Bane, o beneficiário da mentalidade revolucionária

4
182

Tempos atrás o apresentador conservador norte-americano Rush Limbaugh aventou a possibilidade de que o personagem Bane, do filme “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, poderia significar propaganda de esquerda, pois estaria sendo feita referência à empresa Bain Capital, de Mitt Romney.

Porém, após o lançamento do filme, surgiram evidências fortes de que “O Cavaleiro das Trevas Ressurge” era mais danoso ao pensamento de esquerda do que ao pensamento de direita, o que já mostrei no post “Batman, o contra-revolucionário”, que traz o texto de Felipe Meto, da Juventude Conservadora da UnB (e meus comentários ao final). Nas redes sociais, alguns esquerdistas rejeitaram esta associação, dizendo que Bane não é de fato um revolucionário, mas alguém que apenas se aproveita da esperança do povo.

Nessa salada toda, temos um conservador que achava que o nome do personagem Bane era uma menção não muito elogiosa a um candidato de direita, enquanto esquerdistas dizendo que Bane não era um revolucionário “de verdade”.

A melhor forma de tirar a dúvida é consultas as fontes primárias, e neste caso temos o criador do personagem Bane. Segundo o site CBM, Chuck Dixon afirmou o seguinte: “A noção de que há algum tipo de agenda esquerdista detrás do uso do Bane no novo filme é estúpida.”. Dixon afirma também que “Bane foi criado por mim e Graham Nolan, e nós somos conservadores de longa-data, muito distante daqueles propagandistas de esquerda que infestam o mundo dos quadrinhos”.

Especificamente sobre Bane, Dixon afirma que ele “está muito mais próximo dos tipos do Occupy Wall Street, caso você queira qualificá-lo politicamente.”. Em relação a Bruce Wayne, na visão do roteirista, “se alguma vez houve um Brune Wayne concorrendo à Casa Branca, este teria que ser Mitt Romney”.

Justiça seja feita, Chuck Dixon não criou o personagem para ser um líbelo da guerra política que se encontra vigente (e sem perspectivas de término), mas ao mesmo tempo não nega que a criação do personagem Bane foi influenciada pelas investigações dos direitistas a respeito de como agem os adeptos de Guevara, Marx e outros propagandistas da mentalidade revolucionária.

Sendo sanadas todas essas dúvidas, ainda falta a minha refutação à idéia de que Bane “não é de esquerda, na verdade”, uma objeção injustificada, ao menos para os leitores deste site.

O que eu sempre disse a respeito do sistema de pensamento da esquerda (religião política) é que ela não passa de uma ferramenta para dar poder aos mais espertos. É um dos mais eficientes mecanismos de obtenção do poder, pois usa símbolos psicológicos que funcionam fortemente no “recall” de impressões da patuléia. Minha análise é focada na relação entre as idéias propagadas e as impressões geradas nos adeptos dessas idéias, em uma análise que era a base do paradigma de David Hume, a quem defino como um dos pais fundadores do ceticismo moderno. (Apesar dele questionar mais fortemente a religião tradicional na sua época, o modelo dele é muito funcional, considerando algumas inovações, para questionar também a religião política)

Vamos rever agora a definição de mentalidade revolucionária, segundo o criador do termo, Olavo de Carvalho:

“Mentalidade revolucionária” é o estado de espírito, permanente ou transitório, no qual um indivíduo ou grupo se crê habilitado a remoldar o conjunto da sociedade – senão a natureza humana em geral – por meio da ação política; e acredita que, como agente ou portador de um futuro melhor, está acima de todo julgamento pela humanidade presente ou passada, só tendo satisfações a prestar ao “tribunal da História”. Mas o tribunal da História é, por definição, a própria sociedade futura que esse indivíduo ou grupo diz representar no presente; e, como essa sociedade não pode testemunhar ou julgar senão através desse seu mesmo representante, é claro que este se torna assim não apenas o único juiz soberano de seus próprios atos, mas o juiz de toda a humanidade, passada, presente ou futura. Habilitado a acusar e condenar todas as leis, instituições, crenças, valores, costumes, ações e obras de todas as épocas sem poder ser por sua vez julgado por nenhuma delas, ele está tão acima da humanidade histórica que não é inexato chamá-lo de Super-Homem.

Ocorre que minha definição do sistema de esquerda toma a descrição acima apenas como ponto de partida, e a partir disso estabeleço um estudo a respeito da espécie humana, utilizando um aspecto multi-disciplinar (envolvendo História, Biologia, Dinâmica Social, etc.), e defendo que o estado mental citado acima é o estado dos funcionais, não dos beneficiários.

Se considerarmos meu texto “Beneficiários e Funcionais”, um esquerdista beneficiário é aquele que utiliza as crenças da massa a seu favor, para assim obter o poder. Genocídios, atrocidades e toda a sorte de violências cometidas neste processo são apenas um indicador de sucesso no processo de obtenção de poder. Simples assim. Já o esquerdista funcional é aquele que realmente acredita que faz parte da “luta por um mundo melhor”. Não é preciso pensar muito para saber que os beneficiários são os mais inteligentes, enquanto os funcionais são apenas sua massa de manobra.

A mentalidade revolucionária, em seu estado puro, está inserida na mente dos funcionais, mas é ARQUITETADA pelos beneficiários, que a partir disso programam seu discurso não pelo valor de verdade (e nem representação daquilo no que realmente acreditam), mas pelas impressões que essas idéias irão gerar nos funcionais.

Como diria Stephen King, “a confiânça do ingênuo é a arma mais útil do mentiroso”, assim como a confiança dos funcionais em seus líderes revolucionários é a arma mais útil que eles possuem. Por isso, antes que os esquerdistas digam que o personagem Bane “não é um verdadeiro revolucionário”, é possível notar que a constatação dos fatos é exatamente a oposta. Bane é o líder revolucionário mais puro que existe, pois é capaz de usar com eficiência seus adeptos inserindo na mente deles idéias relacionadas ao estado de espírito da mentalidade revolucionária, e fazer com que esses adeptos o percebam como um “líder da luta pelo novo mundo”.

Se as idéias da mentalidade revolucionária são mentirosas de nascença, por ignorarem tudo o que sabemos da natureza humana (especialmente o que a Biologia tem a nos dizer), os beneficiários sabem fazer uso dessas mentiras para conseguir o poder, e ainda assim fazer seus adeptos sentirem de fato que estão em uma “luta pelo mundo justo”.

Por isso tudo, a definição mais correta de Bane não é a de um adepto da mentalidade revolucionária do tipo funcional. Ele é um beneficiário, por isso um líder. E realmente talentoso em seu intento.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Finalmente um personagem de peso para ser tratado como metáfora para melhor entendimento sobre a mentalidade revolucionária. Nem o coringa de Heat Ledger teve tanto peso numa discussão. Ainda mais política. Primeiro agradeço a D’us, depois ao Nolan e finalmente ao Luciano juntamente com Olavo de Carvalho, por trazerem essa explanação. Foi utilíssima.
    Luciano não decepcionou e trouxe de bandeja para nós o assunto do momento, para quem gosta do universo “batman de nolan”.

    • Aliás, comprado o ingresso, e finalmente assistirei amanhã ao Cavaleiro das Trevas Ressurge. Obviamente, o filme terá meu “review aqui. Abraços, LH.

  2. Para quem quiser encerrar qualquer debate q esteja tendo com algum esquerdista desconstrutor do conceito do personagem bane, aqui vai o xeque-mate:

    Chuck Dixon afirmou o seguinte: “A noção de que há algum tipo de agenda esquerdista detrás do uso do Bane no novo filme é estúpida.”. Dixon afirma também que “Bane foi criado por mim e Graham Nolan, e nós somos conservadores de longa-data, muito distante daqueles propagandistas de esquerda que infestam o mundo dos quadrinhos”.

Deixe uma resposta