Alain Soral nos demonstra que o FEMEN depende de ex-prostitutas lutando contra a “degradação da mulher”

13
133


@
Gente, numa boa, a vida intelectual de um cético político anti-esquerda é sempre uma diversão. Tem gente que prefere ser um conservador, liberal ou libertário (e eu respeito), mas eu prefiro ser um cético quanto ao esquerdismo.

Nota: você pode ser conservador, liberal ou libertário, e ser um cético político em direção a esquerda, mas o meu foco, em particular, é ser um cético político em direção a esquerda, sem focar em defender nenhum dos 3 paradigmas de direita em especial. Aliás, Eu acho as propostas liberais e conservadores melhores que as esquerdistas, mas, como já disse, prefiro focar nas contradições do esquerdismo.

Melhor ainda é quando eu posso usar as críticas feitas por Alain Soral, que é um marxista (mas tradicionalista), contra a esquerda fashion ocidental.

Aqui, ele coloca o FEMEN abaixo de merda. Classificação mais do que justa para esse grupo que luta para ser reconhecido como legítimo mas é mais falso que nota de 3 reais.

A melhor parte é quando ele demonstra, através da carta de um de seus leitores, que Eloise Bouton, uma das líderes do FEMEN, é uma ex-prostituta.

Abaixo imagens do site de acompanhantes do qual ela fazia parte:

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_01

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_02

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_03

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_04

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_05

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_06

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_07

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_09

femen_ukrainian_agents_provocateurs_are_prostitutes_eloise_bouton_aka_alise_lizaliz_boutoneloise_10

Por uma das imagens, dá para notar que Eloise Bouton custava 200 euros por programa, o que demonstra um nível estético acima da média. Mas agora os seus “serviços” estão a cargo de George Soros, financiador de “causas” como FEMEN.

O mais engraçado é que lutam por causas como “contra a objetificação do corpo da mulher”, e colocam como líder de um movimento radical feminista… uma mulher que cobrava 200 euros por programa. Por que não colocaram uma mulher que cobrasse 3 euros?

Aha… como sempre, os esquerdistas comportam-se de maneira oposta àquela vista em seus discursos.

A diversão é garantida.

Anúncios

13 COMMENTS

  1. Cuidado… esse tipo de ataque deve vir com a garantia de que ela não se arrepende do que fez no passado. Se jogarem isso na cara dela ela pode, facilmente, vir com um “eu sou FEMEM agora pq me exploraram no passado e blahblahblah”. É claro que uns 200 euros por programa tá longe de ser exploração, mas…

  2. Não sei se você já o fez Luciano….mas seria muito interessante a edição e postagem dos vídeos de Soral que dialogam a repeito da “ferramentização” dos movimentos feministas e homossexuais para alimentação de redes de pedofilia promovidos por elites ocultistas. Para alertar aos leitores que esse processo já está em vias de ocorrer no Brasil com toda merda que Jean Willys e Luiz Mott insistem “pregar” na mídia e no meio político.

    • Em primeiro lugar, meus sinceros agradecimentos ao Luciano (por me fazer conhecer o Alain Soral) e aos colegas Lugger e Pecador (por me convencerem a assistir aos outros vídeos do canal DireitaCultural). Somente hoje é que eu percebi que a agenda humanista é ainda mais perigosa do que eu já sabia >_< Expandindo o conceito de "religião política" desenvolvido pelo Luciano, agora eu entendo o humanismo como o lado "exotérico" de um movimento maior, cuja porção "esotérica" ou "misteriosa" são justamente as várias vertentes "modernizadas" do *satanismo* ¬¬ À primeira vista, a diferença mais evidente entre a religião tradicional e a religião política é esta: a religião tradicional não acredita na "liberdade ilimitada", mas a religião política acredita sim (enquanto possibilidade futura, pelo menos). Em parte, essa crença (fundamental para a mobilização da patuléia humanista) se baseou na aparente "liberdade ilimitada" da nobreza e da realeza dentro das monarquias absolutistas (as quais podem ser vistas como um sintoma da decadência do próprio cristianismo, dentro de uma perspectiva histórica mais abrangente).

      Putz, mas eu tenho sido muito lerdo mesmo, pois o René Guénon já tinha escrito sobre isto no livro "O Reino da Quantidade e Os Sinais dos Tempos", mas foi somente hoje que "a ficha caiu" dentro do meu "orelhão" —

      — ooops Ooops OOOPS =^.^=

      • Finalmente entendestes JMK!
        Esses movimentos esotericos existem desde o renascimento da maçonaria e sempre houve esse tipo de grupo que despreza os limites morais, ainda por cima os cristãos.

      • Só pra reforçar o conceito a respeito da agenda humanista…observe esse vídeo….
        veja eu não sou católico, não considero o papa o meu mediador….mas é impossível ficar impassível assistindo ao vídeo, principalmente pela instituição em que o evento ocorre.

        Quando a ideologia deles toma conta tudo se torna….Pão, circo, arena e demência total. Assista.

    • Não tenho certeza, mas pessoalmente considero apenas como propaganda.
      A junção de todas a religiões sem qualquer força (moral, política e ideológica) é agenda da elite globalista.
      A defesa da fé religiosa (novamente ao meu ver pessoal) deve considerar as diversas pluralidades, e combater de forma descentralizada, mas unida no que tange ao combate da ideologia totalitária.

      Uma estratégia muito usada em tática de guerra é acumular o adversário em fronteira, ou centralizá-los em apenas um único lugar. Logo uma junção, que vá além da defesa da liberdade de credo, e apontamento das mazelas do humanismo como ideologia politico-religiosa, é ilógico.

Deixe uma resposta