Rotina esquerdista: O crime X não é um problema, pois eu não seria vítima deste tipo de crime

19
83

tudo_pode_dar_certo-518x276

Última atualização: 16 de maio de 2013 – [Índice de Rotinas][Página Principal]

Aha, você acha que eles não teriam a petulância de surgir com uma dessas? Só que a criatividade do ser humano não tem limites, mesmo que seja para a criação de fraudes intelectuais.

Esse tipo de truque acontece geralmente no curso de um debate mano-a-mano acalorado (mas pode vir em formato de artigo também), em que o esquerdista tenta amenizar o crime sob discussão sob a desculpa de que ele não poderia ser vítima deste crime.

Exemplos:

  • Empresário foi morto por causa de seu relógio importado. Instância: “Mas eu não uso relógio importado”.
  • Um cidadão de classe média é morto por um assaltante que queria roubar seu carro. Instância: “Ah, sem problemas, pois eu nem tenho carro mesmo. Prefiro bicicleta.”

À primeira vista podemos pensar: que nível de sociopatia leva alguém a ser tão cínico?

O fato é que existe um método nesta loucura: implicitamente, o sujeito quer dizer que a vítima do crime morreu por possuir algo “desnecessário” em sua vida. Mas qual o critério para que definir isso como “desnecessário”? Simples: basta dizer “eu não tenho”.

Claramente, podemos esculhambar o esquerdista por esse truque, pois ninguém pode definir o que é “necessário” para os outros, e nem gerenciar o que os outros devem comprar ou não. Os critérios utilizados geralmente serão arbitrários e irracionais.

A partir daí, o negócio é ridicularizar, com vários exemplos, a petulância de alguém que quer julgar as posses dos outros como critério para a justificação moral de crimes cometidos contra essas pessoas.

E não podemos esquecer o principal: se descartarmos um problema pelo mero fato de não podermos ser vítimas deste problema, estamos, enfim, obtendo carteirinhas de psicopatas.

Anúncios

19 COMMENTS

  1. Veja que absurdo, Luciano: Nota da CNBB sobre a redução da maioridade penal

    Como é que pode ter gente que ainda acha a igreja católica uma instituição conservadora? Ela é nada mais nada menos do que um dos principais braços do judaico-bolchevismo internacional no Brasil, e das seitas cristãs a que menos defende os valores tradicionais da civilização cristã. Qualquer um que já foi a uma missa uma vez na vida e prestou atenção ao sermão do padre sabe que eles estão impregnados de marxismo cultural.

    • Não generalize. O que acontece é que a Igreja BRASILEIRA foi sequestrada pelos adeptos da Teologia da Libertação, facção herética que pretende travestir de “doutrina social da igreja” um discurso claramente marxista. Como infelizmente essa corja domina até os seminários (vide o exemplo caso do Seminário de Natal que convidou o “Frei” Betto para palestrar), a coisa meio que entrou num círculo vicioso. Agora é que começam a surgir algumas reações isoladas, tendo como um dos principais representantes o padre Paulo Ricardo.

    • JLVieira17, você está a brincar comigo?

      Cliquei no seu nome e apareceu a sua pagina no youtube e o primeiro vídeo que aparece é um que mostra a diferença entre a Missa Ortodoxa e a Missa Católica. Aquilo que está no vídeo, não é Missa Católica Missa Católica verdadeira é essa: http://www.youtube.com/watch?v=enWiFcsBqIE). Aquilo é uma aberração que mistura pentecostalismo e Teologia da Libertação que a própria igreja ortodoxa russa ajudou a espalhar. O que me faz supor que você seja seguidor de alguma igreja oriental. Se você não for cristão ortodoxo, desculpe, mas foi o que aparentou ser para mim.

      Será que você não sabe que as igrejas orientias participam do Concelho Mundial de Igrejas, uma organização pertencente aos inimigos de Deus?

      Você não sabe que o Patriarca de Moscou e vários sacerdotes das igrejas orientias durante o Concílio Vaticano II levaram a aberração da Teologia da Libertação para dentro da Madre Igreja Católica com o apoio do anti-papa Paulo VI e da KGB?

      É piada agora você querer falar de “um dos principais braços do judaico-bolchevismo internacional no Brasil”!

      CNBB não é Igreja Católica senhor JLVieira17. Só católicos idiotas e ateus retardados ainda acreditam que a CNBB é representante do catolicismo no Brasil.

      Luciano, você que tanto estudas a táticas dos neo-ateus e marxistas, está literalmente se esquecendo que essa gente também tem a tática Gramsciniana da infiltração. Se você está por fora do que acontece dentro da Igreja Católica, não comente até se aprofundar nesses acontecimentos.

      Mas para mostrar como os cismáticos ortodoxos, desde Stalin, são apoiadores das ditaduras comunistas, aqui tem um artigo para você Luciano e para você também JLVieira17:

      http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/14089-a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html

      Católicos verdadeiros não precisam esperar os sacerdotes falarem para defenderem os valores morais, esses católicos já fazem isso.

  2. O problema não é que o patrimônio do opressor é somente desnecessário, mas sim que é fruto da “mais-valia”. Eis a diferença entre a propriedade privada do opressor e a do oprimido: uma é de origem maldita, fruto de exploração; a outra não. Aliás, não vai falar nada sobre “mais-valia”? Andei procurando no seu site e não achei nada a respeito… Um abraço…

    • Aha, o truque da “mais-valia”? 🙂

      Eis então que temos um esquerdista FORMALIZANDO a alegação de que o crime é justificável se for contra alguém que teria em mãos o fruto da “mais-valia” (na lógica marxista)?

      hehehehehe…

      Sob pressão, eles se entregam mesmo 😉

      • Isso mesmo, na lógica marxista. Ouvi tanto sobre Marx e mais-valia na época da graduação que até perdi as contas. E o que você afirmou sobre a justificativa da violência como um fruto exclusivo do atual modelo econômico, não era afirmado explicitamente em sala de aula, mas ficava nas entrelinhas. Não sei como andam outras Instituições de Ensino Superior, mas onde estudei, o curso de Geografia era infestado de intelectuais orgânicos [professores]. Mas e aí? Vai escrever sobre mais-valei na série “rotinas” ou não?

  3. Esse “argumento” (se podemos chamar assim) cai por terra quando lembramos do triste recente caso de uma pessoa cruelmente assassinada porque NÃO TINHA mais do que R$ 30 na sua conta bancária.

  4. Que bom que descobri maisum lugar onde há pensamento e não velhos clichês. Voltarei mais por aqui. E quanto ao cara que acha que não pode ser morto por causa de uma bicicleta, não conte muito com isso. UM amigo levou uma facada na mão por causa de um celular porque teve o azar de dar de cara com um “injustiçado social” que estava, na visão da esquerda, apenas pegando de volta o que a sociedade lhe negou. Pouco importa que esse cara pegue “de volta” 30 celulares por mês, a dívida para a cruel sociedade nunca zera.

Deixe uma resposta