Rotina esquerdista: Já abolimos a pena de morte, agora falta abolirmos a prisão

1
91

acácio

Última atualização: 31 de maio de 2013 – [Índice de Rotinas][Página Principal]

Esta rotina é uma adaptação do famoso truque esquerdista do devir injustificado, que funciona da seguinte forma: suponha que em 1980 tivéssemos 10 milhões de livros de vampiros vendidos, mas em 2010 tivéssemos 50 milhões. Logo, alguém que tivesse viés a favor dos livros de vampiros poderia proclamar um dia onde todos os livros a serem vendidos serão de vampiros.

É em cima deste tipo de raciocínio que se constrói o truque, o qual pode ser neutralizado por qualquer um que tenha lido How to Lie with Statistics, de Darren Huff.

É fato que antes tínhamos pena de morte, e estas foram substituídas por prisões mais severas, que, posteriormente, tem sido cada vez mais substituídas por prisões com penas mais brandas.

Entretanto, isso não significa que um último passo, inexorável e/ou necessário, deva ser a eliminação da prisão de uma vez por todas.

Na verdade, pode-se cada vez mais questionar por que não existe a pena capital para crimes abomináveis, como no caso dos crimes de João Acácio Pereira, que ficou conhecido como o Bandido da Luz Vermelha. Após 30 anos de prisão (por vários crimes bárbaros), João Acácio saiu da cadeia e logo em seguida tentou matar o irmão de um pescador, Nelson Pinzegher. Por sorte, o pescador matou João Acácio, conseguindo salvar a vida do irmão. O pescador foi absolvido pela Justiça por ter sido um caso de legítima defesa de terceiro.

Eventos assim questionam o fato da pena de morte ter sido abolida em muitos lugares.  Aliás, o uso de câmeras de forma cada vez mais constante tem criado situações onde temos a identificação de criminosos acima de qualquer suspeita. Ou seja, em muitos casos não há dúvida alguma de quem é o criminoso. Em casos assim, temos uma justificação racional para a pena de morte.

Enfim, se a pena de morte foi abolida em muitos países, o próximo passo deve ser, a não ser na visão da esquerda pró-crime, a discussão sobre o que devemos fazer para trazê-la de volta. Não há um “caminho sem volta” para a eliminação da punição aos criminosos.

Ou seja, o fato de termos cometido um erro no passado (abolir a pena de morte em vários países), não implica que tenhamos que cometer novos erros nessa linha, ao ponto de chegarmos a eliminar as prisões. Isto é, condenando cada vez mais cidadãos inocentes à pena de morte nas mãos de criminosos.

Se já abolimos a pena de morte no passado, a prioridade é trazê-la de volta. E isso pode ser feito conscientizando cada vez mais a plateia do debate público do quanto são irracionais as demandas dos esquerdistas na questão do crime.

Anúncios

1 COMMENT

  1. Obviamente os criminosos são pródigos em defender sua classe. No caso, os esquerdistas defendem ferrenhamente os bandidos, pouco importando de que categoria sejam (estupradores, pedófilos – alô, assessor da senadora Gleisi Hoffmann – homicidas…).

Deixe uma resposta