Ao usar o truque de vitimismo sobre críticas teístas à declaração de Nando Reis, neo-ateus confessam sua intolerância

8
61

nando-reis

Mais uma vez o blog Paulopes mostra que a adoção do neo-ateísmo significa uma vida em duplipensar. Isso é devastador em termos sociais, pois temos um conjunto de pessoas que “pensam” sem a qualquer noção de referência em termos lógicos, pois, ao mesmo tempo em que criticam a intolerância do outro lado, são intolerantes, e, portanto, não sabem sequer definir o que é intolerância. Isso vale absolutamente para qualquer aspecto da realidade observado por eles.

Junto com o marxismo e o humanismo (aliás, o neo-ateísmo é apenas uma especialização do humanismo secular), o neo-ateísmo é uma das doutrinas que mais incapacitam os seus adeptos a qualquer forma de pensamento racional.

Nando Reis, em uma entrevista à Playboy, disse que não acreditava em Deus. A partir disso, Paulopes alega “intolerância” dos cristãos. Qual o motivo para a intolerância? A crítica dos cristãos em relação ao fato de Nando Reis ser ateu. Abaixo está a lista de supostos “exemplos de intolerância cristã”:

  • É melhor ouvir do que ser surdo, porém ouvir esse cantor fajuto é que não é bom, quem sabe é por isso que o irmão dele não ouve. José Maurício
  • Em breve, Deus tirará a voz dele e ele vai viver de que? Esse é o cara mais idiota que já presenciei. José
  • Vai chegar a hora em que todos os ateus, todas as pessoas terão que dar conta a Deus de suas vidas. Espero que não seja tarde demais para Nando Reis, Camila Pitanga e outros. Que Deus tenha misericórdia dele. Júlia.
  • So pq. é cantor acha que é tudo…. Misericórdia Senhor, ele é um pobre Zé. Deus lhe deu a vida, deveria agradecer, mas quando morrer terá o lugar merecido. Vera
  • Você acredita é na droga! Thiago.
  • Nojento como todo brasileiro, quer é vender cd, músico de merda, feio, pobre e metido a cantor, palhaço. Cândido.

Notaram a “intolerância cristã”? Agora, vejam o que afirmaram os neo-ateus:

  • Mais uma vez CRENTELHOS vindo demonstrar todo seu “amor” CRISTÃO, lastimável. Stefano
  • Que bom saber disso!!! mais um ser pensante.;..Se juntou a Albert Einstein, Camila Pitanga, Freud, José Saramago, Drauzio Varela, Charlie Chaplin, Friedrich Nietzsche, Galileu Galilei,Woody Allen, Angelina Jolie, Fernando Pessoa, Arnaldo Jabor, Herson Capri, Carl Sagan. Idely
  • Mais um ser pensante! Parabéns Nando… Silvio Guilarducci
  • Impressionante como a fé dessa crentalha é tão frágil que qualquer declaração dissonante põe todos eles nesse estado de fúria irracional. ATENÇÃO, CRENTALHADA – Existem pessoas que NÃO acreditam nos contos de fadas de vocês, CONVIVAM COM ISSO. Deus é o Papai Noel dos adultos e, tal qual crianças mimadas, essa gente bate o pé, bufa e faz escândalo quando a sua crença é contrariada. James F
  • Sinceramente Nando subiu no meu conceito, dar a cara a tapa e assumir algo tão incomodo para pessoas alienadas, num país que vota em palhaço de um partido corrupto para protestar, é realmente algo corajoso para inspirar as pessoas. Lirio

Em todos os quatro exemplos, vemos que eles usam o pretexto dos teístas terem feito uma crítica para descarregarem todo o seu ódio no mesmo nível do anti-semitismo. É como eu sempre digo: não há diferença técnica (a não ser em amplitude) entre o neo-ateísmo e o anti-semitismo.

Um deles disse que Nando era um ser “pensante”, propondo que o adversário não é. Ué, isso não é crítica? Mas no julgamento neo-ateísta, isso é um exemplo de “tolerância”, mas, se for dito por teísta, vira “intolerância”. E a associação de teístas com o voto em Tiririca? Como se nota, neo-ateus inventam qualquer coisa para capitalização.

Gostaria também que vocês prestassem atenção no James F., pois ele está executando a arte da provocação, que muitos teístas deviam aprender a dominar para os conflitos virtuais.

Em resumo: o neo-ateísmo é muito, mas muito, mais intolerante do que qualquer forma de teísmo, até por que assume para si o direito de não ser julgado pelos seus atos, enquanto julga os atos dos outros. Sem a falta de referência para julgamentos morais (pois eles atuam em “certo é o que está do nosso lado, e errado é o que está contra”), não é um exagero definir o comportamento neo-ateísta como um comportamento digno de sociopatas.

Entretanto, eu, que sou contra o neo-ateísmo mesmo sendo ateu, defendo exatamente o oposto. O direito à intolerância existe dos dois lados da guerra política, e todas as provocações feitas por neo-ateus legitimam quaisquer revides a eles. Logo, se o neo-ateu tem o direito de ofensa, os teístas também tem. E se os teístas reagirem com assertividade, os neo-ateus devem ser ridicularizados por apelarem ao vitimismo.

Ou seja, que eles sejam humilhando por “reclamarem para a mamãe” na guerra política. E que sejam apontados como pessoas incapazes de conviverem com as críticas do oponente.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Mas, Luciano, corrija-me se eu estiver errado, mas as críticas dos “teístas” não pareceram um tanto ofensivas? Nesse caso, o revide não seria válido também?

    • Pior que é verdade.Eu, mesmo sendo teísta, também achei rsrsrs, mas isso não cabe ao contexto do post, que na verdade quis relatar o fato dos neo ateístas sempre se porem na posição de tolerantes, mas definem o religioso como “ser não pensante”. O autor quis criticar o vitimismo, a falsidade, e a dissimulação dessa corrente que é o neo ateísmo: “nós somos tolerantes, inteligentes e lógicos, logo todos devem seguir nossa ideologia e quem pensar diferente é ignorante”.

  2. Ambos foram intolerantes, tanto os teístas quanto os paulopistas. Mas realmente é de impressionar a forma como os neoateus mais radicais conseguem ser tão intensos justamente no defeito que mais criticam no adversário.

  3. Mais de 1/3 da população mundial se declaram como cristãos. Isso nos dá mais de 2 bilhões de pessoas. Cristãos de diversas correntes teológicas, somando católicos, ortodoxos, protestantes, paraprotestantes, pentecostais, neopentecostais, etc. A cristandade é heterogênea e é possível encontrar cristãos de todos os tipos para todos os gostos.

    Ninguém, em sã consciência, afirma que todos os mais de 2 bilhões de cristãos são intolerantes no sentido mais negativo do termo. E falo de tolerância me referindo em você causar algum tipo de mal para o seu próximo, seja uma agressão verbal ou física.

    Mesmo em grupos cristãos que pertencem a uma mesma denominação. É possível encontrar cristãos amáveis, sociáveis, tolerantes e acrescente aqui as qualidades que desejar. Mas é possível encontrar o inverso, isto é, cristãos odiosos, não sociáveis, intolerantes e acrescente aqui os defeitos que desejar.

    Mas uma coisa é certa. Jesus Cristo, o “profeta mor” do cristianismo, pautou seus ensinos no amor para com o próximo. E amar o próximo implica em uma série de obrigações e deveres para com ele que inclui, entre muitas coisas, não lhe causar algum mal ou dolo.

    Para um grupo de cristãos, tomado ou não em sua totalidade no mundo, não é regra pétrea que cada indivíduo do grupo carregará consigo exatamente as mesmas qualidades ou defeitos.

    Temos esse cenário para definir a cristandade.

    Agora falando sobre o neo-ateismo. Todo neo-ateu (admirador dos textos do Paulo Lopes, membro da ATEA, membro da LiHS, admirador do Dawkins) possuem características sociais homogêneas.

    O neo ateu não é caracterizado pela simples descrença e falta de fé em algum deus. Isso se chama ateísmo.

    Eles vão além, muito além disso. E identificá-los é extremamente fácil.

    São todos – sem exceção – intolerantes, utópicos, mentirosos, dissimulados, falsos representantes da ciência, alienados, arrogantes, sociopatas, etc..

    A estratégia dessa turma é o da critica ostensiva e sem critérios honestos dentro do jogo político (vale tudo para desmoralizar as religiões e os religiosos).

    Passado a primeira fase de todo patrulhamento ideológico que estão fazendo na internet, qual será o próximo passo?

    Já vi essa história antes… O resultado não foi nada bom.

  4. Os neo-ateus são agressivos? Concordo! São sociopatas? Concordo! São muito fresquinhos, mimados e sensíveis como colegiais japonesas? Concordo! Mas o que mais me chama a atenção são os clichês que eles insistem em usar. Essa do apelo à autoridade ao citar nomes de ‘ateus famosos’ é a mais vagabunda de todas. E o pior é que 99% daqueles que se valem dessa falácia, pouco conhecem da obra dos citados. Será que eles continuam achando que dão um ‘ar’ de intelectualidade ao seu argumento dizendo que Chaplin era ateu? Ô, gentinha muquirana, hein!!

Deixe uma resposta