Não dá para descer mais baixo que isso: Neo-ateus planejam “desbatismo” para protestar contra visita do papa ao Brasil

31
70

representantes-da-atea

Fonte: UOL

Enquanto cerca de 2 milhões de pessoas, segundo a Igreja Católica, se dirigem ao Rio para ver o papa Francisco ao vivo na próxima semana, membros da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) preparam um protesto inusitado como forma de desagrado à visita.

O grupo fará cerimônias de “desbatismo” em todo o país para chamar a atenção da sociedade sobre os gastos públicos na Jornada Mundial da Juventude e a proeminência católica em um Estado dito laico.

Ao mesmo tempo em que o pontífice faz sua primeira aparição oficial no Brasil às 17h da próxima segunda-feira (22), no Palácio Guanabara, sede do governo do Rio, representantes da associação em diversas partes do país irão empunhar secadores de cabelo dirigidos a cada interessado em “evaporar as águas do batismo com os ventos do secularismo”.

O desbatismo, segundo a Atea, é um ato de protesto daqueles que foram batizados pela Igreja Católica, mas que não desejam pertencer a ela. “Sendo desbatizada, a pessoa mostra que não quer se vincular com o que a Igreja Católica faz ou diz”, explica o presidente da associação, Daniel Sottomaior.

Para Sottomaior não há nenhum interesse público que justifique o gasto de milhões de reais do governo com a visita do papa e a jornada, de caráter exclusivamente religioso. Ao usar dinheiro público para financiar um evento religioso como a JMJ o governo tornaria todos os cidadãos do país católicos “à força”.

“Por que é que o Vaticano não enviou o papamóvel com recursos próprios, ao invés de a FAB ir buscá-lo, ao custo de centenas de milhares de reais?”, questiona. “A laicidade é um princípio norteador da democracia, e nunca foi levada a sério no país. Temos símbolos religiosos nas repartições públicas, frases religiosas no dinheiro, ensino religioso em escolas públicas, sintomas de uma apropriação generalizada da religião sobre o Estado.”

Segundo o Censo 2010 há no Brasil 615.096 ateus e 124.436 agnósticos — a Atea tem 9,5 mil associados e cerca de 260 mil seguidores no Facebook. Sottomaior diz que é difícil precisar o número exato de ateus no país, uma vez que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) incluiu o dado apenas no último censo. Ele acusa a instituição de fazer a pesquisa de forma falha ao perguntar “qual a sua religião”. “Ele induz os ateus a não se identificarem, o que gera uma subnotificação”.

Todas as pessoas, mesmo aquelas que não foram batizadas, podem participar da cerimônia. Até a manhã desta quinta-feira (18), 450 pessoas haviam confirmado presença na página do evento no Facebook. No Rio a associação chegou a solicitar um habeas corpus preventivo para assegurar o ato, que ainda não tem local definido. Também devem ser realizados desbatismos em São Paulo, Belo Horizonte, Ribeirão Preto e Porto Alegre.

Meus comentários

E depois um bando de fanáticos da ATEA me critica pelo fato de eu não me alinhar a neo-ateus. Obviamente que essa escória só queima o filme dos ateus. Deviam, ao invés disso, se rotularem como humanistas (que eles sabem que são), que, como todos leitores daqui sabem, tem o mesmo nível de dignidade dos esquerdistas em geral. Ou seja, nenhum.

Realizem o absurdo da situação. Richard Dawkins chega no Brasil e uma multidão de cristãos vai simular uma “desconversão” do ateísmo na frente dele. Para que isso? Obviamente, é o cúmulo da falta de auto-estima convertida em “protesto”.

A sorte deles é que o Papa Francisco não é treinado para embate político, senão, durante os protestos, poderia humilhá-los de tal forma que faria todos esses “manifestantes” urinarem nas calças.

Exemplo do que Papa Francisco poderia falar, em público: “Esse neo-ateísmo é tão ‘digno’ que eles vem fazer desbatismo em nossa presença. Se eles precisam tanto de nossa atenção, será que não há um problema psicológico que eles carregam por causa de suas crenças? Vejam um exemplo de como crenças fanáticas podem destruir a capacidade de convivência social. Não sigam um exemplo tão abjeto quanto o deles. Se um dia virem ateus pela frente, não precisam ir ‘simular desconversão do ateísmo’ na frente deles. É uma atitude boba e infantil!”.

Mas, se o Papa não joga este tipo de jogo, aqueles que o seguem podem fazê-lo. Fica a dica.

Como ateu, a ATEA não me representa, pois o ateísmo não precisa de fanáticos psicóticos fingindo que representam todos os ateus. Eu sou batizado, e, após ter abandonado a crença em Deus, não movi uma palha para fazer algum “desbatismo”. Até por que, se eu não acredito em Deus, que diferença faz eu ser batizado ou não?

Mais uma contradição que constrange facilmente essa geração “ateu toddyinho”, mas eles usam no ritual de “desbatismo” um secador escrito “razão”.

É claro que não há um argumento racional que justifique tamanho papelão da parte deles. E, como eu disse, o humanismo cada dia confirma mais minha tese dizendo que humanistas e esquerdistas decretaram que desistiram definitivamente do debate racional.

Anúncios

31 COMMENTS

  1. Hahahaha! avise ao Sottomaior que sacramento só pode ser “removido” com a excomunhão e que para essas coisas existe um tal de tribunal eclesiástico que não serve só pra anular casamentos, que é também um sacramento.
    Agora sabemos qual é o deus da ATEA, seu nome é razão e sua alcunha é a ciência, veja que coisa interessante, Camus estava certo trocamos mesmo de sistema metafísico para suportar o absurdo da existência hahaha! tem que rir viu, tem que rir muito!

    • Só uma coisa: isso de “deus ciência” da ATEA não existe. Ciência, para eles, significa falar “quero ciência e razão no lugar da religião”. Aí é fácil. Isso não é ciência, mas marketing pessoal. rs.

      • ” isso de “deus ciência” da ATEA não existe.”

        Não sei não luciano…..esse subconceito fica cada vez mais evidente nas ações e falas humanistas neoatéias.
        uma investigação mais aprofundada nas bases teóricas do humanismo, nos levam a conclusões nem tão surpreendentes de que a religião política substituição o deus judaico-cristão pelo o homem/ humano, sendo o verbo (a força criadora) a ciência e a razão.

        Aliás me é muito conveniente esse comentário, porque (vou dar uma de cidadão agora) eu gostaria que vc comentasse ou fizesse um post sobre esses dois vídeos que postarei abaixo…

        Nesse vídeo temos:

        Os libertários, muitos deles humanistas e neo-ateus, que pregam um retorno ao iluminismo, mas sempre no moldes Nietzschianos de Übermensch, que também são utilizados por Marx e seus asseclas fanáticos, ou seja os esquerdistas. Sendo portanto humanistas, os libertários estão a dar autoridade moral a qualquer prerrogativa esquerdista, mesmo que se digam contra o controle estatal. Como você luciano, comenta esses dois vídeos acerca dos assuntos que são referidos…

        Transumanismo, humanismo, iluminismo, libertários e esquerdismo(?).

        É claro que eu tenho minhas próprias análisas, a partir do meu paradigma pessoal (reunião e conexão de informações sobre conspiração, globalistas, sociedades ocultas, ideologias, religião e ciência). Mas gostaria de saber como você através do seu paradigma que é a dinâmica social e religião política.

        http://www.youtube.com/watch?v=hdv6Aaj4eqA

      • Vejamos por outra perspectiva. Imagine-se como um gerente concorrendo a uma promoção em uma organização, que tem como lema o foco em resultados. E então um outro gerente, concorrendo com você, gasta 50% do tempo falando nos corredores que ele é o “adepto dos resultados”, ao invés de demonstrar resultados de fato. Você, como concorrente ao cargo, o reconheceria como um “cultuador do deus resultado”, sabendo que isso automaticamente dará promoção a ele?

        É claro que se neo-ateus “cultuassem a ciência como um Deus”, viveriam uma vida coerente com esse discurso, mas, tirando a negação a Deus, eles só acreditam em bizarrices como: superação das contingencias humanas, superação do gregarismo (mas só com o fim da religião), memética, paraísos em Terra, etc, etc…

        O discurso deles é um caudal de superstições ridículas e demenciais, e uma olhada mais aprimorada, usando o método científico, destrói todas essas alegações deles em minutos.

        É claro que os humanistas não substituem Deus por “ciência”, mas sim substituem a prática da crença em Deus, dos cristãos, por uma prática de DISCURSO DE OBTENÇÃO DE AUTORIDADE, pois isso lhes causa afagos psicológicos e sensações de poder. Se eles cultuassem a “ciência”, viveriam vidas coerentes com esse discurso, mas é claro que eles estão mentindo.

        Vou asssistir os vídeos e comentar…

        Abs,

        LH

      • Sei disso luciano..Entretando sua análise do assunto é pela perspectiva da dinâmica social….essa dinâmica, envolve o discurso, o debate….por outro lado a a afirmação de que neo-ateus trocam Deus por uma SUPOSTA razão e ciência é pura e simplesmente uma observação de uma construção mental, uma crença própria e individual dos neo-ateus…não justificada.

        Eu entendi a sua ótica….
        Na ótica empresarial que você citou, está excluído o componente emocional sendo “uma organização, que tem como lema o foco em resultados”….

        Logo as qualidades de um ou outro gerente são diretamente proporcionais ao resultado que eles conseguem. Nisso leva-se em conta o discurso, pois o discurso de “obtenção de autoridade” feito em qualquer campo de conhecimento, é feito para a platéia, para se ganhar força no argumento e até possíveis colaborações ente os indivíduos daquela organização. Mas perceba que mesmo que a alegação do gerente de ser “adepto dos resultados”, ou “autoridade em qualquer assunto”, e mesmo que em realidade não seja um adepto dos resultados, nem autoridade em qualquer , não impede que ELE CREIA NISSO.

        E é justamente baseado nessa crença que ele deturpará dados, usará de argumentos falaciosos e desonestidade intelectual para manter essa visão que as pessoas tem dele, de adepto de resultados, e autoridade em um determinado assunto — o que culmina em ” discurso(…) caudal de superstições ridículas e demenciais”. A grande questão é se o gerente (neo ateu) é totalmente consciente dessa dissonância.

        No exemplo o gerente B perde a promoção, e mesmo sabendo que o gerente A não é adepto de resultados, ainda é possível que o gerente A creia nisso fanaticamente a despeito da própria razão e lógica — isso é dissonância cognitiva. Por outro lado em uma organização que só prima pelos resultados, sem levar em consideração outros fatores, apresentará uma tendência a acumular esse tipo de pessoa..já isto não se verifica se sairmos desse contexto corporativo de exemplificação.

        Não sei se estou sendo claro o suficiente — quando eles afirmam que “querem a ciência e razão no lugar da religião”, é uma confirmação do componente emocional, e não do lógico. Uma pessoa não precisa de completas e confirmadas informações lógicas e racionais para ter Fé. ao sugerir a ciência no lugar da religião, eles estão a sugerir que não precisam de informações completas, nem lógicas para se ter fé no humanismo — e isso está congruente às ações deles.

        Entendo que em debate (dinâmica social), essa afirmação tem alto índice de virada para os neo-ateus, dado o pouco conhecimento estrutural, teórico e ideológico de toda a questão por parte dos que assistem ao debate. Ma no debate 1 a 1, uma afirmação como essa (é uma granada psíquica, para quem sabe usar),que tende a desestabilizar o oponente neo-ateu.
        —-

        “É claro que se neo-ateus “cultuassem a ciência como um Deus”, viveriam uma vida coerente com esse discurso (…)Se eles cultuassem a “ciência”, viveriam vidas coerentes com esse discurso, mas é claro que eles estão mentindo. ”

        Não necessariamente, tal como religiosos que não vivem uma vida coerente com o discurso religioso que professam, ou qual quer outra ideologia professada, e não seguida em prática. Nisso são igualmente mentirosos…neos ateus possuem o adendo de ser mais assertivos e levarem seus discursos ao público, o que compõe a sua avaliação da dinâmica social. É claro que se isso acabará em avaliações de verdadeiro-falso (o verdadeiro ateu x o falso neo ateu….o religioso x o falso religioso…etc.

        .

      • É interessante sua observação, e farei um post para tratar detalhadamente sua objeção.

        Eu tratei um pouco desse ponto no post sobre a tese da cadelinha manca: http://lucianoayan.com/2012/02/29/qual-a-semelhanca-entre-uma-cadelinha-manca-e-neo-ateus-que-dizem-que-sao-da-razao-ou-da-ciencia/

        E concordo com você que para muitos funcionais (não beneficiários), existe um componente emocional envolvido que não está relacionado a uma análise lógica.

        No caso da crença em Deus, independente de Deus existiu ou não, é muito fácil alguém ser congruente com esta crença. Basta não cair em contradição durante uma conversa sobre a crença ou descrença em Deus.

        Mas quando alguém dizer “cultuar a ciência, ao invés de Deus”, a pessoa claramente está fazendo uma confusão de conceitos, que pode até ser baseada em uma confusão do que é ciência. Mas, se a pessoa “cultua a ciência”, não deveria ter focado em entender o conceito?

        Por isso comecei a desenvolver testes para verificar se as pessoas que alegam “viver pela ciência” tem discursos congruentes ou não com seu discurso. Em um post recente sobre Jean Wyllys, um tal de Carlos ficava o tempo todo dizendo que “só acreditava no que estivesse de acordo com o método científico”, e então eu comecei a questioná-lo de acordo com os princípios do método científico. Ele fugiu. Mas se ele “cultua a ciência”, devia ter permanecido, não?

        Mas elaborarei mais estes testes em um post mostrando que as 3 rotinas base do humanismo são (1) truques pensados, no caso dos beneficiários, (2) instintos emotivos, injustificados, no caso dos funcionais.

      • No caso da crença em Deus, independente de Deus existiu ou não, é muito fácil alguém ser congruente com esta crença. Basta não cair em contradição durante uma conversa sobre a crença ou descrença em Deus.

        Então…em discurso sim. Mas como eu disse existem outros componentes. Uma pessoa pode se maquiar como religioso, apresentar ação religiosa, discurso religioso, conhecimento religioso, rotina religiosa, e ainda ser diametralmente oposto ao conceito da existência divina, em outras séries de ações não facilmente verificadas. Seria uma espécie de comportamento mecânico. Um certo padre recém excomungado da igreja católica seria um exemplo disso. Por isso disse que cairemos na questão verdadeiro-falso.

        ‘Mas quando alguém dizer “cultuar a ciência, ao invés de Deus”, a pessoa claramente está fazendo uma confusão de conceitos, que pode até ser baseada em uma confusão do que é ciência.”

        Então, mas essa afirmação foi ‘nossa’, oponentes dos neo-ateus. Em realidade eles nunca usarão tal argumento, para não se colocar no mesmo grau de ridicularização ao qual pretendem submeter os religiosos. A afirmação de que eles cultuam a ciência ao invés de Deus, se dá por via de projeção reversa. Mesmo a ciência não lida com certezas absolutas, sendo portanto necessário uma medida de confiança a ser atribuída às suas teorias…no caso de ateus militantes (neo ateus), essa medida de confiabilidade é exacerbada (por um componente emocional) e eles acabam apresentando o comportamento religioso com sinal invertido. O componente emocional é verificado quando os humanistas se utilizam de artimanhas escusas para validar pontos de vista altamente teóricos (portanto carentes de comprovação ou previsão), ou simplesmente para ganhar o debate politicamente. Ou seja, onde o ceticismo deveria ser adotado, eles adotam certeza. Veja bem, eu não vejo nada demais nisso, é uma escolha, assim como o religioso escolhe ter fé. Por outro lado acho que isso deve ser apontado, no caso dos humanistas, assim como o é no caso dos religiosos, e deveria ser apontado no caso de qualquer ideologia.

        Mas, se a pessoa “cultua a ciência”, não deveria ter focado em entender o conceito?
        E por isso que eu disse sobre o componente emocional. Entender o conceito é parte do componente lógico. No caso de funcionais, eles estão tão certos de que a contra parte é ignorante ao conceito, que se eximem de entendê-lo eles próprios, portanto o curso de ação é apenas a repetição de propaganda. No caso dos beneficiários eles entendem o conceito e capitalizam em cima dele, mas o ignoram propositalmente, pois considerá-lo seria chegar a conclusão que o culto a ciência, depende de fé, em maior ou menor medida tal qual a religião, é como se fosse uma “astúcia do inconsciente” (http://www.olavodecarvalho.org/semana/130422dc.html)

        É como se o conceito fosse um peão que ora está situado em um campo lógico, ora em campo emocional.

        Em um post recente sobre Jean Wyllys, um tal de Carlos ficava o tempo todo dizendo que “só acreditava no que estivesse de acordo com o método científico”, e então eu comecei a questioná-lo de acordo com os princípios do método científico
        Sim, eu estava lá…

        Ele fugiu. Mas se ele “cultua a ciência”, devia ter permanecido, não?
        Em termos de dinâmica social…sim. E isso implica que ele perdeu o debate.
        Ele poderia inclusive usar o argumento de Dawkins — ” A ciência AINDA não respondeu tudo, dê tempo à ciência”, como desculpa para dar uma enrolada para teorias que não serão provadas agora, mas em um futuro próximo.
        “só acreditar no que está de acordo com o método científico” é por si só acreditar que o método científico é INFALÍVEL. Ele afirma que através de um componente emocional, não questiona um componente lógico. Mas quando questionado pelo componente lógico (princípios do método científico usados por você), ele percebe que mesmo o componente lógico não é infalível….daí seu componente emocional começa a guiar suas ações, devido à conscientização de sua própria dissonância.
        Eu estou muito teórico hoje 🙂
        Vou aguardar o seu post.
        Vê se não me detona.

      • O neo-ateísmo tem como fonte sagrada de conhecimento a Ciência e como divindade a Razão.

        Ciência é o nome pelo qual chamam a coleção dos livros do Dawkins e Razão é o nome do secador de cabelo mágico que alegam ter o poder místico de reverter o sacramento cristão do batismo.

    • Nem a excomunhão remove o batismo. Ele é como um carimbo na alma. O pior que você pode realizar é a apostasia, mas ainda assim, uma vez batizado, até o último instante da sua vida você pode deixar de ser apóstata. O batismo é nascer novamente em Cristo.

    • Nem o próprio ateísmo eles conseguem cultuar de forma coerente, quando mais a ciência. E falando em Camus, é por isso que eu respeito os existencialistas pois eles sempre procuravam primar pela honestidade, palavra essa que nem existe no dicionário humanista e neo-ateísta.

  2. O Papa Francisco é importante para a direita porque é candidato a símbolo da direita mundial. Ele está enxugando o Vaticano e tem um apelo que ninguém mais pode ter: para os católicos foi Deus quem o escolheu para estar lá. Tem muito poder de influência principalmente na América do Sul, na Argentina por exemplo se Cristina Kirchner disser X e Papa Francisco disser Y, pode apostar que o povo da Argentina vai apoiar Y.

    Veja a comparação com o Lula por exemplo, que é um símbolo da esquerda no Brasil: Francisco é intocável pela esquerda brasileira, enquanto o Lula é bastante tangível para a direita. Francisco tem uma formação acadêmica notável, enquanto o Lula é ignorante assumido. Francisco está enrigecendo as regras do Vaticano para pegar os corruptos, enquanto Lula quer salvar a pele de mensaleiros.

    Dá até pena (mentira, não dá pena). Que tal o frame “Governo brasileiro deve agir como Papa Franciso”?

  3. Uma nota: conheço inúmeras pessoas que curtem a página deles só para ver o que está escrito, o que o inimigo tem semeado nos corações dos incautos; certamente metade das curtidas são de cristãos.

  4. Eu, como ateu, fico muito envergonhado com tais atitudes. É como eu disse e continuo dizendo, o ateísmo está se dogmatizando, estão imputando ao ateísmo normas, leis e modos de agir. Se o negócio continuar assim, vou “pular fora” do ateísmo. Talvez eu vá para o niilismo, pois os niilistas não enchem o saco de ninguém, assim como estes não gostam de serem aporrinhados.

  5. Mas isso é bom, pois se a ideia é mostrar para as pessoas as falhas do sistema de pensamento dos neo ateus, então quanto mais besteiras eles fizerem, melhor! Como você mesmo disse em outro post sobre a espiral do delírio, devemos aproveitar as inúmeras oportunidades de ridicularização que eles nos fornecem.

  6. Luciano, deixando de lado essa ideia realmente ridícula de desbatismo público proposta pela ATEA para escarnecer dos religiosos, você não acha que o fato de tantos recursos públicos serem investidos em um evento religioso poderia mesmo comprometer a famigerada laicidade do Estado?

    • Capaz.

      Mas daí devemos cercear investimentos em manifestações de grupos oponentes em religiosos? Exemplo: se Dawkins vir ao Brasil, o estado não deveria fornecer segurança para onde ele estiver?

      Devemos aprimorar o debate, é claro, pois é uma questão interessante.

      Abs,

      LH

    • O dinheiro é para o evento, mas mesmo que fosse para a vinda do papa, ele é um chefe de estado como qualquer outro, os gastos são normais.

      Qualquer evento recebe o aparato necessário do estado, não? Ainda mais num país com um estado gigante como o nosso, segurança é uma coisa que ele deve garantir, por exemplo. Um evento religioso causar gastos públicos não fere a laicidade do estado, aliás, não passa nem perto disso.

      Um estado laico apenas garante a convivência das diferentes religiões, um estado que fornece recursos para os mais diferentes eventos vai deixar de oferecer para um porque é religioso? Do ponto de vista governamental é um evento como qualquer outro, que vai receber muita gente e precisa do aparato de segurança necessário (com o acréscimo de ter um chefe de estado exposto para um maluco qualquer querendo ser famoso).

  7. O mais engraçado de tudo é que agora ouvi notícias sobre a vinda do papa ao Brasil e a maioria absoluta dos cerca de R$ 320 milhões de reais das despesas de sua vinda vêm… do bolso dos fiéis e da própria Igreja Católica, com a prefeitura do Rio gastando menos de R$ 30 milhões, majoritariamente em esquema de segurança e pronto-socorro aos fiéis. Logo, na prática o poder público está recebendo um retorno financeiro muitíssimo superior em relação à quantia que estão investindo na brincadeira toda. Não sei quanto o governo federal gastou, mas pelo que dá a entender as despesas são de logística (algo natural se pensarmos que o Vaticano não tem forças marítimas ou aeronáuticas e no máximo tem a Guarda Suíça e um serviço secreto).

  8. Esses neo-ateus usam o secador de cabelo escrito “razão”, da mesma forma que os místicos usam seus objetos ritualísticos, agindo como típicos religiosos. A religião pelo jeito, nãos saiu do interior deles mesmo, hahahahaha. Se Deus realmente não existe pra eles, pra que se preocupar com algo inexistente? Penso que o interior deles clamam tanto por Deus, que eles tem que fazer essas coisas absurdas e ridículas para se autoafirmarem e calarem a angústia de seus íntimos, kkkkkkkkkkkkkkk.

  9. Vejamos por outra perspectiva. Imagine-se como um gerente concorrendo a uma promoção em uma organização, que tem como lema o foco em resultados. E então um outro gerente, concorrendo com você, gasta 50% do tempo falando nos corredores que ele é o “adepto dos resultados”, ao invés de demonstrar resultados de fato. Você, como concorrente ao cargo, o reconheceria como um “cultuador do deus resultado”, sabendo que isso automaticamente dará promoção a ele?

    É claro que se neo-ateus “cultuassem a ciência como um Deus”, viveriam uma vida coerente com esse discurso, mas, tirando a negação a Deus, eles só acreditam em bizarrices como: superação das contingencias humanas, superação do gregarismo (mas só com o fim da religião), memética, paraísos em Terra, etc, etc…

    O discurso deles é um caudal de superstições ridículas e demenciais, e uma olhada mais aprimorada, usando o método científico, destrói todas essas alegações deles em minutos.

    É claro que os humanistas não substituem Deus por “ciência”, mas sim substituem a prática da crença em Deus, dos cristãos, por uma prática de DISCURSO DE OBTENÇÃO DE AUTORIDADE, pois isso lhes causa afagos psicológicos e sensações de poder. Se eles cultuassem a “ciência”, viveriam vidas coerentes com esse discurso, mas é claro que eles estão mentindo.

    Vou asssistir os vídeos e comentar…

    /\
    //
    \\
    //
    Só isso já daria um ótimo texto para um artigo de blog.

  10. Luciano, viste este flerte do Sakamoto com o neoateísmo catalisado pela vinda do papa Francisco? Tudo quanto é clichê dawkiniano está presente:

    1) Que a Globo noticiar bastante a respeito da vinda do papa poucos dias antes do grande evento em si (o que em balada seria chamado de esquenta) seria ruim. O engraçado é que temos outros tantos canais por aí e tenho a impressão de que a Record não noticiaria tanto assim. Porém, a preguiça de encostar o dedo no controle é maior;

    2) Acusar a imprensa de falta de senso crítico. Será que a mesma imprensa que denuncia os malfeitos de sacerdotes que não quiseram respeitar os códigos canônicos sem que a maioria católica deste país ache ruim não pode também falar de algo que agrade a essa mesma maioria católica, ainda mais que visita de papa não é algo assim tão comum? Aliás, a quem reclama dos gastos com a Copa, a notícia de que a maior parte dos gastos da Jornada Mundial da Juventude veio de doações dos católicos e que os investimentos público na prática estão na logística (lembrando que o Vaticano não tem força aérea ou marítima) e segurança, sendo que na prática o país vai arrecadar mais do que investiu deveria significar inclusive um alívio para os mesmos neoateus que acusam este país de não ser laico;

    3) Acusações de que a Igreja Católica influencia o cotidiano das pessoas mais do que parece. Porém, esquece-se o blogueiro de que a maioria dos brasileiros é católica e que estado laico não significa que uma religião não possa se expressar no cotidiano das pessoas;

    4) Ao dizer que liberdades individuais são limitadas por disputas levadas a cabo por representantes católicos, veja como ele age tal qual essas liberdades existissem e, por algum motivo, tivessem sido suprimidas pela Igreja;

    5) Observe-se como ele quer introduzir em uma história que diz respeito aos católicos (maioria do país) a disputa entre católicos e evangélicos. Na prática, ele está cantando uma bola de que quer os evangélicos como inocentes úteis na destruição do cristianismo. Porém, como sabemos, aqui jamais houve algo como na Irlanda do Norte. E o que seria “cobertura crítica”? Aquela que só desce a lenha? Ou aquela que sabe quando tirar o time de campo quando a ocasião não é apropriada?

    6) Note também o quanto que ele quer que “interesse público” se torne “aquilo que interessa a marxistas-humanistas-neoateístas”. Que Hoje é Dia de Maria foi bem recepcionada, isso é verdade, mas note como ele só se circunscreve à Globo. Estou preocupado com o televisor de seu lar, pois o seletor de canais deve estar com problemas;

    7) Observe como ele quer disfarçar que na mente dele estado laico teria de ser ateu, sob pena de não ser laico, nesta frase: “O Estado é laico. Isso significa que ele deve defender a livre expressão religiosa de todos, sem tomar partido de nenhum credo especificamente. Garantindo, por outro lado, que a manifestação da fé de alguém não se torne motivo para suplício e sofrimento de outros”. Ele não deve ter notado que o programa mais antigo da TV brasileira é o Mosaico, cujo nome denota que é voltado a judeus. Também não deve ter notado que a TV tem programas para kardecistas, só para ficarmos em religiões que tenham menos adeptos que católicos e denominações evangélicas. Também se esqueceu que na internet, que cada vez mais ganha audiência, todas as religiões lá se encontram;

    8) Aqui temos um “paz é guerra” básico: “Porque esta não é uma discussão para calar a voz de religiões, mas – pelo contrário – garantir que todas tenham voz”. Ué, mas elas não possuem? O que dizer da alta audiência de novelas com temas espíritas e filmes de mesmo tom quando exibidos na TV?

    9) Outro clichezão MHN: “Lembrando que uma democracia não é apenas a expressão da vontade da maioria, mas o respeito à dignidade das minorias”. Para que espíritas, umbandistas, candomblecistas, budistas e outras denominações tenham sua dignidade respeitada, é preciso que se suprima o noticiário sobre a vinda do líder da religião da maioria ou ficar fazendo a tal “cobertura crítica” que na prática é “descer a lenha em tudo que não seja minoritário”?

    10) Esta frase que vou passar adiante precisa mesmo de comentário ou na prática estamos vendo o blogueiro insinuar que o simples fato de se falar da vinda do papa seria formar caldo de cultura para atrocidades?

    “Ah, não está satisfeito com que passa em uma TV, desligue o canal, japonês!”. Como eu gostaria de desligar o mundo inteiro de vez em quando! Mas não dá. O problema não é o que vou assistir, mas os monstrinhos que a TV vai formando e vão ter que conviver conosco, em sociedade. A resposta rasa é ótima como mantra, mas não para uma discussão sobre qual sociedade queremos.

    11) Luciano, você que é ateu sente-se oprimido pela vinda do papa ao Brasil? Pois o Sakamoto está se sentindo:

    Ou seja, você, que se sente oprimido pela maioria ou fica revoltado com o status quo, tem sim uma opção: mude-se ou mude o seu comportamento. Antes que a gente vá até aí e te dê um sova.

    Outros ateus tradicionais que estejam lendo aqui podem ser manifestar sobre se sentem oprimidos pela maioria católica deste país. Quem for de minoria religiosa que não seja cristã também pode falar. Não acredito que se sintam oprimidos, mas é bom sempre ter uma segunda opinião;

    12) Já se encaminhando para o fim, segue o que você acharia provocação de parquinho, e que também acho:

    Enfim, Brasil em Cristo. Ame-o ou deixe-o.

    13) Em postagens do Sakamoto, os comentários são sempre mais interessantes que o texto titular. Repasso este:

    Chico Preto 3 horas atrás

    Calma Sakamoto, usando vossas palavras, vem cá, me dá um abraço. O Papa Francisco além de líder espiritual dos Católicos é um chefe de Estado e deve ter o protocolo para tal. Não é todo dia que recebemos a visita de um Papa, e este, um su lamericano, o que foi surpreendente. Deve ser um inferno (que não existe para os ateus) receber essa overdose de fé, religião e doutrina, eu até consigo imaginar. Mas vai ter que conviver mais una dias.

    • Sakamoto neoateizou ontem e continua a fazer o mesmo, ainda que aqui ele só tenha usado o mote para descer a lenha nos cristãos (independente aqui de ser católico ou evangélico), dizendo que eles só estariam de fato defendendo a dignidade humana se aceitassem os postulados marxistas-humanistas-neoateístas, mesmo que contrários às suas crenças.
      E como os comentários de postagens do Sakamoto acabam por vezes sendo mais interessantes que a postagem em si, observe-se o quanto há de pessoas dizendo que aqui estaríamos rumando para uma teocracia (quando apenas o que temos é um país laico que não é ateu e, por ter uma maioria de católicos em sua população, naturalmente adapta seu calendário a essa maioria).

  11. Luciano, segue o que disse o Leonardo Bruno (Conde Loppeux) sobre o facepalm da ATEA:

    http://www.youtube.com/watch?v=rBgIjbPZNg4

    Já que ele falou de Rachel Sheherazade…

    http://www.youtube.com/watch?v=KJwrztojIGg

    Alguns podem ter estranhado de ela ter dito que sem Deus não haveria nem ateus, mas dando uma pensada a mais, podemos entender que ela tenha falado de Deus também como conceito, e aí entendendo que um ateu recusa tal conceito. Afinal, a grosso modo independente da crença ou não em Deus, somos todos pessoas e ser pessoa independe daquilo que queiramos ou não. Se alguém aqui não se acha pessoa, mas se acha um cachorro, o fato de pensar que é um cachorro não faz com que automaticamente deixe de ser Homo sapiens para ser Canis familiaris. Porém, no caso de acreditar ou não em Deus, há a necessidade de Deus, mesmo que como conceito (uma vez que falamos da não-crença dos ateus), para que um ateu diga não acreditar. E eis que já vi neoateu neoateizando por aí:

    http://www.youtube.com/watch?v=tDtGONh7iH0

    http://www.youtube.com/watch?v=ufKpU2tccMw

    http://www.youtube.com/watch?v=57KCpEq32jM

    http://www.youtube.com/watch?v=DAr9D5jK-RM

    http://www.youtube.com/watch?v=UtQlC4mW6FU

    Em quantos desses neoateus você reparou um olhar de Cidade dos Malditos? Note como eles caíram como patos na trollagem de Rachel quando ela diz que ateus não existem sem Deus: foram contra ela pensando que ela disse que os ateus foram criados por Deus e não existem sem Ele, mas não notaram que ela havia dito que o ateu, enquanto tal, precisa de Deus enquanto conceito para poder negar que Nele acredite. Tenho cá a impressão de que ela falou essa frase propositadamente, com o motivo de desentocar os seguidores de Dawkins. E pelo visto foi como aquela brincadeira de criança de meter um pau no formigueiro para ver um monte delas saírem enfurecidas.
    Fico aqui pensando o que diriam os neoateus em relação àqueles padres que arriscaram a própria vida ao batizar crianças judias durante a Segunda Guerra para que fossem salvas da sanha nazista, mesmo com esses padres sabendo que esses dificilmente virariam católicas por causa do ato de terem tido a cabeça molhada com água, mas teriam a vida salva por serem confundidas com outras tantas crianças católicas.

    E volto a falar que inclusive neoateus são beneficiados com a implicância de religiosos. Se podem sofrer cirurgias sem transfusão de sangue, é porque médicos tiveram de pensar nos testemunhas-de-jeová. Se cientistas descobriram células-tronco de qualidade embrionária produzidas por organismos adultos e que dispensam destruir embriões, é porque católicos protestaram. E nessa, a ciência acabou avançando justamente por driblar as objeções de quem acredita em Deus.

    • Raquel usou a rotulagem reversa. É interessante ver os neoateus se debatento e tentando explicar ‘fundamentalismo’ assim como temos que explicar que nazismo é socialista.

      cidadão, seu último parágrafo é um tremendo tapa na cara dos neoateus.

  12. Segue também o que o canal PizzariaBrasil falou sobre o “desbatismo”, lembrando a coisa óbvia de o estado laico ser uma criação dos protestantes:

Deixe uma resposta