Rotina esquerdista: O problema da cadeia é que ela não reeduca

38
220

livros_libertam

Última atualização: 10 de maio de 2013 – [Índice de Rotinas][Página Principal]

Aqui nesta rotina, o esquerdista apela ao deslocamento do eixo da realidade. Ele passa a focar um objeto que é absolutamente irrelevante, em uma extensão da falácia “Aumento penal não resolve o problema”.

Neste caso, ele assume que a função da cadeia não é trancafiar criminosos para salvar a vida de civis. Ao contrário, a função da cadeia, em sua ótica, é “reeducar criminosos” para que ele possa ter um vida próspera, prazenteira e produtiva a partir daí.

Esse deslocamento do eixo da realidade demonstra uma petulância que beira a debilidade mental.

Vamos ver o exemplo de duas garotas, que recentemente terminaram com seus ex-namorados, e curtem uma vida de solteirice temporária.

  • A: Eu terminei com o Felipe, e estou muito feliz por ele, por que ele aprendeu a disciplinar sua própria vida. Ele era muito indisciplinado quando estava comigo, e tinha a mania de beber demais.
  • B: Eu terminei com o Angelo, e ele está acabado e deprimido. Nunca conseguiu ser uma pessoa disciplinada, e nunca me tratou bem.
  • A: Então você não devia ter terminado com ele.
  • B: Por que não?
  • A: A função do término de um namoro tem a função de aprimoramento da vida dele.
  • B: De onde você tirou essa idéia maluca? Eu me livrei de um estorvo…

Notem que a garota A está com o eixo da realidade deslocado. Ela entende que a função primária do término de um namoro é arrumar a vida daquele que está sendo chutado. Não. O objetivo é terminar com uma relação desgastante para a pessoa que decidiu terminar.

Observe também que se o efeito adicional (no caso do exemplo das garotas que chutaram seus ex-namorados) é benéfico para a outra parte, excelente. Mas essa não é a função principal do ato. Na verdade, esse efeito é irrelevante para o ato.

Se o marginal que estiver trancafiado resolver aprimorar sua cultura e espiritualidade, de forma a se tornar um cidadão exemplar para o dia em que conseguir sair de cana, ótimo. Parabéns para ele. Mas esse não é o motivo dele estar lá. Ele está lá para que a sociedade fique livre da possibilidade dele cometer seus crimes por um bom tempo.

Não se deve confundir esta rotina com a do “Aumento penal não resolve o problema”, mas sim como se fosse uma expansão dela. Naquela rotina, havia uma distorção em relação ao “problema”. Aqui, a distorção é em relação ao motivo de uma ação para resolução de um problema.

Pela excessiva petulância e estupidez, revide esta rotina com muito escracho e ridicularização.

Anúncios

38 COMMENTS

  1. Olá Luciano, queria fazer uma pergunta no âmbito mais geral. Você está sempre colocando as questões aqui com uma separação distinta de esquerda e direita. Penso que no Brasil isso já soa meio estranho, uma vez que o governo praticamente tem tido um domínio quase que totalitário (imagino isso pois as propagandas do PT na TV é a cara desses regimes). Me parece que nossa realidade seria de um governo de poder expressivo com uma pequena oposição quase insignificante. Então pergunto, você acha que esquerda e direita ainda existem bem definidas no Brasil, ou uma virou a outra, ou esquerda deixou de existir? (desculpa se te parecer uma pergunta besta)

    • ahoiahaiohaiohaoahoa….

      Que falácia dos infernos é essa?

      Manter o sujeito preso por toda a vida custaria muito caro. Melhor no caso dele representar muito perigo para a sociedade.

      Vc não deu um argumento mostrando que a função PRIMÁRIA da prisão é reeducar um criminoso. Não. É livrar a sociedade dele. A reeducação é um efeito SECUNDÁRIO.

      Atenção: a mente do esquerdista sacraliza o criminoso, então acha que é preciso dedicar devoção a ele. Por isso, para o esquerdista, A FUNÇÃO PRIMÁRIA da cadeia é reeducá-lo. Mas a mente normal não sacraliza o criminoso. Ela pensa empaticamente nas vítimas.

      Esquerdistas JAMAIS CONSEGUIRÃO ENTENDER isso.

      Abs,

      LH

      • Segundo a lei de Execução Penal (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210compilado.htm):

        Art. 10. A assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade.

        Parágrafo único. A assistência estende-se ao egresso.

        Art. 11. A assistência será:

        I – material;

        II – à saúde;

        III -jurídica;

        IV – educacional;

        V – social;

        VI – religiosa.

        Logo, readequar o preso a sociedade é sim uma função da cadeia (note que nem aqui nem o comentário original eu disse que era a ÚNICA função). E faz muito sentido, pois do que adianta simplesmente cercear a liberdade de uma pessoa por um tempo determinado? Por acaso todas os libertos, sem exceção, vão se arrepender do que fizeram e quando sairem serão cidadãos modelos?

        Agora, você pode argumentar que as cadeias brasileiras não fazem isso direito e existem N razões para isso (superlotação, descaso das autoridades, para citar duas), mas se a cadeia fosse apenas uma forma de cercear liberdade, então todas as penas teriam sim que ser perpétuas. Ou, para não ficar muito caro para o estado (e porque é impossível existerem infinitas cadeias), a pena de morte teria que ser legalizada.

      • HIOAHIAHIOAHIAOHAIOHA

        Eu não acredito que você ainda caiu no amadorismo filosófico de argumentar com a legislação. Algo como: “Algo está na legislação, é como deveria ser”.

        O argumento considera a FUNÇÃO DA PRISÃO na visão DAS PESSOAS NORMAIS, e não na concepção ESQUERDISTA. Se uma lei diz que “assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade”, isso é um problema cultural de esquerdistas que influenciaram essas leis.

        Mas ainda continua sendo uma FUNÇÃO BIZARRA, que não tem nada a ver com a FUNÇÃO DA PRISÃO na visão das pessoas normais.

        Aqui está seu erro cognitivo, que você NÃO TEM CONDIÇÃO DE PERCEBER: “pois do que adianta simplesmente cercear a liberdade de uma pessoa por um tempo determinado? Por acaso todas os libertos, sem exceção, vão se arrepender do que fizeram e quando sairem serão cidadãos modelos?”

        Não importa se eles se arrependem ou não. Podem simplesmente ter MEDO DE FAZER DE NOVO, por causa do tempo que passaram na prisão. O que importa é que por um bom tempo a sociedade ficou livre deles.

        Não faz sentido colocar a reeducação como FUNÇÃO PRIMÁRIA da prisão.

        “mas se a cadeia fosse apenas uma forma de cercear liberdade, então todas as penas teriam sim que ser perpétuas”

        Sua premissa não deriva na conclusão. Isso é uma falácia evidente.

        Ou, para não ficar muito caro para o estado (e porque é impossível existerem infinitas cadeias), a pena de morte teria que ser legalizada.

        Falso. O sujeito poderia continuar do jeito que está, desde que saísse e tivesse sentido na pele uma longa privação de liberdade por um crime.

        A reeducação é apenas um efeito secundário de uma prisão, cuja função, de fato, para pessoas normais e não-doutrinadas em esquerdismo (e que jamais usam raciocínios lógicos), é a possibilidade da sociedade ficar livre por um tempo de um criminoso perigoso.

  2. Luciano diz:
    HIOAHIAHIOAHIAOHAIOHA

    Eu acho bacana que você começa todos os comentários com uma risadinha.

    Luciano diz:
    Eu não acredito que você ainda caiu no amadorismo filosófico de argumentar com a legislação. Algo como: “Algo está na legislação, é como deveria ser”.

    Essa é a sua interpretação do que eu disse, mas não é a única. Se existe uma lei para algo, ela deve ser cumprida sim. Se ela está errada, ela tem que ser contestada e eventualmente revogada. Mas enquanto ela estiver em vigor, deve sim ser cumprida.

    Luciano diz:
    O argumento considera a FUNÇÃO DA PRISÃO na visão DAS PESSOAS NORMAIS, e não na concepção ESQUERDISTA.

    Putz, se a gente for discutir o que é normal ou não, a gente nunca acaba essa discussão. Por agora, vou assumir que você chama de pessoas normais os não-esquerdistas. O que é uma caracterização bem grosseira, por sinal.

    Luciano diz:
    Se uma lei diz que “assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade”, isso é um problema cultural de esquerdistas que influenciaram essas leis.

    Tá, eu posso reinterpretar o que você disse como “se uma lei diz algo que eu discordo, ela está errada porque um grupo que pensa diferente de mim é que influenciou a sua escrita”. Se minha reinterpretação estiver errada, corrija-me para que eu possa discutir isso melhor.

    Luciano diz:
    Mas ainda continua sendo uma FUNÇÃO BIZARRA, que não tem nada a ver com a FUNÇÃO DA PRISÃO na visão das pessoas normais.

    Explique por que é bizarra. Eu a acho bastante racional, pois sem readequar o criminoso, você está confiando que apenas a privação da libedade vai fazê-lo ter medo de voltar a cometer crimes. Para alguns, isso é suficiente. Para outros, não. Ao juntar a privação com a readequação, você aumenta as chances do indivíduo não mais cometer crimes.

    Luciano diz:
    Não faz sentido colocar a reeducação como FUNÇÃO PRIMÁRIA da prisão.

    Esse é o terceiro comentário que faço e em nenhum deles eu disse que reeducação é a função primária da cadeia. Você está me dando a impressão que lê e entende apenas o que quer. Corrija-me se eu estiver errado.

    • Eu acho bacana que você começa todos os comentários com uma risadinha.

      HAIHOAHOAHIOAHOAHOAHA

      Não são todos os comentários. Mas sim os comentários em relação às tuas rotinas. 🙂

      Essa é a sua interpretação do que eu disse, mas não é a única. Se existe uma lei para algo, ela deve ser cumprida sim. Se ela está errada, ela tem que ser contestada e eventualmente revogada. Mas enquanto ela estiver em vigor, deve sim ser cumprida.

      Falácia do espantalho. Eu não apresentei um argumento dizendo que NÃO DEVEMOS CUMPRIR A LEI. Mas sim dizendo que a lei é estúpida e irracional. Uma legislação que prioriza um criminoso ao invés das vítimas é claramente irracional.

      Claro que a legislação deve ser cumprida, mas também ridicularizada.

      Putz, se a gente for discutir o que é normal ou não, a gente nunca acaba essa discussão. Por agora, vou assumir que você chama de pessoas normais os não-esquerdistas. O que é uma caracterização bem grosseira, por sinal.

      É fácil discutir o que é normal, em termos de sanidade, ou não. Imagine um sujeito que vê um urso selvagem fora da cabana, e abre a porta para o urso trucidar sua família. Imagine outro que vê o mesmo urso selvagem, e protege sua família. Dá para ver claramente a diferença de um e outro quanto a sanidade.

      Pois bem, o esquerdista está do lado dos predadores. Não são pessoas normais, em termos de sanidade, é claro.

      Tá, eu posso reinterpretar o que você disse como “se uma lei diz algo que eu discordo, ela está errada porque um grupo que pensa diferente de mim é que influenciou a sua escrita”. Se minha reinterpretação estiver errada, corrija-me para que eu possa discutir isso melhor.

      TODAS SUAS REINTERPRETAÇÕES SÃO ERRADAS. Como demonstrei, todos os argumentos da esquerda para proteção ao criminoso são irracionais. Uma lei influenciada por esses argumentos, obviamente, é irracional. Não importa se são os esquerdistas se influenciaram a lei, mas sim os argumentos. Que são estúpidos e irracionais. Pronto, tua reinterpretação está errada. Mas não se incomode. Você é esquerdista. É previsível.

      Explique por que é bizarra. Eu a acho bastante racional, pois sem readequar o criminoso, você está confiando que apenas a privação da libedade vai fazê-lo ter medo de voltar a cometer crimes. Para alguns, isso é suficiente. Para outros, não. Ao juntar a privação com a readequação, você aumenta as chances do indivíduo não mais cometer crimes.

      Você acha racional por causa do deslocamento do eixo de realidade para o qual trouxe um exemplo na rotina mapeada. Não tem como você interpretar mais a realidade, pois seu foco é no criminoso, não na vítima. Além do mais, é irrelevante o que vai acontecer na mente do criminoso para o meu argumento.

      Esse é o terceiro comentário que faço e em nenhum deles eu disse que reeducação é a função primária da cadeia. Você está me dando a impressão que lê e entende apenas o que quer. Corrija-me se eu estiver errado.

      É o terceiro comentário, e provavelmente o último, pois você está repetitivo, e não surge com truques novos para garantir minha diversão.

      Meu argumento toma como premissa que a reeducação NÃO É a função primária da cadeia, a qual é, de acordo com as pessoas mentalmente sadias, a possibilidade da sociedade ficar livre do criminoso por um bom tempo. A efetividade de algo é julgada por SUA FUNÇÃO PRIMÁRIA, e não por efeitos secundários, opcionais.

      De novo um exemplo.

      Um assaltante “dimenó” começa a cometer assassinatos em uma região. Ele é preso. A população pensa: “Quanto tempo ele vai ficar fora das ruas? Será que devo pedir demissão dessa empresa e ir trabalhar em um lugar mais seguro, onde ele não ataque?”

      Avaliando pela ótica de um ser humano mentalmente sadio, qual é a principal forma de julgar a efetividade da prisão? Proteger a vida das pessoas que poderiam ser vítima deste bandido.

      E pela ótica distorcida do esquerdista? Será que a prisão vai reeducar o bandido? Se não, não vale a pena prendê-lo.

      Ninguém pode ser tão burro que não entenda isso.

      • Luciano,

        Você se concentra tanto em tentar “mapear minhas rotinas esquerdistas”, em me desqualificar pessoalmente como alguém não-normal e até burro, que dá até preguiça de tentar ter uma discussão construtiva com você. Me lembra muito o personagem principal do filme “Obrigado por fumar”.

        Então, para que você deixe de focar nas rotinas, eu vou tentar apresentar meus argumentos da forma mais objetiva possível:

        – Eu concordo com você que reeducar não é a função primária da cadeia, e sim retirar o criminoso da sociedade porque ele representa um perigo para ela.

        – No entanto, não acho que apenas retirar um criminoso de circulação vai ser suficiente. E aqui eu estou assumindo que a impunidade no Brasil é irrelevante, o que todo mundo sabe que não é o caso. Se não assumirmos isso, então aí sim que vários argumentos ligados a não diminuir a maioridade penal fariam sentido (para que diminuir se não vai preso mesmo, né?). Vamos descartar essa discussão por enquanto.

        – A razão para eu não achar que tirar de circulação é suficiente é que ao sair da cadeia, espera-se que o ex-detento esteja apto a conviver em sociedade novamente. Se ele se arrependeu, a reeducação não é necessaria. Mas se não se arrependeu – e o índice de 70% de reincidência me diz que a maioria não se arrepende (http://www.valor.com.br/legislacao/998962/indice-de-reincidencia-criminal-no-pais-e-de-70-diz-peluso) – um trabalho de reeducação poderia (eu disse PODERIA) ajudar a diminuir a reincidência.

        Pronto, esse é o meu argumento. Confesso que estou curioso para saber se você vai começar um diálogo construtivo ou vai mapear 1001 rotinas nesses 3 parágrafos que escrevi 🙂

        Luciano

      • Igor,

        Meus questionamentos e refutações SÃO PRODUTIVOS. Um exemplo disso é que depois de tentar tantas rotinas, vc deu uma amenizada nos truques. Isso é previsto pela minha tese do duelo cético.

        – Eu concordo com você que reeducar não é a função primária da cadeia, e sim retirar o criminoso da sociedade porque ele representa um perigo para ela.

        Ok.

        – A razão para eu não achar que tirar de circulação é suficiente é que ao sair da cadeia, espera-se que o ex-detento esteja apto a conviver em sociedade novamente. Se ele se arrependeu, a reeducação não é necessaria. Mas se não se arrependeu – e o índice de 70% de reincidência me diz que a maioria não se arrepende (http://www.valor.com.br/legislacao/998962/indice-de-reincidencia-criminal-no-pais-e-de-70-diz-peluso) – um trabalho de reeducação poderia (eu disse PODERIA) ajudar a diminuir a reincidência.

        Só que meu argumento é válido quando consideramos que a FUNÇÃO PRINCIPAL da prisão é a retirada de circulação e a “reeducação” é apenas um bonus.

        Eu acho que o trabalho de reeducação poderia ajudar a diminuir a reincidência.

        Mas aí proponho uma idéia melhor: o sujeito deveria fazer trabalhos forçados, e como um PRÊMIO, ter educação, aulas, etc., desde que tudo seja pago por este trabalho. Também poderia, por causa dos trabalhos forçados, comer bife, ao invés de só arroz e feijão.

        Enfim, estabelecer uma MERITOCRACIA dentro das prisões.

        Enfim a prisão deve ser julgada por não deixar presos fugirem enquanto estiverem lá. E, nesta proposta minha, ser julgada pela educação como um serviço ganho por mérito, pois o trabalho forçado dará recursos para bancar esta “educação”.

        Abs,

        LH

      • Luciano,

        Meus questionamentos e refutações SÃO PRODUTIVOS.

        Em parte. Você foi muito agressivo nas suas respostas. Simplesmente assumiu que eu era um “esquerdista” (de verdade, ainda preciso achar uma definição desse termo para realmente saber se eu me enquadro na descrição), respondia todos os meus comentários com uma risadinha, transparecendo desdenho, e sempre respondia como se estivesse me usando como exemplo para uma platéia invisível.

        Você poderia ter feito todas as refutações e questionamentos de uma forma mais cordial, mais direcionado ao debate com o objetivo de todos ganharem conhecimento em vez de simplesmente tentar ganhar o debate.

        E eu só continuei com a discussão porque eu realmente acho que esse assunto é importante o suficiente para que eu ignore a sua agressividade. A maioria das pessoas iriam simplesmente te xingar ou ignorar e parar com os comentários. Aí, ambos os lados se declarariam vencedores do debate segundo algum critério e ninguém teria aumentado seu conhecimento.

        Que bom que você mudou o tom no seu último comentário.

        Um exemplo disso é que depois de tentar tantas rotinas, vc deu uma amenizada nos truques. Isso é previsto pela minha tese do duelo cético.

        Com exceção do comentário sobre “lei tem que ser cumprida” (eu conhecia a falácia pelo nome de Straw Man), eu não tentei (ao menos deliberadamente) usar rotinas e truques para ganhar um debate. Por exemplo, quando comecei meu questionamento falando sobre prisão perpétua, eu fiz uma simples extrapolação: criminosos são ruins para a sociedade -> vamos encarcerá-los por um tempo determinado -> ao sair eles continuam cometendo crimes -> vamos encarcerá-los por um tempo determinado -> ad infinitum.

        Enquanto cético, você tinha mais é que questionar o que eu falei. Mas, como falei anteriormente, você não precisava ser agressivo.

        – Eu concordo com você que reeducar não é a função primária da cadeia, e sim retirar o criminoso da sociedade porque ele representa um perigo para ela.

        Ok.

        Ok. Vamos assumir isso em todos os comentários daqui em diante. E talvez pelo bem da discussão, assuma que eu não estou querendo ganhar o debate a qualquer custo i.e eu não vou (deliberadamente) utilizar truques/rotinas para tentar sair na frente. Novamente, como cético, questione tudo que eu escrever e aponte qualquer truque/rotina que eu tenha usado. Apenas não seja agressivo sem necessidade.

        Só que meu argumento é válido quando consideramos que a FUNÇÃO PRINCIPAL da prisão é a retirada de circulação e a “reeducação” é apenas um bonus. Eu acho que o trabalho de reeducação poderia ajudar a diminuir a reincidência.

        Ok, pelo o que você está dizendo, ambos concordamos que reeducação ajuda de alguma forma. O ponto de discordância é que você a considera apenas um bônus e eu a considero uma necessidade. Agora desenvolvo melhor o argumento:

        Como mencionei no comentário anterior, o índice de reincidência de criminosos no Brasil é de 70%. Embora originalmente eu tenha assumido que a impunidade é irrelevante, todos sabem que isso não é verdade e é bem óbvio para mim que esse índice é tão alto em grande parte pela impunidade.

        Mas, um outro grande fator, na minha opinião, é que os que se arrependem (ou tenham medo de voltar para a cadeia) voltam para um mudo que terá um preconceito enorme em lhe dar oportunidade de trabalho. São poucos os que querem empregar uma pessoa que tenha uma passagem pela cadeia no currículo. Claro, irão alegar qualquer outra coisa (falta de qualificação, por exemplo) para evitar ser processado por descriminação, mas é um fato do mundo real.

        Esse preconceito só diminuiria se a sociedade percebasse a cadeia como um local de reforma, de readequação, e não de simples detenção por tempo determinado.

        Agora, imagine uma prisão modelo X, onde todos os condenados a permanecerem lá passem por um processo de readequação que funciona com 99% dos detentos (não existe sistema perfeito). Ao terminar sua pena, o ex-detento dessa cadeia terá mais chances de encontrar um emprego e ter uma vida longe dos crimes, você não acha?

        Como um ponto de apoio, veja esse artigo sobre o problema de contratar ex-criminosos nos EUA, onde o índice de reincidência é de 44%: http://www.ehow.com/info_8261375_advantages-hiring-excons.html

        Mas aí proponho uma idéia melhor: o sujeito deveria fazer trabalhos forçados, e como um PRÊMIO, ter educação, aulas, etc., desde que tudo seja pago por este trabalho. Também poderia, por causa dos trabalhos forçados, comer bife, ao invés de só arroz e feijão.

        Enfim, estabelecer uma MERITOCRACIA dentro das prisões.

        Enfim a prisão deve ser julgada por não deixar presos fugirem enquanto estiverem lá. E, nesta proposta minha, ser julgada pela educação como um serviço ganho por mérito, pois o trabalho forçado dará recursos para bancar esta “educação”.

        Se o trabalho é forçado, qual o mérito nisso? (pergunta genuína, sem truques).

      • Igor
        Em parte. Você foi muito agressivo nas suas respostas.
        Então não fui agressivo o suficiente. A agressividade está na proposta esquerdista de apologia ao crime.
        e sempre respondia como se estivesse me usando como exemplo para uma platéia invisível.
        Os leitores deste blog são uma platéia, e eu os respeito, por isso desmascaro truques.
        Você poderia ter feito todas as refutações e questionamentos de uma forma mais cordial, mais direcionado ao debate com o objetivo de todos ganharem conhecimento em vez de simplesmente tentar ganhar o debate.
        Engraçado que na hora dos criminosos que vocês defendem matarem pessoas inocentes, não há cordialidade alguma, né? Está querendo ganhar com chantagem emocional.
        A maioria das pessoas iriam simplesmente te xingar ou ignorar e parar com os comentários.
        Aqui se esquerdista xingar, é bloqueado. 🙂
        Que bom que você mudou o tom no seu último comentário.
        Uso o tom que entendo como necessário.
        Com exceção do comentário sobre “lei tem que ser cumprida” (eu conhecia a falácia pelo nome de Straw Man), eu não tentei (ao menos deliberadamente) usar rotinas e truques para ganhar um debate. Por exemplo, quando comecei meu questionamento falando sobre prisão perpétua, eu fiz uma simples extrapolação: criminosos são ruins para a sociedade -> vamos encarcerá-los por um tempo determinado -> ao sair eles continuam cometendo crimes -> vamos encarcerá-los por um tempo determinado -> ad infinitum.
        Quer dizer, inventou uma noção de que, se a prisão não é perpétua, então a FUNÇÃO da prisão é de reeducação. Foi você que disse rs. Falácia evidente.
        Enquanto cético, você tinha mais é que questionar o que eu falei. Mas, como falei anteriormente, você não precisava ser agressivo.
        haoihaiohaohaohaoahoa…
        Pode isso Arnaldo? Agora ele quer dizer o nível de agressividade que eu devo usar. Te contratei como consultor comportamental agora? Por favor, foque nos argumentos, e não em draminhas, ok?
        Ok, pelo o que você está dizendo, ambos concordamos que reeducação ajuda de alguma forma. O ponto de discordância é que você a considera apenas um bônus e eu a considero uma necessidade.
        Mas é EXATAMENTE essa a denúncia que fazemos: seu foco no criminoso. Você não consegue perceber, mas você está se comportando da forma que eu denuncio.
        Como mencionei no comentário anterior, o índice de reincidência de criminosos no Brasil é de 70%. Embora originalmente eu tenha assumido que a impunidade é irrelevante, todos sabem que isso não é verdade e é bem óbvio para mim que esse índice é tão alto em grande parte pela impunidade.
        Mas é exatamente a impunidade causada pela esquerda, que defende sempre penas menores e sempre arruma alguma forma de obstruir a ação da justiça.
        Mas, um outro grande fator, na minha opinião, é que os que se arrependem (ou tenham medo de voltar para a cadeia) voltam para um mudo que terá um preconceito enorme em lhe dar oportunidade de trabalho.
        Mas aí o problema é da esquerda, pois se eles entendem que o “criminoso é bom a sociedade o corrompe”, poderiam dar empregos aos criminosos. Há vários empresários de esquerda, que poderiam contratar os criminosos. Por que não fazem isso?
        São poucos os que querem empregar uma pessoa que tenha uma passagem pela cadeia no currículo. Claro, irão alegar qualquer outra coisa (falta de qualificação, por exemplo) para evitar ser processado por descriminação, mas é um fato do mundo real.
        Que o neo-esquerdismo resolve.
        http://lucianoayan.com/2013/04/30/glossario-neo-esquerdismo/
        Ora, que mania de “culpar a sociedade”. Será que o contingente de esquerdistas da sociedade não quer contratar os criminosos? Que bonitinho não?
        Esse preconceito só diminuiria se a sociedade percebasse a cadeia como um local de reforma, de readequação, e não de simples detenção por tempo determinado.
        Para que diminuir preconceito contra criminosos? Basta que os esquerdistas contratem esses criminosos. Por que não contratam? É a eterna mania de jogarem os problemas para as costas dos outros…
        Agora, imagine uma prisão modelo X, onde todos os condenados a permanecerem lá passem por um processo de readequação que funciona com 99% dos detentos (não existe sistema perfeito). Ao terminar sua pena, o ex-detento dessa cadeia terá mais chances de encontrar um emprego e ter uma vida longe dos crimes, você não acha?
        Ainda assim, teríamos muitos que sairiam da prisão, antecipadamente (pois a cultura de esquerda é de penas mais brandas, sempre), e fariam novas vítimas. A corresponsabilidade desses crimes seria dos esquerdistas. Vocês estariam prontos a aceitarem ser fiadores de todos esses “criminosos reeducados”?
        Gostei da idéia e vou publicá-la.
        Eu topo a proposta de “reeducação”, desde que um esquerdista maior de idade seja fiador do criminoso. Em caso de reincidência, o fiador vai em cana.
        Quem confia tanto, deve DEMONSTRAR que confia mesmo na “bondade inata” do ser humano, não?
        Como um ponto de apoio, veja esse artigo sobre o problema de contratar ex-criminosos nos EUA, onde o índice de reincidência é de 44%: http://www.ehow.com/info_8261375_advantages-hiring-excons.html
        Mais um motivo para os esquerdistas contratarem criminosos, oras. Mas não empurrem o problema para os outros…
        Se o trabalho é forçado, qual o mérito nisso? (pergunta genuína, sem truques).
        Ué, o desempenho no trabalho pode ser avaliado. É como nas empresas. Existem empregados bons e ruins, e todos são obrigados a trabalhar no horário combinado. 🙂

      • Luciano,

        Então não fui agressivo o suficiente. A agressividade está na proposta esquerdista de apologia ao crime.
        Ok, então como você mesmo afirma, você foi sim agressivo e, ao seu ver, faltou ainda mais agressividade da sua parte.

        Os leitores deste blog são uma platéia, e eu os respeito, por isso desmascaro truques.
        Para deixar claro, não quis dizer que platéia invisível -> platéia inexistente. Apenas que você estava me usando para demonstrar como destrinchar rotinas/truques.

        Engraçado que na hora dos criminosos que vocês defendem matarem pessoas inocentes, não há cordialidade alguma, né? Está querendo ganhar com chantagem emocional.
        Mostre-me quais dos meus comentários foram agressivos e qual foi a chantagem emocional que fiz.

        Quer dizer, inventou uma noção de que, se a prisão não é perpétua, então a FUNÇÃO da prisão é de reeducação. Foi você que disse rs. Falácia evidente.
        Não foi isso que quis dizer, embora seja uma interpretação válida dado a forma que escrevi. O que eu quis dizer é que sem reeducar, você não ajuda a diminuir as chances de reeincidência e no limite (reeincidência chegando a 100%), a única forma de garantir a segurança da sociedade seria prisão perpétua.
        Novamente, estou assumindo impunidade irrelevante, ou então essa discussão seria inútil.

        haoihaiohaohaohaoahoa…
        Sério, desdenho desnecessário novamente?

        Pode isso Arnaldo? Agora ele quer dizer o nível de agressividade que eu devo usar. Te contratei como consultor comportamental agora?
        Não.

        Por favor, foque nos argumentos, e não em draminhas, ok?
        Defina draminhas e onde foi que eu foquei em draminhas.

        Mas é EXATAMENTE essa a denúncia que fazemos: seu foco no criminoso. Você não consegue perceber, mas você está se comportando da forma que eu denuncio.

        É interessante essa sua insistência em me enquadrar como um “defensor ferrenho dos criminosos”, enquanto você é o “defensor da vítima e da sociedade normal (que, pela sua definição, deve ser apenas a não-esquerdista?)”.

        No entanto, não li argumentos seus que demonstrem que reeducar é defender criminosos. Você mesmo admitiu que reeducar poderia diminuir a reincidência e isso é um beneficio para a sociedade como um todo e não apenas para os criminosos.

        Mas é exatamente a impunidade causada pela esquerda, que defende sempre penas menores e sempre arruma alguma forma de obstruir a ação da justiça.
        Por acaso a não-esquerda nunca arrumou uma forma de obstruir a ação da justiça?

        Mas aí o problema é da esquerda, pois se eles entendem que o “criminoso é bom a sociedade o corrompe”, poderiam dar empregos aos criminosos. Há vários empresários de esquerda, que poderiam contratar os criminosos. Por que não fazem isso?
        Porque a impunidade não é irrelevante e a reeducação não ocorre.

        Que o neo-esquerdismo resolve.
        http://lucianoayan.com/2013/04/30/glossario-neo-esquerdismo/
        Ora, que mania de “culpar a sociedade”. Será que o contingente de esquerdistas da sociedade não quer contratar os criminosos? Que bonitinho não?

        Eu não culpei a sociedade. Você é que está dizendo isso. O preconceito existe por causa da impunidade e porque a cadeia não está cumprindo sua função não-primária de reeducar.

        Para que diminuir preconceito contra criminosos?
        Do que adianta um ex-detento sair da prisão se ele não terá mais oportunidades de trabalho e de viver longe do crime? Esqueça a reeducação: se o ex-criminoso se arrependeu após passar X anos preso, ou tem medo de voltar para a cadeia e quer voltar a viver uma vida normal, o preconceito tira essa oportunidade dele.

        O que você acha que deveria acontecer com ex-detentos?

        Ainda assim, teríamos muitos que sairiam da prisão, antecipadamente (pois a cultura de esquerda é de penas mais brandas, sempre), e fariam novas vítimas.

        Nenhum sistema é perfeito. O atual tem 70% de reincidência. Vamos assumir que a falta de impunidade traria esse valor para 40% (ou qualquer outro que você queira). Se a reeducação ajudasse a baixar isso ainda mais, eu a defenderia sim.

        A corresponsabilidade desses crimes seria dos esquerdistas. Vocês estariam prontos a aceitarem ser fiadores de todos esses “criminosos reeducados”?

        Por que? Eu concordaria que quem implantasse a reeducação como função primária OU que a reeducação aumentasse a taxa de reeincidência seria sim corresponsável pelos crimes.
        Mas, ambos concordamos que reeducar não é função primária e ambos concordamos que reeducação poderia ajudar, em maior ou menor grau.

        Gostei da idéia e vou publicá-la.
        Eu topo a proposta de “reeducação”, desde que um esquerdista maior de idade seja fiador do criminoso. Em caso de reincidência, o fiador vai em cana.
        Quem confia tanto, deve DEMONSTRAR que confia mesmo na “bondade inata” do ser humano, não?

        Está no seu direito de liberdade de expressão de publicar qualquer idéia que tenha.

        Ué, o desempenho no trabalho pode ser avaliado. É como nas empresas. Existem empregados bons e ruins, e todos são obrigados a trabalhar no horário combinado.
        Ok.

      • Não responderei o chororô. Sejamos mais objetivos.
        Não foi isso que quis dizer, embora seja uma interpretação válida dado a forma que escrevi. O que eu quis dizer é que sem reeducar, você não ajuda a diminuir as chances de reeincidência e no limite (reeincidência chegando a 100%), a única forma de garantir a segurança da sociedade seria prisão perpétua.
        Prisão perpétua, em alguns casos, é uma EXCELENTE IDÉIA. Mas a esquerda não quer, obviamente.
        Veja, toda a argumentação feita aqui é feita FORA DO PARADIGMA DE ESQUERDA.
        É igual um ateu que argumenta contra a religião. O ateu não tem que considerar a existência de Deus. Eu não tenho que considerar as categorias da esquerda, pois as acho inválidas.
        No entanto, não li argumentos seus que demonstrem que reeducar é defender criminosos. Você mesmo admitiu que reeducar poderia diminuir a reincidência e isso é um beneficio para a sociedade como um todo e não apenas para os criminosos.
        Sim, mas o foco na reeducação, para fingir que função primária da cadeia não é livrar a sociedade dos meliantes, é um benefício para os criminosos. No máximo, deve ser dito a ele que reeducação é um bônus.
        Por acaso a não-esquerda nunca arrumou uma forma de obstruir a ação da justiça?
        Ideologicamente? Não.
        Estude o iluminismo britânico e veja como a direita deve pensar. É o oposto do pensamento de esquerda.
        Porque a impunidade não é irrelevante e a reeducação não ocorre.
        Mas pq o esquerdista não investe na reeducação pós-prisão?
        O preconceito existe por causa da impunidade e porque a cadeia não está cumprindo sua função não-primária de reeducar.
        Para contratar, valorizamos o mérito. Um sujeito que fala “não estou reeducado pq não me reeducaram” merece emprego?
        Merece um chute no…
        Do que adianta um ex-detento sair da prisão se ele não terá mais oportunidades de trabalho e de viver longe do crime? Esqueça a reeducação: se o ex-criminoso se arrependeu após passar X anos preso, ou tem medo de voltar para a cadeia e quer voltar a viver uma vida normal, o preconceito tira essa oportunidade dele.
        É a vida. Há ônus e bônus. Ele ainda pode montar uma barraquinha de cachorro quente, virar artista de rua, virar rapper, há muitas funções.
        O que você acha que deveria acontecer com ex-detentos?
        Eu sou adepto da liberdade. Acho que aqueles que não querem contratar, não contratem, e os que querem, contratem.
        Nenhum sistema é perfeito. O atual tem 70% de reincidência. Vamos assumir que a falta de impunidade traria esse valor para 40% (ou qualquer outro que você queira). Se a reeducação ajudasse a baixar isso ainda mais, eu a defenderia sim.
        Quais os experimentos em “reeducação”?
        Por que? Eu concordaria que quem implantasse a reeducação como função primária OU que a reeducação aumentasse a taxa de reeincidência seria sim corresponsável pelos crimes.
        A rotina mapeada aqui pega os que defendem cadeia como a que tem função PRIMÁRIA de reeducação.
        Está no seu direito de liberdade de expressão de publicar qualquer idéia que tenha.
        Assim como no meu direito de desafiar os oponentes da esquerda a refutarem, se quiserem. Tentaram refutar o neo-esquerdismo. Não conseguem.

      • A única chance de um preso ser reintegrado a sociedade com qualquer nível de sucesso é por um processo de reeducação. Você pode argumentar ad infinitum se esse é o objetivo primário do encarceramento ou não mas, do meu ponto de vista, isso é completamente irrelevante. Sendo secundário ou não, a reeducação é necessária.

      • Bruno,
        Fico assustado com o “bloqueio” que surge aqui para o entendimento de algo tão simples.
        Fiz aqui a analogia com o fato de uma gang de marginais (inclusive menores) que aterrorizam uma região. A polícia os prende. Mas vai soltá-los, pelo ECA. Qual a preocupação principal na visão das pessoas normais (mentalmente sadias), que estão preocupadas se devem procurar emprego em outra região ou não?
        a) O criminoso ficará livre da sociedade por um bom tempo
        b) O criminoso terá uma chance (não certeza) de se regenerar, independente do tempo
        O item (b) joga no campo das possibilidades e esperanças, enquanto que (a) joga com fatos.
        A argumentação aqui é racional.
        No conceito de pessoas normais e inteligentes, (a) obviamente é prioritário, e (b) é somente um bônus.
        A não-presença de (b) é irrelevante para (a).
        A não ser que o eixo de percepção esteja deslocado, e esse é O PROBLEMA ESQUERDISTA.
        É essa fé, esse culto ao bandido, que está sendo refutado aqui.
        Entendeu?

      • Isso só é simples de um ponto de vista imediatista e individualista. Prender um criminoso e simplesmente deixar o mesmo largado lá resolve o problema temporariamente. Depois ele é solto e começa tudo mais uma vez. Você pode argumentar algo como “ah, mas pelo menos no tempo que ficou preso, amentou a tranquilidade”. Isso pode ser válido pra todo mundo menos pras possíveis pessoas que serão vítimas desse mesmo criminoso após a pena ser cumprida.

        O cerceamento de liberdade é a punição. A reeducação é a tentativa de prevenção de reincidência. De uma certa forma, a reeducação tem um papel mais importante (e pra todo mundo, mesmo para as “pessoas normais e inteligentes” pois pode, potencialmente, impedir um crime antes que o mesmo ocorra.

        Tudo isso é muito superficial de qualquer forma. Uma discussão dessas não é preto no branco e muito menos simples a ponto de poder ser resolvida com um blog post qualquer. Mas com base nas discussões nesse post (e em outros no seu blog), eu desconfio que você não quer debater nada. Quer apenas estar certo. Nesse caso, eu o declaro vencedor e não vou perder meu tempo aqui.

      • Acabou.
        Se resolve o problema temporariamente, então resolve pelo menos ESTE PROBLEMA, que É O MAIS IMPORTANTE.
        Em seguida, vem a ESPERANÇA de que o sujeito se regenere. Mas isso é uma esperança, e se estudarmos obras como Thinking About Crime, de James Q. Wilson, vemos que as taxas de recuperação são ínfimas.
        Não se pode substituir uma ESPERANÇA VAGA por um fato concreto, e nem fingir que FUNÇÃO PRIMÁRIA da prisão é REEDUCAÇÃO.
        Não, é LIVRAR A SOCIEDADE DE MELIANTES.
        Se hoje toleramos PENAS MAIS BRANDAS, isso é culpa dos esquerdistas.
        Enfim, a PRISÃO não depende da boa vontade do criminoso, mas a RECUPERAÇÃO sim. Como é que alguém quer dar a função PRIMÁRIA da prisão para um ato de ESPERANÇA sem nenhuma garantia de funcionar?
        Olha que parte bizarra: “a reeducação tem um papel mais importante”. De novo, o cara coloca o aspecto mais importante em uma INCÓGNITA? hhahahahahahah….
        Está explicado pq as políticas para o crime da esquerda sempre dão em m…
        “Tudo isso é muito superficial de qualquer forma” <- Aqui eu faço investigação de argumento. Sou detalhista e esta é minha característica.
        Não mudarei.

  3. Luciano,

    Não sei se estou errada, mas acho que nunca se pensou em educação nesse país. Brizola era uma enganação, eu acho. Se virasse presidente, sei não. Nossas cadeias superlotadas derivam de dois pontos fortes, creio eu: Colonização errada e a descendência escrava, pois, livres, não tiveram oportunidade de trabalho digno e correram para morar em guetos, no caso os morros e favelas.

    O que acha? Isso é falacioso? hehehe

    • Desculpe, Day, não tinha visto seu questionamento.

      Brizola era radical marxista.

      Eu não visualizo essa relação das cadeias lotadas não.

      O Brasil é um país pobre, com maior incidencia de criminalidade. As cadeias estão lotadas pq não existem em número suficiente.

      Precisamos de mais cadeias, de preferencia privadas, e com trabalhos forçados

      Abs,

      LH

      • Construir mais cadeias não significaria mais impostos (ainda que disfarçados), mais corrupção, mais falhas judiciárias? Por isso se discute pena de morte. Mas é como você disse. Brasil é pobre, até para pensar. Gostaria de conhecer sua opinião quanto à pena de morte no BR quando tiveres tempo. Ou se tiver algum artigo, me dê o link. 😉

        Abração e obrigada pela atenção.

      • A meu ver, a pena de morte é essencial para determinados tipos de crime, em qualquer lugar do mundo. A prisão deve ser baseada em trabalhos forçados para redução dos custos com a prisão.

        Abs,

        LH

  4. Amor,

    Venho pouco aqui porque não sou tão inteligente. Apenas por isso. Hoje bati de frente com o Cristiano lá. Saiba que sou uma leitora simples. Você é um monstro nas ideologias, e eu… Nem sei se mereço estar aqui. Lá, no Barros, é mais fácil kkkkkkk.

    Beijo..

  5. Querido…

    Por que não me respondeu?

    O Cristiano, do Deusilusão, postou que você elimina comments. Respondi que WordPress, às vezes, manda para spam.

    Outra coisa, amore:

    Não participo muito porque não entendo muito. Você é uma sumidade, enquanto eu, bebo meu vinho, escrevo e vou ao Deusilusão para sacanear… e ser sacaneada.

    Se não se importar, gostaria de trazer textos de lá e refutá-los Já o fiz por lá, mas não me levam a sério.

    O Barros é um ser patético.

    Não tenho lugar para racionalizar aqueles textos loucos.

    Caso me permita, gostaria de exercitar minhas ideias contra neoateus, esquerdistas, enfim. Posso?

    Abraços!

    • Olá Day,

      Não achei que fosse uma pergunta, mas apenas uma observação.

      O Cristiano está certo. Quando esquerdista e humanista vem fazer provocação de parquinho aqui, eu bloqueio os comments sim.

      Claro que você pode trazer texto de lá e refutá-los.

      Um abraços,

      LH

  6. ** provocações de parquinho editadas **

    E se a cadeia reeduca ou não reeduca, é algo a ser discutido com honestidade. Não subverta a ordem das coisas, se nos livramos de um criminoso trancando-o numa cadeia, pois esse é o benefício social do julgamento logo após a sociedade manda-lo judicialmente ao local onde ele deve ser reeducado. Livrarmo-nos dele, é um bônus..

    Mas não se esqueça de que já tentamos nos livrar dele em outras ocasiões, na desfunção do Estado, negando-lhe acesso aos meios educacionais.

    • Mas É EXATAMENTE ESSA A DEMÊNCIA do esquerdista, que o incapacita a ver a realidade. É exatamente isso que meu blog denuncia. Você não tem condições de julgar a realidade, pois tem problemas de percepção.

      Você foi claro ao dizer que REEDUCAÇÃO É PRIORIDADE, e manter a sociedade livre é um BÔNUS.

      Esse é o problema mental que faz você focar no criminoso, como merecedor de empatia, mas jamais a vítima.

      Pessoas normais pensam de forma OPOSTA.

      Sabemos que a função principal da prisão é LIVRAR A SOCIEDADE DO CRIMINOSO, e o bônus é a reeducação.

      Até por que o vagabundo não fez nada para merecer a educação. Então, não passa de bônus mesmo. São as vítimas inocentes que merecem proteção.

      Quanto ao truque de que “o estado falhou na educação”, esta rotina já foi refutada também:

      http://lucianoayan.com/2013/05/08/rotina-esquerdista-precisamos-da-educacao-plena-e-nao-de-aumento-penal/

      TENTEM TRUQUES NOVOS PARA ENRIQUECER O MAPEAMENTO AQUI, Ok?

  7. “A meu ver, a pena de morte é essencial para determinados tipos de crime, em qualquer lugar do mundo”
    Na verdade a éna de morte custa tão caro para o Estado que muitos cidadãos de Estados norte-americanos inde a pena capital é aplicada são contra a mesma – e a base não é o desejo de impunidade, mas o custo de manutenção do presidiário e o custo dos trâmites legais (pelos diversos recursos que se aplicam ao condenado).
    Provavelmente este comentário será descartado ou dispensado até porque eu não disponho de fontes para linkar aqui (mas você poderia procurá-las e discorrer sobre elas). Veja o sistema correcional da Suécia (um dos países escandinavos com excelente educação e um governo atuante em prol dos cidadãos). Veja o resultado apresentado por eles.

    Comecei a ler seu blog (e ainda lerei mais, estou gostando), porém um discurso pétreo é a atitude de um fundamentalista e por definição um fundamentalista não aceita argumentação – principalmente a contrária. E essa argumentação e troca de pontos-de-vista é necessária para o aprimoramento de nossos próprios discursos e idéias.

    • Rodrigo,

      Se você não tem as fontes, então não adianta. Não serve, e não neutraliza o mapeamento de fraude contida nesta rotina.

      Mas há vários truques em seu discurso.

      Apontar o “sistema correcional da Suécia” como evidência para seu caso, mas o fato é que mesmo que o estado lá seja imoralmente inchado, com escolas públicas para todos, ainda temos alto índice de criminalidade (não tanto quanto no Brasil, evidentemente).

      Portanto, a idéia de “educação garante” já é refutada por fatos.

      A alegação de “governo atuante em prol dos cidadãos” é outra alegação sem provas.

      Dica de leitura: “Anatomia do Estado”, de Murray Rothbard: http://mises.org.pt/posts/literatura/a-anatomia-do-estado/

      Além do mais, discurso pétreo?

      Pelo contrário, todos os seres humanos espertos, em debate, declararão formalmente que estão prontos a aceitarem as argumentações contrárias hehehehehe…

      Pq eu faria diferente?

      Abs,

      LH

      • Eu posso ter errado em não postar as fontes, mas você poderia ter feito uns 5 minutos de google e as encontrado, também.
        Veja que eu não disse que a “educação garante” nada, também não usei “truques”, sobr “governo em prol do cidadão”: sim, a população lá paga 60% de imposto *retido na fonte*, mas o governo lhes á acesso a tudo (uma amiga de um aluno meu mora lá, e por ter alergia a produtos de limpexa, o governo subsidia em 100% uma empregada para ela, por exemplo).
        O material que você apresentou no blog em grande parte são coisas que estão engasgadas para muitas das pessoas. Eu mesmo gostaria de ter dito muitas das coisas que vc postou. Porém, lhe falta uma segurança, como se as pessoas que fazem comentários tivessem o único objetivo de lhe fazer cair em contradição ou lhe ridicularizar, e eu posso dizer seguramente que não é esse o caso.
        Já é sabido que, por questões biológicas E sociais, desde tempos imemoriais, as discussões são uma forma de disputa, e as pessoas NORMALMENTE discutem não para encontrar uam verdade, mas sim para ganhar a argumentação. Espero que suas seções de comentários não se tornem isto,sinceramente.
        Por último e não menos importante, eu não sou a favor do marxismo, ou do socialismo, ou do comunismo, nem sequer do anarcocapitalismo, mas eu também não sou a favor de extremismo.
        De qualquer maneira, grato pela resposta e continue com o blog.Vc pretende manter os textos sempre assim ou fará atualizações a eles?

      • Só um ponto: “sim, a população lá paga 60% de imposto *retido na fonte*, mas o governo lhes á acesso a tudo (uma amiga de um aluno meu mora lá, e por ter alergia a produtos de limpexa, o governo subsidia em 100% uma empregada para ela, por exemplo).”

        Já tratei da questão sueca aqui: http://lucianoayan.com/2013/04/22/se-a-suecia-causa-tantas-dissonancias-cognitivas-nos-esquerdistas-enganando-tambem-ate-alguns-direitistas-nada-melhor-que-a-metafora-do-estupro-para-explicar-lhe-a-dura-realidade/

        O sujeito ter alergia a produtos de limpeza e o governo subsidiar 100% uma empregada para ela… é motivo DE VERGONHA, NÃO DE ORGULHO!

        Outro ponto interessante: “Por último e não menos importante, eu não sou a favor do marxismo, ou do socialismo, ou do comunismo, nem sequer do anarcocapitalismo, mas eu também não sou a favor de extremismo.”

        Espere. Em relação a estado inchado, não há meio termo, ou alguém é a favor ou não é.

        Até hoje eu não vi alguém se declarar extremista. O rótulo “extremista” sempre pega mal, então todos fugirão dele.

        Por fim: “De qualquer maneira, grato pela resposta e continue com o blog.Vc pretende manter os textos sempre assim ou fará atualizações a eles?”

        Nas rotinas, técnicas de propaganda, glossário e jogo de rótulos, pretendo fazer atualizações sempre que possível.

        Abs,

        LH

  8. Prezado Luciano,
    Sou professor e certa vez, no comentário da demonstração de uma fórmula matemática, olhei para a janela para os alunos e perguntei o seguinte: suponha que um homem, na calçada lá fora, estivesse com 10 milhões de dólares em uma maleta (maleta, e não cueca petista) e que, hipoteticamente, fosse possível cometer furto e levar a maleta sem ser pego, 100% garantido, quem se habilitaria? Como ninguém se habilitou, provoquei mais um pouco: “pessoal, ninguém seria preso! Garantido! Ninguém se habilita?” Depois emendei com a seguinte citação:

    “Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência”(Romanos 13:3-5)

    Resumindo, pessoas de bem não deixam de fazer o mal por causa da punição, mas por causa da própria consciência. Já o bandido, não deixa de fazer o mal por consciência, mas sim por causa do medo imposto pela punição. Simples assim. Esquerdista não entende isso.

    • Cara, professor, o senhor abriu meus olhos, nunca tinha pensando nessa perspectiva. Eu me considero uma pessoa do bem e jamais assassinaría alguém, e justamente não por medo de cadeia até porque no Brasil eu provavelmente iria solto mas sim porque minha consciência não permitiria. O Olavo de Carvalho tem razão então quando ele sugere a leitura de um livro (esqueci o nome)… eu vi num vídeo dele, que um juíz da cidade de Joaçaba em SC está usando?

  9. No dia em que os defensores da reeducação pura e simples para presidiários entenderem como funciona a mente consciente e a inconsciente dos homens eles imediatamente mudariam de idéia. Educação formal não muda coisa nenhuma e, em alguns casos, fornece ao presidiário mais subsídios para formatar melhor suas ações criminosas. Tornam-se atores merecedores de um Oscar! Como tais defensores não parecem ter interesse em procurar saber sobre o assunto, apenas recomendo que façam uma visita às penitenciárias do país e tentem ser amigáveis. Perceberão que Hanibal é moleque de recados perto de alguns que lá estão. Aliás, todos inocentes, claro.

Deixe uma resposta