Técnica de Propaganda: Efeito dominó

6
80

herding instinct

Última atualização: 04 de fevereiro de 2013 – [Índice de Propaganda][Página Principal]

Esta técnica é aquela que diz “vamos juntos”. É muito fácil observá-la na publicidade. Exemplos:

  • 10 milhões de clientes satisfeitos não podem estar errados
  • A popularidade do político X bate seu recorde!
  • O time de maior torcida do Brasil, que mais cresce dentre todas as outras torcidas
  • Junte-se à Revolução Digital
  • 500.000 usuários… e aumentando a cada dia

A técnica apela ao “herding instinct”, ou melhor, instinto de rebanho. Inconscientemente, muitos gostam de pertencer ao grupo majoritário, e sentem-se mal quando isolados. Esta técnica basicamente manipula as pessoas apelando a estes instintos.

O instinto de manada é facilmente explicável logicamente (e biologicamente). Imagine um animal fora do rebanho, que não está sequer “associado” com os machos beta e gama que seguem o macho-alfa. Isolado do rebanho, ele é uma vítima potencial dos predadores da natureza. Mesmo em uma sociedade civilizada como a nossa, esse instinto de pertencer à manada ainda reside no subconsciente humano. E sem expectativas de desaparecer…

Muitas vezes, o efeito dominó pode ser utilizado para a validação de uma alegação moral, como por exemplo: “Cada vez mais pessoas aceitam os princípios do grupo X, portanto eles estão no caminho certo”.

Hoje em dia, quando a Europa vive um aumento da secularização, e redução da influência religiosa, os neo-ateus afirmam: “Cade vez mais o mundo está se tornando ateu, junte-se a nós!”.

Geralmente, o efeito dominó é utilizado para obter apoio a uma causa, seja o apoio a um político ou apoio a uma nação em guerra. O efeito reverso também ocorre quando a guerra parece ser uma causa perdida, o que se viu na derrocada norte-americana na Guerra do Vietnã.

Percebe-se que o efeito dominó é utilizado tanto para se obter aderência a uma causa, como, em seu efeito reverso, afastamento dessa causa.

Enfim, a técnica cai como uma luva para todo e qualquer propagandista que resolva se aproveitar do instinto humano de pertencer a um “time vencedor” e/ou ao grupo majoritário.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Luciano, viste a entrevista do Malafaia na Gabi?

    http://www.youtube.com/watch?v=n7qpe4rZ3iU

    Para mim ele não foi tão bem como em outras vezes. Por vezes, a Gabi o encurralava, principalmente em relação a homossexuais (ainda que se dê para ver o lance militante no tom de voz dela). Note-se que ele deu o exemplo de que amaria um filho homossexual assim como uma mãe amaria um filho bandido (e, claro, já pegaram esse trechinho para dar a entender (afinal, é de trechinhos em trechinhos descontextualizados que religiosos políticos fazem uma sensibilidade artificial histérica básica). Ainda assim, dá para ver que a entrevistadora ficou bem p da vida com ele e teve de soar o gongo quando notou que ele, normalmente explosivo, agiu naquele modo de ficar irritantemente calmo (aliás, o lance de ser irritantemente calmo é uma boa estratégia justamente por deixar o oponente sem a reação que ele esperaria).
    Também seria importante dar um cuidadinho na imagem dele. Observe-se que ele veio com um visual casual, algo ótimo se pensarmos que ele é de algo que veio da Assembleia de Deus (ainda que a Vitória em Cristo seja dissidência mais liberal). Porém, ele se esqueceu daquela camiseta Hering branca básica por baixo e acabou deixando aparecer um suor embaixo da axila esquerda. Ainda que todos suemos, podem querer usar contra alguém.

    Uma coisa que achei interessante foi que ele usou um pouco aquela marra tipicamente carioca, principalmente no fim do programa (a parte do Bate Bola). Ainda assim, acho que ele está precisando de um certo treinamento de mídia para emplacar entrevistadores mais inquisitivos.

  2. Olá, Cidadão!

    Gostei da matéria que você trouxe. O Malafaia jamais perde um debate, claro que usar a Bíblia como base dá um certo mal estar porque nem todos a têm como manual de vida, entretanto, ele se safa por ser científico e lógico também. Nesse debate, ele ganhou de goleada. A Gabi não conseguiu contestar e nem refutar nada! E ainda por cima, talvez por ter um filho homossexual, levou para o pessoal, ou melhor, adquiriu mesmo um discurso militante quando entraram no assunto da homossexualidade, inclusive ele voltou a falar homossexualismo várias vezes, negando, peremptoriamente, que seja doença. Mas, cá pra nós, realmente aquela axila suada pegou mal, denotou um certo nervosismo hehehe! Só acho que a camiseta de dentro poderia ser pretinha. Ia ficar uma “uva” kkkkkkk

Deixe uma resposta