Momento decisivo na guerra neo ateísmo X cristãos. Jornalista repete o que Datena fez contra ateus tempos atrás, mas invertendo os lados

15
145

@

Fonte: Notícias Gospel +

O jornalista Luiz Carlos Prates comentou durante um telejornal de uma das afiliadas do SBT, um estudo realizado por pesquisadores de psicologia da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, envolvendo a felicidade.

De acordo com o estudo, os principais requisitos para a felicidade é ser religioso, ganhar o equivalente R$ 6.800,00, ser diplomado, possuir um plano de saúde, ser casado e ter filhos.

O comentarista argumentou contra o relatório do estudo feito pelos pesquisadores usando como ilustração a notícia de que um mordomo do Papa vazou documentos que revelariam escândalos de corrupção no Vaticano.

A ênfase do contra-argumento de Prates foi na suposição de que não se encontram ateus entre bandidos, citando um estudo que pesquisadores da mesma universidade nos Estados Unidos realizaram anos atrás entre presidiários. Segundo o jornalista, na ocasião, não foi encontrado nenhum detento que não acreditasse em Deus.

Em sua crítica aos religiosos, Prates citou os escândalos da Igreja Católica como exemplo de falta de decência: “Eu não conheço um ateu que seja bandido. A grande religião é a proposta de uma ética de conduta que não transija. Aí está o bom samaritano”, afirmou, fazendo referência à passagem bíblica do homem que encontrou um semelhante ferido e o ajudou.

Para o jornalista, a prática de bons atos e uma conduta irretocável são mais importantes que a religião: “[Os religiosos] são aquilo a quem o Cristo se referiu: sepulcros caiados. Religiosos de uma figa por fora, pútridos por fora”.

Meus comentários

Os fatos são incontestáveis: quando Datena fez exatamente o mesmo que Luiz Carlos Prates, mas CONTRA os  ateus, foi processado.

A pergunta que faço é: os religiosos vão processar Luiz Carlos Prates?

Se não fizerem, definirão publicamente uma regra dizendo que a discriminação contra os ateus não pode, mas a discriminação contra os religiosos não só pode, como deve ser endossada.

Muitas vezes reclama-se do adversário na guerra política, mas se esquece de que é preciso assumir muitas vezes a responsabilidades pelos seus atos.

Se não encherem o Luiz Carlos Prates de PROCESSOS, os cristãos estarão simplesmente ajudando os neo ateus.

Não esqueçamos de um agravante. Se os neo ateus processaram Datena (e eu não tirei a razão deles na época), já abriram o precedente para um processo contra Luiz Carlos Prates. Ou seja, não há motivos para deixar Prates impune.

E agora, o jogo será igualado?

Anúncios

15 COMMENTS

  1. Se ele não conhece ateus bandidos, deve ser um analfabeto. Vejamos alguns nomes: Pol Pot, Stalin, Mao Tse Tung, Fidel Castro, Neru Santos. Sem querer ofender o ateísmo do dono desse blog, Luciano ayan, a qual eu respeito pela sua busca sincera pela verdade, quando a questão é caráter eu sempre penso num seguinte experimento: Um ateu e um religioso frente a uma situação criminosa (propina) a qual se tem absoluta certeza da impunidade pelo sistema penal. O ateu, em tese, nada tem a perder em aceitar a propina em termos morais subjetivas, já que a única punição possível seria da lei penal, já afastada por uma situação hipotética.Entrentanto, o religioso ( o de verdade é claro, não os de fachada) que realmente acredita em um Deus que vê e que ele responderá pelo ato, hesitará muito em aceitar a oferta. Não posso afirmar que o religioso tem mais caráter que o ateu, já que isso varia de cada um, mas que ele tem mais ” freios sociais” isso sim. Mas a pergunta é :e o bandido que acredita em Deus , como disse o inocente juvenil ” jornalista”? Bom, qualquer boçal sabe muito bem que o sistema penal , com sua progressão da pena, avalia a boa conduta e uma das formas de se fazer passar por isso é dizer religioso e isso ser só uma fachada pra sair mais cedo da cadeia. Outro fato é o mais explícito: religiosos são muito mais que ateus no Brasil, e a probabilidade de bandidos entre religiosos é maior .Mas, quanto ao assunto central do texto, os Cristãos devem reagir processando quaisquer um que propague idéias preconceituosas como essas.

    • Cleber, todo homem precisa de regulador moral, tanto o ateu quanto o religioso, acredito que você parta desse principio.

      A religião é um dos reguladores morais, se um homem deixa de acreditar em Deus, ele perdeu um, porém ele pode ter tantos outros.

      Uma boa auto disciplina , educação moral efetiva dada pelos pais, obediência ás leis, um conhecimento filosófico e antropológico e etc.

      Claro que a moralidade, não é tão fácil de ser entendida

    • Olha, sou ateu, mas tenho princípios morais baseados na Ética. Para saber o que eu chamo de Ética, te passo esse meu texto aqui:

      http://universoracionalista.wordpress.com/2012/07/11/sobre-etica-e-moral/

      Eu não o faria, o que você está dizendo, justamente pois isso seria uma afronta aos direitos alheios, pessoas sofrem por conta de propina, por diversos motivos. E não falo de quem aceita, mas das consequências de aceitar propina.
      a) Você se torna conivente com a ação ilegal do sujeito que lhe paga.
      b) O dinheiro do sujeito que lhe paga é ilegal, isso fere os direitos dos legítimos donos do dinheiro. No caso da política, o contribuinte.
      c) Quando eu me corrompo, me torno infeliz, compro uma falsa alegria material, destruo meu senso ético. (isso faz parte da filosofia que tomei para mim.)

      Bom, a lista é maior do que isso, mas esses são só exemplos.

      Ou seja, estarei fazendo mal aos outros, a mim mesmo. Ser ou não um mal ser humano definitivamente não depende da crença ou não crença.

      Não importa se você é religioso ou ateu, importa pensar, usar a mente para impor limites a si mesmo, fundamentá-los e motivar a si mesmo para ser uma pessoa respeitável.

    • “Não posso esconder meu grande espanto quando dizeis: se Deus não punisse o delito (isto é, como um juiz diante de uma pena que não é inferida ao próprio delito; e é esta a nossa única questão), que razão vos impediria de cometer avidamente qualquer crime?
      Na verdade, aquele que se abstém de um crime por causa do castigo (e espero que vosso caso não seja este) não age por amor nem possui qualquer virtude. Quanto a mim, se me abstenho ou me esforço por abster-me de um crime, é porque este repugna à minha natureza singular e me afasta do amor e do conhecimento de Deus.”

      Espinosa, Carta Nº 21, “ao mui sábio e cultivado Wilhelm Blyenbergh”

  2. “Os fatos são incontestáveis: quando Datena fez exatamente o mesmo que Luiz Carlos Prates, mas CONTRA os religiosos, foi processado.”

    O correto não seria contra os ateus?

    Minha opinião é que nenhum dos dois deveriam ser processados, ou melhor, não deveria haver lei contra difamação, visto que a reputação é o conjunto de pensamentos dos OUTROS sobre você. Sendo assim, ser contra a liberdade de expressão é querer controlar o pensamento alheio, algo muito interessante para ditaduras. Segue dois artigos primorosos sobre o tema:

    Liberdade de Expressão
    http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2006/02/liberdade-de-expresso.html

    O caluniador e o difamador
    http://www.mises.org.br/EbookChapter.aspx?id=170

  3. “Segundo o jornalista, na ocasião, não foi encontrado nenhum detento que não acreditasse em Deus.”

    Já vi um neonazista na TV dizendo que não gostava de negros porque a maioria dos detentos eram negros.

    O jornalista raciocinou que nem o neonazista.

  4. Você considera o Datena esquerdista? Você já escreveu sobre isso aqui? Leio o Blog há pouco tempo, então não sei

    Por que você considera ele esquerdista? Abraço

  5. Como religioso não vi nada demais no que ele falou. Acho que o Brasil não deve buscar a igualdade (não-discriminação) em detrimento da liberdade. Sou contra excessos na liberdade de opinião, mas é preferível a liberdade de opinião a uma censura mordaz, como a que se ensaia aqui no Brasil.

Deixe uma resposta