Está aí um esquerdista que segue seus dogmas à risca

3
71


@
Não dá para alguém ser mais esquerdista do que isso, pois, como diria Lênin, “o melhor revolucionário é um jovem desprovido de toda a moral”.

Basta usar a retórica de guerra de classes, achar que todos seus atos estão justificados a priori (inclusive queimar um ônibus e dizer que vai matar empresários) e fingir que está “salvando o mundo” que já temos um padrão a ser mapeado.

Alguns esquerdistas moderados (que só servem como fachada para os puristas, como esse do vídeo) dirão que ele representa uma exceção ao esquerdismo.

Mas veja o que escreveu o Duniscowsky, que postou o vídeo no YouTube: “Vale a pena ouvir e refletir nas coisas que este homem fala… Ele parece um pouco confuso em expor suas ideias, mas ele não está totalmente errado não… A população “menos favorecida” é vista pelas grandes empresas e empresários como GADO… como ESCRAVOS… É isto que o cenário político quer e apoia… Na favela, a realidade é outra mermão…!”

Outro, holofoteman, disse: “VANDALISMO É O CARALHO! Essa é a desculpa do governo e dos empresários pra desqualificar as manifestações!O povo é VIOLENTADO TODOS OS DIAS! Existe maior violência que viver na miséria? Passar fome? Existe maior violência que viver sem moradia? Sem saúde? Sem escola?Ah gente! SOMOS MUITO INGÊNUOS E SUBSERVIENTES!”

Keli Araújo escreveu: “O cara teve a manha.”

Enfim, não se conversa com esquerdista. Eles ressignificam tudo que fazem para jamais assumirem a culpa por nada. É por isso que o terrorista do vídeo diz: “Primeiro que eu não coloquei fogo. Eu fiz um poema concreto, e que eu precisava de alguns elementos. E o fogo foi um desses elementos”. Como percebeu Pat Condell, para esse tipo de gente linguagem não é uma ferramenta, mas uma arma.

Se fosse um religioso tradicional que agisse assim, com certeza muitos denunciariam seus atos como consequência da religião. Quanto a isso, pode-se até questionar, devido a baixa taxa de religiosos com comportamento antisocial justificando seus atos por causa da religião.

Por outro lado, a religião política esquerdista cria seres como esse vagabundo em escala industrial. O esquerdismo deve ser denunciado por criar esse tipo de pensamento terrorista e cultura de apologia ao crime. Ali não temos um criminoso simples, mas um esquerdista puro-sangue. Exatamente por isso, ele é um criminoso.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Saudades tristes dos jovens que lutaram e deram suas vidas para derrubar a Ditadura Militar, a maldita esquerda fardada. Saudades de Zuzu Angel e seu filho Stuart Edgar… E quanto ódio sinto ao ver o povo sendo usado como um bolo solado. Onde estão as massas? Alguns artistas ficaram ricos (alô rio de janeiro, aquele abraço)

    PQP.

  2. Luciano, eis que vejo mais um marxismo-humanismo-neoateísmo que pode ser usado no combate ao marxismo-humanismo-neoateísmo: veja este artigo da revista eletrônica Fórum sobre a invasão da Câmara de Vereadores porto-alegrense. Eis que alguns quiseram ficar nus e posar em frente a uma parede com diversas fotos de vereadores e ex-vereadores. Puseram algumas fotos de cabeça para baixo, colaram cartazes perto de umas fotos (e foram sagazes o suficiente para se livrar de acusações de dano ao patrimônio público, que poderiam haver com pichação), mas aí é que entra o incrível poder autodestrutivo do MHN que pode tranquilamente ser usado contra o próprio MHN: a autora do texto ateve-se não ao todo do ato (que tinha homens e mulheres, como poderá ver na foto maior, mas ao canto inferior direito, em que temos um cara que não está nu (vide o calção que veste) deitado de lado e segurando a foto de Manuela D’Ávila, ex-vereadora e hoje deputada federal. Logo, tudo isso deixou de ser “debate sobre a mercantilização do corpo” para virar “machismo”. Além disso, a autora também pergunta se “essa era a melhor forma de levar o debate do aprisionamento dos corpos e da falsa moral burguesa para o debate público”.
    Sobrou até para o Valter Nagelstein, do PMDB, seja quando este falou que “quando o magrão se acocou pra foto, o mormaço da semaninha sem banho fez as fotos virarem de cabeça para baixo” e que “eles não taparam a cara, taparam foi o nariz”, tudo isso via Twitter, seja ao falarem de Andréa Rammé, ex-capa da Playboy com quem o vereador é casado e por isso o estão acusando de ser incoerente. Aí, é claro, entra o modo feminista em ação e irão dizer que o patriarcado está ofendendo o Valter, vereador este que também reproduziu texto de Fernando Rosa, agitador cultural da capital gaúcha, que fala sobre quem são alguns dos invasores da Câmara de Vereadores.

    O que digo nessa história toda? Fico sentado, pego um monte de amendoim em casca, procuro o melhor lugar e assisto de camarote a isso tudo, agradecendo tanto pelo MHN ser autodestrutivo quanto ao PMDB ser um balaio de gatos. É daqueles momentos em que quem combate o MHN nada precisa fazer, pois o trabalho já está sendo feito por terceiros. Baixe a lona e vira circo.

    • “Mas, SENDO O OBJETIVO FINAL VÁLIDO, devem ter, presumo eu, avaliado que essa era a melhor forma de levar o debate do aprisionamento dos corpos e da falsa moral burguesa para o debate público. E cada grupo tem suas táticas e estratégias que não nos cabe questionar. TÁ PELA ESQUERDA? APOIAMOS.”

      Esse trecho me lembra o que Padre Paulo Ricardo falou na 5ª palestra sobre Revolução Cultural Marxista sobre o primado da práxis sobre a teoria, que é uma das características da mente revolucionária, a partir de 32min00 do vídeo abaixo:

Deixe uma resposta