Qual a doença mental do ex-padre Beto?

21
77

426538-802x495

Fonte: Virgula UOL

Depois de atuar por 14 anos na Igreja Católica, o padre Roberto Francisco Daniel, o padre Beto, renunciou ao sacerdócio e acabou por ter sua excomunhão comunicada nesta segunda-feira (29) no site da Diocese de Bauru.

Tudo aconteceu após declarações regristradas num vídeo publicado no Youtube, no qual o padre questiona dogmas da Igreja Católica e fala com aceitação sobre assuntos como bissexualidade e homossexualidade. Com a repercussão, o bispo da Diocese de Bauru exigiu que padre Beto se retratasse, mas ele preferiu pedir seu desligamento da Igreja e celebrou sua última missa no último domingo (28).

Procurado pelo Virgula Lifestyle, o padre disse que preferiu sair da Igreja a agir com hipocrisia. “Não falo isso com orgulho, mas sinceramente não estou triste nem frustrado com o final do meu relacionamento com a Igreja Católica. Estou simplesmente esperando essa nova etapa da minha vida e com muita vontade de fazer coisas boas, como fiz até agora. Saio com a cabeça erguida, que é melhor do que ser hipócrita. Não me arrependo de nada que eu fiz em meu sacerdócio, foram momentos muito bons em minha vida. Espero mais desses momentos agora como ‘Beto’ ou até como ‘padre Beto’, mesmo que excomungado”, disse.

Com pensamentos progressistas, padre Beto defende uma revisão na moral sexual da Igreja Católica. Segundo ele, há que se considerar questões como métodos contraceptivos, masturbação e diversidade sexual.

“A moral sexual da igreja como um todo precisa ser revisada, pois está muito defasada. A igreja precisa discutir sobre esses assuntos, pois da maneira que está gera hipocrisia. Um exemplo básico é que a maioria dos casais usam anticoncepcionais, camisinha, fazem vasectomia, mas frequentam a igreja e fingem usar o método Billings (tabelinha), que é pregado pelos padres. Os jovens também já começam a sexualidade com culpa, através da masturbação, ato que a Igreja Católica considera individualista e pecaminoso”, disse.

“A Igreja precisa enxergar a diversidade sexual. Existem heterossexuais, bissexuais, homossexuais e não se pode fechar os olhos para essa realidade. Dois seres humanos que se amam e querem construir uma vida juntos têm o direito de ter a benção de Deus. Para Ele, não existe preconceito”, declarou.

Padre Beto ainda declarou que na Idade Média suas reflexões evoluídas fariam com que a Igreja o punisse em uma fogueira: “Por minhas reflexões estou sendo excomungado. Ainda bem que a pena máxima hoje em dia é a excomunhão, pois em outros tempos eu já estaria na fogueira”, concluiu.

Meus comentários

O engraçado é que o maluco ainda usa um truque neo-ateísta, dizendo que “em outros tempos ele estaria na fogueira”. Entretanto, hoje em dia os praticantes de genocídio são os esquerdistas que ele apoia. Só isso já seria o suficiente para calar a boca dele.

Mas o que me importa aqui é tentar descobrir a doença mental que acomete esse tal Roberto.

Eu sou um especialista em dinâmica social (leia-se por um “combo” que inclui psicologia social, psicologia evolutiva, PNL e outras vertentes da psicologia focadas em interações humanas de forma pragmática), mas por outro lado reconheço que meu conhecimento é limitado quanto ao estudo de síndromes da psique.

Por isso, peço ajuda aos leitores que porventura queiram me ajudar, seja aqui na caixa de comentários deste blog, seja no Facebook, a respeito de qual doença mental vitima Roberto.

Vamos a alguns exemplos:

  1. Um sujeito é obcecado por fazer sexo anal, mas arruma uma namorada que não admite liberar o brioco por motivo algum. Ao invés de se conformar ou trocar de namorada, ele se diz injustiçado por que sua namorada não quer abrir a porta traseira para ele.
  2. Outro sujeito consegue um emprego como gerente sênior em uma organização, mas as regras de lá dizem que ele deve usar terno enquanto estiver no recinto da empresa ou em clientes. Ele decide ir trabalhar todos os dias de bermuda e chinelo, e, ao ser demitido, processa a empresa.
  3. Mais uma envolvendo relacionamentos amorosos. Um sujeito tem uma namorada que odeia baratas, e que só admite um namorado que a proteja desses insetos. Então, ele consegue um vidro cheio de baratas e joga-as em cima dela. Ela decide terminar o namoro. Ele diz que isso é uma injustiça e que está sendo vítima de preconceito.
  4. Um sujeito entra na torcida organizada do Corinthians, e todos estão cantando a música “Aqui tem um bando de louco, louco por ti Corinthians”. Ele começa a cantar “Quando surge o Alviverde Imponente…”. Ele é expulso e chama um jornalista para reclamar da “intolerância da torcida corintiana”.
  5. Outro entra na comunidade Richard Dawkins Brasil e exige postar vídeos de apologética, especialmente aqueles elogiando William Lane Craig. Ao ser “kickado”, protesta dizendo que foi vítima de intolerância.
  6. Um direitista entra no PCdoB, e pede para que o partido faça uma campanha contra o MST e a favor da redução de impostos a um quinto do que é hoje. É desfiliado. Liga para um jornalista e diz que o PCdoB precisa mudar…

Eu até fiz questão de usar exemplos em que grupos de que não gosto (como marxistas e dawkinistas) seriam cenários de um evento exatamente igual ao que está ocorrendo em torno deste lelé que atende por Roberto.

Diante de qualquer um dos seis exemplos citados, qualquer pessoa em sã consciência diria que estamos diante de alguém que merece ser internado em um sanatório.

Entretanto, ao contrário das outras seis figuras hipotéticas dos exemplos, Roberto, o louco, está recebendo atenção da mídia de esquerda. Sinal de que quando é para pregar sua agenda, não ligam se apoiam alguém que perdeu todo e qualquer traço de sanidade.

Eu não sei qual a doença mental do Roberto. Mas sei que é algo gravíssimo, que seria unicamente digno de pena, não fosse o fato de o sujeito servir a uma agenda política.

Anúncios

21 COMMENTS

  1. O cara não perdeu a sanidade. Ele é um fariseu filha da puta. Agora que nego se encheu da patifaria dele, e o pé no rabo seria certo, ele diz que decide sair pra não ser hipócrita. O cara passa sei lá quanto tempo se dizendo padre, e pregando esquerdismo dentro da igreja, e diz que tá saindo pra não ser hipócrita. Hipócrita é o nome do meio dele. E ele não se arrependeu? E daí? Stalin também não. Mao também não. Eu pagava pra ver esse bosta fazer isso numa mesquita. Na primeira que ele fizesse, ele ia se arrepender, se desse tempo pra tanto.
    O que me irrita é a igreja ainda perdido um monte de tempo advertindo esse cretino ao invés de chutar logo ele, agora vai imperar o coitadismo. Pior é o bando de cristão imbecil que vai na onda dele. Você pertence à religião católica. O catolicismo não pertence à você. Se não tá satisfeito com a igreja, que procure outra religião ou melhor ainda, crie uma.

  2. Quando eu li a reportagem que falava da excomunhão eu quase chorei de rir, é como se alguém aderisse ao estoicismo, mas quissesse que os estoicos vivessem como epicuristas hahahaha! esse cara é um sociopata… um esquizofrenico sei lá… só sei que é muito perturbado.

  3. Luciano fugindo um pouco do assunto do doente mental, porque os esquerdistas falam que a mídia é de direita como se só houvesse gente falando contra eles?
    Agora o Beto é caso de internação, não dava uma bimba por causa do celibato aí começou a ficar louco.

    • Eles falam isso para esconder a doutrinação esquerdista da mídia. Entretanto, qualquer investigação de mídia mostra que o viés é de esquerda, não de direita. Exemplo: a cobertura anti-Feliciano, o acobertamento de pedofilia de outros profissionais para simular que somente padres a cometem, etc.

      • Já vi gente chamando o outro de retardado por dizer que o Obama é de esquerda, pessoas que não têm a mínima noção do que estão falando.

  4. Não sou psiquiatra, sou médico intensivista, mas pelo que me lembro das aulas de psiquiatria essa criatura padece de delírios de grandeza- “seria queimado!”, sei mona!, também associado a narcisismo e algum grau de compulsão típica das neuroses histéricas.Não se enquadra muito na categoria dos psicopatas esquerdistas- é um palhaço que serve mais de bandeira para os verdadeiros psicopatas anti-religião e pró-gayzismo do que risco mesmo per se.

  5. “Entretanto, hoje em dia os praticantes de genocídio são os esquerdistas”

    Não entendi essa sua frase!

    Quer dizer que para você a Igreja praticava genocídio no passado?

  6. “O engraçado é que o maluco ainda usa um truque neo-ateísta, dizendo que “em outros tempos ele estaria na fogueira”.”

    Aqui cabe um aparte, LH: a Inquisição existia *exatamente* para esses casos (pessoas que se dizem católicas mas que pregam doutrinas heréticas), e dizer que “em outros tempos ele estaria na fogueira” não é um truque e nem mesmo um exagero, é um fato. Se ele fizesse isso na época da Inquisição certamente iria para a fogueira.

    E pra se livrar da fogueira a regra seria exatamente a de hoje: ou decide continuar católico e renega o que afirmou, ou decide abandonar a Igreja e pode continuar pensando o que quiser.

    • Na verdade depende da Inquisição que se está falando

      Se estiver se referindo ao Tribunal do Santo Ofício este não tinha o poder de condenar ninguém à fogueira, o que acontecia era que pessoas acusadas de estarem no Tribunal do Santo Ofício estavam protegidas de uma acusação secular, se o Tribunal do Santo Ofício condenasse alguém por heresia e a excomungasse está pessoa perdia qualquer proteção da Igreja e assim o poder secular a julgava e condenava

      Se fosse a chama “Inquisição Espanhola” a coisa já era um pouco diferente, mas ali, é importante lembrar, existia muito por causa de um briga entre a Coroa Espanhola e a Igreja, uma tentando diminuir a influencia da outra no meio

      Se estiver se referindo a Inquisição Protestante, bom, essa é completamente diferente da Católica e ligada diretamente ao poder secular

  7. Ele não iria para o fogueira. Pois 1 – Só eram julgados hereges que fossem cristãos 2 – ele não é cristão, apenas está infiltrado lá pra ganhar notoriedade e corroer a igreja 3 – não existia esse tipo de técnica gramscita/marxista naquele tempo.

    • Seu erro está no item 1, onde você diz que “só eram julgados hereges que fossem cristãos”. O mais exato seria “só eram julgados hereges que se dissessem cristãos”. Portanto, ele seria condenado sim.

  8. Enquanto isso, no reino podríssimo da mídia tupiniquim, o referido “padre” é cantado em verso e prosa. As matérias, de uma cretinice ímpar, estão fazendo dele uma espécie de “Angélica acorrentada” da “malvada” e “medieval” Igreja.

Deixe uma resposta