Manifesto feminista aprovado: Clube de leitura que faz topless em lugares públicos de NY

11
155

topless2 - Cópia

Fonte: Terra

Imagine estar caminhando no parque do Ibirapuera, em São Paulo, ou no Jardim Botânico do Rio de Janeiro e se deparar com um grupo de jovens mulheres reunidas com os seios à mostra. É isso o que tem acontecido em lugares públicos da cidade de Nova York, onde amigas têm usado o respaldo da lei do Estado, que lhes permite ficar com o tronco nu em qualquer local em que homens podem.

As reuniões ocorrem regularmente em praças públicas, coberturas de hotéis, trilhas perto de rios e mesmo pontos bastante turísticos da Grande Maçã, como o mundialmente conhecido Central Park. Em sua maioria, elas já chegam aos locais das reuniões, onde leem e discutem clássicos da literatura, usando biquínis, para, assim, facilitar a prática de topless durante na cidade, cujas temperaturas sobem a cada dia com a proximidade do verão – há previsão de máximas de até 32ºC para os próximos dias.

“Para cada mulher que fica nos olhando feio quando passamos e murmura que há crianças por perto, há uma dúzia que se aproxima e nos agradece pelo que estamos fazendo”, diz ao tabloide britânico The Sun a fundadora do grupo, batizado de Coed Topless Pulp Fiction, que pediu para não ser identificada. “Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós algum dia propõe o blog das leitoras, “um grupo de amigas, amigas de amigas, amigas de amigas de amigas e de completas estranhas que adoram livros e dias ensolarados e gostam de aproveitar os dois juntos de acordo com o que a lei permite”.

“A polícia já nos abordou algumas vezes, mas os policiais sempre confirmam que o que estamos fazendo é completamente legal e sempre foram muito educados em relação a isso”, continua ela, incentivando mais e mais mulheres a se igualarem aos homens e exibirem seus seios em público. “Acho que recebemos menos assobios e assédio quando estamos de topless em um grupo do que quando qualquer uma de nós caminha pelas ruas completamente vestida.”

Entre os livros que o grupo lê atualmente estão Blood on the Mink, de Robert Silverberg, False Negative, de Joseph Koening, e Choke Hold, de Christa Faust. “Quanto mais mostramos às pessoas que ver os mamilos de uma mulher não levarão o céu a cair, mais liberdade e igualdade as mulheres terão”, resume ela.

Meus comentários

Antes de meus comentários, seguem mais algumas fotos, direto do site do Terra:

Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar
Clique para ampliar

O nível é bem mais alto que o do FEMEN, e tudo é feito dentro de uma estética caprichadíssima. Por exemplo, notaram que os livros que elas lêem são de pulp fiction?

Alguns comentários no site do Terra:

  • “Algumas dessas belas leitoras, não contentes de se livrarem do sutiã, tiraram também a calcinha, encantando-nos com a visão de sua nudez total.”
  • “Posso usar meuPAL como marcador de páginas para elas…”
  • “Eu assino o Terra, eu quero ver as fotos exclusivas para assinantes! Isso aqui tá quase melhor que aquele site das amadoras.”
  • “texto? aonde tem texto?”
  • “EU TAMBÉM FAÇO LEITURA COM O BADALO DE FORA.”

Fico imaginando se a Lola Aronovich pede para ir ler junto com elas peladona. Obviamente, elas não vão deixar. 

Em tempo: apóio 100% o movimento. Sem quebra-quebra, com muito mais beleza e muito mais estilo.

Que venham mais movimentos feministas assim, e que as coisas fiquem cada vez mais ousadas. 

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Luciano, qual delas vc escolheria para fazer leitura? rs.
    Eu ficaria com a primeira, ruiva, sentada na toalha rosa, com óculos escuros.

  2. Eu apoio totalmente. É cada uma melhor que a outra. A da 10° foto com cabelo preto e traseiro para o alto é uma escultura. Aquela eu mando no KY e enrabo com toda força, afinal, um rabo carnudo como o que ela tem merece levar pressão das boas. Aí eu naquele bundão.

    OBS: Luciano e leitores do blog,

    Desculpem as maldades, mas, ninguém é de ferro. Mulher boa tira qualquer homem do controle.

  3. As cantadas diminuem porque, como tudo o que é novidade, perde a graça. Vai ser interessante quando elas colocarem aquelas roupas com decote e os homens não derem a mínima, afinal, pra quê ficar secando decote, quando tem festival de tetas ao vivo e à cores no parque? O bom é que com a mulher sendo banalizada sexualmente, o tabu social contra a pornografia e a prostituição perdem o sentido e se tornam hipócritas, então, nesse sentido, as feministas vão ter que parar de encher o saco.

    De fato, é um grande adianto para os homens, que anteriormente teriam que pagar entrada em um club de strip. Quanto aos livros, não passam de pretexto. Quantos homens vocês conhecem que vão ler tratados de Murray Rothbard pelados no parque? Femen pseudo-intelectual.

  4. É muito bom ver mulheres bonitas se exibindo num parque público. Maaasss, isso abre uma série de precedentes perigosos para a vida em sociedade. Aguardemos.

  5. Mulher com o petinho de fora eu apoio, agora homem com “bilau” pra fora nem pensar. Também fica a proibição de barangas com “muxiba” caída. Só beldades poderão aderir ao movimento. No mais, boa leitura a todas!!!

Deixe uma resposta