Eis por que digo que doutrinação escolar esquerdista é pior que abuso sexual… uma evidência de que nossas escolas criam zumbis de esquerda

12
115
Clique para ampliar
Clique para ampliar

No post anterior eu critiquei a idéia de uma “direita unida”, pois entendo que ações mais desordenadas, desde que contra um inimigo claramente identificado, funcionem mais.

Além do mais, de que adianta a direita se unir se a estratégia é lamentável?

Um exemplo do erro estratégico da direita está na reação pública à essa imagem divulgada no Facebook. Claramente, há uma tomada de partido político em uma cartilha do MEC, e pouquíssimos reagem a isso. E os poucos reagindo o fazem com uma falta de assertividade que sub-comunica servidão.

Agora, imaginem como um neo-ateu reagiria a isso se fosse criada uma falsa dicotomia entre religião e ateísmo? Ele simplesmente faria um escândalo, pediria abertura de um processo e divulgaria manifestos para o máximo possível de jornalistas alinhados com sua idéia.

Como é que a direita espera equilibrar o jogo democrático se a esquerda está ganhando as mentes das crianças com uma doutrinação vil e torpe? Aí estamos em uma situação igual à daqueles protagonistas de filmes de zumbis como Dawn of the Dead. Quando mais se atiram em zumbis, mais eles aparecem. O jeito é esperar a morte nas mãos deles.

Falando em zumbis, a cartilha evidentemente provoca um dano terrível e quase sempre irreversível no cérebro das crianças cujos pais não estão conscientes para neutralizar a propaganda contida lá.

Ela começa dizendo, de forma explícita, que há uma diferença entre a empresa “capitalista” (ou seja, todas) e a empresa “socialista” (que não existe, a não ser as instituições estatais).

Em seguida, é inserida na mente da criança a noção de que, quando ela crescer e for para o mercado de trabalho, irá “sofrer” ao entrar em uma empresa capitalista. Em outras palavras: o trabalho, no mundo real (o único que temos), é um sofrimento. Mas por que esse sofrimento? Por que a empresa visa lucros, e há um patrão “malvado”.

Mas esperem… nas empresas, aqueles que entram com a mentalidade anti-empresa são os que menos têm chances de conquistarem altos cargos. Motivo: eles vão entrar em dissonância cognitiva, já que a idéia “devo gerar o maior lucro possível” entra em conflito com “o lucro é maligno”. Em outras palavras, a esquerda está incapacitando as crianças a serem bons profissionais inserindo nelas medos irracionais e injustificados.

Não é preciso elaborar uma explicação muito complexa para demonstrar o quanto isso é danoso para a criação de uma personalidade competente para operar em um mundo real. Mas se a criança é destruída em sua personalidade, por causa desta doutrinação, o partidão ao menos tem o que comemorar.

No quadrinho em que a empresa mostra como seria uma “empresa socialista”, todos estão felizes. E por que isso? Por que, segundo a cartilha, o povo trabalha para “si mesmo”, já que ele é “dono de tudo”. A empresa seria para “o bem-estar da sociedade” (e não os lucros, que seriam, como já disse, “malignos”). Nessa empresa, as decisões seriam tomadas “pela sociedade”, e portanto visariam o bem de todos.

Ei, de novo, esperem aí… Quer dizer que ensinar às crianças que o culto à uma entidade abstrata (“a sociedade”) como solucionadora dos problemas é algo sadio? Onde está a “decisão da sociedade” nas empresas de Cuba, China ou Coréia do Norte?

Enfim, enquanto o vírus que cria zumbis de esquerda nas escolas e universidades não for inoculado através de uma ação contundente e radical da direita, vamos apenas manifestar uma ação instintiva de auto-preservação, mas não uma ação dirigida a resultados viáveis de fato.

Esse é um dos pontos em que uma direita poderia começar a obter resultados. Eliminando ou reduzindo a disseminação de um vírus que cria zumbis de esquerda nas escolas. E ao mesmo tempo tratando os adultos vítimas do vírus como doutrinados e acéfalos, incapazes de participar do debate racional. Devemos esclarecer a opinião pública cada vez mais a respeito disso.

Alguns podem dizer que essa conscientização não vai funcionar. Com certeza não vai mesmo, se continuarmos utilizando uma dialética conformista. A sugestão é iniciarmos críticas duríssimas, coletando cada vez mais evidências, quanto a doutrinação escolas. Mas não adianta apenas dizer “Olhem o que está acontecendo…”, mas sim denunciar tudo isso da mesma forma que denunciamos abuso sexual.

A coisa é mais séria do que parece. Por exemplo, deve ser dito desta forma aos pais das crianças, especialmente os mais carentes: “Sua vida é sofrida? Você quer que seu filho tenha mais chances na vida? Então veja o que estão ensinando para eles! Estão ensinando ele a odiar lucros, mas é somente pela conquista de lucros que ele será capaz de operar como um cidadão sadio. Lute contra essa aberração, pois isso poderá destruir o futuro de seu filho!”.

Agora, ficar no Facebook dizendo “oh, vejam o que os esquerdistas estão fazendo com a cartilhas do MEC, que triste isso” obviamente não vai gerar resultado algum.


@

Anúncios

12 COMMENTS

  1. E mais aberrações da religião política…

    Lhes apresento a MÍSTICA DO MST…

    http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/05/guest-post-mistica-e-luta-no-movimento.html

    “Na mística, defendemos com muita intensidade os seguintes valores: liberdade, UTOPIA e solidariedade.”

    Claro que se tratando da ideologia esquerdista, sabemos que a utopia não é meior sonho….mas a pura simples NEGAÇÃO da realidade….

    Abriram as portas do hospício e a gente nem ficou sabendo.

  2. Os socialistas não desistem mesmo.

    Bem, mas já que a ídéia é “doutrinar crianças” vamos leva-las a Disney e depois dizer: “Isso é capitalismo crianças”. Depois levaremos ela para passar um dia em um campo de trabalho forçado na Coréia do Norte e então falamos: “E isso é socialismo”.

    Vamos ver o que elas irão escolher.

      • Sobre o fim do FEMEN Brazil, segue mais um link sobre o assunto. Aqui temos inclusive um daqueles lances em que vemos loucos discordarem e atacarem reciprocamente a loucura alheia. As ucranianas queriam que as brasileiras pichassem o símbolo da organização no Cristo Redentor, mas a própria Sara Winter, que conhece um mínimo que seja da realidade brasileira, sabe que isso seria pedir para que a filial brasileira fosse perseguida até no inferno e ter polícia no encalço para onde quer que fossem, fora que até o submundo da criminalidade iria perseguir quem fizesse algo assim.
        Aqui consigo ver um paralelo com a operacionalização do comunismo na Rússia após 1917, em que fizeram um esforço consciente para se acabar com a família (com diversas facilidades legais para a dissolução de lares), mas notaram que a bagunça na sociedade estava ficando tão grande (inclusive com paralelos ao que vemos, por exemplo, no Brasil de hoje) que acabaria por prejudicar os objetivos principais dos adoradores da foice e do martelo, a ponto de depois terem feito leis posteriores para que os lares ficassem minimamente intocados. Isso não invalida de maneira alguma que, à exceção desse aspecto e uma ou outra perfumaria, o que os comunistas chamam de stalinismo e capitalismo de Estado para tentar afirmar que nunca tivemos comunismo verdadeiro é na realidade tenha sido justamente pôr em prática os postulados de Marx de uma maneira bastante fiel àquilo que o próprio criador da filosofia em questão disse em seus escritos.

      • Notícia mais recente sobre o fim do FEMEN Brazil e a alegação da matriz ucraniana para tal é a de abuso econômico e falhas organizacionais, fora afirmar que irá abrir uma nova filial por aqui. Em relação ao abuso econômico, fica-me a impressão de que os financiadores da coisa (que é o que importa olharmos) devem ter notado que o braço brasileiro estava fazendo disso um meio de vida tanto quanto o original, mas chegando a atos que queimavam o filme da organização como um todo. Não esqueçamos que o FEMEN age como empresa e está tratando seus braços extraucranianos como uma empresa faria com filiais ou franqueados, significando que precisam agir dentro de certos conformes. Há o tal lance do logotipo, do termo “sextremista” e a coroa de flores, mas também há outros aspectos, como o grau de beleza das manifestantes, algo que certamente não estava sendo cumprido por aqui, bastando olhar para as fotos da manifestação. Comparemos isso com, por exemplo, o shape das garçonetes do Hooters americano e o das unidades brasileiras e entenderemos a tal da preocupação com a imagem geral das marcas nos detalhes (sendo que o Hooters obviamente levou em conta as concessões para as particularidades físicas de nosso povo). Que não esqueçamos do fato de o FEMEN ganhar dinheiro com a venda de camisas e outros itens em sua lojinha e com certeza não iriam querer se associar às gordinhas que Sara Winter arregimentou por aqui. Porém, como sabemos, o Hooters tem a óbvia diferença de oferecer um ambiente classudo no qual frequentadores de ambos os sexos sentem-se à vontade, enquanto o FEMEN tem como cartaz principal uma mulher desnuda com uma foice em uma das mãos (e óbvia referência velada ao comunismo do qual ucranianos querem esquecer) e um saco escrotal humano sangrando na outra mão, o que obviamente nos mostra que não querem o homem comum por perto (mas muito querem o dinheiro dos homens ricos que financiam a organização).
        Sobre falhas organizacionais, vamos entender aqui o tamanho do peso da simples trollagem que o Adonias Reis fez e que denotou a falta de conhecimento histórico mínimo que as integrantes da organização brasileira têm. Porém, poderíamos aqui acrescentar que as integrantes daqui também estavam agindo achando que eram as rainhas da cocada preta (vide Sara Winter procurando fotógrafos para uma manifestação com hora e lugar definidos abertamente em Facebook), o que por si só quebra o fator surpresa que tal tipo de grupo precisa ter (vide chegarem a poucos metros do Putin, por exemplo). Porém, “falhas organizacionais” pode também ser compreendido como o tal lance de querer implantar algo que só existia nos livros e que veio de uma cabeça e a óbvia diferença com a realidade. Tudo indica que, pensando no FEMEN como empresa, seja do tipo que solenemente despreza soluções locais para problemas locais e quer porque quer que as ordens vindas da matriz sejam cegamente atendidas. Aqui podemos incluir a tal tentativa de se pichar o Cristo Redentor, algo que seria muito capaz de unir cristãos e ateus, fora policiais, milicianos e traficantes, em um objetivo em comum para pegar quem fizesse algo assim. Obviamente que Alexandra Shevchenko não consegue entender que a dimensão do Cristo Redentor para o brasileiro é muito maior que a daquela cruz que ela serrou na Ucrânia (e isso porque aquela cruz é importante para a história ucraniana recente por simbolizar os mortos pelo regime de Stalin), mas Sara entende e sabe que não poderia fazer uma doideira como a que estava sendo proposta, mesmo ela já tendo feito outras tantas maluquices.

        As feministas brasileiras estão comemorando o fim do FEMEN Brazil e aqui temos de lembrar que mais do que um (insira aqui seu adjetivo clichê que marxista-humanista-neoateísta costuma usar contra a sociedade normal), um revolucionário odeia mais o outro revolucionário e sempre diz que esse outro revolucionário propaga uma versão distorcida da filosofia que ambos defendem. De um jeito ou outro, o FEMEN Brazil quebrava um “oligopólio” das feministas brasileiras e sua organização como a de uma empresa (se esta de fato fosse levada em sua totalidade, o que não o foi) poderia gerar um efeito parecido ao de um hipermercado sobre mercadinhos locais. Como sabemos que a natureza do marxismo-humanismo-neoateísmo é voltar-se contra si próprio e seus integrantes se atacarem mutuamente e por vezes esquecerem-se dos tais inimigos (novamente lembro da analogia com a cena de Jurassic Park em que humanos são salvos dos velociraptores por um tiranossauro que não tinha como objetivo combater dinossauros, mas na prática o faz), o que acaba facilitando a tal tarefa de usá-los com inocentes úteis no combate ao MHN que eles defendem. Com o fim do FEMEN Brazil (duvido que se recrie a filial daqui), é possível que as integrantes das diversas organizações possam, fazendo-se da maneira certa, serem inocentes úteis no combate não só ao feminismo como também ao MHN.

      • Aliás, essa Alexandra Shevchenko é MUITO GOSTOSA.

        Quanto será que ela custa?!

        A Sara Winter deve cobrar uns vintão a hora, mas a Alexandra Shevchenko vale uns 300 euros 😉

        rs.

        Abs,

        LH

      • Nova notícia sobre o fim do FEMEN Brazil: Sara Winter sabe a roubada que seria pichar o Cristo Redentor e diz que poderá fazer um “FEMEN do B”. Porém, ela agora quer se desculpar com as feministas brasileiras, uma vez que está sendo uma marxista-humanista-neoateísta combatida não por um, mas por dois movimentos MHN. Luciano, agora está madura a hora de se falar da história, até porque é uma daquelas horas em que um não-MHN não precisa fazer qualquer combate, pois os MHNs já estão fazendo isso por ele. É só “voar abaixo do radar”, soltar as ideias e deixar os MHNs lá se matando.

      • Lembra quando te disse que nesse caso do fim do FEMEN Brazil os que combatessem o marxismo-humanismo-neoateísmo sequer precisavam se levantar da cadeira porque na prática os marxistas-humanistas-neoateístas se digladiando já estavam fazendo o combate por eles? Pois bem, eis que o blog da Lola dá toda a letra do fim da filial brasileira do movimento. Claro que há tentativa de capitalizar as ex-integrantes da operação local do movimento para hostes feministas tradicionais, bem como tentativa de amaciar que na prática as feministas mais ortodoxas praticam algo parecido ao “sextremismo”, mas por outras vias. Ainda assim temos o tal lance do tiranossauro atacando os velociraptores sem saber que com seu ato ele salva os humanos que estavam sendo perseguidos e na prática volta-se contra causa que interessa às duas espécies de lagartões ressuscitados.

  3. Esses caras são doentes mesmo.
    Quando os burgueses tentam automatizar as fábricas, os socialistas alegam que as máquinas vão tomar seus empregos, fazem greve, etc. Mas na propaganda…

    • Como são sacanas rsrsrs.

      Inverteram tudo. Desenharam a fábrica socialista toda robotizada e moderna e a fábrica capitalista com trabalho manual.

      Na fábrica socialista o funcionário ouve múcia no Iphone, tem acesso á internet e pode ler livros durante o trabalho.

      Só faltaram dizer que os celulares fabricados na fábrica capitalista serão usados exclusivamente pela elite e os celulares produzidos na fábrica socialista serão usados pelo povo.

      A falta de vergonha na cara dessa turma não tem fim…

  4. a coisa mais escrota que existe é a mentira. isso vem de psicopata, pois quem controla a sociedade é psicopata. o que mais odeio no mec é o argumento de que o sistema de fóruns do EAD que eles forçam a toda faculdade é pra acabar com o egoísmo das elites e das pessoas de direita. porem as pessoas de direita, como vocês aqui do blog, ou os bolsonaros e os coxinhas da vida, que tao batendo panelas no apartamento aqui em frente, não se ferram com essas leis, vocês são normais, sociais, conseguem bons empregos e se dao bem na vida, é uma lei pra ferrar ”maluco”, gente excluída socialmente, e o argumento do governo socialista é ”ferrar a direita”. por isso que a misantropia sempre será minha única ideologia, que se foda o ideal de vida e felicidade, tem que matar todos humanos

Deixe uma resposta