Rotina esquerdista: No Brasil, a punição ao criminoso só aumenta, e a criminalidade aumenta proporcionalmente

5
37

8357762862_277b94969e_b

Última atualização: 08 de maio de 2013 – [Índice de Rotinas][Página Principal]

Outro truque visto no blog do Luiz Flávio Gomes (ei, ele pode cara de pau, mas ao menos é um esquerdista criativo):

O legislador brasileiro, diante do problema da criminalidade, desde 1940, não faz outra coisa que aumentar o rigor dos castigos penais. O que conseguiu com isso? Em 1980, tínhamos 11,7 mortos para cada 100 mil pessoas. Em 2010, fechamos com 27,4 para a mesma quantidade de habitantes. Passamos a ser o 18º país mais violento do mudo. Ou seja: a política populista punitiva não é solução. Trata-se de verdadeiro charlatanismo discursar em sentido contrário.

Essa rotina não passa de uma mentira deslavada.

Na verdade, a legislação brasileira está ficando cada vez leniente em relação ao crime, chegando até a premiá-lo.

Temos como exemplo o auxílio reclusão, ou a lei de absoluta impunidade ao menor, criada no início dos anos 90. Temos penas cada vez mais brandas para crimes ultra-violentos, como sequestro, estupro, assassinato e assalto à mão armada.

Para piorar tudo, tivemos recentemente leis de desarmamento, que visam beneficiar o criminoso violento. (Até por que, por exemplo, o sujeito hoje pode olhar para um ônibus e assaltá-lo tranquilamente, pois ninguém terá armas para se defender lá dentro)

Enfim, o Luiz Flávio Gomes sabe o tamanho de sua mentira, pois nem sequer teve a pachorra de citar um estudo demonstrando que o Brasil aumenta o rigor dos castigos penais. É o contrário: cada dia mais estamos criando um paraíso para criminosos.

É lógico que isso incentiva o aumento da violência.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Luciano, pensei em mais uma rotina que poderia ser mapeada: aquela de “se não fosse o (insira aqui sua vertente marxista-humanista-neoateísta), você não poderia estar fazendo isso que faz e outras coisas”. Observe-se que é daquele tipo de rotina que quer meio que forçar alguém a prestar reverência a algo com o qual não concorda e ao qual supostamente deveria algo.

  2. Poderíamos criar um sistema penal alternativo, onde o criminoso paga sua dívida com a sociedade através do trabalho. Tem sempre aquelas minas de ferro em Roraima pra ocupar o tempo do criminoso. Certamente é difícil pensar em cometer crimes quando se está quebrando pedras de sol a sol.

    Mas a turma dos direitos dos manos ia entrar em polvorosa, afinal castigar os pobres presos com trabalho honesto é muito desumano.

  3. Não sei dizer se as leis no Brasil se abrandaram ou não com o passar do tempo, não vi um estudo sobre isto ainda.

    A única coisa que posso dizer é que a sensação de impunidade vivida por mim e pelas pessoas que me cercam é bem grande. Ver criminosos violentos, políticos corruptos, profissionais negligentes e empresas que lesam o consumidor sem maiores punições é algo terrível. Provavelmente com punições mais efetivas e mais severas este índice cairia (mas novamente caímos em um caso de `axismo` da minha parte). O que não dá é para continuar do modo que está!

Deixe uma resposta