Sobre regulação da mídia: Paulo Bernardo diz que só quer colocar a cabecinha, mas em um ato falho confessa que seus amigos querem entrar com bola e tudo

4
55

paulo-bernardo

Fonte: Extra.Globo

SÃO PAULO — O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, defendeu nesta terça-feira a regulação da mídia e disse que u projeto sobre o tema pode ser apresentado até o final do governo da presidente Dilma Rousseff no próximo ano. Admitiu também usar elementos da proposta que estava sendo formulada no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva pelo ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social Franklin Martins.

— Dizer o que sempre disse. Sou favorável à regulação da mídia. Como qualquer outro segmento, tem que ser regulado.

De acordo com o ministro, Dilma não se contrapôs à regulação.

— Acredito que se tivermos um projeto ela vai avaliar.

Bernardo, que entrou em polêmico com militantes do PT por causa do assunto, afirmou que sempre defendeu a regulação, mas reconheceu que alguns petistas querem censurar os meios de comunicação.

— O que às vezes me faz contrapor com meus companheiros, alguns militantes que discutem esse tema, é que algumas pessoas veem a capa da revista e não gostam e querem que eu faça um marco regulatório. Isso não é possível porque a Constituição não prevê esse tipo de regulação para mídia escrita.

O ministro acredita que deve haver uma lei que garanta o direito de reposta e citou como exemplo a lei recentemente implantada na Inglaterra.

— Tem que ter uma lei regulando o direto de resposta. se a pessoa se sente feriada na honra ou acha que uma determinada matéria contém, inverdades, não foi correta, tem que ter um direito de resposta.

Para rádio e televisão, Bernardo se disse favorável à discussões sobre propriedade. O ministro não sabe ainda quando o tema será tratado no governo.

— Pode ser prioridade. Mas a primeira prioridade vai ser fazer um grande plano de investimento de infraestrutura de telecomunicações.

Meus comentários

Segundo a teoria deste blog, cada vez mais corroborada, esquerdismo nada mais é que um discurso focado para a obtenção de poder a partir do uso do estado inchado. Pelo estado inchado, vem o poder para aqueles que chegam lá. Simples assim. Quer dizer, toda obra de Marx não tem outra serventia que não dar poder a quem quiser usar os truques da esquerda.

Conforme minha teoria, portanto, quanto mais esquerdista, mais focado em conquista e manutenção de poder esta pessoa será. Quem está no poder é um beneficiário, e os militantes que não ganham dinheiro com isso são os funcionais. A divisão de esquerdistas entre beneficiários e funcionais é outra terminologia que adotei, servindo como modelo explicativo para as diferenças entre os que ganham poder com o discurso da esquerda e os crédulos apaixonados pelo mesmo discurso da esquerda, mas que não ganham nada com isso.

Assim, é de se prever que o partidão marxista no poder, PT, queira controlar a mídia. Qualquer um que não defenda isto, após tomar o poder em um estado inchado, não está sendo esquerdista de fato. Paulo Bernardo, portanto, está sendo apenas coerente com o esquerdismo para os beneficiários.

A diferença aqui é que Paulo Bernardo come pelas beiradas, enquanto, sem querer, confessa que vários de seus colegas estão ávidos pelo controle absoluto logo de uma vez. Só que a estratégia de Bernardo é mais coesa, pois não chamará tanto a atenção.

O fato é que a maior meta para o PT é de fato implementar a ditadura no Brasil pelo controle da mídia, seja pelas vias mais dissimuladas, como quer Bernardo, ou pela censura direta no estilo Coreia do Norte, como querem os colegas de Bernardo.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Luciano…gostaria de lhe pedir uma gentileza….
    ontem marcos feliciano deu uma entrevista pra folha…

    como sei que você fará um post….gostaria que você inserisse esse link ou vídeo…
    http://noticias.gospelprime.com.br/irmao-lazaro-cristao-posicionem-marco-feliciano/

    porra véio…eu ri demais com o negão….o cara além de ser uma simpatía, ridiculariza e tira sarro das militâncias, e defende sua posição com muito carisma…..
    só no final….ele afirma que a questão é APENAS política…..ledo engano.

    E tá rolando uma discussão lá
    http://noticias.gospelprime.com.br/ditadura-gay-marco-feliciano

    vamos ver se algum religioso antenado…vai descer o pau nos antis.

  2. Muito útil (e beloexemplo de sutil e eficiente aplicação da “Estratégia das Tesouras” de Lênin, mas apropriada por Gramsci) é a recente matéria de capa da Capa Capital metendo o malho no Paulo Bernardo, que sai parecendo um “moderado”, alguém sensato e ponderado que não seria dado a arreganhos autoritários.

    Ele e a esposa, Gleisi Hoffman, são tão perigosos hoje como Palocci foi no passado: sem os cacoetes da militância radical, vão abrindo a portinha para o gang bang posterior.

Deixe uma resposta