O racismo de Karl Marx

7
438

Marx-e-Engels-divulgação

Fonte: Walter Williams © 2006 WorldNetDaily.com (traduzido por Julio Severo)

Karl Marx é o herói de alguns líderes sindicalistas e organizações de direitos civis, inclusive aqueles que organizaram o recente protesto contra a legislação de imigração que foi proposta nos EUA. É fácil ser marxista para alguém que não leu o que Marx escreveu. A maioria das pessoas que leram concorda que as predições de Marx acerca do capitalismo demonstraram estar totalmente erradas.

O que a maioria das pessoas não sabe é que Marx era totalmente racista e anti-semita. Ele não dava importância aos mexicanos. Com relação à anexação da Califórnia depois da guerra entre o México e os Estados Unidos, Marx escreveu: “Sem violência, não dá para se chegar a realizar nada na historia”. Então ele diz: “Será que é falta de sorte que a magnífica Califórnia tenha sido tomada dos preguiçosos mexicanos que não sabiam o que fazer com ela?” Friedrich Engels, co-autor com Marx do Manifesto do Partido Comunista, acrescentou: “Nos Estados Unidos, testemunhamos a conquista do México e nos alegramos com isso. É para o interesse de seu próprio desenvolvimento que o México seja colocado sob a tutela dos Estados Unidos”. Pode-se achar muitas das idéias de Marx num livro escrito pelo ex-comunista Nathaniel Weyl, intitulado “Karl Marx, Racist” (1979).

Numa carta de julho de 1862 para Engels, em referência a Ferdinand Lassalle, seu competidor político socialista, Marx escreveu: “…é agora completamente evidente para mim que, como provam a formação de seu crânio e seus cabelos, ele descende dos negros do Egito, presumindo que sua mãe ou avó não tinha cruzado com um preto. Ora, essa união de judaísmo e germanismo com uma substância negra básica deve produzir um produto peculiar. A impertinência do camarada é também característica dos pretos”.

Engels também tinha muitas das convicções filosóficas raciais de Marx. Em 1887, Paul Lafargue, que era o genro de Marx, havia se candidatado a uma vaga num distrito de Paris que continha um zoológico. Engels afirmou que Paul tinha “um oitavo ou um décimo de sangue de preto”. Numa carta de abril de 1887 para a esposa de Paul, Engels escreveu: “Estando em sua qualidade como preto, um grau mais próximo do resto do reino animal do que o resto de nós, ele é sem dúvida alguma o representante mais adequado desse distrito”.

Marx e Engels tinham em comum uma idéia muito comum em toda a historia da humanidade até hoje: a idéia de que algumas pessoas são dotadas com inteligência e sabedoria superior, e foram nomeadas para impor à força essa sabedoria nas massas.

Dr. Walter E. Williams é um americano negro, professor de economia na Universidade George Mason em Fairfax, Va, EUA.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. O engraçado é que o esquerdista de hoje diz que na época esse pensamento era o senso comum para defender o seu guru, mas não deixa de considerar racismo qualquer frase dita por alguém que não era esquerdista na mesma época ou há 10 mil anos atrás. Todas as desculpas e ressalvas valem para os que se julgam salvadores da humanidade e jogam confetes uns nos outros. É hilário ver que os ídolos desses idiotas são todos feitos de barro, não só os pés.

  2. Vejo que uma de minhas sugestões acabou sendo seguida. Agora seria interessante expor também a homofobia vinda dos marxistas-humanistas-neoateístas. Marx e Engels têm algumas citações, mas há também outras mais recentes (como as de Che), fora todas as políticas dos países que operacionalizaram o socialismo e fizeram com que tal doutrina tenha sido a que mais matou não-heterossexuais em todos os tempos. Se perigar, deve ter até mesmo citações homofóbicas vindas de marxistas culturais.
    Uma coisa importante é uma impressão que tenho de que os homo e bissexuais devem ter sacado muito antes do resto da galera de que como grupo estão sendo usados de massa de manobra. Observe-se que a Parada Gay paulistana perdeu 40 mil frequentadores entra a edição do ano passado (que já estava esvaziada) e a deste ano, segundo a metodologia do Datafolha. Pode ser que no “mundinho” já esteja circulando (e com uma viralidade mais rápida devido ao menor número de pessoas que em outros grupos de seres humanos) os lances históricos de que MHNs sempre prometeram mundos e fundos mas, quando no poder, no mínimo viraram as costas mas também chegaram ao extremo de matar aqueles cuja sexualidade era considerada um “desvio burguês”.

    • Lembrando, além de Marx, Lutero também era notável antissemita e racista, chegando a pregar que judeus deveriam ter seus bens confiscados, casas queimadas e fossem expulsos em massa da Alemanha.

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Martinho_Lutero (Ctrl + F, pesquisar “antissemita”)

      Engraçado é vermos cultos “protestantes” hoje adotarem uma linha de culto judaizante, na mesma medida que marxistas “defendem” negros e instrumentalizam os gays.

Deixe uma resposta