Marxistas culturais apelam à litigância de má fé para capitalizar na eleição para reitor da PUC-SP

1
54

puc-sp-fotoarena-size-598

Fonte: Veja

A Justiça de São Paulo afastou liminarmente da reitoria da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) a professora Anna Cintra, empossada em novembro. A decisão, tomada a pedido do Centro Acadêmico 22 de Agosto, agremiação da faculdade de direito da instituição, foi tomada pelo juiz Anderson Cortez Mendes da 4ª Vara Cível do Fórum Central, na tarde da segunda-feira.

Anna Cintra foi nomeada reitora pelo grão-chanceler da Fundação São Paulo, mantenedora da PUC-SP, Dom Odilo Scherer. Ela ficara na terceira colocação na votação realizada pela comunidade acadêmica, que escolheu o professor Dirceu de Mello, atual reitor. Tradicionalmente, o grão-chanceler indica o vencedor da eleição: como isso não aconteceu, houve protesto dos alunos e greve de professores.

Um recurso foi, então, encaminhado pelos alunos ao Conselho Universitário (Consun) da instituição, pedindo a suspensão da decisão do grão-chanceler. O Consun pediu 15 dias a partir de 28 de novembro para apreciar o recurso e decidiu que até o dia 12 de dezembro, esta quarta-feira, Anna Cintra estava impedida de assumir a reitoria. O professor Marcos Tarcísio Masetto foi nomeado reitor interino.

Mesmo diante da decisão, Dom Odilo empossou a nova reitoria. “Entendo que os resultados e desdobramentos da reunião do Consun são nulos de pleno direito, posto que ofendem a ato jurídico perfeito (…). Tudo está em estrita observância às regras dispontas no estatuto elaborado e aprovado pela própria Universidade”, disse Dom Odilo em carta do dia 29 de novembro, após ser comunicado da decisão do Consun. “Desta forma ratifico a nomeação da Anna Maria Marques Centra como reitora”, acrescenta. A posição do grão-chanceler motivou a ação dos estudantes.

“A decisão da Justiça de São Paulo tem o objetivo de garantir que o recurso dos estudantes seja apreciado pelo Conselho Universitário amanhã. A decisão não prevê o afastamento defiinitvo de Anna Cintra. Apenas reafirma que os trâmites sejam cumpridos, ou seja, que os estudantes possam ver seu pedido analisado pelo Consun”, disse ao site de VEJA o advogado Paulo Guilherme Mendonça Lopes, responsável pela ação. “Agora é o Consun que deve decidir ou não pela permanência da reitora no cargo.”

A Fundação São Paulo, mantenedora da PUC-SP, informou no início da noite que ainda não foi notificada oficialmente da decisão do juiz Mendes. Em nota, a instituição reafirma que é legítima a posse da professora Anna Cintra e que o grão-chanceler não irá recuar.

“A Fundação aproveita a oportunidade para reiterar seu entendimento (..) que a lista tríplice homologada por unanimidade pelo Conselho Universitário, no último setembro, não pode agora ser revista, por significar inversão de ordem jurídica e ofensa ao ato jurídico perfeito. As normas estatutárias emanadas e aprovadas pela Comunidade Acadêmica e pelo Egrégio Conselho Universitário foram observadas integralmente no processo de escolha da reitoria. Sendo assim, a Fundação São Paulo reafirma a legitimidade da posse da professora Anna Maria Marques Cintra como reitora”, diz o texto.

Meus comentários

A única forma de tratar a ação dos marxistas culturais que estão pressionando a PUC-SP é demonstrar em público que a ação deles é litigância de má-fé. Ou a PUC-SP os processa de volta, denunciando-os ao público, ou então já perderam esta batalha política, independente do resultado da decisão judicial.

A estratégia dos marxistas culturais, por outro lado, é bastante eficiente em seu objetivo, que é tentar tornar a vida dos que não rezam por sua cartilha um inferno.

A PUC também tem culpa no cartório, pois a multidão de marxistas culturais que estudam lá só existe por causa da existência de um núcleo de professores que fazem doutrinação de marxismo. Em outras palavras, é a própria PUC que colocou a raposa no galinheiro.

Os responsáveis pela PUC devem ser ridicularizados pela resistência de direita pelo fato de terem sido tão burros e ingênuos. Devem ser ridicularizados e sofrerem escárnio por tamanha ingenuidade. Se muitos ridicularizam Rubinho Barrichelo por seu desempenho pífio nas pistas, por que não fazer o mesmo com os responsáveis pela PUC por terem sido co-responsáveis pela situação patética de pressão na qual eles se encontram?

Os alunos marxistas sabem que do lado da PUC há um bando de frouxos que não tem a mínima noção de que é jogo político, e, por isso, sabem que, mesmo que não consigam reverter a decisão da posse de Anna Maria Marques, já ganharam o jogo, por causa da humilhação imposta tanto a ela como à PUC.

E assim caminha a ingenuidade daqueles que precisam tomar alguns puxões de orelha para aprender que uma derrota política deste tipo não pode ficar impune.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Dom Odilo Scherer é um falso bispo!!!… É UM CLERO SOCIALISTA, QUE INVADIU A IGREJA!!!… SÓ ISSO!!!

    Alguém tem de filmar os absurdos que acontecem na catedral de Aparecida e divulgar para o mundo!!!

Deixe uma resposta