Vagabundas do FEMEN em mais um ato que a mídia esquerdo-humanista vai esconder: invadindo uma conferência e jogando água em um bispo

14
90

1366750232846-arcebispo-bruxelas

Segundo um blogueiro do Globo, Fernando Moreira, manifestantes do FEMEN invadiram uma conferência em uma universidade de Bruxelas e jogaram água no arcebispo de Mechelen-Bruxelas, Andre-Joseph Leonard. O arcebispo não reagiu.

Vejam fotos abaixo:

arcebispo1

arcebispo2

arcebispo3

Aliás, que putas feias escolheram dessa vez, não?

Para variar, a mídia de esquerda mais uma vez omite o fato, até por que, para eles, cristãos quanto mais atacados, melhor.

Como sempre, empatia é uma palavra que não existe no vocabulário esquerdista, quando se trata de adversários políticos.

Anúncios

14 COMMENTS

  1. Eu sei que no arsenal desse grupo tem manifestantes mais atraentes. Precisam caprichar da próxima vez. Só quem parece ser mais bonitinha é a de cabelo longo da primeira foto, mas é só impressão, nem dá pra ver o rosto dela.

  2. Ao meu ver são um bando de mulheres “dadas”, e por conseguinte, rejeitadas que resolveram aderir a qualquer lixo que proporcione a continuidade de suas vidas. Simplesmente degradante.

  3. As feminazistas deveriam parar de lutar por direitos onde além dos direitos, tem privilégios e lutar por direitos igualitários, nos países Muçulmanos. Quero só ver se elas tem coragem. Ir contra os “opressores” que apenas defendem verbalmente um estilo de vida, sem usar força e coerção é fácil….

  4. Aqui neste blog alguém havia sugerido que o combate ao marxismo-humanismo-neoateísmo surgisse fazendo-se organizações-espelho nos campos em que o MHN costuma atuar. Eis que estamos no desdobrar da aprovação do casamento homossexual pelo parlamento francês e uma série de organizações (inclusive a maior associação de homossexuais local) é contrária a tal coisa. Já que aqui estamos falando de Femen, eis que os franceses criaram a Opération Hommen, cujo nome denota serem homens de torso nu e com algo escrito em tinta preta. Porém, há flagrantes diferenças, como as ações serem pacíficas e não se buscar o enfrentamento, mesmo que haja agitadores tentando desestabilizar:

    http://www.youtube.com/watch?v=0OE5xc8ac7Y

    http://www.youtube.com/watch?v=9W_EwCWNfZ8

    http://www.youtube.com/watch?v=28RkvntK__M

    http://www.youtube.com/watch?v=_B1b9lcQqMU

    http://www.youtube.com/watch?v=uZtcF047KrU

    Observe-se que as ações pacíficas e menos conturbadas em relação àquelas do Femen acabam sendo trunfo favorável ao grupo em questão. Não saberei como é a lei francesa, mas de repente o fato de agitarem bandeiras do país possa ser uma maneira de se livrar da ação das forças da lei (vide o uso da bandeira brasileira pelos sindicalistas em Vila Euclides como forma de evitar que os agentes da lei os atacassem, ainda que aviões dessem rasantes nos comícios em questão). Por ora, pelo que li a respeito (se alguém souber francês, que ajude a saber o que eles estão falando), o movimento em questão está contrário ao casamento gay, ainda que eu tenha visto os manifestantes com mensagens acusando de terem usado os instrumentos da democracia para se criar uma ditadura e cercear o direito de expressão.
    Não dá para acusar o grupo de racista (vide um homem negro em uma das manifestações, bem como a cor de pele de alguns participantes permite supor que possa haver árabes e magrebinos nas filas). Alguém que fosse acusar o grupo de homofóbico esbarraria na questão de a maior associação de homossexuais da França ser contrária ao casamento gay, bem como há chances de que haja homens homossexuais também na fila (em um dos vídeos, flagrando o pessoal indo para o palco do protesto, flagra-se dois homens correndo de mãos dadas, algo que possa entender que a resposta seja sim).

    Observe-se que eles fizeram uma antropofagia (no sentido Semana de Arte Moderna de 1922 do termo) com o símbolo de paz e amor, bem como boa parte das ações é feita para não dar margem a que a polícia vá contra (vide uma em Toulouse em praça pública e parecendo bastante uma peça teatral ao ar livre). Aliás, o próprio fato de ser Hommen é por si só uma antropofagia da ideia original vinda da Ucrânia, podendo aí significar também um protesto contra a influência estrangeira justamente pela tal via que remonta aos modernistas daqui. Vamos esperar as próximas jogadas dos caras, pois vai que de repente eles também passem a protestar contra leis que na prática conferem mais direitos a mulheres em comparação a homens. Ainda assim, é a segunda parte em relação à desconstrução do Femen, com a primeira tendo sido o Muslim Women Against Femen (ainda que esse, pelo que vi ao dar uma olhada, tenha um certo cunho MHN).
    Observe-se também que fazem questão de cantar o hino francês e que estejam bastante jogando com o livro de regras nas mãos. Outra coisa importante é que eles sempre entram em cena com um número de manifestantes maior que o habitual do Femen, o que acaba dando uma força metafórica de que estariam em maior número na população do que os movimentos marxistas-humanistas-neoateístas.

  5. Às vezes não quero acreditar nesse lixo desses movimentos e nesse PT dos infernos. Alguém viu a vagaba da prersidente ontem fazendo campanha que ela diz que não é?? Putz!

  6. As imagens dizem mais que as palavras, a reação e a ação de ambas as partes, mostram realmente de que lado se encontra a intolerância e de que lado se encontra o respeito. Mesmo sendo de linha protestante não posso deixar de elogiar a postura do Bispo em questão, meus parabéns.

Deixe uma resposta