionalista. Seus sonhos de poder levou a erguer impérios que transcenderam os limites territoriais naturais de peoplehood. A história é essencialmente apenas a crônica de pessoas comuns que tentam resistir às maquinações trans-nacionalistas de governantes e fazer valer os seus instintos naturais nacionalistas, desafiando-os. Essa luta continua em nosso próprio tempo. Sempre que os nacionalistas chegaram ao poder, por isso, eles são propensos a encontrar-se não no que podemos chamar de condição padrão da humanidade: um grupo de parentesco estendida vivendo como uma unidade homogênea sob a sua própria autoridade governamental em seu própria pátria ancestral – mas em algum pesadelo balcanizada que surgiu a partir da conspirações dos governantes poder-mad. Diferentes grupos étnicos estará vivendo sob o mesmo governo. A sua falta de empatia com o outro – de proceder a partir de sua diferença genética – será a fonte de discórdia sem fim. Eles vão conspirar contra uma interesses dos outros. A política do governo será o resultado final insatisfatório da contenção mútua dessas facções étnicas. Para unwarp deste mundo deformada vai exigir ação do governo, talvez grande ação do governo. Uma vez que o equilíbrio nacionalista natural das coisas foi restaurado; uma vez fantasias utópicas trans-nacionalista foram abandonadas e os países mais uma vez constituído por núcleos étnicos no cultivo e preservação de sua própria singularidade, então talvez conservadorismo pode reduzir o tamanho em libertarianismo e deixar as pessoas fazem suas próprias coisas. Até o grande dia chega, a insistência de que o verdadeiro conservadorismo = ação governamental mínima não merece ser levado a sério. E as alegações de que os nazistas foram esquerdistas deve ser descartada como um profundo erro de entendimento.

      • O Nazismo tem mais traços de esquerda do que de direita. E sendo assim é mais absurdo atribuir-lhe como rótulo de direita do que de esquerda.

      • Se não bastassem os comunistas furiosos com o texto, agora foi a vez de aparecer uma neonazista para falar besteira também.
        É completamente falsa a noção de que a base da nacionalidade é genética. Se fosse verdadeira, o Oriente Médio seria o santuário da paz mundial, e o Brasil estaria numa guerra civil sem fim.

      • @LEO, nações são territorios soberanos historicamente habitados por povos de uma mesma origem etnica-racial e cultural! são os coletivos humanos que formam as indentidade das nações ,e não o contrario!é por isto que uma pessoa de origem alemã nascida no japão jamais será um japones,pois ele não pertence ao coletivo humano que historicamente desenvolveu
        a identidade da nação japonesa!

        oque mais chega perto de ser uma nação no medio oriente é israel ,que inclusive só aceita imigrantes judeus, e mesmos esses tem que provar sua origem judaica ao serem submetidos a exames de DNA pelo ministério da imigração israelense!

      • Joana faz um malabarismo para tentar tirar o nazismo de qualquer espectro proximo ao esquerdismo… mas vamos entender, vejamos, o nazismo é uma ideologia que faz propaganda do NOVO HOMEM, da criação do SUPER HOMEM, e como voce pode dizer que isso nao é anti conservadorismo e anti liberalismo? a crença no homem esta no Humanismo exacerbado…

        a propaganda nazista fez uso da igreja catolica, mas é tão facil convencer os padres, que até o PT convenceu a CNBB…. a grande questão é muito mais visceral, no século 19, havia o Romantismo Alemao, e o Romantismo Alemão pode ser encontrado nas visceras do nazismo e do marxismo…

  2. Meu professor de história vai se dar mal na minha mão depois deste texto. Vou imprimir e distribuir antes que ele perceba e depois vou questionar ele na frente da classe. Acabou o mito do nazismo de direita. \o/

  3. Uai entao pq os comunistas russos nao disfarçam e fingem de direita tbm? Será que os comunistas são mais dignos do que pensávamos????????? pfffffffffffffffffffffff

  4. cara, o nível ta cada vez mais baixo… pq nao começa a se poupar de certo tipo de constrangimento hein? Faz o seguinte, apresenta esse texto para um conjunto de especialistas sérios. Coloca aqui o nome deles e o parecer sobre o seu texto depois. Tá com medo? Lógico que está. Vc NUNCA vai deixar nada seu ser submetido a nenhum tipo de análise séria e profissional….

    • Ué, basta o “especialistas sério” aparecer e refutar o texto. Aliás, se vc acha que o nível é baixo, é pq deve ter uma refutação, não? Qual a refutação? Ou voce só ficou indignado por causa de fé?

    • Novo critério de verdade agora: “análise por especialistas sérios”. Decerto se a análise não for favorável à opinião dele, ai é porque eram especialistas meio brincalhões, se fossem sérios o bastante teriam concordado.

      • “…se a análise não for favorável à opinião dele, ai é porque eram especialistas meio brincalhões, se fossem sérios o bastante teriam concordado.”

        Eu quase me engasguei de tanto rir quando li “os especialistas meio brincalhões”… XD

      • Não “acho” nada.
        Você efetivamente declarou que o nível está “cada vez mais baixo” e recomendou submeter a um conjunto de especialistas sérios. A não ser que você seja um maluco que acha que o nível está baixo e recomenda “especialistas sérios” porque acha que eles discordariam de você, é óbvio que acha que vão concordar.

    • Baixo?? Hehe… Ora, Bruno, se vc insinua q um conjunto de especialistas sérios seriam favoráveis a sua ideia e iriam contra a ideia de Luciano, é vc quem tem o ônus da prova de q sua insinuação não é capciosa. Vc se condenou a trazer tais especialistas para a mesa de debate e demonstrar q sua insinuação não é capciosa. Mas por enquanto, este conjunto imaginário de especialistas sérios q são contra as ideias do Luciano não existem fora da sua mente. Ora, Bruno, vc não precisa fazer isso. Um homem deve saber sua hora de desistir. Apelo para q vc deixe de usar aquela velha provocação de parquinho.

  5. Muito bom texto, Luciano.
    Eu estudo em uma universidade extremamente esquerdista e é muito engraçado ver como que eles deturpam as informações, acusando a direita das maiores atrocidades e, no entanto, falam coisas que deixam claro a sua “rotina do ódio”. Já ouvi “pérolas” como de professores esquerdistas como: “Gritei de alegria quando atingiram as torres gêmeas. Alguém tinha que fazer isso contra os EUA, capitalistas de merda”. Devo dizer que o trabalho que você tem desempenhado nesse blog é muito elucidativo para quem não é desonesto. Tive uns bons “insights” com algumas de suas postagens.
    Bem, eu gostaria de fazer algumas perguntas oportunas para tirar algumas dúvidas minhas.
    (1) Para você, o que caracterizaria um regime de extrema direita? Existe algum exemplo que você poderia me dar? Será que o governo americano que desencadeou a crise de 1929 pode ser considerado um regime de extrema direita (onde o liberalismo é levado ao extremo mesmo)?
    (2) Hoje em dia existe algum governo de direita no mundo, ou todos estão infectados pelo pensamento esquerdista? Pode citar alguns exemplos?
    (3) Você acha que existem políticos que podem sinceramente achar que são de Direita (e até mesmo pertencerem a um partido de Direita), mas terem atos de esquerda? Ou se um político tem atos de esquerda, ele sabe que é de esquerda? Pergunto isso porque, se eu não me engano, Mussolini se considerava de Direita (se eu não estou fazendo confusão) e isso provavelmente deve ser usado como um argumento pelos esquerdistas contra a Direita.

    Agradeço a atenção.

    • Olá Davi, muito obrigado pelas palavras.

      (1) Para você, o que caracterizaria um regime de extrema direita? Existe algum exemplo que você poderia me dar? Será que o governo americano que desencadeou a crise de 1929 pode ser considerado um regime de extrema direita (onde o liberalismo é levado ao extremo mesmo)?

      Um governo de extrema direita seria um governo com nenhum assistencialismo, com impostos quase zero, e coisas do tipo. A presença do estado seria praticamente inexistente. Eu não vejo que o governo americano da época da crise de 1929 possa ser considerado de extrema direita. O grande problema ocorrido lá foi a superprodução aliada ao fato de que países que importavam em larga escala dos EUA estavam quebrados pela guerra.

      (2) Hoje em dia existe algum governo de direita no mundo, ou todos estão infectados pelo pensamento esquerdista? Pode citar alguns exemplos?

      Não vejo governos de direita no mundo, pois, como diria John Gray, a religião política é a religião “do momento”. Ocupa o mesmo espaço que a religião revelada na época da monarquia. Mas, com a crise européia, esse modelo está sendo cada vez mais denunciado, e há chances de aparecerem governos de direita.

      (3) Você acha que existem políticos que podem sinceramente achar que são de Direita (e até mesmo pertencerem a um partido de Direita), mas terem atos de esquerda? Ou se um político tem atos de esquerda, ele sabe que é de esquerda? Pergunto isso porque, se eu não me engano, Mussolini se considerava de Direita (se eu não estou fazendo confusão) e isso provavelmente deve ser usado como um argumento pelos esquerdistas contra a Direita.

      Bem, até Lenin escreveu algo como “Esquerdismo: a doença infantil do comunismo” (http://www.marxists.org/portugues/lenin/1920/esquerdismo/index.htm), o que mostra que distorcer conceitos do que é direita e esquerda, entre esquerdistas, é uma prática comum há muito tempo. Portanto, Mussolini poderia até se considerar de direita, mas nada feito enquanto ele continuasse com o estado inchadíssimo (chegando ao culto ao estado) como ele defendia. É possível que alguns políticos possam se achar de Direita, mas isso surge por confusão do que é esquerda ou direita.

      Abs,

      LH

      • Agradeço a reposta e, ainda aproveitando o tema, gostaria de fazer algumas outras perguntas (perguntar nunca é demais, não é? Rsrs).
        (1) E quanto a política internacional de um estado? Sendo um governo de extrema direita caracterizado por uma presença muito amena do estado em sua economia interna, o imperialismo, as guerras com motivações econômicas disfarçadas e o chamado “capitalismo selvagem” se enquadrariam como atos de extrema-direita (ou estou falando besteira?)? Qual é a relação do estado com estes atos? Eles seriam resultados da pouca intervenção do estado na economia, ou tais atos são justamente originados por uma ação do estado em conjunto com as grandes indústrias e multinacionais?
        (2) Seria um governo de extrema-direita (presença quase inexistente do estado na economia) melhor do que um de direita, ou o extremismo desse pensamento direitista poderia também acarretar problemas muito sérios?

        Abraço.

      • “Um governo de extrema direita seria um governo com nenhum assistencialismo, com impostos quase zero, e coisas do tipo.”
        Luciano, então dá pra dizer que os libertários não-anarcocapitalistas são a extrema-direita e os conservadores adeptos do liberalismo moderno são a direita “stricto sensu”? As tais “ditaduras de direita” (Pinochet, Médici, Franco, Salazar), estariam no centro? E os partidos da Internacional Democrata Centrista seriam a centro-direita?
        Eu estou desenvolvendo um gráfico do espectro político e já mandei os nazistas para a extrema-esquerda, mas esses partidos/governos de direita são mais difíceis de classificar.
        Ah, e estou gostando da sua fase criativa, nove textos em dois dias. Vou devorar todos.
        Abraços!

      • Exatamente, Leo, os libertários radicais são a extrema direita. Note que, no contexto da guerra política, eles são úteis em termos de serem intelectuais orgânicos para a direita, até por que as idéias deles jamais vão ser implementadas mesmo.

        Em relação ao aumento de posts, é previsto pelo “papel” que estou me auto-atribuindo, uma mistura de analista tático e investigador. Por isso, haverá a partir de agora muito mais comentários sobre notícias, em uma análise tático-estratégica do evento, ou até a investigação do discurso.

        As ditaduras latino-americanas seriam uma esquerda moderada, ou centro-esquerda, e eu catalogaria os partidos da Internacional Democrata Centrista como centro-esquerda também, pois são baseados em idéias socialistas. Mas, claro, isto está aberto a discussões e debates, e quanto mais isso for feito, melhor.

        Sobre o papel do analista tático (que terá boa parte de meus esforços dirigidos a ele), este texto é o que recomendo.

        http://lucianoayan.com/2012/11/19/seis-papeis-essenciais-para-obter-resultados-na-guerra-politica/

        Abraços,

        LH

    • Começando pelas premissas básicas:

      Escola austriaca PREVIU a crise de 29. E já era amplamente aceito os periodos de bonança e recessão da economia.

      Em 1929 a economia entrou em crise. 2 meses depois, 9% das pessoas eram desempregradas, alguns meses depois, apenas 6,3%, mostrando que ela voltava as eixos. Aí Hoover interviu em junho de 1930, e foi alertado por milhares de economistas que isso ia dar em merda, ele não ouviu, a emenda foi aprovada, e o desemprego chegou aos 2 digitos. E na década de 30, assim permaneceu, daí Roosevelt foi eleito, fez inúmeras intervenções e mesmo assim, o desemprego se manteu acima dos 2 digitos.
      Basicamente, a economia entrou em uma PEQUENA recessão que seria reucperada em no máximo 2 anos, o governo foi “ajudar”, e cagou de vez em tudo.

      Em países como grã-betanha que não interviram excessivamente nesta crise, ela tinha acabado em 1933, enquanto nos EUA, apenas em 1948.

  6. Aliás, Watson demonstrou no seu livro The Lost Literature of Socialism que a própria idéia do genocídio é de origem puramente socialista. O Olavo de Carvalho escreveu:

    “Um dos depoimentos mais importantes de The Soviet Story é o de George Watson, um professor de literatura que se especializou na pesquisa das fontes textuais do socialismo. Autor de um importante estudo sobre The Lost Literature of Socialism, que infelizmente não é citado no filme, Watson descobriu que, antes de Marx e Engels, nenhum ideólogo de qualquer espécie havia jamais proposto a liquidação de “povos inferiores” (expressão do próprio Marx) como prática deliberada e condição indispensável para a instalação de um novo regime. Nem mesmo Maquiavel havia pensado numa coisa dessas. O genocídio é criação sui generis do movimento socialista, e sete décadas se passaram antes que uma dissidência interna desse movimento desse origem ao fascismo e depois ao nazismo, que tardiamente adotou a fórmula do morticínio salvador então já posta em prática por Lênin na URSS.”

    Antony Flew resenhou o livro do Prof°. Watson aqui.

  7. Atrasado com a contribuição, mas é o seguinte: antes mesmo de Hitler ser um efetivo nazista, já havia um camarada chamado Anton Drexler, ex-SOCIALISTA, que batizou o partido nazista com nacional-SOCIALISTA alemão. Hitler fala da importância desse sujeito e suas idéias iniciais no “Mein Kampf”…

    Agora, caso o Bruno se ofereça a um debate mais sério e ainda esteja com vontade de se manifestar aqui, ele bem que poderia citar alguns dos “especialistas sérios” sobre o fenômeno nazista que ele conheça. Que acha, Brunão?

  8. O autor desse texto desconhece absolutamente o que é esquerda e direita e principalmente o que é capitalismo. Capitalismo NÃO é sinônimo de Estado mínimo, o capitalismo já assumiu diversas formas nos mais diversos modelos estatais, isso é visível em Israel, na Arábia Saudita, nos EUA… O fascismo alemão nada mais é do que um “capitalismo raivoso”,

    Controle da mídia está no DNA DO ESTADO, e não de direita ou esquerda. A mídia nada mais é do que uma arma que as classes dominantes utilizam para impor sua visão de mundo. Alguém aí já viu algum marxista-leninista indo para um programa de entrevista? Se um país de orientação marxista-leninista tem dificuldades para transmitir um jogo de copa, é por que “o país proibiu e só mostrará se ganhar”, porém uma luta do UFC passa atrasada, é mostrada como ao vivo, e isso acontece por que “nenhuma emissora é perfeita”. Dois pesos e duas medidas. A Rede Globo tem centenas de filmes onde os maiores bandidos são comunistas, agora cite-me filmes sobre a IIGM sob o ponto de vista dos russos, ou ainda um filme russo já exibido na globo. Não tem!

    Ademais, o nazismo defende bandeiras típicas da direita, exemplo disso é a eugenia, que jamais foi defendida pelo marxismo, mas é defendida por regimes de direita desde o século XIX, quando o racismo tinha inclusive status de “ciência”. O Imperador D. Pedro II, tal como Hitler, por exemplo, queria simplesmente apagar o negro do Brasil, tinha por um de seus conselheiros um francês considerado o “papa do racismo”.

    Seu conhecimento sobre “populismo” é exdrúxulo, Roma(Império) conheceu diversos populistas, isso não quer dizer que Roma tenha sido “de esquerda”. Culto da personalidade existe desde o Egito antigo, o faraó também era comunista? Como fica agora, sabichão?

    Estado forte agora é coisa de “esquerda”? Já ouvi falar de Thomas Hobbes, autor do Leviatã? Já ouviu falar do Rei Luís XIV, “O Estado sou eu”? O rei da França também era de esquerda?

    Esse texto é absolutamente indigno de qualquer crédito, típico de quem nunca estudou nada e quer ter opinião, algo mais que comum na internet. O engraçado é esse sentimento de que “descobriram a América” que predomina entre eles.

    http://youtu.be/XRn_AlBLtRA

    • É muita besteira junta. A diversão segue.:

      O autor desse texto desconhece absolutamente o que é esquerda e direita e principalmente o que é capitalismo. Capitalismo NÃO é sinônimo de Estado mínimo, o capitalismo já assumiu diversas formas nos mais diversos modelos estatais, isso é visível em Israel, na Arábia Saudita, nos EUA… O fascismo alemão nada mais é do que um “capitalismo raivoso”,

      O truque dele aqui é tentar confundir o leitor (acho que ele não percebeu que com os leitores aqui isso não vai colar), ao confundir “capitalismo” com “direita”. Na verdade, a esquerda, desde a social democracia se mistura com o capitalismo sempre que necessário. Por isso, o fascismo alemão (e o italiano) incluem a mistura de capitalismo com pensamento de esquerda, conforme demonstrei no meu texto.

      Controle da mídia está no DNA DO ESTADO, e não de direita ou esquerda. A mídia nada mais é do que uma arma que as classes dominantes utilizam para impor sua visão de mundo.

      Mas se o DNA da esquerda é inchar o estado, para FINGIR que haverá a transferência do poder ao povo (esse é o truque de Marx no qual você caiu), obviamente são eles que irão controlar a mídia, enquanto os direitistas lutam para desinchar o estado. Se há “classes dominantes”, são os esquerdistas como você que as apoiam, dando poder a gente como Chavez, Lula e Castro…

      Alguém aí já viu algum marxista-leninista indo para um programa de entrevista? Se um país de orientação marxista-leninista tem dificuldades para transmitir um jogo de copa, é por que “o país proibiu e só mostrará se ganhar”, porém uma luta do UFC passa atrasada, é mostrada como ao vivo, e isso acontece por que “nenhuma emissora é perfeita”. Dois pesos e duas medidas.

      A diferença é que nos países marxistas-leninistas, o culto ao estado (lembre-se que há um truque para que você creia que depois o poder será transicionado ao povo), uma derrota em Copa pode abalar a fé no estado. Para um país sem culto ao estado, isso não é problema. É por isso que a não-transmissão da luta UFC foi, como já sabemos, por questões financeiras, não políticas.

      A Rede Globo tem centenas de filmes onde os maiores bandidos são comunistas, agora cite-me filmes sobre a IIGM sob o ponto de vista dos russos, ou ainda um filme russo já exibido na globo. Não tem!

      Agora vem a mania de perseguição. Filmes russos não são exibidos na Globo pois são ruins demais. Me indique um filme russo bom.
      E já tem filme sobre a Segunda Guerra Mundial sob o ponto de vista dos russos: “Círculo de Fogo”, com Jude Law. Mas não é filme russo, é inglês. E um bom filme.

      Ademais, o nazismo defende bandeiras típicas da direita, exemplo disso é a eugenia, que jamais foi defendida pelo marxismo, mas é defendida por regimes de direita desde o século XIX, quando o racismo tinha inclusive status de “ciência”. O Imperador D. Pedro II, tal como Hitler, por exemplo, queria simplesmente apagar o negro do Brasil, tinha por um de seus conselheiros um francês considerado o “papa do racismo”.

      O sujeito mente na cara dura. Será que não tem vergonha? Não existe “bandeira de eugenia” na filosofia de direita. O Imperador D. Pedro II era um monarca, e como tal não faz sentido qualificá-lo de direita ou esquerda (em uma época em que não haviam tais opções políticas). Direita e esquerda são paradigmas que se aplicam APÓS a queda da monarquia. Portanto, vá estudar, ô burro!

      Seu conhecimento sobre “populismo” é exdrúxulo, Roma(Império) conheceu diversos populistas, isso não quer dizer que Roma tenha sido “de esquerda”. Culto da personalidade existe desde o Egito antigo, o faraó também era comunista? Como fica agora, sabichão?

      Ô doidinho, eu não disse que todo populismo é de esquerda, mas sim que a esquerda é focada no populismo. Aliás, desde o discurso de Marx, ao dizer que lutava “pelos oprimidos”, já tínhamos populismo. E, como te falei, aos regimes monárquicos não faz sentido aplicar o conceito de direita ou esquerda conforme o ambito político que tratamos.

      Suas tentativas de fuga são patéticas.

      Estado forte agora é coisa de “esquerda”? Já ouvi falar de Thomas Hobbes, autor do Leviatã? Já ouviu falar do Rei Luís XIV, “O Estado sou eu”? O rei da França também era de esquerda?

      Ô animal, o conceito de esquerda e direita conforme tratamos aqui (aprenda a debater, e deixe de chiliques, seja homem e tenha o mínimo de vergonha na cara) só faz sentido após a queda da monarquia. Vejamos: responsabilidade individual, LIVRE mercado, direitos iguais para todos (e deveres) são bandeiras do iluminismo original, APÓS a queda da monarquia. Isso é pensamento de direita. O pensamento de esquerda veio se opor a isso com projetos para inchar o estado (para simular que depois daria o poder ao povo, conforme proposta de Marx), limitar o livre mercado, etc.

      Portanto, a qualquer tentativa que você tentar de apelar aos tempos dos monarcas e antigos reais, eu vou te ridicularizar por aqui. Se você não tem um pingo de dignidade, para mim, sem problemas, eu jogo todas as humilhações que você vai sofrer na conta da esquerda.

      Esse texto é absolutamente indigno de qualquer crédito, típico de quem nunca estudou nada e quer ter opinião, algo mais que comum na internet. O engraçado é esse sentimento de que “descobriram a América” que predomina entre eles.

      Engraçado que você não refutou absolutamente nada. Mais ainda, compilando algumas de suas bobagens:

      – tentou dizer que ‘capitalismo’ significa fugir da esquerda (quando eu citei a social democracia e o estado de bem social para te derrubar)
      – tentou dizer que eugenia era da filosofia da direita, quando não apresentou provas para isso
      – tentou dizer que os monarcas eram de direita, quando não havia sentido sequer em usar tais termos, pois o poder era totalitário
      – tentou dizer que hobbes era de direita, quando não havia sentido em rotulá-lo, pois ele era adepto do totalitarismo dos monarcas (portanto, fora do jogo político entre esquerda e direita)

      Quer tentar de novo? Quer rever suas armas? Quer pensar um pouco mais na estratégia? Seu começo aqui foi pífio. De dar pena, até.

      • Não só refutei como aparentemente consegui fazer seu autor dá chiliques de fúria, o que fica evidente em suas postagens abertamente raivosas. O autor do texto dá uma prova cabal que nada sabe sobre direita ou esquerda ao dizer:

        “Direita e esquerda são paradigmas que se aplicam APÓS a queda da monarquia. Portanto, vá estudar, ô burro!”

        Insultou, falou e não disse nada. Levando para o campo da epistemologia, “direita” e “esquerda” foram termos cunhados durante a Rev. Francesa, quando os partidários da monarquia tomavam o lugar à direita do rei e os contrários tomavam lugar à esquerda do rei. Portanto dizer que a minha classificação é falsa por se referir a regimes monárquicos não é compatível com os fatos. Ademais, o conceito de esquerda e direita foi a posteriori relativizado, bastando tomar por exemplo o caso dos jacobinos e girondinos.

        “Na verdade, a esquerda, desde a social democracia se mistura com o capitalismo sempre que necessário”

        Por isso que os bolcheviques romperam com os sociais-democratas e qualificaram-no como um desvio “de direita”, inclusive abandonando a tarja “social democrata” para se denominar “bolchevique” ou “comunista. O inverso também verdadeiro, a direita comumente se mistura com o socialismo sempre que necessário, prova disso são os planos plurianuais no Brasil capitalista, e os planos econômicos na Irlanda e outros países europeus, ano primeiro país dura até 6 anos.

        “para FINGIR que haverá a transferência do poder ao povo (esse é o truque de Marx no qual você caiu), obviamente são eles que irão controlar a mídia, enquanto os direitistas lutam para desinchar o estado”

        Levando para o campo da epistemologia, sabe-se que as principais fontes de financiamento do fascismo não eram os assaltos a bancos como no caso dos bolcheviques, mas sim os grandes capitalistas da Bayer, da Krupp, da Wolkswagen, grandes empresas alemãs, isso sem falar na IBM, que acelerou o holocausto de judeus, ou ainda nos jornais de William Hearst, talvez a voz mor da direita americana, imaginem só W. Hearst publicando artigos da imprensa soviética! Ele jamais fez isso, mas publicava artigos da imprensa nazista, com quem tinha contratos, publicava histórias pseudojornalísticas estilo Veja, com jornalistas inexistentes. A base de sustentação do fascismo vem de grandes coorporações, que sob o mito do “estado mínimo” na realidade fortalece o papel que essas companhias desempenham dentro do Estado, e não o povo, diferente do sistema soviético, onde o foco era o bem estar do povo trabalhador, tanto que somente o modelo soviético conseguiu alfabetizar uma população de mais de 80% de analfabetos em tempo recorde, criar creches, escolas e banir o racismo do país, inclusive criando as primeiras leis a proibí-los. Portanto a afirmativa de que “o marxismo finge passar o poder para o povo” é falsa, mesmo por que os sovietes, sindicatos e outros coletivos tinham enorme poder de decisão, inclusive judicial, o que é visível na “corte dos camaradas”, a versão soviética da “conciliação”.

        “Filmes russos não são exibidos na Globo pois são ruins demais. Me indique um filme russo bom.”

        Claro, russofobia, etnocentrismo e racismo sempre cai bem quando não se sabe. O autor do comentário perde uma excelente oportunidade de ficar calado.

        Se você não sabe, só nos anos 30 o cinema russo era o equivalente moderno de Holywood. Filmes como Alexander Nevsky, feito nos anos 30, exceto pelo preto e branco EM NADA ficam a dever aos filmes atuais sobre batalhas medievais. Muitos filmes russos modernos foram a inspiração para diversas técnicas de filmagem e cenários holywoodianos atuais, é muito comum que diretores como Spilberg e outros façam remakes de cenas de Einsenstein como forma de homenagear o professor, a lista de Schindler, por exemplo, usa vários recursos empregados em “Vá e veja”, filme soviético bielorrusso de 1985, isso já foi noticiado até mesmo em TVs como a Globo News. Nos tempos atuais, filmes como “Brat 2”, que pode ser assistido no Youtube, caracteriza-se por ser um filme feito com baixo orçamento mas de qualidade louvável, e isso por que é um filme de ação e inclusive humor. Evidentemente o autor nada conhece sobre cinema e perde uma grande oportunidade de ficar calado. Sendo eu comunista, sou um pouco suspeito para falar de cinema soviético, portanto fique a vontade para conferir as críticas a filmes russos feitas no IMDB por não-comunistas e verás que elas vão na mesma linha.

        “E já tem filme sobre a Segunda Guerra Mundial sob o ponto de vista dos russos: “Círculo de Fogo”, com Jude Law. Mas não é filme russo, é inglês. E um bom filme. ”

        Como é que um filme inglês é um ponto de vista russo? É a mesma coisa que dizer que meus comentários são seu ponto de vista. Você mais uma vez perde uma excelente chance de silenciar. O Círculo de fogo JAMAIS foi um ponto de vista russo, do contrário, é até russófobo e gerou imensos protestos na Rússia, sendo inclusive proibido em alguns cinemas. O filme mostra oficiais russos como gordos violentos e feios sem escrúpulos, o Exército Vermelho como um bando de garotos que nunca pegaram num fuzil e como um exército sem armamentos(embora tenha produzido mais fuzis, tanques, aviões, canhões e morteiros do que qualquer outro país, e isso é dado estatístico). Até Vassili Zaytsev, formado em Biblioteconomia é mostrado como um soldado raso e semi-analfabeto, embora na vida real fosse sargento.

        “Ô animal, o conceito de esquerda e direita conforme tratamos aqui (aprenda a debater, e deixe de chiliques, seja homem e tenha o mínimo de vergonha na cara)”

        Aqui o “machão de teclado” apela para a técnica de jogar fezes no ventilador. Primeiro, eu não tenho medo de você, um palhaço que escreve isso não merece o menor crédito e muito provavelmente é um covarde pessoalmente. Esquerda e direita são conceitos de 1789 que originalmente se referiam à monarquia e à oposição a esta, portanto você não pode falar maior escrescência ao afirmar o que diz aqui.

        No mais, típico direitista, que incapaz de argumentar apela para a baixaria. Tentou me insultar, tentou desmerecer meus argumentos, sendo que não demostrou qualquer argumento contundente capaz de fazê-lo.

      • Lá vem a figurinha carimbada da esquerdalha apanhar de novo. 🙂

        Não só refutei como aparentemente consegui fazer seu autor dá chiliques de fúria, o que fica evidente em suas postagens abertamente raivosas.

        Onde será que o vermelhinho vê “postagens raivosas”? Será que ele lê mentes? Como sempre, marxistas patéticos.

        O autor do texto dá uma prova cabal que nada sabe sobre direita ou esquerda ao dizer.

        Como mostrarei aqui, não só sei muito mais sobre direita ou esquerda que o comunista, como também mostrarei que ele distorce os termos e mente o tempo todo para tentar se safar.

        Insultou, falou e não disse nada. Levando para o campo da epistemologia, “direita” e “esquerda” foram termos cunhados durante a Rev. Francesa, quando os partidários da monarquia tomavam o lugar à direita do rei e os contrários tomavam lugar à esquerda do rei. Portanto dizer que a minha classificação é falsa por se referir a regimes monárquicos não é compatível com os fatos. Ademais, o conceito de esquerda e direita foi a posteriori relativizado, bastando tomar por exemplo o caso dos jacobinos e girondinos.

        Essa foi engraçada. O cara estuda a origem de um termo aplicado RETROATIVAMENTE, ou seja, após a queda da monarquia, aplicado pelos revolucionários franceses, e se esquece que isso refuta absolutamente tudo que ele disse sobre as ANTIGAS MONARQUIAS sendo a direita. O problema é que a definição do que é direita ou esquerda, nesse caso, é uma abordagem dos esquerdistas, e, como sempre, isso já tem viés político.

        A definição de esquerda e direita de fato, segundo os próprios esquerdistas e direititas, é posterior a revolução francesa.

        Aliás, não há relativização de conceito de esquerda ou direita. Pelo contrário, agora, sem o viés político, e com estudos de ambos os lados (com autores sólidos de cada um dos lados, como exemplo Marx do lado da esquerda e Kirk do lado da direita), sabemos exatamente o que significa esquerda ou direita. Ou seja, vc perdeu.

        Vamos lá:

        -> crença no homem (esquerda)
        -> ceticismo quanto a crença no homem (direita)
        -> estado mínimo (direita)
        -> estado inchado (esquerda) -> embora o truque é para iludir o povão achando que o estado vai ficar mínimo depois
        -> coletivismo (esquerda)
        -> individualismo (direita)
        -> meritocracia (direita)
        -> populismo (esquerda)

        E daí por diante, é fácil demais mapearmos. Agora, não vai adiantar trucagens de termos.

        Por isso que os bolcheviques romperam com os sociais-democratas e qualificaram-no como um desvio “de direita”, inclusive abandonando a tarja “social democrata” para se denominar “bolchevique” ou “comunista. O inverso também verdadeiro, a direita comumente se mistura com o socialismo sempre que necessário, prova disso são os planos plurianuais no Brasil capitalista, e os planos econômicos na Irlanda e outros países europeus, ano primeiro país dura até 6 anos.

        É bom deixar comunista falar, pois eles sempre se enroscam. É como religião. Para ele, qualquer coisa que fuja do comunismo bolchevique “é de direita”. Entretanto, de acordo com qualquer filósofo da direita, não há nada na social democracia “de direita”.

        O sujeito continua com o erro cognitivo de dizer que “esquerda se mistura com capitalismo”, o que é fuga da realidade. O fato é que o esquerdismo pode ser capitalista, mas para ser de direita, o estado deverá ser REDUZIDO.

        Chega a dar dó de assistir a tamanho desespero.

        Levando para o campo da epistemologia, sabe-se que as principais fontes de financiamento do fascismo não eram os assaltos a bancos como no caso dos bolcheviques, mas sim os grandes capitalistas da Bayer, da Krupp, da Wolkswagen, grandes empresas alemãs, isso sem falar na IBM, que acelerou o holocausto de judeus, ou ainda nos jornais de William Hearst, talvez a voz mor da direita americana, imaginem só W. Hearst publicando artigos da imprensa soviética!

        Alinhamento de esquerda com empresas não são novidades. O Lula se uniu ao Abilio Diniz e ao Eike Batista e isso não o torna “de direita”. Aliás, o estado brasileiro anda inchadíssimo.

        Portanto, de novo teu erro cognitivo te fez chafurdar.

        O fascismo, pelo estado inchadíssimo (e mesmo que capitalista), é de esquerda.

        Ele jamais fez isso, mas publicava artigos da imprensa nazista, com quem tinha contratos, publicava histórias pseudojornalísticas estilo Veja, com jornalistas inexistentes. A base de sustentação do fascismo vem de grandes coorporações, que sob o mito do “estado mínimo” na realidade fortalece o papel que essas companhias desempenham dentro do Estado, e não o povo, diferente do sistema soviético, onde o foco era o bem estar do povo trabalhador, tanto que somente o modelo soviético conseguiu alfabetizar uma população de mais de 80% de analfabetos em tempo recorde, criar creches, escolas e banir o racismo do país, inclusive criando as primeiras leis a proibí-los. Portanto a afirmativa de que “o marxismo finge passar o poder para o povo” é falsa, mesmo por que os sovietes, sindicatos e outros coletivos tinham enorme poder de decisão, inclusive judicial, o que é visível na “corte dos camaradas”, a versão soviética da “conciliação”.

        Ué, se tudo na Rússia é “pelo bem do povo”, como ele explica os bilionários russos que apareceram quando ocorreu a abertura na Rússia?

        http://pt.wikipedia.org/wiki/Roman_Abramovich

        Como se vê, o sujeito mente mesmo, não tem vergonha nenhuma em fazer isso, mesmo que tenha que maquiar a realidade.

        O tal “modelo soviético” sempre foi uma fraude, foi apenas um discurso para se chegar ao poder. Fazendo isso, controlaram a imprensa. Mas como esconder os milionários que apareceram por lá depois da abertura? E o fato da Rússia ser um dos países campeões de exploração da prostituição infantil? Ou mesmo com altíssimas taxas de criminalidade e uma máfia barra-pesadíssima? Enfim, o foco do governo russo era o poder para os poucos do Politburo. Conseguiram, às custas de idiotas úteis. 🙂

        Claro, russofobia, etnocentrismo e racismo sempre cai bem quando não se sabe. O autor do comentário perde uma excelente oportunidade de ficar calado.

        Agora não gostar de filme russo é “russofobia”. Também não gosto de filme indiano. indianofobia? hahaioahaohaohaohaoa

        Que raio tem a ver etnocentrismo se não gostamos de filmes russos? Aliás, eu tenho filmes até da Coréia, que são bem melhores que os filmes russos. Então, já tentou vitimismo de novo e se deu mal.

        E racismo? Agora existe a raça russa? aiohaiohaohaohaohaohaoha

        Cara, na boa, isso está divertido demais.

        Se você não sabe, só nos anos 30 o cinema russo era o equivalente moderno de Holywood. Filmes como Alexander Nevsky, feito nos anos 30, exceto pelo preto e branco EM NADA ficam a dever aos filmes atuais sobre batalhas medievais. Muitos filmes russos modernos foram a inspiração para diversas técnicas de filmagem e cenários holywoodianos atuais, é muito comum que diretores como Spilberg e outros façam remakes de cenas de Einsenstein como forma de homenagear o professor, a lista de Schindler, por exemplo, usa vários recursos empregados em “Vá e veja”, filme soviético bielorrusso de 1985, isso já foi noticiado até mesmo em TVs como a Globo News. Nos tempos atuais, filmes como “Brat 2″, que pode ser assistido no Youtube, caracteriza-se por ser um filme feito com baixo orçamento mas de qualidade louvável, e isso por que é um filme de ação e inclusive humor. Evidentemente o autor nada conhece sobre cinema e perde uma grande oportunidade de ficar calado. Sendo eu comunista, sou um pouco suspeito para falar de cinema soviético, portanto fique a vontade para conferir as críticas a filmes russos feitas no IMDB por não-comunistas e verás que elas vão na mesma linha.

        O engraçado é que até na Rússia, alguns filmes americanos GANHAM na bilheteria dessas lixeiras que vc apontou aí. Sinal de que não estamos falando de algo que preste.

        Decerto o Einsenstein até fez algo que preste, mas aí é buscar agulha em palheiro.

        O cinema russo é ignorado não é por “russofobia”. É por ser ruim mesmo.

        O Círculo de fogo JAMAIS foi um ponto de vista russo, do contrário, é até russófobo e gerou imensos protestos na Rússia, sendo inclusive proibido em alguns cinemas. O filme mostra oficiais russos como gordos violentos e feios sem escrúpulos, o Exército Vermelho como um bando de garotos que nunca pegaram num fuzil e como um exército sem armamentos(embora tenha produzido mais fuzis, tanques, aviões, canhões e morteiros do que qualquer outro país, e isso é dado estatístico). Até Vassili Zaytsev, formado em Biblioteconomia é mostrado como um soldado raso e semi-analfabeto, embora na vida real fosse sargento.

        Finalmente, você acertou uma. Também, é impossível errar em tudo.

        O fato é que em seu acerto você confessou “censura” do filme nos cinemas da Rússia. Belo governo do povo este, não?

        Primeiro, eu não tenho medo de você, um palhaço que escreve isso não merece o menor crédito e muito provavelmente é um covarde pessoalmente. Esquerda e direita são conceitos de 1789 que originalmente se referiam à monarquia e à oposição a esta, portanto você não pode falar maior escrescência ao afirmar o que diz aqui.

        Cite a obra de 1789, citando autor DA DIREITA, definindo-se a si próprio, e descrevendo sua filosofia. E depois cite outra obra desta data, de um autor de esquerda, definindo a filosofia da esquerda. Sem isso, vc não tem provas a teu favor, e vou continuar te zoando aqui.

        Em relação a “não ter medo de mim”, onde foi que eu falei que era para você ter medo de mim? Você tem medo dos meus questionamentos.

        Se sou “covarde” pessoalmente, isso é um chute de tua parte. É provocação de parquinho de gente que não tem o que perder. Claro que não cairei no truque.

        No mais, típico direitista, que incapaz de argumentar apela para a baixaria. Tentou me insultar, tentou desmerecer meus argumentos, sendo que não demostrou qualquer argumento contundente capaz de fazê-lo.

        Como sempre, tudo que vc apontou foi refutado (a nao ser a questão do filme “Circulo de Fogo”, seu único acerto).

        – Não conseguiu trazer autores da direita e esquerda de 1789, definindo suas posições filosóficas
        – Não conseguiu provar que o governo da Rússia “é do povo” (e teve que encarar a humilhação de ver eu citar os bilionários russos que surgiram…)
        – Sem querer, assumiu censura de filme nos cinemas da Rússia
        – Não conseguiu provar que o Reagan apoiou o Khmer Vermelho (isso foi no post anterior, e vc fugiu)
        – Tentou dizer que quem não gosta de filme russo é RACISTA (ri litros)
        – Tentou convencer a platéia de que se não é o marxismo, então “é de direita”, truque já refutado aqui

        Cara, prossiga que estou gostando do seu desempenho como humorista. Sua fé no marxismo me comoveria se você não fosse tão perigoso com suas idéias genocidas.

      • “tentou dizer que eugenia era da filosofia da direita, quando não apresentou provas para isso” = Se você soubesse mesmo a diferença básica entre esquerda e direita saberia que eugenia está muito mais próximo do primeiro que do segundo. Direita política parte do princípio que as pessoas são diferentes e que este fato resulta em diferentes substratos sociais e, assim sendo, a desigualdade social seria vista como algo normal ou aceitável. A esquerda parte do princípio que a desigualdade social é um mal que precisa ser combatido. A extrema esquerda (socialismo) prega o fim da luta de classes, ou seja, o fim das classes sociais. As pessoas teriam o mesmo acesso determinados direitos como o acesso à terra, ainda que estas terras pertencessem ao Estado, visando garantir esta distribuição igualitária (isso tudo na teoria, claro). O Nazismo é exatamente o oposto desta perspectiva. Se a direita aceita a desigualdade como reflexo da diversidade dos povos, o nazismo extrapola este raciocinio e passa a tratar certos tipos de pessoas como inferiores, cidadãos de segunda categoria que merecem menos direitos ou até mesmo o extermínio. Daí o extermínio de judeus, ciganos, gays e até mesmo deficientes (lembrando que os primeiros a serem varridos da Alemanha foram alemães com deficiência). Aí voltamos à questão inicial: A Eugenia casa com quem quer fazer de conta que todo é igual ou com quem aceita a desigualdade como fato inevitável?

      • Ao Daniel, o socialismo marxista vê essa mesma diferença entre as pessoas, mas baseado por classes sociais. E prega justamente que umas sejam eliminadas em detrimento de outras. Com certeza é um detalhe de extrema-direita ai…

        Parece que você não entendeu o conceito da diferença entre as pessoas na direita. A esquerda prega uma diferença por grupos: negros são exatamente a mesma coisa em pensamentos e vontades e diferentes de asiáticos; burgueses são exatamente iguais em pensamentos e vontades, tem até uma conspiração involuntária – sua ideologia de classe -, e opostos aos proletários.
        Já à direita as diferenças sãos individuais. Não importa que você seja alto, negro, burguês, mulher, gay ou seja lá o que for, você é único como individuo, nem um irmão gêmeo univitelino com a mesma criação te representaria por completo. Enquanto a esquerda enxerga a diferença em grupos e que um grupo conspira contra o outro ou o oprime, necessitando que aquele seja eliminado, a direita acredita que a diferença se dá em indivíduos e que estes não se juntariam aleatoriamente por alguma característica semelhante para conspirar contra outros indivíduos agrupados.

  9. Em tempo, o regime do Camboja JAMAIS se disse comunista, eles se diziam “revolucionários” e inspiravam-se no Império Khmer, usando-se da tarja “vermelho” apenas para conseguir apoio da China. A maioria das mortes no país se deu por bombardeios americanos direcionados em tese ao Vietnã. Quando o Khmer Vermelho chegou ao poder, ele era apoiado por… Ronald Reagan! E isso está nas páginas do New York Times inclusive!

    E a URSS jamais foi aliada da Alemanha nazista. No dia que você encontrar qualquer documento de uma Aliança entre URSS e Alemanha nazista, eu pago um prêmio de R$ 2000,00 a você!

    • Comunista tentando reescrever a história é uma piada pronta. Vamos nos divertir, é claro.

      Em tempo, o regime do Camboja JAMAIS se disse comunista, eles se diziam “revolucionários” e inspiravam-se no Império Khmer, usando-se da tarja “vermelho” apenas para conseguir apoio da China.

      Mentira. O governo de Pol Pot foi fortemente influenciado por intelectuais de esquerda que foram estudar na França, e vieram totalmente focados em regime marxista-maoista. O ideal “revolucionário” era baseado em uma criação de ditadura do proletariado, exatamente igual na Rússia e China.

      A maioria das mortes no país se deu por bombardeios americanos direcionados em tese ao Vietnã.

      mas como?!?!

      Se após a entrada do khmer Rouge no poder no Cambodja, a guerra do Vietnã já tinha acabado e as tropas americanas retornado aos USA?

      Vc postou isso a sério mesmo?

      Quando o Khmer Vermelho chegou ao poder, ele era apoiado por… Ronald Reagan! E isso está nas páginas do New York Times inclusive!

      Na época da invasão do Cambodja pelo Khmer Rouge, Reagan era um mero governador da Califórnia. Que raios um governador californiano iria apoiar um regime marxista? Mostre as fontes aí. 🙂

      E a URSS jamais foi aliada da Alemanha nazista. No dia que você encontrar qualquer documento de uma Aliança entre URSS e Alemanha nazista, eu pago um prêmio de R$ 2000,00 a você!

      Agora o sujeito inventa um novo critério. Para ser esquerdista, é preciso “ser aliado formal da URSS”.

      O legal que meu texto não fala nada disso, fala apenas da filosofia de esquerda no manifesto de Hitler.

      Será que esses são “os especialistas sérios” que o Bruno fala? rs.

      • Basta pesquisar no Google, “Reagan, Tchatcher and Khmer Rouge”:

        http://www.newstatesman.com/node/137397

        O Khmer Vermelho serviu de “Flagelo de Washington” contra o então independente Vietnã, isso inclusive já foi revelado em arquivos desclassificados do governo americano. Você vai descobrir facilmente que o Khmer Vermelho foi apoiado pelos EUA, assim como o Talibã no Afeganistão e a Unita em Angola.

        Sim, quando o Khmer Vermelho entrou no poder no Camboja, a guerra do Vietnã já havia acabado, mas foi durante a guerra do Vietnã que milhões de cambojanos foram mortos e depois colocados na conta do Khmer Vermelho.

      • Mais uma vez o comunista distorce todas as informações.

        Na verdade, não ocorreu nenhum APOIO do governo americano, mas uma relação diplomática em um período conturbado da guerra fria. Justificável, pois na época o Reagan teve que fazer alianças com os esquerdistas Democratas para conseguir derrubar Washington.

        Mas nenhum apoio foi feito à ideologia do Khmer Vermelho nem aos genocídios.

        Aliás, não há evidência alguma de que os “milhões de cambodjanos foram mortos na Guerra do Vietnã”.

        Sua tentativa de raspar o fundo do tacho foi ridícula. 🙂

      • Caso o autor do blog não tenha ido além da quinta série:

        “Reagan Is Urged to End U.N. Support of Pol Pot

        Sign In to E-Mail
        Permissions

        Special to the New York Times (The New York Times); Foreign Desk
        December 10, 1981, Thursday
        Late City Final Edition, Section A, Page 17, Column 1, 253 words

        [ DISPLAYING ABSTRACT ]

        An open letter urging the United States to drop its support of the deposed Pol Pot regime at the United Nations was sent to President Reagan today. The letter was signed by more than 130 prominent people, including politicians, movie actors, writers, academic figures and religious and humanitarian leaders.”

        “Reagan é solicitado a cessar o apoio a Pol Pot na ONU

        (…)

        Uma carta aberta rogando aos EUA que deixem de apoiar o regime deposto de Pol Pot nas Nações Unidas foi enviada ao Presidente Reagan hoje. A carta foi assianda por mais de 130 personalidades notáveis, incluindo políticos, atores de cinema, escritores, acadêmicos e líderes religiosos e humanitários”

        Claro, toda essa gente não sabia que Reagan era “senador, e não presidente”. Pra contra-argumentar isso só mesmo apelando para a baixaria!

      • O engraçado é que a matéria acima NÃO MOSTRA declarações ou ações oficiais do governo Reagan defendendo os genocídios do Cambodja… 🙂

        Vc sabe o que é uma declaração, não? Tem aí?

    • Foi, sim!

      Documento Pacto Molotov-Ribbentrop, assinado em Moscou em 24 de agosto de 1939, que dentre outras cláusulas repartia a Polônia entre a URSS e a Alemanha nazista. O pacto – símbolo de uma doce aliança entre os dois países socialistas durou até 1941.

      Esses R$ 2.000,00 são só para o Luciano ou posso lhe informar o número da minha conta, hein, burríssimo (=esquerdista marxista)?

      • Pacto nunca foi sinônimo de “Aliança”. Pacto é o mesmo que tratado, aliás, é um dos milhares nomes de tratado existente. Não existe regra formal para denominação de tratado, se eu quiser chamar um tratado de “Jiraya” e a outra parte concordar, assim fica definido. Se você já leu o texto do Pacto, ele em nenhum ponto fala em “aliança” ou “colaboração militar”, ele apenas deixa definido que Alemanha e URSS não entrarão em guerra um com o outro.

        Para “desenhar” os fatos. Se eu passo por um traficante ou bandido armado até os dentes e digo pra ele “chapa, eu não vou te atacar”, o fato deu não ter fuzilado o meliante, não quer dizer que eu seja um colaborador do meliante, apenas significa que eu não vou incomodá-lo e nem ele a mim. A decisão do governo soviético foi sábia, pois anos antes os capitalistas ocidentais entregaram a Tchecoeslováquia. A própria URSS havia firmado uma aliança militar com a Tchecoeslováquia e a França para impedir uma invasão alemã. A URSS ofereceu ajuda aos tchecos contra os alemães, mas a burguesia tcheca não aceitou e a França nada fez. O texto original do pacto inclusive está na internet, mas como a direita é funcionalmente analfabeta, um tratado de NÃO-AGRESSÃO é confundido com “Aliança”.

      • Quer dizer, tudo conversinha fiada pois sabe que perdeu a aposta. 🙂

        Um Tratado de Não-Agressão, em período de conflitos, é uma ALIANÇA. É como nas guerras corporativas, se dois grupos se unem para não haver agressão entre eles, isso é aliança.

        Mas fique tranquilo, comunista é sempre mentiroso. E eu sabia que você não cumpriria com a palavra.

    • Isso não é para morrer de rir, o que o artigo alega já foi formalmente reconhecido pelos Estados Unidos, já foi desclassificado da lista de “arquivos secretos” e já foi inclusive publicado na imprensa mundial. De nada por te manter atualizado.

      • Mas já que foi feito o reconhecimento FORMAL dos Estados Unidos, quero ver isso. Declarações formais de governos em questões importantes não são difíceis de achar. Corra atrás, é você que está alegando. Vamos avaliar o contexto no qual teria sido o “apoio” de Reagan ao Khmer Vermelho.

    • Agora os EUA são símbolos perfeitos do que é direita.O que eles fazem definem direita. Daqui a pouco os EUA implantam a nova URSS e isto passa a ser o que há de mais extrema-direita fascista.

  10. Tratado de agressão nunca foi o mesmo que Aliança, em nenhum manual de Direito Internacional e em nenhum cenário real com pessoas reais e normais, só mesmo no fantástico mundo de um direitóide é que isso é a mesma coisa.

    • Carlos Marques, deixe de ser mentiroso e cara de pau. “Aliança, no sentido de acordo, é um pacto entre duas ou mais partes objetivando a realização de fins comuns.”

      Fim de conversa, você mentiu. Como mostrei aqui, nazismo e comunismo são farinha do mesmo saco, e por isso vocês mataram quase 200 milhões de pessoas no século XX.

      Não tem por onde você fugir.

      • 200 milhões era a população inteira da URSS, mané, nem mentir sabe. Além de falsificar a história agora quer falsificar até a matemática. Se você quer falar de acordos, nenhum acordo beneficiou mais a Alemanha nazista do que os acordos econômicos feitos entre nazistas e países ocidentais, e foi graças a isso que eles conseguiram se rearmar e reerguer a economia. Ademais, basta ler sobre os acordos feitos entre Hitler e Chamberlain, que possibilitaram aos alemães avançar sobre a Tchecoeslováquia e outros países do Leste Europeu. Deste acordo você não fala.

        Nenhum sistema matou mais do que o nazismo e o capitalismo, até por que nazismo é capitalismo agressivo.

      • Tentou enrolar de novo 🙂

        O nazismo é um sistema de esquerda, conforme provei, que matou uns 15 milhões de pessoas. Mais ainda o governo de esquerda russo matou umas 40 milhões, e Mao umas 70 milhões. Somando-se as mortes da esquerda humanista, vocês mataram perto de uns 200 milhões, pois a conta das mortes do nazismo está nas costas de vocês também.

        O termo “capitalismo agressivo” é um truque de tua parte, pois isso não muda o fato de que o sistema era de esquerda, conforme provei.

        É, esquerdista, tuas mãos estão sujas de sangue.

      • Ah, agora vale até minimizar os crimes do nazismo, para atacar o comunismo. Agora entendo por que tanta obsessão por dizer que “comunismo é nazismo”, pois sendo você um claro simpatizante do nazismo, então atacando o inimigo de “nazista” expia a sua culpa. O nazismo não matou uns “15 milhões de pessoas”, só na URSS o nazismo matou mais de 20 milhões, o saldo total de mortes da guerra iniciada pelos nazistas é de 60 milhões de mortos, número consensual entre historiadores soviéticos e ocidentais. Logo sua postagem não faz o menor sentido.

        40 milhões, caso você não saiba, era só a população ucraniana da época. Se o comunismo matou 40 milhões e nazismo 20 milhões na URSS os soviéticos deveriam fazer sexo como coelhos ou ter um programa de clonagem extremamente avançado para repor tanta gente. Lembrando que segundo a demografia soviética, os casais tinham em média não mais que 2 filhos. Mentira tem perna curta! É fácil mentir usando uma estatística, difícil é contar a verdade sem elas.

        O engraçado, quando se fala em “milhões de vítimas do comunismo”, é que nem mesmo a direita entra em consenso:

        – O “comunismo” matou entre 1 e 3 milhões
        CONQUEST, Robert. The Harvest of Sorrow. Citado em http://www.battleswarmblog.com/?tag=robert-conquest

        – O “comunismo” matou 20 milhões
        MONTEFIORE, Simon Sebag. Stalin: The Court of the Red Tsar. pp. 649

        – O comunismo matou 45 milhões
        Por Frank Dikotter, citado em http://www.battleswarmblog.com/?tag=robert-conquest

        – Esquerda matou 100 milhões
        http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4078196-EI8141,00-Site+estima+que+comunismo+matou+mais+de+milhoes+no+mundo.html
        http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/03/13/esquerda-versus-esquerda-274035.asp
        http://www.averdadesufocada.com/index.php?option=com_content&task=view&id=1736&Itemid=106

        – Esquerda matou 110 milhões
        http://uniaoariana.wordpress.com/category/comunismo/

        – Esquerda matou 180 milhões
        http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=7611

        – Esquerda matou 200 milhões
        http://blogs.estadao.com.br/marcos-guterman/fidel-o-interminavel/
        http://espectivas.wordpress.com/2009/03/11/nao-podemos-esquecer-que-o-bloco-de-esquerda-e-um-partido-marxista/
        http://www.simceros.org/index.php?option=com_content&view=article&id=103:fato-62-catolicismo-comunismo-e-satanismo&catid=35:dr-jose-renato-pedroza&Itemid=62

        – Esquerda matou 300 milhões
        http://novavida.blogs.sapo.pt/19758.html
        Além do blog do Noblat, site Terra, sites neonazistas, A Verdade Sufocada do coronel Ustra…

        Tem como levar toda essa palhaçada a sério? Alguém já reparou como após 20 anos do fim da URSS, os “comunismo soviético continua matando mais e mais”?

        Com apenas 2 filhos por casal, em média, e tantos “milhões de mortos”, a população da URSS deveria, em tese, ter desaparecido da face da Terrra. Longe de diminuir, a população soviética aumentou, aqui um artigo que traz não só a tabela oficial como inclusive toma por fonte o CIA Worldfactbook:

        http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/02/especial-anticomunismo-e-terrorismo-por.html

        Se você nega isso e diz que é “informação de esquerda”, então devemos entender que “a CIA é de esquerda agora”.

        Direitistas e seus devaneios. Acho que o autor do blog quer ocupar o lugar de Hitler e Himler, que insistiam na técnica de mentir até que a mentira se tornasse verdade.

      • Carlos Marques, figura carimbada

        Ah, agora vale até minimizar os crimes do nazismo, para atacar o comunismo. Agora entendo por que tanta obsessão por dizer que “comunismo é nazismo”, pois sendo você um claro simpatizante do nazismo, então atacando o inimigo de “nazista” expia a sua culpa. O nazismo não matou uns “15 milhões de pessoas”, só na URSS o nazismo matou mais de 20 milhões, o saldo total de mortes da guerra iniciada pelos nazistas é de 60 milhões de mortos, número consensual entre historiadores soviéticos e ocidentais. Logo sua postagem não faz o menor sentido.

        Não. O número de mortos em campos de concentração era de 15 milhões, e no total uns 30 milhões.

        Mas em nenhum momento eu disse que “comunismo é nazismo” (é, gente, eu falei que ele não tem vergonha na cara), eu disse que “tanto nazismo como comunismo são tipos de filosofias de esquerda”. Continue assim, Carlos Marques, mas se começar a ficar muito repetitivo vou te banir daqui. MUDE SUAS ROTINAS, pois estou fazendo uma compilação de seus truques. Se ficar repetidno “seu, seu fascista” ou “se não é comunismo, não é esquerda” ou “oposição de esquerda é capitalismo”, aí perdeu a graça e você não tem mais serventia aqui. Você serve para GERAR CONHECIMENTO a partir dos truques que você usa. Cada truque novo, eu vou e adiciono na base, e aí vc lança novos truques. Com isso, criamos contra-medidas contra esses truques. Entendeu para que você serve aqui? Você é macaco de laboratório e seu comportamento está sob estudo. Você não serve para nada mais além disso.

        40 milhões, caso você não saiba, era só a população ucraniana da época. Se o comunismo matou 40 milhões e nazismo 20 milhões na URSS os soviéticos deveriam fazer sexo como coelhos ou ter um programa de clonagem extremamente avançado para repor tanta gente. Lembrando que segundo a demografia soviética, os casais tinham em média não mais que 2 filhos. Mentira tem perna curta! É fácil mentir usando uma estatística, difícil é contar a verdade sem elas.

        Mais truques. Ucrânia não representa toda a União Soviética, portanto citar que 40 milhões era a população ucraniana da época não significa nada. Aliás, hoje a população ucraniana é de 45 milhões de pessoas, o que significa que cresceu realmente muito pouco. O que prova que vocês mataram na Rússia muita gente mesmo.


        O engraçado, quando se fala em “milhões de vítimas do comunismo”, é que nem mesmo a direita entra em consenso:
        – O “comunismo” matou entre 1 e 3 milhões
        – O “comunismo” matou 20 milhões
        – O comunismo matou 45 milhões
        – Esquerda matou 100 milhões
        – Esquerda matou 110 milhões
        – Esquerda matou 180 milhões
        – Esquerda matou 200 milhões
        – Esquerda matou 300 milhões

        Tem como levar toda essa palhaçada a sério? Alguém já reparou como após 20 anos do fim da URSS, os “comunismo soviético continua matando mais e mais”?

        A falta de vergonha na cara dele realmente é absurda. Enquanto a primeira matéria falava de mortes do comunismo nos gulags, o outro falava de mortes do comunismo em todas as campanhas de morte, inclusive a morte de pessoas por inanição (tática do governo russo), e o outro ainda falava das mortes somadas às mortes da guerra. Quando o outro fala sobre a esquerda, é obvio que provavelmente falava de uma visão da esquerda mais “romântica”, a qual foi derrubada depois da derrubada da propaganda comunista nas academias (dizendo que nazismo era de direita), o que amplia a conta para a direita. O último link é de um site que chutou alto, mas não uma fonte histórica, portanto nem precisaria ser citado. Talvez o número de 300 milhões poderia ser relacionados a mortes indiretas, como os mortos de guerra e demais conflitos, mas isso é contestável.

        O que importa é o truque repetido de Carlos Marques, ao tentar iludir a platéia fingindo que quando algúem fala da esquerda está falando do comunismo. É esse o truque que ele usa para fingir uma contradição que não existe. Prestem atenção nos truques do esquerdista. Para quem achava que eu exagerava ao bater neles, agora vocêm vem que a vida deles se resume a mentir o dia todo para ajudar o partidão. Não são pessoas normais, claro.

        Agora, uma coisa curiosa que refuta tudo o que Carlos Marques tentou.

        Vejam só a lista de mortos na segunda guerra mundial:

        http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Mortos_na_Segunda_Guerra_Mundial

        Notem que os países da esquerda, Alemanha, China e Rússia, tiveram um número muito maior de baixas em comparação ao restante. Por que esse fenômeno? Simples, pois os países da esquerda aproveitaram o período da guerra para fazerem expurgos políticos. Como previsto, claro.

        E detalhe, isso sem contar os 3 a 10 milhões de pessoas que morreram na Ucrânia por inanição causada de forma PROPOSITAL pelos comunistas.

        Note que ainda temos, além das contagens astronônicas de mortos na Rússia, China e Alemanha Nazista, também tivemos 6 milhões de mortos na Polônia, tanto por nazistas como alemães, ou seja, a esquerda fez a festa por lá.

        Por isso um número entre 150 e 200 milhões de mortos para toda a esquerda é bem seguro.

        Com apenas 2 filhos por casal, em média, e tantos “milhões de mortos”, a população da URSS deveria, em tese, ter desaparecido da face da Terrra.

        Com uma população de 140 milhões de pessoas, no período de duas guerras (na qual somente na segunda foram 20 milhões de vítimas só na Rússia, e 70 milhões só na China), esse amontoado de mortes provocadas pela esquerda não teria como “desaparecer” com a Rússia da face da Terra. Hoje, tem cerca de 300 milhões de pessoas. Poderia estar chegando em uns 400 milhões, se não fossem os genocídios de vocês.

        Se você nega isso e diz que é “informação de esquerda”, então devemos entender que “a CIA é de esquerda agora”.

        A CIA não é de esquerda. É você que simula interpretação erronea para manter sua fé na Rússia. 🙂

        Direitistas e seus devaneios. Acho que o autor do blog quer ocupar o lugar de Hitler e Himler, que insistiam na técnica de mentir até que a mentira se tornasse verdade.

        Não, o lugar teu é que é ao lado de gente como Lenin, Trotsky, Hitler, Himler, e Gramsci. É gente de esquerda que adora mentir para defender o partidão. Vocês sempre foram assim e sempre serão. Mas fazer o que com uma ideologia em que líderes como Trosky e Gramsci dizem para seus discípulos sairem mentindo “contra a burguesia” (no caso dos comunas) ou “contra os judeus” (no caso dos nazistas).

      • Provou, onde estão os dados estatísticos, os dados demográficos? Nem mesmo a direita entra em consenso sobre “quantos o comunismo matou”:

        http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/02/historia-afinal-quantos-milhoes-o.html

        Em contra-partida, com tantos “supostos milhões de mortos”, o que ocorreu foi justamente o inverso, a população cresceu(com apenas 2 filhos em média por casal), o que fica evidente em dados estatísticos e até no CIA World Factbook. E agora, sabichão, a CIA também é de esquerda?

        http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/02/especial-anticomunismo-e-terrorismo-por.html

        Se você quer provar que “o comunismo matou milhões” o certo seria você trazer dados estatísticos, judiciários ou demográficos DE UM PAÍS SOCIALISTA mostrando isso, caso contrário você está apenas panfletando.

        Entenda uma coisa, “prova” e “verdade” é diferente de “opinião pessoal”. Tudo que você faz aqui é dar sua opinião, que quase nunca é respaldada por dados numéricos. Não basta falsificar a história, agora quer falsificar até a matemática, típico direitóide.

      • Lá vem o Carlos Marques com suas enrolações eternas

        Provou, onde estão os dados estatísticos, os dados demográficos? Nem mesmo a direita entra em consenso sobre “quantos o comunismo matou”:
        http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/02/historia-afinal-quantos-milhoes-o.html

        Primeiramente, Robert Conquest é anti-comunista, mas não “de direita”. Você tem problemas cognitivos muito sérios.

        Você usa tanto a rotina “Se não é comunismo, não é esquerda” que seu cérebro te deixa incapaz de entender sequer o que está sendo discutido.

        Eu não estou levantando só o número de mortos do comunismo, mas DA ESQUERDA, portanto incluindo todos os crimes do nazismo, fascismo e marxismo juntos.

        É por isso que os números obviamente variam.

        Se eu levantar os números só do comunismo, terei um valor, mas se levantar os números do comunismo e nazismo, o valor será diferente, SUA ANTA!

        Aliás, é pura questão matemática.

        Portanto, a tal “divergÊncia” nem de longe existe.

        Em contra-partida, com tantos “supostos milhões de mortos”, o que ocorreu foi justamente o inverso, a população cresceu(com apenas 2 filhos em média por casal), o que fica evidente em dados estatísticos e até no CIA World Factbook. E agora, sabichão, a CIA também é de esquerda?
        http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/02/especial-anticomunismo-e-terrorismo-por.html

        O crescimento de uma população em um período de tempo não implica em que o genocídio russo não tenha ocorrido. 🙂

        As evidências apontam para o genocídio russo, e as investigações sobre isso são contundentes, desmascarando a psicopatia comunista. Esquerdista, aliás.

        Se você quer provar que “o comunismo matou milhões” o certo seria você trazer dados estatísticos, judiciários ou demográficos DE UM PAÍS SOCIALISTA mostrando isso, caso contrário você está apenas panfletando.

        De novo o erro cognitivo. Enquanto eu escrevi que “a esquerda matou milhões”, ele faz o truque de fingir que eu disse que “comunismo matou milhões”.

        O fato é que o comunismo matou 100 milhões, e o nazismo uns 50 milhões. Só isso já dá uns 150 milhões nos principais genocídios da direita. Considerando outras ditaduras menores como as de Castro, a atual Coréia do Norte, etc… podemos dizer que a conta chega perto dos 200 milhões.

        Entenda uma coisa, “prova” e “verdade” é diferente de “opinião pessoal”. Tudo que você faz aqui é dar sua opinião, que quase nunca é respaldada por dados numéricos. Não basta falsificar a história, agora quer falsificar até a matemática, típico direitóide.

        Está nervosinho pois não conseguiu refutar os documentos que mostram que vocês tem sangue nas mãos em quantidade absurda. É o teu site que contempla uma “opinião pessoal”, que jamais conseguiu se estabelecer academicamente, mesmo que as universidades sejam tomadas de esquerdistas gramscianos. Ou seja, a mentira que você propaga é tão vergonhosa que nem seus amigos doutrinadores a levam a frente.

        Os fatos são inegáveis: “A esquerda tem uma contagem de mortos de quase 200 milhões”.

        Aos demais, leitores: querem apostar que ele vai usar de novo o truque de “ele fala só comunismo”. hehehehe

        Dá dó de ver o que os doutrinadores de faculdade fizeram com o cérebro do garotinho.

      • Provou onde até agora não li nada, eu só conheco tal afirmação de Hitler:

        “O marxismo não é socialismo. Socialismo e comunismo não são a mesma coisa. Os marxistas se apropriaram do termo e mudaram seu significado. Ao contrário do marxismo, o socialismo não implica em negar a própria personalidade. Ao contrário do marxismo, o socialismo é patriótico. Não somos internacionalistas; nosso socialismo é nacional”
        “Nenhum homem saudável pode ser marxista. Os homens sadios reconhecem o valor do indivíduo. Enfrentamos as forças do desastre e da degeneração.”
        (Adolf Hitler, 09 de julho de 1932, entrevista à revista norte-americana “Liberty”)

      • Típico cripto-fascista, que sendo despreparado para o debate recorre ao argumento ad baculum, xingando a tudo e todos e apelando para a estratégia do ódio ou demonizando o adversário, usando-se de argumentos tipo “matou milhões”, um argumento careta retirado dos mais obscuros manuais da inquisição. Os monges Krammer e Sprenger, que escreveram o Martelo das Feiticeiras, também adoravam dizer que bruxas “matavam milhares com pragas e doenças” para justificar sua inquisição. Ou seja, aqui o direitista revela a sua verdadeira face, um eco da inquisição, do fascismo e de tudo que há de mais reacionário.

        Anticomunistas são a escória da face da Terra.

      • Ei, fundamentalista de Marx,

        Aprenda o mínimo de lógica. O fascista é você, que defende um estado INCHADO e CULTO ao estado (através do truque de simulação do Marx – http://lucianoayan.com/2012/01/29/rotina-comunismo-dos-genocidios-e-uma-deturpacao/). Eu não posso ser fascista, pois SUSPEITO da presença do estado, e entendo o estado como um mal necessário, desde que com atuação limitada. O que é o oposto do fascismo.

        Além do mais, é a história que diz que os sistemas de esquerda (Fascismo, Nazismo, Comunismo marxista) mataram milhões, não sou eu. Vocês é que tentam pateticametne reescrever a história. Se na Inquisição usavam argumentos de “bruxas mataram milhões”, quanto a isso eu não sei. Mas é a história que diz que vocês mataram 200 milhões de pessoas.

        Aliás, a inquisição também é uma especialidade soviética. Não eram eles que simulavam que alguns eram “contra o partidão” para justificar execução? Tecnicamente, dá no mesmo que inquisição.

        Além do mais, não sou apenas anti-comunista, sou contra o esquerdismo (estado inchado, culto ao homem, culto ao estado, coletivismo forçado, etc.), e por isso sou contra o nazismo, marxismo e o fascismo. É, fundamentalista de Marx, conforme-se, você é o fascista aqui.

        E é claro que esquerdistas tem mais é que me odiar mesmo, pois eu boto o dedo na ferida de vocês. Enquanto fanáticos comunistas estiverem afirmando que sou “a escória da Terra” é um sinal de que este blog está no caminho certo. Se traficantes do morro, as FARC, a máfia também me xingarem, isso não me incomodará.

      • Não é a história que diz que comunistas mataram milhões, são os anticomunistas que dizem que os comunistas mataram milhões. É normal que um inimigo tente sempre atacar outro com argumentos falsos, estranho seria ver direitistas falando bem de comunistas. Por isso eu só posso dar parabéns pela sua posição, estamos em lados opostos.

        Claro que você pode ser fascista, pois demonstra sintomas típicos tais como arrogância, anticomunismo exacerbado(típico de todo fascista), repetição ad eternum da mentira. Você tem razão quando diz que “não pode ser fascista por que quer o Estado mínimo”, o correto é classificá-lo como “neofascista”, já que defende o mesmo que o fascismo, mas feito por corporações, ao invés do Estado. Não há nenhuma diferença entre a empresa anticomunista que se utiliza de trabalho escravo e executa trabalhadores e o Estado que faz o mesmo, exceto pelo tamanho, claro, e o fato de que um é administrado por burgueses, e o outro por um burguês.

        Não venha falar das FARC, pois ninguém disseminou mais drogas no mundo do que a imperialista e capitalista Grã-Bretanha, ou será que você nunca ouviu falar da Guerra do Ópio, onde a Inglaterra guerreou com os chineses para obrigá-los a consumir ópio? O traficante nada mais é do que um capitalista que opera em regime de livre mercado, inclusive. As drogas são um dos maiores negócios do capitalismo na atualidade, traficantes pagam impostos, se você não sabe, e não raramente dão suporte a ações governamentais. Basta ver, por exemplo, como o governo dos EUA usou-se de traficantes para acabar com o Partido dos Panteras Negras, enchendo bairros negros com drogas difundidas por traficantes para acabar com a organização deste partido de esquerda. Portanto baixe a bola ao falar de traficantes quando você apoia um regime que está metido até o pescoço com o tráfico. Há estatísticas concretas de como o tráfico de ópio e heroína aumentou no Afeganistão quando a CIA passou a apoiar o Talibã, contra os soviéticos, e de como esse negócio aumentou ainda mais quando eles assumiram o poder em 1994.

        Em contrapartida, países socialistas eram conhecidos justamente por serem livres de drogas, prostituição e alcoolismo.

      • Carlos Marques

        Não é a história que diz que comunistas mataram milhões, são os anticomunistas que dizem que os comunistas mataram milhões. É normal que um inimigo tente sempre atacar outro com argumentos falsos, estranho seria ver direitistas falando bem de comunistas. Por isso eu só posso dar parabéns pela sua posição, estamos em lados opostos.

        Na verdade, a ditadura russa perfazia um país de comunistas, com controle estatal. Portanto, sem direito a divergencias de opiniões. Tudo o que é publicado significa a ideologia do partidão.

        No mundo não-comunista, mesmo que ainda dominado de esquerdistas nas academias, temos um debate, onde lados diferentes discutem suas idéias. Algo que é o oposto de países comunistas.

        É nesses países, onde existe o direito a divergência de idéias (por não ser um país comunista), que a história mostrou que os comunistas mataram 100 milhões de pessoas. Pode chorar o quanto quiser, mas a sua tentativa de relativizar a história só mostrou que você está tentando enrolar a platéia.

        Claro que você pode ser fascista, pois demonstra sintomas típicos tais como arrogância, anticomunismo exacerbado(típico de todo fascista), repetição ad eternum da mentira.

        ahoahioahoahioahoahaohoaa

        Será que algum livro de filosofia fascista diz “um princípio é ser arrogante, outro é falar mentira”. É claro que o sujeito tem problemas. Ele pega os adversários, implementa rótulos que não gosta e chama de “fascista” não por que o outro é fascista, mas por que quer obter o benefício psicológico disso. Que ele tentasse fazer isso na mídia ou outro lugar em que os gramscianos gostam de agir, é explicável. Tentar fazer isso em um blog que denuncia estes truques é tão ridículo quanto um paranormal querer defender o Uri Geller em uma comunidade de ceticismo anti-paranormal. É por isso que digo que ele não tem vergonha na cara. É melhor assim, pois tudo se torna mais divertido.

        Quanto a “Fascistas eram anti-comunistas. Você é anti-comunista. Logo, é fascista”, isso é uma falácia das mais patéticas.

        Paródia.

        Comunistas não gostam dos Estados Unidos.
        Juliana voltou de viagem de lá e diz que não gosta dos Estados Unidos.
        Logo, Juliana é comunista.

        Na boa, cara, está engraçado 🙂

        Você tem razão quando diz que “não pode ser fascista por que quer o Estado mínimo”, o correto é classificá-lo como “neofascista”, já que defende o mesmo que o fascismo, mas feito por corporações, ao invés do Estado. Não há nenhuma diferença entre a empresa anticomunista que se utiliza de trabalho escravo e executa trabalhadores e o Estado que faz o mesmo, exceto pelo tamanho, claro, e o fato de que um é administrado por burgueses, e o outro por um burguês.

        Putz!

        Agora começou o Mundo Fantástico de Bob.

        Para ele, se uma empresa não é comunista (ele chama de “anti-comunista”), então “se utiliza de trabalho escravo”.
        Mais ainda, esse tipo de empresa “executa trabalhadores”.

        Daí usa o rótulo de “neo-fascismo”, coisa que ele inventou de última hora pro debate (é, eu sei, ele não tem medo do ridículo), que não faz o menor sentido.

        Ora, se há corporações de um lado, e de um estado do outro, temos balanceamento de poderes, o que é OPOSTO ao fascismo, e não uma versão dele. O fascismo depende do poder todo no estado, pois essa é a essência da crença no homem. Sem a crença no Estado forte, não há fascismo.

        Dizer que há um fascista que crê no estado mínimo, é o mesmo que citar um ateu que acredita em Deus. É logicamente impossível. É como o quadrado redondo ou a chuva seca.

        Não venha falar das FARC, pois ninguém disseminou mais drogas no mundo do que a imperialista e capitalista Grã-Bretanha, ou será que você nunca ouviu falar da Guerra do Ópio, onde a Inglaterra guerreou com os chineses para obrigá-los a consumir ópio?

        O cara quer comparar uma guerra entre países por motivos econômicos (sempre são, ou por luta de recursos, o que dá no mesmo), com o que a FARC faz, significando sequestros e crimes dentro do PRÓPRIO PAÍS, somente com o pretexto de “causa socialista”. Bem, pelo menos os ingleses não deram um ar de “moral” ao que faziam. Já os comunistas querem dizer que o que a FARC faz é CORRETO, só por que é “pela causa”. É esse tipo de pensamento que levou aos genocídios da esquerda.

        Não deixa também de ser a falácia tu quoque. “FARC trafica drogas. Mas a Inglaterra também, na Guerra do Ópio. Logo, FARC é inocente”.

        Patético, muito patético.

        O traficante nada mais é do que um capitalista que opera em regime de livre mercado, inclusive. As drogas são um dos maiores negócios do capitalismo na atualidade, traficantes pagam impostos, se você não sabe, e não raramente dão suporte a ações governamentais. Basta ver, por exemplo, como o governo dos EUA usou-se de traficantes para acabar com o Partido dos Panteras Negras, enchendo bairros negros com drogas difundidas por traficantes para acabar com a organização deste partido de esquerda.

        Os Panteras Negras eram um grupo terrorista, de extrema-esquerda (o que não muda o fato de que eram terroristas). De repente, deram drogas para os terroristas ficarem calminhos e o Carlos Marques quer usar isso para defender as FARC? É sério que eu li isso? 🙂

        Aliás, não sei de onde ele tirou que se eu critico a Rússia, tenho que validar os Estados Unidos. Eu não tenho crença nos governos, é o Carlos Marques que tem. 🙂

        Portanto baixe a bola ao falar de traficantes quando você apoia um regime que está metido até o pescoço com o tráfico. Há estatísticas concretas de como o tráfico de ópio e heroína aumentou no Afeganistão quando a CIA passou a apoiar o Talibã, contra os soviéticos, e de como esse negócio aumentou ainda mais quando eles assumiram o poder em 1994.

        TU QUOQUE de novo!?!?!?!?!

        Realmente, este não tem medo do ridículo.

        Em contrapartida, países socialistas eram conhecidos justamente por serem livres de drogas, prostituição e alcoolismo.

        Não, eram conhecidos por censura à imprensa, que, obviamente, proibia a divulgação dos crimes. 🙂

      • “Anticomunistas são a escória da face da Terra”.

        Ok Jean-Paul Sartre (“todo anti-comunista é um cão”), você luta para defender regimes genocidas, mente, inventa histórias, NÃO CUMPRE COM SUA PALAVRA (vai ou não vai pagar os R$ 2.000,00? Perguntar não ofende…), vem com histeria automática de sanha vingativa (“aqui o direitista revela a sua verdadeira face, um eco da inquisição, do fascismo e de tudo que há de mais reacionário”) é são os “cripto-fascistas” que estão “demonizando” você? Ah vá!

        Espere aí, não vá embora ainda! TENTE responder as perguntinhas abaixo:

        1) Onde há provas TEXTUAIS de relação DIRETA deque o discurso do Luciano adveio de “manuais da Inquisição”? Por favor, caso responda, mostre o trecho com FONTES LEGÍTIMAS.

        2) Qual é o problema, OBJETIVAMENTE FALANDO, do reacionarismo? Eu não sou um reacionário, acalme-se, mas ainda assim parece que tudo o que é “reacionário” é ruim. Poderia nos explicar o por quê?

        3) Por que “anticomunistas são a escória da terra”?

        4) Aproveitando: por que o comunismo é o sistema correto de goivernabilidade mundial, mesmo com todas as provas ao contrário que tal sistema em diferentes regiões do Globo deu ao mundo, historicamente, no século passado?

        Aguardo a resposta. Caso os argumentos sejam satisfatórios, eu deixo de lado a minha parte dos R$2.000,00 que você prometeu e não pagou… 😛

  11. PS: O Pacto de Não-Agressão não possui cláusulas de divisão da Polônia, ele possui a delimitação de áreas de influência. Para entender o que são zonas de influência, Stalin e Churchill pactuaram zonas de influência após a IIGM, isso não quer dizer que a URSS ou a Inglaterra invadiram outros países europeus. O mito de “invasão da Polônia pela URSS” é um mito moderno, pois nem o governo Polonês da época reconheceu a URSS como invasor, nem a Polônia, nem a Liga das Nações, nem os aliados militares da Polônia. O Professor Grover Furr e A Página Vermelha já destruíram esse mito:

    http://apaginavermelha.blogspot.com.br/2011/10/historia-uniao-sovietica-invadiu.html

    • Todo o chororô acima vai por água abaixo. Não é uma página de fanático comunista delirante que irá apagar a história. Aliás, como se explica o Massacre De Katyn, que os comunistas russos tentaram imputar ao governo alemão por muito tempo, até que investigadores descobriram a verdare: foram os russos que mataram 20.000 pessoas em Katyn, e tentaram atribuir a culpa aos alemães. No fundo, nazistas e comunistas se merecem, pois são esquerdistas, e como sempre, mentirosos. 🙂

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Massacre_de_Katyn

  12. A Democracia e os Liberais:
    ”Não se pode negar que o fascismo e movimentos semelhantes que visam o estabelecimento de ditaduras estão cheios das melhores intenções, e que sua intervenção no momento salvou a civilização européia. O mérito que o fascismo teve, deu-lhe um reconhecimento eterno na história”
    http://archive.mises.org/18257/mises-on-fascism-again/

    Realmente Mises agora é esquerdista, hahahahahahaha.

    “Pessoas ao redor do mundo estão lutando contra regimes autocráticos em nome da liberdade e da democracia. Elas estão certas em lutar pela liberdade, mas estão erradas em lutar pela democracia. Os libertários deveriam tentar esclarecer a estas pessoas que o caminho democrático não os levará a mais liberdade, mas sim a mais escravidão. ”
    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1345

    Embora quase todos os países democráticos sofram com governos inchados, excesso de regulamentação, altos impostos e uma enorme dívida pública, poucas pessoas consegeum vislumbrar a relação causal entre estes problemas e o próprio sistema democrático. Para a maioria, a solução para estes problemas é mais democracia, e não menos.
    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1287

    A democracia de fato permite transições pacíficas entre duas elites governantes (ou, para sermos mais realistas, entre diferentes facções da mesma elite). Provavelmente ela seja o arranjo mais adequado para se transferir o poder sem derramamento de sangue. Mas qual o benefício da democracia para nós, as pessoas comuns? Deveria você, por exemplo, celebrar aquelas raras ocasiões em que a maioria, por meio do voto, chancela uma visão de mundo igual à sua? Afinal, mesmo um tirano irá, uma vez ou outra, governar a seu favor.

    Não, a democracia não é benéfica para aqueles que são emancipados e cultuam a liberdade. Um homem pode venerar a democracia durante o período em que ele está na maioria e até mesmo apreciá-la quando suas visões não mais estão no poder. Mas seria isso uma forma de liberdade? Seria a liberdade nada mais do que aceitar as decisões da maioria a todo o tempo e sob quaisquer custos?
    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=325

    Para vocês lerem que tais trechos foram tirados do famigerado Instituto Mises, portanto marxista-leninista tal site decididamente não é…

    Diferença entre a Direita burra caricata e que só restou a internet e as Faculdades de Funda de Quintal para proferir suas sandices, e o Ideal Marxiano, sainda das próprias mãos de Karl Marx:

    A democracia é a essência de todas as constituições políticas, o homem socializado (des sozialisierten Menschen) como uma constituição política particular.
    A democracia está para as outras formas de constituição como o
    gênero está para as suas várias espécies, à diferença apenas que
    aqui o gênero passa a existir e se manifesta como uma espécie particular em relação às outras espécies, cuja existência não corresponde à essência genérica (Idem, p. 88).

    A democracia é o enigma resolvido de toda constituição. Nela encontramos a constituição fundada em sua verdadeira base: seres humanos reais e o povo real; não meramente, implicitamente e em essência, mas em existência e em realidade. A constituição é assim postulada como criação própria do povo. A constituição é, em aparência, o que é em realidade: a criação livre do homem Idem, p. 87).

    Apenas o sentimento próprio dos homens,
    sua liberdade, pode fazer a sociedade novamente um dia tornar-se uma
    comunidade na qual os homens possam realizar seus objetivos mais
    elevados, uma polis democrática (Marx, 1992b [1843], p. 201). Carta a Ruges 1843.

    TODOS OS OUTROS TRECHOS RETIRADOS DO LIVRO CRÍTICA A FILOSOFIA DO DIREITO DE HEGEL.

    ESPERAREI COM MUITA ANSIEDADE RESPOSTAS DE ALGUNS LIBERAIS…

    • A falta de vergonha na cara dos marxistas é tamanha que eles citam o Mises e esquecem-se de que o texto citado mostra que a citação está fora de contexto e Mises critica os fascistas e comunistas por usarem os mesmos “métodos inescrupulosos”.

      O fato de considerar o fascismo um mal necessário em um momento (na época de contenção do comunismo), não implica em tentativa de defesa do fascismo sobre o pensamento de direita (estado mínimo).

      Mais uma mentira da dupla cara de pau Hidemi/Charles, que agora vai pro catálogo. 🙂

      • Seria bom se você publicasse as minhas respostas sem a velha “edição” descarada que vcs fazem, porra o cara afirma o valor do fascismo para a civilização ocidental e vc ainda procura decsulpas de que está fora de contexto?? [você] desconstrói logicamente toda essa baboseira que vc escreveu. Vamos seguir um raciocínio lógico não-contraditório, vc sabe que uma sentença não pode contradizer a outra, se eu afirmar que a água molha eu não poderei tb afirmar que a água seca, correto?? Se Mises afirma que o fascismo tem seu lugar reservado na história, positivamente é claro, por conter o avaço do Comunismo, como vc ao mesmo tempo pode afirmar que o Nazismo é Sinônimo de Comunismo?? Isso é inconcebível dentro de um raciocínio lógico, como é que o Nazi-Fascismo COMBATE O COMUNISMO E AO MESMO TEMPO O NAZI-FASCISMO É COMUNISMO?? Como é que um Liberal como Mises vai demostrar uma clara gratidão a um regime de extrema-esquerda?? Espero que tal resposta seja publicada e respondida, lógico se vc tiver coragem e capacidade intelectual para tanto.

      • Em breve publicarei não só a resposta aos seus chororôs (e do Carlos Marques), mas em um post, no qual mapearei as várias ROTINAS que vocês tentaram.

        Por enquanto qualquer post com ofensa, será enviado direto para a lixeira. Esse foi publicado com ressalvas, pois de novo, vamos lá.

        EU NÃO FALEI QUE NAZI-FASCISMO É COMUNISMO.
        EU DISSE QUE NAZI-FASCISMO É ESQUERDA.
        ESQUERDA NÃO É APENAS COMUNISMO, COMO TAMBÉM NAZISMO, FASCISMO, POSITIVISMO, HUMANISMO.

        Dá para entender ou vai continuar lançando a mesma rotina de sempre?

        Aliás, é bem lógico que Mises seja grato ao fascismo por ter contido o comunismo. Mesmo que o fascismo e o nazismo sejam de extrema-esquerda, o comunismo é de extrema-esquerda mas tem tendências genocidas por natureza. Aliás, é a religião política preferida dos psicopatas.

        Esclarecido?

        Se tentar o truque de fingir DE NOVO que eu disse que “nazismo é comunismo” (quando eu disse que fascismo e nazismo eram esquerda) não vou nem publicar, ok?

  13. Minha contribuições minhas à inútil contenda com o doidivanas Carlos Marques em forma de compilação de sandices do sujeito (e foram TANTAS):

    “Agora entendo por que tanta obsessão por dizer que ‘comunismo é nazismo’, pois sendo você um claro simpatizante do nazismo, então atacando o inimigo de ‘nazista’ expia a sua culpa”.

    Ei Luciano, ATENÇÃO para você que quer ver o início de uma guerra de processos: sabia que dá para PROCESSAR esse sujeito por CALÚNIA e DIFAMAÇÃO por ele o chamar de “nazista” em um texto no qual você CRITICA o nazismo? Você pode cobrar dele os módicos R$2.000,00 que ele o deve… 😀

    ————————————————————————————————————————————

    “O engraçado, quando se fala em ‘milhões de vítimas do comunismo’, é que nem mesmo a direita entra em consenso:

    – O ‘comunismo’ matou entre 1 e 3 milhões
    CONQUEST, Robert. The Harvest of Sorrow. Citado em http://www.battleswarmblog.com/?tag=robert-conquest

    – O ‘comunismo’ matou 20 milhões
    MONTEFIORE, Simon Sebag. Stalin: The Court of the Red Tsar. pp. 649

    – O comunismo matou 45 milhões
    Por Frank Dikotter, citado em http://www.battleswarmblog.com/?tag=robert-conquest

    – Esquerda matou 100 milhões
    http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4078196-EI8141,00-Site+estima+que+comunismo+matou+mais+de+milhoes+no+mundo.html
    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/03/13/esquerda-versus-esquerda-274035.asp
    http://www.averdadesufocada.com/index.php?option=com_content&task=view&id=1736&Itemid=106

    – Esquerda matou 110 milhões
    http://uniaoariana.wordpress.com/category/comunismo/

    – Esquerda matou 180 milhões
    http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=7611

    – Esquerda matou 200 milhões
    http://blogs.estadao.com.br/marcos-guterman/fidel-o-interminavel/
    http://espectivas.wordpress.com/2009/03/11/nao-podemos-esquecer-que-o-bloco-de-esquerda-e-um-partido-marxista/
    http://www.simceros.org/index.php?option=com_content&view=article&id=103:fato-62-catolicismo-comunismo-e-satanismo&catid=35:dr-jose-renato-pedroza&Itemid=62

    – Esquerda matou 300 milhões
    http://novavida.blogs.sapo.pt/19758.html
    Além do blog do Noblat, site Terra, sites neonazistas, A Verdade Sufocada do coronel Ustra…

    Tem como levar toda essa palhaçada a sério? Alguém já reparou como após 20 anos do fim da URSS, os ‘comunismo soviético continua matando mais e mais’?

    Aqui é um outro truque chinfrim seu e tão confuso que VOCÊ MESMO se perde nele: consiste em citar uma porrada de fontes, algumas fidedignas (como a de Robert Conquest, por exemplo) com outras no mínimo duvidosas) para assim tentar confundir a platéia com um argumento contrário tosco. No seu caso, já que os números das fontes de mortes são supostamente inconstantes por aumentaram, elas necessariamente são mentirosas…

    Sério mesmo que você acha que é só mostrar uma porrada de links com números diferentes que isso prova sua tese? Sério mesmo que você é tão desinformado para notar a EVOLUÇÃO, e não mentira, desses datos?

    Explico-lhe: você deve ter ouvido na abertura dos documentos de Moscou após anos de regime ditatorial soviético oficial(*), certo? Compare, por exemplo, os dados PIONEIROS de Robert Conquest com os de Simon Montefiore, tendo o último acesso maior aos tais arquivos. Isso não lhe parece, assim como NO MÍNIMO pareceria a qualquer pessoa sensata com um mínimo de conhecimento no assunto, de que houvera novos dados OFICIAIS que AUMENTARAM o número antes conhecido de vítimas dos sistemas comunistas em um todo e que ainda não foram vistos todos os arquivos que PODEM AUMENTAR O NÚMERO DE MORTOS CONHECIDOS – E ISSO SEM FALAR EM CASOS NÃO DOCUMENTADOS, O QUE PERMITEM CHUTES PARA NÚMEROS AINDA MAIS ELEVADOS?

    Veja, entre o livro do Robert Conquest e o de Simon Sebag Montefiore há entre ambos e DEPOIS DELES vários livros sobre os massacres no regimes comunistas que se utilizam de dados oficiais de tais arquivos e de outros documentos legítimos de outros países – muitos deles franceses, por exemplo – para registrar estimativas de mortos. Entre eles: “A Pedagogia Infernal” (Annie Kriegel – esse depois do trabalho pioneiro de Robert Conquest), “O Livro Negro do Comunismo” (vários autores – idem), “Revolution from Abroad” (de Jan T. Gross – um ano antes ou depois do livro de Montefiore, se não me engano), “The Dictators” (Richard Overy – uns quatro ou cinco anos depois do livro de Montefiore. Muito bom, aliás, do tratar das similaridades entre Hitler e Stalin e mostrar como as raízes das ditaduras de ambos se encontram no Iluminismo francês, diga-se de passagem), “Killing Fields” (Timothy Snyder – depois de Montefiore), entre tantos e tantos outros. O número final de vítimas nos livros pode variar, já que eles, por incrível que pareça, não tomam uma mesma direção (afinal de contas, alguém já deve tê-lo feito antes e ficaria repetitivo e simplório, não concorda), mas TODOS chegam nas bases dos MILHÕES e em números que superam a quantidade TOTAL de mortos PELA 2° Guerra Mundial EM TODOS OS LADOS. Estariam todos estes autores – e mais um punhado de outros, isso sem contar com relatos não de historiadores, mas de vozes oficiais do sistema que confirmam a mesma base de milhões de mortos (ex.: Mikhail Gorbachev(**)) e mesmo autores REALMENTE de esquerda (Jurgen Habermas, Alain Finkielkraut, entre outros) – enganados? Mentindo? Quais seriam as provas INCONTESTÁVEIS de tais engodos?

    Agora, certas dúvidas incômodas Carlos: qualquer que seja o número de mortos nos regimes comunistas, essas mortes foram CORRETAS moralmente (e também politicamente)? Concorda MESMO com Stálin que “a morte de uma pessoa é uma tragédia; a de milhões [só] estatística”? E nem me venha chamar de “assassino porco chauvinista cripto-nazifascista reacionário capitalista” por achar que eu desconsidero as mortes ocasionadas pelos regimes imperialistas, monarquistas, militares ou o escambau porque eu (preste atenção, sim) NÃO justifico as mortes de INOCENTES em tais períodos e considero, sim, moralmente INACEITÁVEL tais mortes. MAS tais mortes em tais regimes foram em uma escala COLOSSALMENTE MENOR e NÃO totalmente proposital se comparado com os regimes dos seus heroís e propagandistas da esquerda como Lênin, Trotsky, Stálin, Mao, Pol Pot, Krushchev, Sartre, Merleau-Ponty em “Humanismo e Terror”, Lukacs em “A Crise na Filosofía Burguesa”, Bertolt Brecht, Louis Aragon, Gorky…

    (*) Ditaduras comunistas são aceitáveis comparadas às ditaduras de direita? Responda, sim?

    (**) Ao denunciar os crimes de um Nikita Krushchev e Stálin, Mikhail Gorbachev, de acordo com seus confusos critérios, se tornou um “direitoíde de merda”?

    ————————————————————————————————————————————

    Já que você fala tanto em “prova” e “verdade” contra “opinião pessoal”, o que PROVA que esse site, “A Página Vermelha” que você tanto cita, tem VERDADEIRO RESPALDO acadêmico e histórico em suas matérias? Qual a PROVA VERDADEIRA de que não há manipulação indevida e cortes de dados “incômodos” nas fontes que os donos do site utilizam? Por que tal site tem DE FATO a palavra final em esse e outros assuntos?

    Ou não passa tudo de “opinião pessoal” sua em defesa do site? 😛

    ————————————————————————————————————————————

    Carlos Marques apela, no seu último post em uma histeria contínua. Vejamos:

    “Não é a história que diz que comunistas mataram milhões, são os anticomunistas que dizem que os comunistas mataram milhões. É normal que um inimigo tente sempre atacar outro com argumentos falsos, estranho seria ver direitistas falando bem de comunistas”.

    E o que refuta e desmente – vou usar os dois pois foram os mais sérios estudiosos do emaranhado de fontes mambembes que você citou – o trabalho de Robert Conquest e Simon Sebag Montefiore, por exemplo, de forma INCONTESTÁVEL? Lembrando que você citou só DUAS fontes DUVIDOSAS…

    “Claro que você pode ser fascista, pois demonstra sintomas típicos tais como arrogância, anticomunismo exacerbado(típico de todo fascista), repetição ad eternum da mentira”.

    Tirando o “anticomunismo exarcebado” (pois no seu caso é COMUNISMO EXARCEBADO), você mesmo demonstra todos “sintomas típicos” de um fascista: é mentiroso (faltou com a palavra em nos pagar os dois mil reais e em tentar negar que o Tratado de Molotov-Ribbentrop foi um PACTO DE ALIANÇA entre nazistas e comunistas) e arrogante. Ou não é arrogância quando se inicia um parágrafo com tais palavras abaixo?

    “Entenda uma coisa…”

    “Direitistas e seus devaneios. Acho que o autor do blog quer ocupar o lugar de Hitler e Himler, que insistiam na técnica de mentir até que a mentira se tornasse verdade”.

    É, Hitler, Himmler (com dois m’s, por favor), Goebbels, Mussolini (de origens puramente ESQUERDISTAS. Procure pelas primordiais relações dele com Antonio Gramsci se você duvidar de mim) e você aprenderam direitinho com Lênin (outro fascista, quer você concorde com isso ou não) a “técnica de mentir até que a mentira se tornasse verdade”, já que era o valente em questão quem ditava coisas como “bom é o que beneficia o partido; ruim o que o prejudica” (vejam o nietzcheismo de Lênin nessa frase) e “acuase-os do que você faz, xingue-os do que você é”. E o Luciano que é fascista…

    “Em contrapartida, países socialistas eram conhecidos justamente por serem livres de drogas, prostituição e alcoolismo”.

    Você não está falando de Cuba não né, onde alêm de TER SIM SENHOR TUDO ISSO ATÉ HOJE ainda havia perseguição a homossexuais – uma “causa da esquerda” (http://es.wikipedia.org/wiki/Reinaldo_Arenas)? Não está falando da Rússia também não né, onde alêm de tudo isso havia, por exemplo, ARRASTÕES DE MENORES DELINQUENTES criados sob os auspícios de Karl Radek que recebeu como prêmio por seus serviços a a irónica morte na mão desses trombadinhas na prisão sob o mando de Stálin? (http://www.olavodecarvalho.org/semana/070531jb.html) (http://en.wikipedia.org/wiki/Karl_Radek) E não está falando da China também não né, onde alêm de tudo isso ainda havia um suposto PEDÓFILO no poder – o próprio Mao (http://www.freerepublic.com/focus/f-news/1506498/posts)? Complicado tais paraísos hein Carlos?

    o resto dos escritos do maluco são… maluquices, para dizer o mínimo xD

    ————————————————————————————————————————————

    Ah, e você Carlos me deve as respostas daquelas perguntas que lhe fiz acima. E também meus R$2.000,00 reais 😛

  14. Ei Luciano, houve um certo erro no sistema de post de mensagens. Minha última resposta – cheia de traços – era para estar sendo como o último post, mas está aparecendo anteriormente. Há como consertar isso?

  15. Olhem que engraçado o que o cotrim sugeriu como fonte para o Bruno provar que nazismo é extrema-direita.

    “Extrema-direita é a denominação dada a posições políticas situadas no extremo direito do espectro ideológico. Posições extremadas tendem a se fortalecer em períodos de crise, como aquele que antecedeu a Segunda Guerra Mundial[carece de fontes].

    Geralmente grupos de extrema-direita repudiam[carece de fontes] tanto o comunismo quanto o liberalismo, assim como os estrangeiros e imigrantes, e defendem idéias como nacionalismo e patriotismo.

    Em alguns países é associada ao militarismo para tomada do poder[carece de fontes].

    Em Portugal, o único partido político conotado com a extrema-direita é o Partido Nacional Renovador que tem uma implantação residual.

    São comumente classificadas[carece de fontes] como de extrema-direita os seguintes movimentos, regimes políticos e ideologias:”

    As partes com “carece de fontes” são impagáveis.

  16. Luciano Ayan, estava eu tentando provar para um kara num grupo do facebook que o nazismo é esquerda e não direita e coloquei o link desse seu texto, afinal foi ele que me fez mudar de ideia a poucos dias atrás. Só que o kara, além de não aceitar o texto viu alguns erros improcedentes e em vez de criticar a sua interpretação das diretrizes do partido dizendo que elas não procediam de acordo com o próprio texto base, o kara quis usar fontes externas. Veja os “itens falaciosos” que ele apontou:

    Itens Falacioso numero 1 : ataque aos lucros das empresas , pesquise o capital social da Siemens , VW , BMW , Thyssen Krupp , Bayer , Mercedes Benz ?

    Item Falacioso numero 2 – uso da guerra de classes , Pesquise sobre as SS (Staatzpolizei) , que era uma polícia política que reprimia movimentos operários em detrimento dos patrões , não havia luta de classe

    Item Falacioso numero 3 – estatização de empresas , Pesquise as mesmas empresas supracitadas no item 1 e vejam o quadro de diretores. Informação pública , já que são multinacionais atualmente

    Item Falacioso numero 4 – inchamento do estado , Naquele momento , todo o mundo buscava a recuperação econômica , o pleno emprego. Até mesmo Reino Unido , EUA , e a Europa Ocidental como um todo , estavam investindo esforços e recursos públicos . Que o autor me prove , que o Estado Alemão Gastou mais que França e Reino Unido , com relação ao funcionalismo público ?

    Item falacioso número 5 – coletivismo, ao invés do individualismo . Bem , nem preciso me esforçar pra responder essa , já que empresas multinacionais que existem até hoje , eram privadas , funcionavam nos moldes capitalistas (patrão e empregado) , havia hierarquia e qualquer movimento operário era rapidamente sufocado pelas SS.

    Depois disso eu disse que ele tá falando de coisas externas e não do plano ideológico do partido ai apelou pra dizer que vc não tinha trabalhos publicados na área etc.
    Eu disse que isso era ad hominen
    Ai ele falou que a tradução do texto das diretrizes do partido era ruim. Eu pedi uma melhor a ele mandou estudar (Ele disse que é da área da geografia)

    Como não vejo alguém me mandar estudar como ofensa, fiquei tranquilo e fui pesquisar

    Como minha universidade está em greve e não tenho condições de ir a biblioteca nacional agora
    Queria saber de vc que escreveu esse artigo quais os historiadores sérios que defendem que nazismo é extrema esquerda.

    Meu pedido é para que quando for debater isso novamente tenha o crivo de especialista (não sei se você é da área de história) para embasar o que eu falo já que argumentação pura não basta para algumas pessoas

    Aguardo Resposta
    Abraço

    • Olha, o cara até foi esforçado nas objeções, mas obviamente ele foi falacioso. Meu texto foi de fato argumentativo, em uma análise do programa do partido. Mas tenho mais textos históricos, pois eu estava planejando uma série sobre o nazismo e as evidências de que ele é de esquerda. Publicá-los-ei. Obrigado, LH.

      • Sim, com certeza foi argumentativo tanto que não aceitei as objeções dele. No mais, aguardo suas publicações sobre assunto. Obrigado

  17. Não vou fazer nenhum adendo ao assunto, apenas um comentário mesmo. Investi algum tempo aqui lendo as discussões e fiquei chocado em ver a insistência do esquerdista em tocar na mesma tecla repetidas vezes, usar as mesmas mentiras, os mesmos argumentos vazios, e em como ele tenta virar a mesa falando que estava sendo insultado quando ele mesmo foi o primeiro a insultar. Eu tenho amigos esquerdistas que tem o mesmo (e patético) comportamento, mas esse Carlos Marques foi além, muito além de tudo que eu já vi ou conheci. Realmente foi o ápice do fanatismo e do radicalismo. Estou abismado…

  18. O Nazismo é uma radicalização do Fascismo e um regime político totalitário. Ele está localizado, indefectivelmente, na extrema direita, pois comunga dos ideais que aprofundam as diferenças e faz distinções raciais e sociais. Nasceu na Alemanha apelando para a classe média e para quem tinha algo a perder com a ascensão econômica judaica e a imigração. Embora, como totalitário, possa ser comparável ao Comunismo, em todas as suas mais básicas características é distinto e se coloca no extremo oposto do espectro político-ideológico que tivemos o desprazer de assistir no século passado.
    Eu costumo definir esquerda e direita a partir do posicionamento ideológico humano em relação à política. Nisso sou corroborado pela grande maioria dos historiadores. É sob o espectro político que se define a Esquerda e a Direita. É, sobretudo, sobre o posicionamento em relação à igualdade humana que se define quem é de Esquerda e quem é de Direita. E como se dá isso?
    Existe um ideal social que as pessoas alimentam. Quanto mais se pressupõe uma igualdade absoluta entre as pessoas, mais esse posicionamento está à esquerda desse espectro político-ideológico. Por outro lado, quanto mais se pressupõe a diferença fundamental entre as pessoas, quando mais a desigualdade passa a ser inevitável ou desejável, mais esse posicionamento está à direita desse espectro político-ideológico. Parece simples, mas não é…
    Nos extremos de ambos os lados, as pessoas radicalizam para alcançar seus ideais políticos, e nessa radicalização é que afrontam e vilipendiam quem não compartilha ou sequer compreende seus ideais.
    De um lado, a utopia igualitária da esquerda radical pasteuriza, castra e massifica fracos, fortes, capazes e incapazes como forçosamente iguais, em geral nivelando por baixo por imposição e uso da força. De outro lado, a antiutopia desigulatária da direita privilegia alguns em relação ao todo, aprofundando as diferenças e distinguidos alguns “escolhidos” que cumprem a manutenção do status dos “aristói”, os aristocratas, transformando o diferente em sub-humano, dispensável e explorável.
    Nos extremos, portanto, embora com objetivos diferentes, Esquerda e Direita dão as mãos por utilizarem meios autoritários para se valerem. A distinção entre Direita e Esquerda, portanto, não implica em uma distinção entre liberdade e autoridade. A extrema esquerda busca seus ideais igualitários por meios autoritários, da mesma forma que a extrema direita busca seus ideais conservadores e desigualitários.
    Igualdade e desigualdade (e não estatismo e anti-estatismo) é que são as palavras corretas para dá significado aos termos esquerda e direita. Sendo assim, o nazi-fascismo jamais poderia ser considerado de esquerda, por ser racista e xenófobo. O racismo e a xenofobia não possuem qualquer ligação com o ideal de igualdade historicamente defendido pela esquerda. Isso não significa, é claro, que todo direitista é racista e xenófobo. A maioria não é. Significa apenas que a teoria racista e xenófoba do nazi-fascismo nada mais é do que uma radicalização da crença na desigualdade natural. Além disso, o estatismo promovido pelo nazi-fascismo, como Rothbard demonstra, teve a clara intenção de proteger os privilégios das elites, e não de distribuir renda. E por isso mesmo é perfeitamente cabível colocar o nazi-fascismo na extrema-direita.
    Afirmar que é semelhante os regimes autoritários da Alemanha Nazista e União Soviética com base na comparação burguesia x proletariado (luta de classes de um regime econômico) com o Ariano x Judeu (disputa racial – exemplo: as Leis de Nuremberg proibiram o casamento ou contato sexual de alemães com judeus assim como ocorria, e ainda ocorre, entre brancos e negros-, religiosa – por mais que neguem a base religiosa de Hitler e seu regime era cristã, por isso o apoio da igreja baseada na interpretação que o Jesus fora crucificado e morto por culpa dos judeus – e social – pela ascensão dos comerciantes judeus enquanto a ariana estava estagnada -, mas não econômica pois o regime nazista nunca deixou de ser capitalista por mais estatizadora que fora a princípio, falarei sobre isso mais a frente), é uma comparação pífia, todas as disputas são baseadas em dualidades seja na política, na economia, racial, religiosa ou até o futebol e etc, se não houvesse a dualidade não haveriam disputas e isso é inerente a qualquer ideologia, seja de direta ou esquerda.

    Você esquece um ponto que seria crucial abordar: a aliança/pacto de não agressão de ambos os regimes antes do inicio até pouco depois da deflagração da guerra. Agora me responda porque a Alemanha Nazista acabou com o valioso pacto de não agressão que poderia lhe garantir a guerra e um possível aliado quando os EUA entraram na guerra? Divergência ideológica.
    Os alemães nazistas (nem todo alemão era nazista e vice-versa) queriam tomar, inicialmente, a economia que estava nas mãos do sucedidos comerciantes judeus para si e mais a frente aplicar sua ideologia de superioridade racial para o resto do mundo, mas não deixaram de ser capitalistas, tinham mercado e sistema bancário burguês e sua economia foi refinanciada/restruturada com o confisco dos bens judeus, não fora tirado bens e riqueza de alemãs ‘puros’ para aplicação de uma planificação social como fora feito na URSS e China.
    Me cite um único regime autoritário, seja de direita ou esquerda, cujo o Estado não tome para si TODAS essas ações de centralização e estatização política-econômica? Um exemplo simples: se você confisca um banco privado judeu, nas mão de quem vai ser deixado esse banco? No primeiro fulano que passar na rua? Óbvio que não, ficará no controle do Estado até que seja decidido o que será feito com ele (venda, leilão ou estatização permanente).
    Em suma, abordar as semelhanças de ação entre regimes não responde se ele é de esquerda ou direita, pois são atitudes comuns de todos os regimes e revoluções autoritários/absolutistas, o que diferencia são as ideologias inerentes as ações, e é isso que expõe o regime nazi-fascista como direita.

    Eu não digo que minha análise é perfeita. Não quero estabelecer que o critério apresentado aqui seja o único a ser levado em consideração. Mas no mínimo espero que qualquer alternativa a ele não tenha por base frases bobas e infantis como “Se Hitler não era de esquerda, por que ele se dizia socialista?”. Eu espero ouvir uma bobagem dessa de uma criança de 8 anos, e não de um adulto que quer ser levado à sério.
    Espero ter esclarecido algumas coisas e ampliado a discussão que tem acontecido aqui. Por fim, recomendo que estudem e reflitam antes de colocar seus dedinhos sobre o teclado e dar voz a toda convicção preconceituosa e sandices que alimentam onde a única intenção é querer desvincular a ideia de que o regime nazista não era de direita para não receberem criticas pelas atitudes e afirmações insensatas que fazem.

    • Sua posição, infelizmente, perde todo o valor com pontos que lhe destroem:
      eu costumo definir esquerda e direita a partir do posicionamento ideológico humano em relação à política
      Como eu apontei em meu texto, posicionamento ideológico é só um discurso que, sem congruência com o comportamento, não SIGNIFICA ABSOLUTAMENTE NADA.
      É, sobretudo, sobre o posicionamento em relação à igualdade humana que se define quem é de Esquerda e quem é de Direita.
      Novamente, posicionamento ideológico é só uma alegação, que, sem congruência com o comportamento, NÃO SIGNIFICA ABSOLUTAMENTE NADA. 😉
      Quanto mais se pressupõe uma igualdade absoluta entre as pessoas, mais esse posicionamento está à esquerda desse espectro político-ideológico. Por outro lado, quanto mais se pressupõe a diferença fundamental entre as pessoas, quando mais a desigualdade passa a ser inevitável ou desejável, mais esse posicionamento está à direita desse espectro político-ideológico. Parece simples, mas não é…
      O truque é simples até demais. Você usa o discurso de propaganda como evidência científica de um COMPORTAMENTO, o que é ridículo. Se o que você diz fosse verdade, o que caracterizaria um criminoso é sua INOCÊNCIA, pois seu discurso ideológico é “sou inocente”.
      Na verdade, temos que testar congruência entre comportamento e discurso, e, como vimos, o esquerdista jamais lutará pela igualdade, mas pelo inchaço estatal. Neste ponto, são iguais em comportamento a nazistas e fascistas, mesmo que com discursos diferentes.
      Nos extremos de ambos os lados, as pessoas radicalizam para alcançar seus ideais políticos, e nessa radicalização é que afrontam e vilipendiam quem não compartilha ou sequer compreende seus ideais.
      Bobagem. Os ideais políticos identificados em comportamento de marxistas, nazistas e fascistas é inchaço estatal. O discurso de propaganda de “luta pela igualdade” é tanto um critério quanto seria a alegação de que um lobisomem apareceu no seu armário…
      De um lado, a utopia igualitária da esquerda radical pasteuriza, castra e massifica fracos, fortes, capazes e incapazes como forçosamente iguais, em geral nivelando por baixo por imposição e uso da força. De outro lado, a antiutopia desigulatária da direita privilegia alguns em relação ao todo, aprofundando as diferenças e distinguidos alguns “escolhidos” que cumprem a manutenção do status dos “aristói”, os aristocratas, transformando o diferente em sub-humano, dispensável e explorável.
      Mas na verdade, pela dinâmica social e avaliação científica da sociedade, sabemos que os esquerdistas são os maiores especialistas na criação de um poder absoluto (o estado), e, portanto, criando a mais extrema das desigualdades. De novo, sua alegação vai pro ralo…
      Nos extremos, portanto, embora com objetivos diferentes, Esquerda e Direita dão as mãos por utilizarem meios autoritários para se valerem. A distinção entre Direita e Esquerda, portanto, não implica em uma distinção entre liberdade e autoridade. A extrema esquerda busca seus ideais igualitários por meios autoritários, da mesma forma que a extrema direita busca seus ideais conservadores e desigualitários.
      Bela tentativa, mas o truque seu não passa por aqui. Os objetivos de todos os sistemas de esquerda (marxismo, nazismo, fascismo, etc.) são exatamente os mesmos: inchar o estado para dar poder aos donos deste estado. Os objetivos da direita são diferentes: retirar o poder do estado, para não dar poder excessivo aos donos deste estado. Na crença fundamental, direita e esquerda são opostos. É por isso que o totalitarismo é um aspecto essencial da vida esquerdista. A extrema-esquerda JAMAIS buscou “seus ideais igualitários”, por que esses “ideais igualitários” NÃO EXISTEM.
      Igualdade e desigualdade (e não estatismo e anti-estatismo) é que são as palavras corretas para dá significado aos termos esquerda e direita.
      Conforme provado aqui, a desigualdade é a ESSÊNCIA DA ESQUERDA. Sendo assim, o discurso de “esquerda visa igualdade” não vale nada como evidência, desculpe.
      Sendo assim, o nazi-fascismo jamais poderia ser considerado de esquerda, por ser racista e xenófobo.
      Nada disso, pois o marxismo é anti-cristão, e isso é tanto uma manifestação de busca por desigualdade como racismo e xenofobia. Tá vendo como é fácil mostrar que marxismo, nazismo e fascismo SÃO A MESMA COISA com propagandas diferentes?
      O racismo e a xenofobia não possuem qualquer ligação com o ideal de igualdade historicamente defendido pela esquerda.
      Falta só você provar que ALGUM DIA a esquerda BUSCOU igualdade. Usar propaganda dizendo “quero igualdade” não prova UM COMPORTAMENTO DE BUSCA POR IGUALDADE. Tá fácil demais para mim…
      Além disso, o estatismo promovido pelo nazi-fascismo, como Rothbard demonstra, teve a clara intenção de proteger os privilégios das elites, e não de distribuir renda. E por isso mesmo é perfeitamente cabível colocar o nazi-fascismo na extrema-direita.
      É exatamente por isso que o nazi-fascismo é de extrema-esquerda, por defender os privilégios das elites e concentrar renda, e é exatamente isso que fazem os estados inchados. Nos estados marxistas, os burocratas são a elite.
      Afirmar que é semelhante os regimes autoritários da Alemanha Nazista e União Soviética com base na comparação burguesia x proletariado (luta de classes de um regime econômico) com o Ariano x Judeu (disputa racial – exemplo: as Leis de Nuremberg proibiram o casamento ou contato sexual de alemães com judeus assim como ocorria, e ainda ocorre, entre brancos e negros-, religiosa – por mais que neguem a base religiosa de Hitler e seu regime era cristã, por isso o apoio da igreja baseada na interpretação que o Jesus fora crucificado e morto por culpa dos judeus – e social – pela ascensão dos comerciantes judeus enquanto a ariana estava estagnada -, mas não econômica pois o regime nazista nunca deixou de ser capitalista por mais estatizadora que fora a princípio, falarei sobre isso mais a frente), é uma comparação pífia, todas as disputas são baseadas em dualidades seja na política, na economia, racial, religiosa ou até o futebol e etc, se não houvesse a dualidade não haveriam disputas e isso é inerente a qualquer ideologia, seja de direta ou esquerda.
      Isso aqui fica muito divertido. Na verdade, a comparação é válida, pois não tínhamos apenas dualidades políticas, mas o uso do fascismo na destruição de inimigos. Nisto, marxismo, nazismo e fascismo se igualam na forma de usar o poder totalitário para destruir seus inimigos, e, nesse caso, mais uma vez os três sistemas de esquerda aqui citados agiram igualzinho…
      Detalhe: o sistema marxista NÃO É ANTI-CAPITALISTA, mas usa um truque para APROVEITAR O CAPITALISMO com mais controle estatal. Sinceramente, você foi esforçado, mas não foi capaz de perceber que todos os seus pontos já estão refutados em meu texto.
      Você esquece um ponto que seria crucial abordar: a aliança/pacto de não agressão de ambos os regimes antes do inicio até pouco depois da deflagração da guerra. Agora me responda porque a Alemanha Nazista acabou com o valioso pacto de não agressão que poderia lhe garantir a guerra e um possível aliado quando os EUA entraram na guerra? Divergência ideológica.
      É preciso ter uma ingenuidade digna de um néscio para achar que guerras são causadas por ideologias. Rs. Guerras são causadas por buscar de poder, e só. Se você é ingênuo de ter caído nessa conversa (assim como ter caído na conversa do marxismo), não projete sua ingenuidade nos outros. Ninguém aqui nasceu ontem.
      Os alemães nazistas (nem todo alemão era nazista e vice-versa) queriam tomar, inicialmente, a economia que estava nas mãos do sucedidos comerciantes judeus para si
      O que é exatamente o que fizeram os russos marxistas: tomar a economia que estava na mãos dos seus inimigos políticos para eles próprios.
      não fora tirado bens e riqueza de alemãs ‘puros’ para aplicação de uma planificação social como fora feito na URSS e China.
      E não é que ele acreditou que na URSS e China existiu “planificação social”? heheheheh
      Me cite um único regime autoritário, seja de direita ou esquerda, cujo o Estado não tome para si TODAS essas ações de centralização e estatização política-econômica?
      Todos os que tomam essas ações para si são de esquerda bem sucedidas, e, por isso mesmo, totalitários.
      Em suma, abordar as semelhanças de ação entre regimes não responde se ele é de esquerda ou direita, pois são atitudes comuns de todos os regimes e revoluções autoritários/absolutistas, o que diferencia são as ideologias inerentes as ações, e é isso que expõe o regime nazi-fascista como direita.
      Ideologia não serve para nada como fator CIENTÍFICO de diferenciação, pois é apenas uma declaração propagandística.
      Eu não digo que minha análise é perfeita. Não quero estabelecer que o critério apresentado aqui seja o único a ser levado em consideração. Mas no mínimo espero que qualquer alternativa a ele não tenha por base frases bobas e infantis como “Se Hitler não era de esquerda, por que ele se dizia socialista?”. Eu espero ouvir uma bobagem dessa de uma criança de 8 anos, e não de um adulto que quer ser levado à sério.
      Desculpe, mas seu discurso, diferenciando grupos por causa de “propagandas discursivas” e comparando isso com OBJETIVOS DE FATO é digno de uma criança de 8 anos. É por isso que você não é capaz de entender que quando Hitler se dizia socialista ele apenas falou a verdade: ele é mais um que, assim como todos os marxistas, queria inchar o estado.
      Espero ter esclarecido algumas coisas e ampliado a discussão que tem acontecido aqui. Por fim, recomendo que estudem e reflitam antes de colocar seus dedinhos sobre o teclado e dar voz a toda convicção preconceituosa e sandices que alimentam onde a única intenção é querer desvincular a ideia de que o regime nazista não era de direita para não receberem criticas pelas atitudes e afirmações insensatas que fazem.
      Tivemos aqui mais um doutrinado pelo MEC, esforçadíssimo mas ingênuo de dar dó, achando que com alguns truques ridículos iria nos convencer que “nazismo é de direita”. Ao contrário, em todos os exemplos ele endossou ainda mais meu texto mostrando que a única forma dele tentar provar que nazismo é de direita é por “ter diferença ideológica” com marxismo.
      Seu truque é básico: fingir que não há esquerdismo além de marxismo. E, em seguida, usar a propaganda discursiva como fator de distinção, o que é tão bobo que só merece ser tratado na base do escárnio.
      Enfim, a tal “luta pela igualdade”, declarada por ele, NÃO EXISTE. Existe apenas luta pelo poder ATRAVÉS do inchaço estatal.
      Marxistas, fascistas e nazistas são exatamente iguais neste intento. Todos ultra-esquerdistas.
      Aguardo novos truques, pois estes já haviam sido refutados até em meu texto original.

  19. Luciano, achei a discussão interessante.
    Queria acrescentar uma coisa: dentro da Europa, a “ideologia de direita” nem sempre está atrelada à “economia de direita”. São duas frentes diferentes, que eu não saberia explicar exatamente como funciona.
    Por exemplo em um país como a Hungria, onde a extrema direita está crescendo a passos largos, a maioria das pessoas defendem uma abordagem econômica de esquerda, ou seja, maior controle do Estado para uma (suposta) distribuição mais justa de riquezas. Apesar disso, a ideologia de extrema direita nao para de crescer: sentimentos nacionalistas, conversadores, xenofobia e intolerancia.
    Vai entender!

    • Você não entende porque não é verdade, logo fica confuso mesmo. Deixa eu te esclarecer: Xenofobia e intolerância não é coisa de Direita e sim coisa que a Esquerda quer atribuir a Direita… entendeu agora Edu?

  20. “Tal é nossa tarefa como Nacional-Socialistas. Nós fomos os primeiros a reconhecer as conexões, e os primeiros a começar a luta. Porque somos socialistas, sentimos primeiro as maiores bençãos da nação e porque somos nacionalistas quisemos promover a justiça socialista na nova Alemanha.”
    – Fonte: “Die verfluchten Hakenkreuzler. Etwas zum Nachdenken” (1932)

    Somos socialistas porque vemos a questão social como uma questão de necessidade e justiça para a própria existência de um estado para nosso povo e não como uma questão para piedade barata e sentimentalismo humilhante. O trabalhador tem direito a um padrão de vida que corresponda ao que produz.”
    – Fonte: “Die verfluchten Hakenkreuzler. Etwas zum Nachdenken” (1932)

    “É uma questão de formar uma nova consciência do estado que inclua todo cidadão produtivo. Já que os políticos do momento não querem nem tem como criar uma tal situação, o socialismo só será conquistado com luta.”
    – Fonte: “Die verfluchten Hakenkreuzler. Etwas zum Nachdenken” (1932)

    Autor das frases? Paul Joseph Goebbels (1 897 – 1 945), Ministro da Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazista.

    P.S.: Os negritos são meus.

    • Tá bom, só pq tinha “socialismo” no nome então é. Será que lá tinha modo de produção socialista?, Será que era anti-capitalista? Que malabarismo retórico…o que eles chamam de socialismo na verdade é um espírito nacionalista, na segunda afirmação isto está claro, tendo em vista a esquerda ter como fim último o fim do Estado, e não seu fortalecimento (comunismo também era regime totalitário, com viés de esquerda, que não tinha, em última instância, modo de produção socialista).

      • ahioahioahaohaoha

        Esse não tem nenhuma vergonha na cara mesmo.

        Vejam só o que ele diz:

        tendo em vista a esquerda ter como fim último o fim do Estado, e não seu fortalecimento

        A esquerda tem tanto “em vista como o fim último o fim do Estado” assim como o vendedor de bilhete premiado da Sena tem “como fim último dar o prêmio para outras pessoas”.

        Ei, idiota, não validamos DESONESTOS por SUAS MENTIRAS…

        Qualquer pessoa adulta sabe que a declaração de “fim último o fim do Estado” é uma mentira para enganar criancinhas.

        Aqui não cola.

        Abs,

        LH

      • E você é um desonesto Ayan! O tamanho do estado não tem nada a ver com socialismo. E de onde você tirou essa informação absurda de que os nazistas eram contra a propriedade privada? E de onde você tirou a informação de que todas as empresas foram nacionalizadas? Meu caro, a Bayer continuou uma empresa privada assim como a Siemens e a Mercedez-Benz. Como já falei milhares de vezes aqui, então seu ídolo Churchill amigo do comunista Stalin também era “comunista” porque era contra o capitalismo liberal e foi um estadista que combateu o que a esquerda odeia, o fascismo e o nazismo. Ayan, Hitler foi o homem que tentou acabar de uma vez por todas com o comunismo e com a esquerda. Não sei como vocês não o admiram. Ele inclusive foi a primeira pessoa a perceber que os comunistas se infiltravam na imprensa da época para manipular a opinião pública contra os conservadores e contra a direita. E os judeus que vocês tanto defendem foram os maiores responsáveis pelo comunismo na Rússia e pelas idéias revolucionárias na Europa. Deixa de falar asneira. Vai estudar.

  21. eu estou me perguntando apos ler o artigo se alguém sabe o que é o progressismo e se alguém sabe que o partido de Hitler era PROGRESSISTA e NACIONALISTA, mais uma coisa, direita e esquerda é uma distinção politica soviética, o certo seria dizer que o nazismo, a ditadura soviética e a ditadura militar são TOTALITARISTA.Mais uma coisa sobre Hitler antes de eu falar sobre Marx, Hitler era um NACIONALISTA também, ele acreditava que os alemães deveriam ser iguas mas superiores a todos, ele queria que nenhum alemão passasse fome, mas os outros povos,bem foda-se. Agora sobre Marx, alguém aqui leu o capital?bem Marx dizia que era necessário evoluir o capitalismo ao marxismo, para que assim, naturalmente, o socialismo viesse, e apos ele o comunismo, o ‘comunismo’ que vocês descrevem é leninista. Bem, antes de falarem sobre procurem ler artigos históricos sobre o assunto

  22. Excelente! E estendo o elogio a muitos que enriqueceram o debate.

    Pow, até sessão de humor teve! Rachei de rir com a ignorância do tal Bruno kkkkkkkkkkkkkkkk

  23. Olá Luciano, sempre leio seu blog para não me sentir sozinha com meus posicionamentos, seu trabalho é muito educativo, continue assim : ) Gostaria que você me falasse a fonte, onde eu posso encontrar um documento ou livro com as propostas de governo de Hitler para ler. Obrigada 🙂

  24. Tomar no cu! O Nacional Socialismo foi a maior força anticomunista que já se teve notícia. Combateu tudo aquilo que hoje as Olavetes odeiam: feminismo, comunismo e multiculturalismo. O pior é ver Olavete defendendo o porco sionista Churchill que preferiu se aliar ao Stalin que era comunista do que ao Hitler que combatia essa praga comunista. E outra seu asno, o Churchill nutria simpatia pela esquerda. Não é pelo fato dele ter sido um estadista. O tamanho do estado não quer dizer nada. É porque ele simpatizava com as idéias libertárias da esquerda. E deixa de ser desonesto Ayan.

  25. Continue sendo um asno Ayan! Continue falando mal do que mais combateu essa praga comunista que você tanto odeia. O Nacional Socialismo ou nazismo como preferir foi quem mais combateu essas imbecilidades da esquerda. Se hoje em dia existe tanto multiculturalismo no mundo, agradeça ao seu ídolo Churchill por ter preferido ficar do lado do comunista Stalin. A Inglaterra hoje luta com todas as forças contra a imigração em massa e o multiculturalismo. Então, foi tudo graças ao “herói” da direita Olavete e daquele velho gagá da Virgínia, o Churchill.

  26. Olavete é um ser burro e deplorável. Classificar o nazismo sendo de esquerda só por causa do tamanho do estado é falta de estudo e conhecimento. Além do mais o Hitler repudiava e desprezava o comunismo. Olavete gosta mesmo é de passar vergonha e fazer papel de idiota.

  27. Ah tá, o ídolo da direita Olavete burra o Churchill era humanista, se aliou ao Stalin, não era contra imigração e defendia a praga judaica que é responsável pelo comunismo e o Hitler que era “marxista” e “esquerdista” só por causa do tamanho do estado. Ué seu burro, o Churchill também era estadista, não tinha simpatia pelo capitalismo liberal e nem por isso vejo direitista acusando-o de ser de “esquerda”. Seus imbecis, foi Hitler a primeira pessoa quem alertou sobre o marxismo cultural e sobre a infiltração dos comunistas na imprensa. E foi graças a esse “Grande herói” da “direita” o Churchill que o mundo está essa merda que está hoje pois preferiu ficar do lado dos comunistas do que aquele que mais combateu essa corja de imbecis dos comunistas.

  28. Como admirar do Reich me sinto ofendido de ver Hitler ser classificado como “marxista’. Justo quem, o homem que lutou até o fim contra o comunismo, contra a imprensa esquerdista, contra os parasitas sionistas que financiam esse lixo chamado comunismo e vem olavete boboca chamar o cara de “esquerdista”. É muita desonestidade intelectual da parte de vocês.

  29. Luciano, cara, vc manda muito bem nos argumentos, sem perder nunca a conpostura. Isso é o que dá a credibilidade à seus argumentos.
    Gostaria de perguntar, mesmo sem ter certeza se esse é um assunto que vc trata por aqui, se vc publicou algum artigo sobre o feminismo ou ativismo lgbt, que também possuem viés marxista, e certamente foram usados para movimentar a economia sem dúvidas. Como por exemplo onde é como surgiu de fato, se trouxe realmente algum benefício, e se não, de onde foram retirados os méritos atribuídos ao movimento.
    Já busquei fontes com informações relevantes, mas não encontrei nada com um bom embasamento histórico e lógico.
    Se puder me ajudar, ficaria muito grato, já que isso está se impregnando cada vez mais na nossa sociedade, e colocando cada vez mais um lado contra o outro, não levando à igualdade alguma, e de quebra, colocando homens X mulheres, homo X héteros, e gerando ódio de um lado pelo outro, por mais que tentem tapar o sol com a peneira…

  30. Nunca fez e nunca fará nenhum sentido considerar os americanos/ingleses como direita, os soviéticos como esquerda e um oponente de ambos como “extrema-direita”.

    Quem popularizou que o nazifascismo é uma ideologia de “extrema-direita” foram os soviéticos para manchar a imagem de todos os outros movimentos que não fossem da Esquerda Marxista (extrema-esquerda), até mesmo sociais-democratas eram demonizados e perseguidos pelos socialistas dessa época. E ainda hoje a maioria das pessoas repetem isso como se fosse algo incontestável, para você ver como era forte a propaganda comunista.

    Nazifascistas sempre se consideraram como TERCEIRA VIA, uma alternativa (mistura) ao Capitalismo Liberal (direita) e ao Socialismo Marxista (esquerda). Qualquer tentativa de colocar exclusivamente em um lado é desonestidade intelectual. pt.metapedia.org/wiki/Fascismo

    Nazismo é de Terceira Via, mas se fosse colocá-lo obrigatoriamente em algum lado seria no lado esquerdista. É só observar os pontos nazistas e compará-los com o que os partidos de esquerda praticam atualmente: planejamento central, sem abolir a propriedade privada e com diversos programas sociais.

    E se a as maioria das pessoas fossem coerentes com o que pregam, consideraria o próprio PT como direitista. O PCdoB, por exemplo, foi coerente e afirmou que o PT é um partido de direita (extrema-direita, ainda por cima) por ser Corporativista.

Deixe uma resposta