Por que até mesmo um ateu libertário, liberal ou conservador deve apoiar Silas Malafaia atualmente?

5
122


@
Realmente, a melhor entrevista de Silas Malafaia em muitos tempos. Assertivo e sereno ao mesmo tempo, não deixou ponto sem nó.

Um destaque vai para quando ele desqualificou o movimento LGBT, em especial Jean Wyllys, pela desonestidade de suas ações. O tom é esse mesmo. Não se pode tratar com dignidade o que não tem dignidade.

Em outro momento, um sujeito apareceu com um típico truque neo-ateu dizendo que “ganha salário mínimo, e não pode ser obrigado a pagar dízimo”. Silas respondeu: “Ninguém está te pedindo nada, brother!”. Fantástica resposta!

Foi vital ele deixar claro que a manifestação sendo organizada para o dia 5 de junho em Brasília é focada na liberdade de expressão. Este é o frame conceitual central a ser utilizado neste momento da guerra política.

Se eu sou um ateu secularista (e anti-humanista), que defende aborto, eutanásia e o direito ao casamento gay, ao mesmo tempo devo reconhecer que precisamos discutir esses assuntos em um ambiente com liberdade de expressão.

Por isso, mesmo discordando das idéias de Malafaia, defendo o direito dele expressá-las, e, enfim, que possamos discuti-las em um ambiente sadio numa sociedade livre.

O movimento LGBT, ao contrário, por querer cercear a liberdade de expressão, é inimigo do debate.

Não importa se você é ateu ou teísta. Se você for libertário, liberal ou conservador, depende agora da ação de Malafaia. A esquerda, independente de sua doutrina, vai ficar contra, pois quer a censura.

Ponto para Malafaia!

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Muito interessante. Aproveitando o espaço desse blog que se dedica sobre a guerra política . Indico aqui um bom texto relacionado a teoria da mentira , ele foi escrito pelo Prof. Fernando G.Sampaio da Escola Superior de Geopolítica e Estratégia segue aqui o texto : http://www.defesanet.com.br/esge/TEORIA_DA_MENTIRA_II.pdf .
    Esse Texto , juntamente com o texto mentalidade revolucionária do Prof. Olavo de Carvalho , são simplesmente as melhores análises sobre como os movimentos esquerdistas costumam atuar dentro de nossa sociedade .
    – Melhores pontos do texto

    * , a Mentira não é uma falsa opinião, um mero engano ou algum descuido ou
    (algo controverso) questão de crença. A Mentira é um Ato Deliberado.
    Tanto é Deliberado, que se pode mentir (enganar) dizendo a Verdade, contanto que se
    queira enganar o outro com o que esta sendo dito, pois, a essencial na questão é que a
    mentira é levada sempre no sentido de fazer crer, ao alvo da mentira, aquilo que se
    deseja que ele -o alvo -acredite.

    * A Mentira deve, pois, criar um ambiente ou modificar um ambiente que seja
    positivo para Emissor da Mentira e Negativo para as que aceitam a Mentira.
    Sabemos que a nossa conduta é determinada, basicamente. por dois
    elementos:
    a) o nosso desejo;
    b) as informações que dispomos para realizar o nosso desejo,
    o que nos leva ao seguinte esquema:
    17. Observamos que a Mentira trata de alterar as informações que dispomos para a
    realização de nossos desejos, de forma que ela termina por alterar a nossa
    Conduta. E isto, exatamente, o que o Emissor da Mentira deseja que venha a
    acontecer, com a difusão da Mentira.·
    Se precisamos tomar decisões para traçar uma Estratégia, é necessário que
    venhamos a obter as informações necessárias e corretas, para que possamos tomar
    as decisões acertadas, para nós. Caso contrário, nossa Estratégia fracassará. Eis, aí,
    onde se insere a utilidade da Mentira: se o organizador das decisões estratégicas (ou
    outras) não tiver acesso às informações básicas e corretas para a condução das suas
    operações (particulares, militares, comerciais, diplomáticas ou outras ), a sua
    conduta resultará i n a d e q u a d a e a sua estratégia/ação/comportamento, falhará e
    levará ao erro/fracasso.
    DESEJO -> CONDUTA
    INFORMAÇÕES ->

    * . Portanto, a Teoria da Mentira tratará de induzir a crença que favoreça o Emissor da
    Mentira, para fazer o Alvo agir da forma que convém ao Emissor e Prejudique o Alvo.
    Neste sentido, devemos observar, agora, a questão da Opinião pública. Esta Opinião é o
    Alvo Primordial da Teoria da Mentira , pois ela deseja afetar o comportamento
    para·obter sua vitoria.
    Aqui a Teoria da Mentira tem um grande aliado, pois a opinião pública é, geralmente,
    emocional. Ela tem intenção de racionalidade, se pretende objetiva, busca justificação,
    mas, na realidade, só possui uma intenção de racionalidade.
    Isto porque, por definição, e natureza a opinião é um estado de espírito que afirma algo,
    mas com receio de estar enganado. Na opinião, subsistem razões para negar aquela
    posição, muito embora, as razões mais fortes favoreçam a opinião que se apresenta
    como dominante. A opinião, é claro, subentende um juízo, mas geralmente, isto se dá
    numa direção em que já havia uma idéia latente para formar ou fortalecer aquele
    juízo.Por isto, a opinião está sempre dividida e, por isto, também, a opinião se divide
    em grupos de opinião, que lutam entre si . Dai a Teoria da Mentira procurar, quando o
    caso , fortalecer, pela difusão de -inclusive -boatos, o grupo e a opinião que lhe é
    favorável

    Observe como a engenharia social esquerdista funciona
    – Cria ambiente onde suas ideias e ideologias ,sejam amplamente divulgados no caso escolas,universidades , na política e por fim nos dabates publicos .
    – Em um ambiente onde as ideologias esquerdistas já foram amplamente assimiladas , o debate torna-se impossibilitado . Como já dizia Olavo de Carvalho no texto os 4 cavaleiros do apocalipse .
    – Usar meios de comunicação como ferramentas ideológicas é fundamental , sobretudo porque a opinião publica é muito maleável ,

    também indico outros texto do mesmo autor :

    * Choque das civilizações : http://www.defesanet.com.br/esge/choque_civilizacoes.pdf
    * Crises Místicas e Colapsos sociais : http://www.defesanet.com.br/esge/2002Nov.pdf
    * Raízes místicas do nazismo : Aconselho esse texto a todos os cristãos , pois muitos neo ateus gostam de difamar o cristianismo dizendo que o nazismo estava fundamentado nos ideais cristãos , nesse texto esse sofisma é demolido pois o nazismo possuía profunda ligações com misticismo ,sobretudo com o paganismo Greco-Germânico : http://www.defesanet.com.br/esge/julho2004.pdf

    Espero ter colaborado de alguma maneira ao conteúdo do blog . Abraços .

  2. Luciano, eis que vi este vídeo e achei algumas coisas interessantes:

    http://www.youtube.com/watch?v=4F_sJUlffR8

    Fico aqui pensando como seria se o neoateísmo atingisse seu objetivo final. Talvez desconsiderassem o chamado que o pároco fez à polícia, dizendo que aqui é um estado laico e isso seria intromissão da religião na esfera do poder (vamos aqui considerar o impulso totalitarista da tal religião política). Isto é, se houvesse um pároco, pois talvez tivessem cumprido os ditos de enforcar o último padre nas tripas do último burguês e dizer que a única igreja que ilumina é a que arde em chamas.
    O bandido que quis pedir perdão de seus pecados seria desumanizado duplamente: pelo pessoal do complexo marxista-humanista-neoateísta, que viria com aquele papo de ele não ser capaz de fazer escolhas, mas um simples autômato que responde a estímulos externos (a tal da sociedade em que tudo jogam a culpa), mas também pela parte neoateísta em específico, que viria dizer que ele é um iludido ou lavado cerebralmente por estar exercendo conceitos cristãos. Teríamos alguém baixando a cova sem que pudesse ser ouvido em seus últimos momentos e morrendo com um grau de remorso ainda mais alto.

    Policiais, como bem sabemos, são desumanizados diuturnamente pelos MHNs. Se morrem em conflito, seus óbitos são diminuídos de importância sob a alegação de serem mortes de agentes do Estado. Mesmo que façam seu trabalho decentemente, sem esculachar abordados e suspeitos, são acusados de truculência. Se pensarmos pelo prisma neoateísta, poderiam dizer que o fato de o tenente da PM ter ido ao encontro de um bandido seria alguma forma de conluio entre o policial e o bandido. Observe-se que na história toda o que vimos foi um grau de reconhecimento do outro enquanto humano que nunca veríamos por parte de quem usa humanos como ferramentas para atingimentos de objetivos.
    Não consigo ver uma cena como essa em algum lugar do mundo que tenha abdicado da normalidade do ser humano e o reconhecimento de que temos defeitos, sempre os teremos e não adianta acharmos que esses defeitos sumirão da face da Terra por meio de ações que supostamente têm por objetivo ensinar pessoas a nunca cometerem certos erros tão extremos que jamais cometeriam (por exemplo, estupro, como pretende a Marcha das Vadias ensinar os homens a não praticar ou, mesmo que não pratiquem, esticar a definição disso para que todos acabem sendo incriminados). Tais práticas que sempre existirão podem, isso sim, ser inibidas pela adequada ação das forças repressivas, de maneira a não haver fornecimento de oportunidade para tal.

    É importante aqui ver que este é um bandido clássico, daqueles que reconhecem estar do lado errado da vida e que no fim de sua existência reconheceu a dor que causou aos outros. Em momento algum ele se postou como vítima da sociedade, produto do meio em que vive ou alguém que não teve oportunidade na vida, mas sim reconheceu seus erros, senão não teria pedido para conversar com o policial que provavelmente mais teve dor de cabeça com seus atos. Também é importante mostrar que o próprio policial mostrado não é o monstro que MHNs querem que por regra consideremos quem trabalha com a lei, mas alguém que sabe inclusive se pôr no lugar do outro (vide quando ele fala do pedido para que o juiz liberasse o paciente terminal para passar os últimos dias com seus familiares). Aliás, vemos inclusive além do rótulo a que querem resumir pessoas: vemos humanos.

    É um lado da polícia que não mostram tantas vezes em uma mídia que a demoniza. Compare-se isso com aquela cena da menina na China sendo atropelada diversas vezes porque a lei local foi feita para na prática punir o altruísmo.

  3. […] Realmente, a melhor entrevista de Silas Malafaia em muitos tempos. Assertivo e sereno ao mesmo tempo, não deixou ponto sem nó. Um destaque vai para quando ele desqualificou o movimento LGBT, em especial Jean Wyllys, pela desonestidade de suas ações. O tom é esse mesmo. Não se pode tratar com dignidade o que não tem dignidade. Em outro momento, um sujeito apareceu com um típico truque neo-ateu dizendo que “ganha salário mínimo, e não pode ser obrigado a pagar dízimo”. Silas respondeu: “Ninguém está te pedindo nada, brother!”. Fantástica resposta! Foi vital ele deixar claro que a manifestação sendo organizada para o dia 5 de junho em Brasília é focada na liberdade de expressão. Este é o frame conceitual central a ser utilizado neste momento da guerra política. Se eu sou um ateu secularista (e anti-humanista), que defende aborto, eutanásia e o direito ao casamento gay, ao mesmo tempo devo reconhecer que precisamos discutir esses assuntos em um ambiente com liberdade de expressão. Por isso, mesmo discordando das idéias de Malafaia, defendo o direito dele expressá-las, e, enfim, que possamos discuti-las em um ambiente sadio numa sociedade livre. O movimento LGBT, ao contrário, por querer cercear a liberdade de expressão, é inimigo do debate. Não importa se você é ateu ou teísta. Se você for libertário, liberal ou conservador, depende agora da ação de Malafaia. A esquerda, independente de sua doutrina, vai ficar contra, pois quer a censura. Ponto para Malafaia! Fonte: Blog do LucianoAyan […]

Deixe uma resposta