Por que uma manifestação que alega que “não é só por 20 centavos” não diz os motivos de seu protesto?

11
94

20centavos

Na guerra política, slogans são importantes, e realmente possuem efeito. Entretanto, o slogan dos manifestantes do MPL é muito fácil de ser ridicularizado, assim como todas as desculpas que eles dão.

O slogan deles é “não é só por 20 centavos”. Em seguida, eles gritam: “o Brasil está de saco cheio”. Mas de saco cheio de que? É o momento em que surgem as evasivas.

Entende-se o drama dos organizadores. Eles começaram como um movimento financiado pelo governo federal, mas agora outros grupos se juntaram a eles. Por isso na hora de dar satisfações e diretivas, eles naturalmente se complicam. (Reinaldo Azevedo deu uma de investigador e descobriu que Luciana Genro é dona do site da ONG Juntos, e que a Alquimídia, dona da ONG do Movimento do Passe Livre, era financiada pelo governo)

Atualmente, se auto-rotulam como apartidários. Isto por terem conseguido que o PSOL, o PCdoB e o PSTU deixassem de expor suas bandeiras em suas manifestações. Mas de que adianta a não exibição de bandeiras? A Alquimídia já devolveu todo o dinheiro que recebeu em verbas do governo? Ou o fato de alguém publicamente não fazer associação com um grupo automaticamente já o desassocia deste grupo?

Todos esses questionamentos são relevantes diante da ilegitimidade do MPL ao não deixar claras suas bandeiras.

Voltemos ao “não é só por R$ 20,00”. Então é por que todos estão “de saco cheio”?

Será que é essa moral que devemos ensinar aos jovens? Ou o modelo correto de resolução de problemas? Imagine uma reunião de projetos com esse tipo de gente. Um stakeholder pergunta: “Não podemos aprovar o projeto pois a área de Segurança não fez a validação”. O “profissional” responderia: “Não é só por isso”. O stakeholder pergunta: “Então por que é?”. O “profissional” diz: “Tem muita coisa, não dá para falar”.

No mundo profissional, isso é o suficiente para desqualificar um profissional. Mas é isso que as ONG’s aparelhadas pelo estado estão ensinando para essa garotada. Um comportamento evasivo, dissimulado, baseado somente em fingimento e muito pouco conteúdo.

No mundo corporativo, sabemos que evasivas deste tipo geralmente estão associadas a desonestidade. A não ser, é claro, que estejamos diante de pessoas com retardo mental, e que não conseguem se expressar adequadamente. Mas não é o caso do MPL, bem articulado até demais. Não fosse assim, não conseguiriam ter feito o movimento explodir de tal forma.

Esta é a pressão que devemos lançar sobre os membros do MPL ou qualquer participante do movimento. Quando eles afirmarem “Não é só pelos 20 centavos”, exija que eles digam pelo que lutam.

Caso eles não sejam claros em suas demandas, terão que conviver com a pressão da explicação para a qual as evidências apontam: eles não passam de um movimento financiado por partidos radicais aliados ao PT (usando verbas federais), para criar uma sensação de instabilidade social, para que depois o próprio PT possa intervir simulando uma salvação.

É assim que podemos visualizar, por exemplo, o envio de tropas federais a Minas Gerais, sob pedido do ingênuo governador Anastasia. Ou mesmo a postura serelepe de Fernando Haddad dizendo que “vai dar um jeito para reduzir a tarifa”.

De onde vem o dinheiro pra redução da tarifa? Obviamente, vem do aumento de impostos, que é tudo que o PT sempre quis fazer. O PT é um partido que vive buscando pretextos para aumentar impostos e consolidar cada vez mais seu poder.

Portanto, até que o MPL seja muito claro em suas explicações para seu slogan (e “se não é só pelos 20 centavos”, então devem dizer pelo que é), eles terão que conviver que são cúmplices de toda uma situação que simulam querer remediar.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Luciano, mais uma análise interessante e que inclusive engloba quem está fazendo manifestação pacífica. A impressão que passa é a de que o pessoal tem de o quanto antes guinar o protesto para que se combata o marxismo-humanismo-neoateísmo, pois senão estarão fazendo exatamente o que eles querem.
    Já o Reinaldo estranha que Fernando Haddad, em sua reunião com Lula e Dilma, também estivesse acompanhado de João Santana, marqueteiro do PT. Todos se lembram que a última campanha televisiva do PT falava de um “próximo grande salto do Brasil” e “salto”, como sabemos, significa em jargão marxista-humanista-neoateísta que algo muito tumultuado irá acontecer para que se apresse o avanço da agenda.

    • Luciano, segue comentário sobre os ocorridos na Alerj e no Palácio dos Bandeirantes, os petistas apoiando as coisas e por aí vai:

      http://www.youtube.com/watch?v=jdwM_8RNPrY

      Um vídeo da Nilce Moretto sobre as passeatas, mais especificamente as de quinta-feira. Às vezes está caindo um pouco em marxismo-humanismo-neoateísmo, ainda que falando do Reinaldo e sua briga com Elio Gaspari sobre quando teria começado o quebra-pau. O nível de detalhes está bom e acrescenta conhecimento:

      http://www.youtube.com/watch?v=YziMLIs7pKA

      Há também o que um policial diz sobre aquele momento e como a polícia está sendo tratada pelo governo. Abaixo, tudo indica que o Daniel Fraga pôs a cabeça um pouco no lugar, deixou de lado a ideia de vender bebês (ou, eufemisticamente, sua guarda) e está falando do protesto dos Libertários dentro das marchas:

      http://www.youtube.com/watch?v=gZHmYvDrwRY

      Observe como funciona em vídeo a censura branca do gramscismo. Tudo bem que são dois religiosos políticos e podemos considerar que os do lado libertário-anarcocapitalista acabaram usando os marxistas-humanistas-neoateístas como inocentes úteis no combate ao próprio MHN (e que se descubra quem são esses que ficaram de violência na parte da passeata que foi pacífica). Podemos considerar que estão aperfeiçoando a estratégia que queimou o filme dos MHNs que inviabilizaram a palestra de Yoani Sánchez na Livraria Cultura (mas que gerou uma queimada de filme fenomenal para eles, a ponto de terem desistido de infernizar a cubana no Rio).
      O problema é que eles não demonstram saber de planejamento urbano, do motivo de uma tarifa de ônibus ter preço único independente da extensão percorrida (LAncaps não compreendem que tarifa por distância penalizaria quem mora em uma periferia e trabalha no Centro de São Paulo e tornaria essa pessoa menos empregável por simplesmente morar mais longe), acreditam mesmo que um setor como o de transporte público, se deixado muito livre, não iria ter casos de empresários se juntando para fazer máfias e evitar que outros concorrentes entrassem, não tem noção de por que é prudente que se evite que duas linhas de ônibus urbano tenham traçados que redundem muito entre si e têm certos delírios, como achar que alguém cobraria R$ 1 de passagem caso comprasse um ônibus com ar-condicionado e bancos de couro (afinal, na cabeça de um LAncap há a certeza de que um dia um Rolex legítimo será vendido a preço de Technos igualmente legítimo caso se libere geral). Porém, eles acertam ao falar que se alguém quisesse tarifa zero, ela seria feita na base de impostos maiores (vide Fernando Haddad querendo manter R$ 3 criando-se imposto extra para a gasolina).

      Talvez seja a oportunidade de céticos políticos e conservadores, que combatem tanto MHN quanto libertarianismo-anarcocapitalismo, aprenderem a como fazer os caras cavarem a própria cova. Pode ser o tal lance de deixá-los bem livres para falar daquilo em que acreditam e as pessoas irem comparando o que é dito com o que a realidade e a ciência mostram sobre a mesma coisa. Ou então usarmos uma resultante LAncap para cancelar uma resultante MHN e nessa, fazer o tal voo por baixo do radar enquanto os delirantes se estapeiam.

      • Na fala da Nilce: “há uma tendencia maior pra dar destaque pro cara que vai pra lá fazer bagunça”, exatamente o que ela faz com o grupo de policiais que supostamente desobedeceu o comando. É Lenin, “o acuse-os do que vc faz” ta na boca do povo.

  2. Vamos ver quem está apoiando/organizando/financiando o movimento: Juventude do PT, PSOL, PSTU, PCO, CUT, Sindicatos vermelhos. Ou seja, Foro de São Paulo inteiro. Porra… isso pra mim tá vindo de cima, lá de George Soros e a trupe do Clube de Bilderberg, afinal 27 países também fizeram manifestação em apoio ao Brasil, todos no mesmo dia. Ou seja, não é nacional, é internacional. Estou paranóico ou é isso mesmo?

  3. Muito bom texto e vou um pouco além. Cadê os jornalistas que entrevistam manifestantes e líderes (que segundo muitos apoiadores dessa confusão dizem não existir) para perguntar “como?”. Explico-me, “somos contra o aumento de passagem?” _ Como propõe sua redução?; “a saúde anda um caos” _Como propõe (quais são suas propostas) para melhorar?; “a educação está ruim” _Como (o que) sugere melhorar?; “sou contra a corrupção” _Como pretende combatê-la? e por aí vai… Muitos ali não tem ideia do que está acontecendo, vão porque alguém lhes disse que é legal ser engajado (tsc, tsc).

  4. Luciano,

    Sobre os protestos e movimento passe livre concordo com o que vc expõe e tudo mais.
    Mas acredito que a população está revoltada de uma maneira geral e com razão, apesar da maioria que faz os protestos ser universiotário, mas sendo bem pragmático, acredito que a direita ou o pouco que existe dela tem que se misturar ao meio dos protestos pra desvirtuar, pedir prisão dos mensaleiros, ser contra a pec 37. Pois a baderna já tá aí, cada vez mais a população apoia de modo geral, não essa doidice de passe livre…, mas está insatisfeita, enfim pessoas de direita se envolvendo no protesto e gritando fora Haddad, prisão aos mensaleiros etc, é algo válido na minha opinião. É claro que como vc mesmo mostra esse protesto em cima do slogan passe livre acaba com tudo, mas se desse pra desvirtuar os protestos pra redução dos salários dos políticos etc acredito que seria válido, mas acredito que não exista liderança para isto, quis somente por esta perspectiva em questão.

    • Nem precisa responder o tópico anterior, esta leitura já me abriu a perspectiva: “a ideia vem antes da ação, ok? Sem diagnóstico da doença, não há tratamento adequado. Pior: o tratamento AGRAVA a doença.”

      “Com a palavra, o maior filósofo brasileiro. Volto em seguida.

      1. “Quer tarifas mais baratas? Acabe com o monopólio das empresas queridinhas do governo, abra o transporte público ao LIVRE MERCADO. É o óbvio dos óbvios.”
      (Olavo de Carvalho)

      2. “O que a massa sente e imagina não conta. O que conta é: quem comanda? Quem planejou? Quem subsidia? Qual a estratégia geral em que se insere o movimento? A massa, se surgir de dentro dela uma liderança antagônica aos organizadores iniciais, pode, é claro, mudar o curso das coisas, mas cadê essa liderança? Como ela não existe, os anticomunistas que participam dos protestos são a massa de idiotais úteis mais solícita que já existiu.”
      (Olavo de Carvalho)

      3. “Se houvesse uma liderança conservadora corajosa, lúcida e ativa, esta seria a sua melhor oportunidade de tomar da esquerda a iniciativa do processo, e virar a mesa. Mas, repito, essa liderança não existe, pelo menos entre os civis. Se há alguma nos quartéis, não sei. Há oito anos perdi o contato com os círculos militares brasileiros e, diga-se de passagem, não sou bidu.”
      (Olavo de Carvalho)

      4. [E sobre este vídeo: https://www.facebook.com/photo.php?v=162365697277452&set=vb.100005120674303&type=2&theater%5D

      “Um texto preparado, recitado em uníssono por uma massa disciplinada, é a prova viva de um lance de engenharia social.”
      (Olavo de Carvalho)

      Entenderam, manipuladinhos? Ou querem que eu desenhe?

      Àqueles que me pedem para “fazer alguma coisa”, ou “influenciar positivamente”, ou “ir pra rua”, como se eu fosse um líder político ou militar COM OS MEIOS DE AÇÃO para mudar o rumo das massas insatisfeitas como quem diz “Agora, senhores, por aqui!” e assim fazê-las apontar com eficiência para os alvos certos, com o discurso certo, e quem sabe até a coreografia certa (para uma musiquinha do tipo “Quem não pula quer o Lula!”), só tenho a dizer o óbvio: Eu – graças a Deus! – não sou esse cara! Eu não tenho os meios de ação! Não há no Brasil esta figura! Infelizmente, AINDA não há.

      Como qualquer estudioso sabe, no entanto, esta figura – esta liderança – só poderá surgir como consequência do trabalho de uma elite intelectual – e eu sou um desses caras! uhuuul! – capaz de explicar que diabos está acontecendo no país, identificando e desmoralizando os responsáveis pelo nosso atraso, sejam eles políticos, pseudointelectuais, empresários, artistas etc., e despertando o maior público possível para a realidade que aí está, com todos os recursos literários e pedagógicos necessários para tanto. Eu sei que, para alguns parasitas, será complicado entender, mas… a ideia vem antes da ação, ok? Sem diagnóstico da doença, não há tratamento adequado. Pior: o tratamento AGRAVA a doença.

      E, por enquanto, é só isso que vocês estão fazendo ao seguir as “minorias” terroristas financiadas e orquestradas por agentes invisíveis a olhos nus, e cujos métodos e objetivos vocês desconhecem.

      Mas vão lá, senhores. Mostrem com quanta violência se faz um protesto pacífico. Assumam seus papéis no jogo de ‘curling’ brasileiro. Vão varrendo a pista de gelo nacional para as pedras de granito dos comunistas chegarem cada vez mais perto do seu alvo.”

      http://felipemourabrasil.com.br/

Deixe uma resposta