Um padre tonto(?) é tratado pela imprensa como se fosse um misto de Voltaire com Santo Agostinho. Ou: O sacerdote que decidiu dar um ultimato à Igreja: ou ela muda, ou ele não volta!

6
64

padre beto bauru

Fonte: Reinaldo Azevedo

Ai, ai… É tanta bobagem que a gente mal sabe por onde começar. Em Bauru, há um padre chamado Roberto Francisco Daniel. Tem programa de rádio, costuma postar vídeos na Internet, usa piercing e anéis, exibe camisetas com estampas que remetem ao rock ou com a imagem de Che Guevara (o porco fedorento e assassino) e frequenta choperias. Fiquei sabendo de tudo isso lendo uma reportagem na Folha. O padre tem ideias muito próprias sobre uma porção de coisas:

– defende o amor entre pessoas do mesmo sexo;
– acha que maridos podem se apaixonar por homens, e as mulheres casadas, por mulheres. E podem viver esse amor sem problemas desde que não haja traição. Todo mundo tem de saber de tudo. A reportagem não diz, mas suponho que ele admita até a possibilidade de homens casados se apaixonarem por outras mulheres, e vice-versa… Não sei se entendem a sutileza.
– a reportagem informa que ele tem uma “legião” de seguidores. Descontraído, claro!, é conhecido como “Padre Beto”.

Se você quiser vê-lo e ouvi-lo a articular as suas, vá lá, ideias, há o vídeo abaixo. Volto em seguida.


@
Voltei

O primeiro parágrafo da reportagem da Folha é, como posso dizer?, teologicamente impagável. Reproduzo e comento.

“Conhecido por contestar os princípios morais conservadores da Igreja Católica, um padre de Bauru (329 km de SP) que havia sido formalmente repreendido pelo bispo local anunciou neste sábado que irá se afastar de suas funções religiosas.”

Comento

Veja bem, leitor: os “princípios morais” da Igreja Católica só podem ser considerados “conservadores” ou “progressistas” no cotejo com os princípios morais de outros grupos, certo? Caso sejam comparados com o islamismo xiita, por exemplo, serão considerados, não tenho dúvida, progressistas. Caso os dos xiitas sejam confrontados com os dos wahabitas, aí o xiismo é que vai parecer avançadinho… Imaginem só: no Irã, uma mulher pode dirigir, dar aula em universidade, participar do Parlamento. Na Arábia Saudita, nem pensar.

Assim, seria o caso de indagar: o que quer dizer “princípios morais conservadores da Igreja Católica”? Conservadores em relação a quê? Certamente a repórter tem como valor de referência a moral laica, não religiosa, agnóstica quem sabe, ateia no limite. E todos esses valores, obviamente, são legítimos para quem os cultiva.

Muito bem! O chato do Irã ou da Arábia Saudista é que não sobra espaço para ser cristão, ateu ou macumbeiro. Não é raro que a acusação de apostasia renda pena de morte. No Ocidente, não! No catolicismo, não! As pessoas são livres para escolher o que as faz felizes. E ponto final.

Quando o tal padre Beto decidiu pertencer à Igreja Católica, ser seu sacerdote, ele não ignorava os princípios que orientam a instituição. Poderia ter dito: “Ah, não, isso é conservador demais pra mim”. E que fosse fazer outra coisa, que tivesse encontrado outra religião, ora essa! Se eu convidá-lo, leitor, para tomar um café em casa e disser que só entra lá quem estiver com uma camiseta do Corinthians, você tem duas opções, e a terceira é inimaginável: a) aceitar o meu convite e comparecer com a camiseta do Corinthians; b) recusar o meu convite. Não existe a alternativa c: negar-se a envergar a camiseta do timão e ficar fazendo comício na porta da minha casa, exigindo o seu “direito” de entrar em nome da “liberdade de expressão” ou da “liberdade de camiseta”.

A Igreja é “Católica” — e isso quer dizer “universal” —, pretende ser de todos os homens, mas é evidente que é uma religião de uma parcela da humanidade apenas — algo em torno de 18%. Já há muito tempo, só se impõe e se espalha pelo convencimento, pela caridade, pelo trabalho social, tudo isso ancorado nos Evangelhos. No mundo livre, as pessoas escolhem ser católicas ou qualquer outra coisa; em muitas ditaduras, essa escolha pode resultar em punição e morte.

O tal “padre Beto”, tratado pela reportagem da Folha como um pensador iluminista — para ser Voltaire, visivelmente, faltam-lhe nariz e muita filosofia —, não é um pensador desassombrado. É só um tolo, que decidiu usar o púlpito para pregar uma religião que católica não é. E, por isso, foi repreendido pelo bispo. Como não aceitou a admoestação, decidiu se afastar.

Que bom! Melhor para a Igreja e certamente melhor para si mesmo. Ele tem o direito de pensar o que bem entender. Mas não tem o direito, não como padre, de dizer coisas como esta:

“Se refletir é um pecado, sempre fui e sempre serei um pecador. Quem disse que um dogma não pode ser discutido? Não consigo ser padre numa instituição que no momento não respeita a liberdade de expressão e reflexão”.

É um apanhado de tolices, que parece limonada gelada em dia quente e seco para a ignorância filosófica e teológica que grassa na imprensa. Quem disse que “refletir é pecado”? A Igreja? Perguntem a Santo Agostinho ou a Santo Tomás de Aquino. Beto é estúpido! Lida mal com as palavras. Se um dogma, como ele diz, pode ser discutido, então se deve admitir no seio da Igreja Católica quem não acredita na própria Igreja como obra do Cristo ou quem despreza o sacrifício da Cruz. Como? Ele não consegue ser padre de uma “instituição que não respeita a liberdade de expressão e reflexão”? Deixem-me ver se entendi: padre Beto gostaria de ser padre renegando alguns dos fundamentos que tornam Beto… um padre!

É de um cretinismo fabuloso! Isso não é padre já há muito! Tudo indica, pelo cheiro da brilhantina, que a Diocese sabe há muito tempo que ele “ora por fora”. É de se lamentar que tenha chegado tão longe se dizendo um “padre”. Outro trecho da reportagem seria de rolar de rir não fosse a expressão cruel desses dias:

“O padre não descarta a possibilidade de voltar, desde que a Igreja fique mais progressista. Afirmou que vai manter o celibato e poderá encontrar seus seguidores para reuniões de orações, sem que isso signifique a criação de uma nova religião.”

Heeeinnn? Quer dizer que ele até pode voltar desde que a Igreja Católica mude? Entenderam quem é Beto? Ele jamais mudaria, está claro, para se adequar aos valores da Igreja da qual decidiu ser sacerdote. Mas espera que a instituição mude para se adequar a ele.

Vai manter o celibato, é? Então tá… Vá com Deus, Beto!

Meus comentários

Deixe eu imaginar qual a nova regra da esquerda. Aquele que entra em uma organização, com regras claras, deve quebrá-las, e ser considerado moralmente justificado ao quebrar essas regras?

Imaginem que um conservador adentrasse ao movimento LGBT e passasse a fazer campanha contra o movimento gay. Ele poderia ser expulso?

Imaginem agora um ateu que entra nas fundações de Richard Dawkins e Sam Harris e passa a criticar todos os críticos da religião. Ele poderia ser expulso?

Nos dois casos, qualquer esquerdista dirá que não há problema em expulsar os que estão contra os ditames das organizações de que fizeram parte.

Mas espere: a regra de esquerda não é a de que aquele que entra em uma organizaçãocom regras claras, deve quebrá-las, e ser considerado moralmente justificado ao quebrar essas regras?

Talvez o esquerdista diga que as regras de uma organização só devem ser quebradas e o violador destas regras se tornar automaticamente justificado se as organizações forem aquelas de que eles não gostam.

Em todos estes questionamentos, nota-se que como sempre esquerdistas jogam com um peso e duas medidas.

Mas discordo de Reinaldo Azevedo. O tal padre em questão não é tonto, mas desonestamente esperto. É safado e dissimulado. É alguém que perdeu todo e qualquer traço de vergonha na cara no momento de pregar sua agendinha totalitária.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Tá mais do que na cara que – não só esse Beto, mas – vários seminaristas sem vocação, desde o Concílio Vaticano II (que fora acompanhado de perto pela KGB), vêm sendo “plantados” dentro dos seminários para corromper outros seminaristas e, após ordenados, escandalizarem os fiéis desde o púlpito. Este Beto, em um seminário medieval, seria colocado em penitência com cilício durante um bom tempo, isso se não fosse devolvido à aldeia imunda de que tivesse saído.

    Ele não é exceção. Como ele, há muitos; ele, apenas, é o mais evidente agora, assim como já foi mais “popular” o “padre” Pinto…

    http://www.terra.com.br/istoegente/340/entrevista/

    https://www.youtube.com/watch?v=iQ0LFMt-HK4

    • Muito bem lembrado, Ebrael! Aliás, não só a KGB mas também a maçonaria e o judaísmo integraram o complô contra a Igreja. Você já leu “The Plot Against the Church“? Foi escrito por bispos e padres conciliares que utilizaram o pseudônimo Maurice Pinay para denunciar anonimamente o que se passou no Concílio. Extraordinário!

      • Sabe por que poucas pessoas dão tão pouco crédito a Malachi Martin, mesmo sabendo que ele era próximo da Santa Sé? Porque o que ele conta em Wind-swept House é tão monstruoso e chocante que preferem nem cogitar sobre o que ele aponta – simplesmente -, para não enlouquecerem!

        O Diabo é real e atua o tempo todo, e seu ódio pela Igreja é reflexo de seu ódio por Cristo, junto com o de seu séquito condenado. Tudo que se relaciona à Rússia comunista e seus erros já fora dito em Fátima, há algumas décadas. A demolição vem de fora e a partir de dentro.

        Assim é que o destino da Esposa de Cristo se aproxima do de seu Amado e Divino Esposo: A CRUZ, a repetição do Sacrifício maior pela salvação da humanidade, prova maior de fidelidade e Amor de sua Esposa para com Ele.

  2. Concordo com muitas das colocações acima. Ele não é padre a muito tempo ( segundo as condições necessárias para se ser considerado um padre – não contestar os dogmas da igreja) assim como muitos outros – pedófilos e gays ( por exemplo), que a igreja acoberta porque não dão a cara a tapa. Agora; dizer que ele lida mal com as palavras e no final chamar a agenda dele de totalitária foi PHODA; desqualificou o que estava postado acima.

    • Giovane,

      Primeiro que a Igreja não tem como “acobertar” casos de pedofilia. Como é que pode a polícia descobrir um crime e a Igreja “acobertar”? Tem evidências de que a Igreja “acoberta” crimes de pedofilia descobertos pela polícia e punidos judicialmente? Fico no aguardo.

      Segundo: a agenda dele é totalitária pois ele QUER RETIRAR O DIREITO da Igreja ter suas regras, e por isso faz o dramalhão. É logicamente uma agenda totalitária. Se quiser contestar, tente com argumentos, e não com desabafos como “foi PHODA, desqualificou”.

      Este blog é especializado em ARGUMENTAÇÃO, e investiga silogismos.

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta