Mino Carta: “Stalin é de direita”

6
146

@

Alguém poderia dizer para esse tonto do Mino Carta igualdade e liberdade são conceitos mutuamente auto-excludentes?

Ora, se a premissa é impor a igualdade, via projeto, isto tem que partir de um poder que use a coerção para forçar essa “igualdade”. Isto é uma consequência lógica.

A liberdade inevitavelmente levará à desigualdade, pois o mundo será dividido entre felizardos e azarados, competentes e incompetentes, e uma sociedade que viva em liberdade inevitavelmente irá traduzir isto em desigualdades.

Um sujeito que tenha vontade de empreender poderá colecionar uma história de fracassos, enquanto outro que goste da “segurança” de um emprego fixo poderá se abster de empreender. Um poderá conquistar uma renda de 1 milhão ao mês, enquanto outro poderá viver com um salário que lhe garanta apenas o sustento. Mas ainda, como assalariado, poderá chegar a uma posição executiva, onde tenha um nível de vida melhor que o de muitos pequenos empresários.

Todas essas possibilidades são resultantes da liberdade.

Quer dizer, Mino Carta inverteu tudo. Na verdade, o comunismo de Stalin é plenamente esquerdista, pois impõe a “igualdade” (no discurso, evidentemente, como todo esquerdista faz), mas sabe que ela é impossível sem a limitação da liberdade. Aliás, é exatamente por essa limitação da liberdade que o discurso de esquerda é tão útil a totalitários.

Stálin, tanto quanto Hitler e Mussolini, é um esquerdista puro-sangue, por saber que a teoria esquerdista prega o inverso do que Mino Carta falou.

O esquerdismo, ao propor a “redistribuição”, sabe que isto é só pretexto para tirar a liberdade dos outros. Em suma, obter o poder totalitário.

Isto torna o discurso de Mino Carta uma comédia involuntária, que tem como fecho de ouro a fala “Isto é o meu raciocínio, é bastante elementar, creio eu…”

É, se for na lógica do inverso, é bastante elementar, pois, como era dito em 1984 de Orwell, guerra é paz, e liberdade é escravidão. Sendo assim, por que não projeto de igualdade por coerção estatal é liberdade?

Figurinha…

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Não sei qual é pior:
    A pessoa inverter a verdade propositalmente;
    Ou acreditar na própria inversão.

    Chega a ser hilário imaginar a cara do Stalin, no meio de tanto esquerdismo, de repente dar um golpe e pensar consigo mesmo: bando de otários, mal sabem que sou é de extrema direita e estava infiltrado entre eles.

    Certas coisas têm limites, principalmente a inocência!

  2. Só aproveitando o ensejo, percebam que a dissimulação desse pessoal não tem limites.

    Vejam um comentário da turma à respeito do golpe de 1964:

    “Só sendo uma anta mesmo para acreditar na lorota de que o Brasil estava se tornando uma nação comunista.”

    Não estamos lidando com pessoas normais. E quem pensar isso, já está fadado ao fracasso. Mas eu não me surpreendo com esse comentário. Antes mesmo de clicar no perfil do rapaz, eu já prevejo páginas comunistas, e nenhuma surpresa quando encontro páginas de Hugo Chávez e Fidel Castro.

    É, amigos, a rapadura é doce…

  3. Pô, LH, você não entendeu o ponto de vista do cara… “Levar a liberdade às últimas consequências” significa libertar a alma do corpo das pessoas… Que má vontade sua… =)

Deixe uma resposta