Quando esquerdistas falam o que pensam…

15
176

jason-voorhees

Estou neste momento compilando cerca de 800 declarações de esquerdistas, que vão de acordo com o que eles pensam sobre a vida. 100 dessas declarações estarão presentes no meu livro que está sendo finalizado, onde abordo ceticismo político, e as outras 700 estarão em sua sequência, onde enfim defendo a refutação completa e a superação do esquerdismo.

Enquanto isso, aproveito o tempo para compartilhar um pouco da “sabedoria” esquerdista norte-americana com vocês.

Comecemos falando do ambientalismo radical.

Carl Amery, Escritor alemão, fundador do movimento verde na Alemanha, diz: “Nós, do movimento verde, aspiramos a um modelo cultural no qual matar uma floresta será considerado mais desprezível e criminoso do que a venda de uma criança de seis anos para bordéis asiáticos.”

O ator Alec Baldwin afirma: “Tudo ao nosso redor são sinais da mudança climática global. E a resposta desta administração [de George Bush] é mandar mais tropas ao Iraque. Se você acha que não há uma conexão entre a temperatura e o Iraque, você está enganado.”

Judi Bari, ambientalista, sindicalista e feminista, além de organizadora da ONG Earth First!, diz: “Eu acho que se nós não superarmos o capitalismo, não teremos uma chance de salvar o mundo ecologicamente. Eu acho que é possível ter uma sociedade ecológica sob o socialismo. Eu não acho que seja possível sob o capitalismo.”

Neil Barnard, consultor científico da PETA, arruma mais um pretexto para que o estado aumente sua taxação: “O consumo de carne é tão perigoso para a saúde pública como uso de tabaco. É hora de punirmos judicialmente os produtores de carne e lanchonetes fast-food.”

Marc Becker, professor associado de história latino-americana na Universidade Truman State, não vai com a cara de Cristóvão Colombo: “As ações de Colombo iniciaram uma era de moderno colonialismo, estupro, pilhagem, genocídio, destruição cultural, escravidão, e devastação econômica e ambiental.” Isto é, para, ele, o “bom selvagem”, de Rousseau, garantia a paz na Terra…

Steven Best, ativista de direitos dos animais e professor de filosofia na Universidade do Texas em El Paso, fala de suas manifestações pacíficas: “Nós vamos quebrar a lei e destruir propriedades [em nossa campanha contra pesquisas em animais] até que vençamos. ”

Já indo para a seara do anti-americanismo, David A. Bell, professor de história na Universidade John Hopkins (e que escreve para a New Republic), diz: “Será que o 11/9 foi tão mal assim? […] [Nós precisamos]  nos lembrar que nem todo inimigo é de fato uma ameaça a nossa existência.”

Ainda na época do 11/9, Richard Berthold, professor de história clássica na Universidade Novo México, disse: “Qualquer um que puder destruir o Pentágono tem meu voto”.

Sobre o desarmamento, Sara Brady, esposa do ex-secretário da Casa Branca James Scott Brady, é muito honesta, pelo menos: “Nossa tarefa de criar uma América socialista só pode obter sucesso quando aqueles que puderem resistir a nós estiverem totalmente desarmados.”

Na questão da doutrinação escolar, eles se empolgam.

Mary Jo Bane, secretária assistente da administração de Bill Clinton  para famílias e crianças no Departamento de Saúde e Serviços Sociais, além de professora de política pública da Escola Governamental Harvard Kennedy, tem uma fórmula para garantir que todas as crianças sejam educadas de forma a cultuar o estado: “Nós realmente não sabemos como criar crianças. Se quisermos falar a respeito de igualdade de oportunidades para crianças, então o fato de que as crianças são criadas por suas famílias significa que não há igualdade. […] Para criar crianças com igualdade, devemos tirá-las das famílias e criá-las de forma pública.”

Benjamin Bloom, professor emérito da Universidade de Chicago, também concorda que escola não é lugar para ensinar a criança a adquirir conhecimentos úteis para a sua vida. Ele afirma: “O propósto da educação é mudar os pensamentos, sentimentos e ações dos estudantes. ”

Em relação ao ativismo radical, muitas vezes eles se entregam.  Bill Ayers, membro do Weatherman, diz: “Eu não me arrependo de plantar bombas [como um membro do Weathermen]. Eu sinto apenas por não ter feito isso o suficiente.” Posteriormente ele dá sua fórmula para revolução: “Mate todos os ricos. Destrua seus carros e apartamentos. Traga a revolução para casa, mate seus pais. ”

O “filósofo” Kenneth Boulding quer que o estado defina o direito dos pais poderem ter filhos: “O direito de ter crianças deve ser uma mercadoria, comprada e trocada por indivíduos, mas absolutamente limitada pelo estado. ”

Quando suspeitamos de iniciativas em prol de um governo global, esquerdistas dizem que é “teoria da conspiração”.

Mas Kofi Annan, diplomata ganês que serviu como Secretário Geral das Nações Unidas entre 1997 e 2007 (e ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2001), diz: “A soberania das nações não deve mais ser usada como um escudo para graves violações dos direitos humanos.”

William Benton, senador por Connecticut entre 1949 e 1953 (e embaixador da UNESCO em Paris, servindo entre 1963 e 1968), afirma: “Estamos no início de um longo processo de quebrar os muros das soberanias nacionais. UNESCO deve ser a pioneira. ”

Boutros Boutros-Ghali, diplomata egípcio que foi o sexto Secretário Geral das Nações Unidas, de Janeiro de 1992 a Dezembro de 1996, garante que “o tempo de soberania absoluta e exclusiva se foi”.

Ué, mas não era tudo “teoria da conspiração”?

Do racismo invertido, criado pela esquerda (por que não estou surpreso?), surgem as pérolas mais radicais.

Mary Berry, professora de Pensamento Social Americano e professora de história na Universidade da Pensilvânia, diz: “Leis de direito civil não foram aprovadas para proteger os direitos de homens brancos e não se aplicam a eles.”

O poeta de esquerda Amiri Baraka se supera, e proclama: “Vocês [brancos] podem ajudar morrendo. Vocês são um câncer. Vocês podem ajudar as pessoas do mundo com sua morte.” Essa é a resposta que ele deu a uma mulher branca que perguntou como os brancos podiam ajudá-los na causa negra.

Mais de Baraka: “Queremos poemas que matem. Poemas assassinos. Poemas que disparem armas. Poemas que aniquilam policiais em becos e tomem suas armas, deixando-os mortos com suas línguas arrancadas e enviadas para a Irlanda.” Segue a receita dele para salvação do planeta: “Nós [negros] devemos eliminar o homem branco antes que possamos respirar livremente neste planeta.” E para finalizar: “Estupre as garotas brancas. Estupre seus pais. Corte a garganta das mães.”

Isto é só um aperitivo.

A melhor forma de estudar o esquerdismo é pela análise do comportamento dos esquerdistas, e quando eles discursam mais empolgados, mais entregam o que o esquerdismo de fato é. Mas, no fundo, eles estão apenas falando o que pensam.

Eu não diria que todo esquerdista é psicopata, embora todos eles repitam discursos e rotinas criados por psicopatas. Mas que o esquerdismo é a casa ideal para todo psicopata, quanto a isso não há dúvida alguma.

** Atualização de 08/07/2013 as 23:58  abaixo, com as fontes para todas as frases acima **

Clique para ampliar
Clique para ampliar
Anúncios

15 COMMENTS

  1. se me permitem o desabafo, eu sou negro e considero isso tanto um motivo de honra quanto um compromisso. Honra pelos acertos, pelos aspectos positivos dos meus ancestrais. Compromisso de não cometer os mesmos erros. Creio que todo aquele que tem uma identidade nacional vinculada a sua ancestralidade deva agir assim, sejam germanodecendentes, nikkeis, italodecendentes, judeus, etc.
    Mas a maravilha da miscigenação que acontece no Brasil me deu a graça de ter uma irmãzinha branca.
    E é por coisas assim que eu jamais vou ser favorável a essas demandas de esquerda. Se o tal do Baraka chegar perto dela com essa conversa, eu vou ser o maior defensor de porte de armas do mundo. Se algum canalha ameaçar a vida dela seguindo esse pensamento psicótico, eu vou ser o primeiro a descarregar o pente da 9mm em sua carcaça imunda.
    Perdão eu ter baixado o nível, Luciano. Eu fiquei muito puto com a declaração desse maldito.

  2. “Mas que o esquerdismo é a casa ideal para todo psicopata, quanto a isso não há dúvida alguma.”

    Esquerdismo = Trevas.

    Se o cristão deseja e tem a missão de ser Luz, não pode haver união dele com o esquerdismo.

  3. LH, uma dica: quando publicar citações, preocupe-se em citar as fontes. Você sabe bem que os esquerdistas negam tudo o que fizeram com a maior cara de pau…

    Um exemplo de livro irrefutável nesse sentido é o “Poder Global e Religião Universal”, de Juan Claudio Sanahuja: cada documento que referencia uma iniciativa com fim a implantar um governo global ou uma religião universal é citado para evitar questionamentos que têm o único objetivo de desvia a atenção.

  4. Essas e outras frases escabrosas estarão com suas devida fonte, correto? (à propósito, onde estão as fontes desa frases?)

    Só estou questionando isso para nenhum esquerdista ficar de papo-furado tipo “isso tudo é invenção, seu porco fascista reacionário!”…

    • Alex,

      Excelente livro esse. Minhas fontes principais para os absurdos da esquerda são esse livro, e outro do Gielow, “You Don’t Say”, além de “Unhinged”, de Michelle Malkin”, “Slander, de Ann Coulter, e “The Professors”, de Davir Horowitz.

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta