Os “discípulo de Chavez pira” (sic)… presidente do Paraguai diz que morte de Chavez foi um milagre, e fanáticos venezuelanos fazem papelão de novo

5
55

13067238

Fonte: Folha de S. Paulo

O presidente do Paraguai, Federico Franco (foto), considerou um “milagre” a morte de Hugo Chávez.

“É um milagre que eles tenha desaparecido da face da Terra”, disse Franco.

De acordo com ele, o ex-presidente da Venezuela oferecia proteção a grupos criminosos como o Exército do Povo Paraguaio (EPP) –que atua no norte do Paraguai–, o que causou muitos danos ao país.

Após a declaração, nesta quarta-feira (3), o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Elías Jaua, chamou Franco de escória humana e política.

“Não é a última escória humana e política, Franco, presidente do Paraguai, que vai poder ofender ou agredir a memória desse gigante histórico que é o comandante Hugo Chávez”, ressaltou Jaua em declarações ao canal “Telesur”, com sede em Caracas.

“Quem se alegra pela morte de outro ser humano demonstra a mais profunda expressão das misérias humanas, por isso dizemos desde já, com toda a dignidade do povo bolivariano: o senhor é uma escória, a última escória da América Latina e o Caribe”, comentou.

Jaua qualificou Franco –que chegou ao poder em junho do ano passado depois que o Congresso destituiu o então presidente Fernando Lugo– como o último golpista da América Latina.

Chávez faleceu em 5 de março em Caracas em consequência de um câncer que foi diagnosticado em meados de 2011.

Meus comentários

É engraçado como esquerdistas radicais não conseguem aceitar críticas lançadas em direção aos líderes endeusados por eles.

Quando Reinaldo Azevedo falou que Niemeyer não foi 100% genial, após a morte do arquiteto de Brasília, Leonardo Boff perdeu toda a compostura e xingou Azevedo de besouro rola-bosta. Quer dizer, foi brigar como se fosse em uma provocação de parquinho.

Agora, o Elías Jaua faz a mesma coisa.

Enquanto o presidente do Paraguai, Federico Franco, fez uma declaração espirituosa e até divertida, Elías Jaua, Ministro das Relações Exteriores venezuelano, partiu para a baixaria.

Tudo isso acontece, é claro, por que caudilhos gostam de cultuar seus líderes como deuses. A partir daí, criticar estes líderes torna-se uma blasfêmia. Quando estes líderes estão mortos então, a coisa piora.

A reação deles é sempre patética.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. “Mostrou que uma pessoa poder ser um gênio da pintura e ao mesmo tempo uma insignificância moral.” Jean-François Revel no livro “A obsessão antiamericana” referindo-se a Picasso. Reinaldo teve a coragem, de onde está e tendo a mídia que tem, de falar verdades que quebram figuras cristalizadas. Roupagem santificada e devotados: os latinos são profissionais nisso.

Deixe uma resposta