Rotina esquerdista: Você realmente não quis dizer isso!

2
35

R

Última atualização: 27 de dezembro de 2012 – [Índice de Técnicas][Página Principal]

Muitos não percebem este truque à primeira vista, mas possui um efeito devastador no aspecto psicológico. Basicamente, é uma sub-comunicação para dizer que a mensagem do oponente é automaticamente errada, sem precisar sequer julgá-la. Basta usar uma expressão de espanto (se você estiver em uma palestra, ou um debate ao vivo), ou escrever algo demonstrando o espanto (se a argumentação for via texto), dizendo que o outro lado “não quis dizer realmente o que disse”. Esta rotina é prática na argumentação esquerdista em todos os momentos.

Por exemplo, quando neo-ateus contra-argumentam Alvin Plantinga e William Lane Craig, costumam dizer que “Eles não quiseram dizer o que disseram, pois são inteligentes”. Quando Bill Mayer fala sobre a opinião de um conservador de direita, diz “Ele não quis dizer realmente isso”. No debate aberto, eles usam o recurso a todo momento. Exemplos:

  • Esquerdista: Eu acho que após o Massacre de Newtown, devemos banir as armas!
  • Conservador de Direita: Eu acho que não devemos generalizar a questão, por causa de uma exceção.
  • Esquerdista: Você realmente não quis dizer isso, certo?
  • Esquerdista: O Deus da Bíblia é um genocida, e não deve ser seguido.
  • Conservador de Direita: Eu acho que você está distorcendo a mensagem da Bíblia, pois a ação de um criador não está sob a mesma contingência de sua criação.
  • Esquerdista: Você realmente não quis dizer isso, certo?
  • Esquerdista: Gerard Depardieu está sendo anti-ético ao sair da França por não querer pagar impostos.
  • Conservador de Direita: Mas a taxação de 75% em fortunas é excessiva.
  • Esquerdista: Você realmente não quis dizer isso, certo?

Em todos os casos, o efeito é puramente psicológico, e muitas vezes, em debates abertos, os conservadores de direita não percebem a rotina. Notem que a mensagem é feita somente para sub-comunicar à platéia que o oponente do debate “fala coisas sem sentido”.

Caso o argumento do esquerdista seja obtuso, você pode usar o mesmo recurso contra ele sem problemas (aliás, eu recomendo que use), até por que o uso esquerdista do truque é sempre indevido. Sendo assim, por que não usá-lo de forma adequada contra eles?

Esta é uma rotina de difícil neutralização, portanto use-a antes do esquerdista usar contra você, e em maior quantidade que eles.

Anúncios

2 COMMENTS

  1. Luciano, você já está preparando um mapeamento da rotina que diz que se alguém é neutro está do lado do opressor? Seria uma boa dar um jeito nesse lance inspirado em Desmond Tutu. Como já disse na vez anterior que sugeri isso, tal rotina inclusive poderia ser usada para acusar as relações externas do Brasil tanto de conivência com iranianos quanto americanos, só para ficarmos em um macroexemplo, pois se falamos no microexemplo, significa um terrorismo psicológico daqueles sobre a pessoa comum.
    Outra sugestão, que pega jacaré na mesma onda: mapear a rotina de que o pessoal também seria político. Essa é uma daquelas rotinas que força as pessoas a fazer um monte de coisas que condenariam se não estivessem pressionadas. Aliás, um pouco dessa rotina pôde inclusive ser vista naquela história do vídeo das evangélicas que explicavam o contexto bíblico de submissão.

    Para fechar, segue a sugestão de deschavar o Jacques Derrida, pois muitas pessoas acabam sendo vítimas de ataques em bando de marxistas-humanistas-neoateístas sem se dar conta que na realidade esses apenas estão usando o tal desconstrucionismo e chamando de monstro alguém que disse determinadas coisas na maior das inocências. Observe-se que este último também se articula com a rotina que você acabou de explicar.

Deixe uma resposta