Lula dá o pontapé inicial no maior jogo político de nossa era: a luta pelo controle da mídia

36
82

images-cms-image-000326064

Um leitor criticou-me no passado por usar o termo “jogo”, aplicado à política, mas esse termo é mais do que adequado quando temos que comparar a ação política com jogos como pôquer e xadrez. Se os termos estratégia e perspicácia não estão presentes em um dos lados da contenda, o desastre é iminente.

A esquerda joga politicamente o tempo todo. A maior arte dos jogos políticos (que, quando executados em conjunto, ao menos por um dos lados, compõem a guerra política) está no fato de que muitas vezes um lado joga, e o outro nem sabe que está ocorrendo um jogo. Quando isso ocorre temos a política ao estado da arte. É exatamente essa  faceta mais perigosa da política. Por isso temos que criar uma cultura de pessoas da direita que conheçam o jogo político.

Seja lá como for, a partida mais decisiva para o PT é esta na qual tentam tomar o poder de forma totalitária, e, para fazê-lo, precisam controlar a mídia. Assim que conseguirem o controle da mídia, o poder totalitário estará conquistado e somente após o país chegar à bancarrota pode-se pensar em uma retomada do processo democrático. Isto é, temos uma partida decisiva no momento.

José Dirceu já pediu a censura, e Rui Falcão faz isso provavelmente uma vez por dia. Baseado no truque dos sovietes, o PT também tenta ir por outros meios, fingindo que a solicitação de censura parte “dos estudantes”. Por isso, a UNE, que é parte do aparelho petralha, também tenta pedir o controle da mídia.

Mas com a entrada de Lula na liderança do jogo, o PT decididamente decidiu apostar todas as suas fichas nesse luta.

O truque de implementar a censura, enquanto a chamam de “democratização”, é simples até demais: basicamente o PT agrupa os sovietes, que são aparelhos do partidão, para simular uma legitimidade do governo central. Estes sovietes serão selecionados e apontados pelo partidão no poder como “o povo”. Ora, se “o povo” está apoiando o partidão no poder, através dos sovietes, então não temos uma ditadura, mas uma “democracia”. Simples assim.

Os sovietes do PT são a UNE, a CUT, o MST e a ABGLT, dentre outros, e todos estiveram presentes em uma reunião com Lula e o governador da Bahia, Jacques Wagner, na semana passada.

Lula diz: “A imprensa me tratou bem perto do que está fazendo com a Dilma, com esses ataques 24 horas por dia, iniciou ele.” Em ritmo bate-estaca, todas as agrúrias do PT são ressignificadas por ele como culpa da mídia: “Os jornais tentaram atrair a Dilma, diferenciá-la do meu governo, mas não deu certo. Quando ela demarcou o campo de classe, passou a ser vista como adversária e atacada.”

Eis o jogo: pedir a censura da mídia, mas não fazê-lo através do governo, mas dos sovietes. Veja o que Lula disse: “Vamos ter que fazer a democratização da comunicação. Os partidos, os movimentos sociais e a sociedade têm que se envolver para fazer”.

O mais interessante de tudo (para a direita, se esta souber aproveitar) é que o PT está tão confiante em seus frames que faz reuniões às portas abertas com o pior da escória nacional (movimentos marxistas), e se sente seguro pelas ressignificações que usa. Ao chamar “censura” de “democratização da mídia” e “participação de sovietes” de “participação do povo”, Lula fala sobre sua agenda às portas abertas.

Qualquer um que não tenha sido doutrinado pelo PT e tem um conhecimento básico de política já tem capacidade de perceber a armação. Claro que a ABGLT não representa os gays, assim como o MST não representa o trabalhador rural. Da mesma forma, a UNE não representa os estudantes (em toda a minha fase de estudante, eles não me ajudaram em nada, e nem precisei, assim como ninguém precisa…), e a CUT não representa os trabalhadores. Sendo assim, quem eles representam? Obviamente, o governo petralha.

Basta o mínimo de ceticismo e cultura política para sabermos que os “grupos sociais” convocados por Lula para saírem as ruas latindo por censura à mídia não passam de pequenos sovietes que só farão sucesso por extrema ingenuidade tanto da direita como da esquerda moderada.

A solução é desmascarar toda a estratégia do PT para a maior quantidade de pessoas possível, através de frames simples. Alguns exemplos a seguir:

O PT vive tentando censurar a mídia, e essa conversa sempre surge quando o PT se dá mal, como na descoberta e punição do Mensalão e no fracasso político de Dilma nas manifestações. Uma mídia livre permite que nós saibamos todas essas notícias, assim como podemos saber notícias de adversários do PT se dando mal, como no caso de Demóstenes Torres, que foi cassado por corrupção. Se o PT só pede censura à mídia quando eles cometem erros,  mas jamais quando erros de seus adversários são descobertos, é sinal de que não estão bem intencionados.

***

O único controle de mídia necessário é o controle remoto. Cada um compra o que quiser, lê o que quiser, e assiste o canal que quiser. Qualquer medida para cercear essa liberdade é ditadura.

***

Nós devemos controlar o que queremos consumir em termos de mídia, e não o governo, através de seus sovietes.

***

Os sovietes, como forma de manipulação usada por governos totalitários e sanguinários, são organizações abjetas de pessoas que só servem para servir partidos marxistas no poder. Se os sovietes representam algo, servem para representar a escória da sociedade, que atende aos objetivos dos burocratas no poder.

***

O governo, mal intencionado, diz que o “povo” (na verdade seus sovietes, em oposição ao povo) deve estar representados na mídia. Mas essa representação é melhor feita pela escolha da audência ao invés de por um governo desonesto e enlouquecido.

***

Existem dois contextos para um governo de marxistas. O primeiro é quando eles tem o poder absoluto e controlam a mídia, o segundo é quando eles não conseguem poder absoluto, apenas relativo, como ocorre hoje no Brasil. No primeiro caso, iniciam eras de terror e genocídio, como nos mostra a história da Rússia, China e Cambodja. No segundo caso, o máximo que conseguem fazer é um governo de estado inchado, populista e moralmente corrupto.

Parece óbvio que devemos denunciar fortemente, para o maior número de pessoas, a iniciativa abjeta do PT. Não deixe de explicar o conceito de sovietes, do truque de mudança de significados, da falta representação fornecida pelos sovietes (representam o governo, em oposição ao cidadão) e, principalmente, do que a história nos conta sobre o que ocorre quando os marxistas conseguiram o poder totalitário.

Anúncios

36 COMMENTS

  1. Essa nova era de conservadores que sabem jogar o jogo político está começando a incomodar. Precisamos democratizar a mídia dos Estados Unidos também

      • Texto de Anatoli Oliynik “A ambição diabólica do esquerdista é querer mandar no mundo”

        O esquerdista é um doente mental que precisa de ajuda e não sabe. Um sujeito miserável que necessita da piedade humana. Mas cuidado com ele. Por ser um ser desprezível, abjeto, infame, torpe, vil, mísero, malvado, perverso e cruel, todos sinônimos é verdade, mas insuficientes para definir seu verdadeiro perfil, ele é perigoso e letal.

        É um sociopata camuflado, um psicótico social que imagina ser Deus e centro do mundo. Na sua imaginação acha que é capaz de solucionar todos os problemas da humanidade e do mundo manifestado, mas que na verdade quer solucionar os seus próprios, que projeta nos outros para iludir-se de ser altruísta.

        É um invejoso. A inveja é a sua marca registrada. Sente ódio doentio e permanente pelas pessoas de sucesso, notadamente aquelas realizadas financeira e economicamente. O sucesso alheio corrói suas entranhas. É aquele sujeito que passa pelo bosque e só vê lenha para alimentar a fogueira de seu ódio pelo sucesso alheio.

        É um fracassado em todos os sentidos. Para justificar o seu fracasso busca desesperadamente culpados para a sua incompetência pessoal, profissional e humana. No seu conceito, a culpa é sempre dos outros, nunca atribuída a ele mesmo. É um sujeito que funciona como uma refinaria projetada para transformar insatisfações pessoais e sociais em energia pura para promover a revolução proletária.

        É um cínico. Não no conceito doutrinário de uma das escolas socráticas, mas no sentido de descaramento. Portanto, um sujeito sem escrúpulos, hipócrita, sarcástico e oportunista. Para justificar seu fracasso e sua incompetência pessoal, se coloca na condição de defensor do bem-estar da sociedade e da humanidade, quando na verdade busca atender aos seus interesses pessoais, inconfessos. Para isso, se coloca na postura de bom samaritano e entra na vida das pessoas simples e desprovidas da própria sorte, com seu discurso mefistofélico.

        É um ateu. Devido a sua psicose, já comentada anteriormente, destitui Deus e se coloca no lugar d’Ele para distribuir justiça, felicidade e bem-estar social, solucionar todos os problemas do mundo e da humanidade, dentre outros que-jandos. É um indivíduo que tem a consciência moral deformada e deseja, acima de tudo, destruir todos os valores cristãos e construir um mundo novo, segundo suas concepções paranóicas.

        É um narcisista. A sua única paixão é por si mesmo, embora use da artimanha para parecer um sujeito preocupado com os outros, no fundo não passa de um egoísta movido pelo instinto de autocon-servação.

        É um niilista. Um sujeito que renega os valores metafísicos divinos e procura demolir todos os valores já estabelecidos e consagrados pela humanidade para substituí-los por novos, originários de sua própria demência. Assim, ele redireciona a sua força vital para a destruição da moral, dos valores cristãos, das leis etc. Sua vida interior é desprovida de qualquer sentido, ele reina no absurdo. É o “profeta da utopia” e o “filósofo do nada”.

        É um genocida cultural. Na sua vasta ignorância da realidade do mundo manifestado, o esquerdista acha que o mundo é a expressão das idéias nascidas de sua mente deformada e assim se organiza em grupos para destruir a cultura de uma sociedade, construída a custa de muitos sacrifícios e longos anos de experiência da humanidade.

        Agora que você conhece algumas características do esquerdista, fica um conselho: jamais discuta com um deles, porque a única coisa que ele consegue falar é chamá-lo de reacionário, nazista, capitalista e burguês. Ele repete isso o tempo todo e para todos que o contradizem, pois a única coisa que sua mente deformada consegue assimilar, são essas palavras. Com muito custo ele consegue pronunciar mais um ou dois verbetes na mesma linha aos já descritos, todos para desqualificá-lo e assim expressar a sua soberba.

        Os conceitos atribuídos ao esquerdista se aplicam em gênero, número e grau aos socialistas, marxistas, leninistas, stalinistas, trotskistas, comunistas, maoístas, gramscistas, fidelistas, chevaristas, chavistas e especialmente aos membros da família dos moluscos cefalópodes.

        Para finalizar, porém longe de esgotar o assunto, o esquerdista é aquele sujeito cuja figura externa é enormemente maior que a própria realidade. Sintetiza o cavaleiro solitário no deserto do absurdo, cuja ambição diabólica é querer mandar no mundo.

      • He, he, he… o Anatoli Oliynik mandou certo em alguns pontos, mas definir oque acontece ñ é tão simples assim. Por exemplo, o Hitler e muitos outros, tinham(têm) esse perfil e era(é) religioso, e pode nem se encaixar em “esquerdista”. Já achar que não precisa de ajuda, por favor: não existe ser humano cem por cento auto-suficiente Só pra não andar pelado, a não ser q trabalhe com tecido, vc e Anatoli veste oque outras pessoas fizeram, não interessa o quanto pagou por isso. Pra comer, precisa que outros plantem a não ser que seja agricultor, e assim por diante. Não sou esquerdista, mas acho q psicopatas, invejosos, problemáticos existem de direita e de esquerda, tem religiosos e não religiosos. Inclusive há religiosos que podem dizer que há um deus acima dele, mas ser totalmente excêntrico, autoritário, despótico. Ao passo que exsitem ateus que são pessoas humildes(não me refiro à dinheiro) e sabem suas limitações. E mais uma, não adianta: Não se pode valorizar pelo que a pessoa tem materialmente, não se certo desvalorizar, nem valorizar por isso.

      • Alguns detalhes:

        1. Hitler é o perfeito esquerdisa
        2. O correto seria o Anatoli associar a esquerda ao humanismo, não ao ateísmo (mesmo que a maioria dos humanista seja composta de ateus)
        3. O ser humano não é auto-suficiente por toda a vida, mas isso não implica em culto a dependência do estado
        4. A ideologia feita para se encaixar ao perfil do psicopata é o esquerdismo
        5. Não faz sentido considerar Deus um “déspota, autoritário”, pois estes são termos aplicados a governos. Eu não creio em Deus, mas usar truques humanistas para criticar a religião já é demais.

        Tirando esses pontos, é certo que há um ponto ou outro no texto do Anatoli que possa sofrer objeções.

  2. Esses grupos que participam do processo chamado de “democratização” da mídia são grupos notoriamente de esquerda, de mentalidade humanista e revolucionária. Porém, não é o caso de observar que isso também ocorre porque a direita não tem grupos de representação, e que o pensamento conservador carece de entidades e organizações que estabeleçam um diálogo com alguma parcela significativa da população, de modo a mostrar que tem apoio dos cidadãos, e assim poder exigir participação equânime em processos desse tipo, quando o governo fala em “incluir os movimentos sociais”?

    • O problema é que o governo do partidão vai pedir grupos que façam o jogo do falso oprimido contra falso opressor. Aí danou, pois a direita não entra no jogo 😛

      Aliás, o pensamento conservador estabelece um diálogo com boas parcelas da população. Um exemplo é a Marcha para Jesus, do conservadorismo cristão… e o Lula não chamou para a reunião. rs.

      • Sei não, hein. Acho que numa “Marcha Pra Jesus” tem muita gente que vota em Lula, que vota em Dilma, que vai na igreja do Malafaia, mas quando pensa que pode perder bolsa-isso, bolsa-aquilo, não tem nada de conservador. É uma gente conservadora na moralidade, mas esquerdista na política. É uma gente que não apóia gayzismo, mas também não quer um governo de direita, no sentido político, econômico e social do termo.

        E depois, vão dizer que não pode porque o Estado é “laico”, e aí teria que chamar CNBB, entidade de candomblé, espiritismo, bla bla bla.

        Tinha que ser tipo uma entidade com atuação constante, com trabalho de conscientização de base, com visibilidade. Enfim, com estratégia gramsciana, de penetração em diversos meios culturais. Isso a esquerda tem de monte, e nós não temos. Precisamos pensar em como dar start nisso um dia.

      • ** Camarada Stalin em resumo

        1. Meus argumentos estão corretos por que hoje em dia o esquerdismo é seguido como se fosse religião organizada, com muitos membros
        2. Tem muita gente que crê no nosso discurso
        3. Morra de inveja hahahaha
        4. A vitória do esquerdismo é a vitória dos pobres

      • Esse realmente é o novo Suriani. Sempre aparece um doidinho empolgado, e o Camarada Stalin é a bola da vez rs…

        1. O burro não percebe que esse é MAIS UM ARGUMENTO contra o esquerdismo. Quando o sujeito vem para debate e tenta um ad populum, é sinal de que o esquerdismo já deu o que tinha que dar. Assim como a Europa busca seus programas de austeridade, já está na hora de superarmos o esquerdismo…
        2. Ad populum de novo
        3. Inveja de que? heheheheh… Na cabeça do coitado, um ateu que critica a religião tem “inveja” do religioso só pq religião é maioria? Qual a lógica do argumento para isso?
        4. Não parece, pois se vermos na Venezuela, os coitados não tem nem papel higiênico. 🙂

      • ** Camarada Stalin em resumo

        1. Tudo que Luciano diz está errado por que ele não critica a “privataria tucana” e o “propinoduto do PSDB”.

      • O esquerdista petralha é TÃO BURRO, TÃO BURRO… que não percebeu que eu também não fiz posts específicos para criticar o mensalão. Eu faço posts sobre ESTRATÉGIA POLÍTICA EM GERAL, e não para detalhes dos governos. Por isso também não fiz posts sobre a tentativa do governo em trazer espiões cubanos disfarçados de médicos. Pensando bem, eu poderia ter falado disso, pois é sobre estratégia política 😉

        A mente do Camarada Stalin é assim: o mundo se divide entre “PT” e “contra o PT”.

        Ledo engano: neste blog a coisa é esquerda e anti-esquerda, e PSDB, PMDB e PT estão do mesmo lado.

        A ficha ainda não caiu para o coitadinho… 🙂

  3. Diria que nem é pra se estranhar. Pode até ser considerada uma “moda” entre os atuais governos de esquerda latino-americanos. Bem, continuem brincando com o PT…

  4. Luciano,
    Valeu por citar os sovietes, que são o sinônimo em russo para conselhos.
    Aqui no Paraná o “filho de um fascista” impôs ofertas de policiamento público à cada cidade cuja câmera de vereadores se vendesse ao seu projeto de segurança pública, criando os sovietes, digo, conselhos de segurança pública. Sem membros eleitos mas com funções efetivas, dentre elas coerção individual como a satânica (termo que defina você religiosamente ou não, mas continua igualmente válido) lei seca, ou como nós chamamos, toque de recolher, ou também, cemiterização da cidade.
    Confesso que tive nova perspectiva da destruição do legislativo a partir disso.
    Entre dolorosas percepções:
    A infame prática do suborno federativo, ou seja, o executivo estadual sujeita o legislativo local às suas imposições mediante um “presente” que é nada mais que uma obrigação porcamente vendida.
    Nada que não se repita em escala federal também.
    No caso repulsivo em questão, o legislativo municipal se prostituiu para receber como paga da venda de sua dignidade uma força específica de polícia ostensiva com a palavra POVO gravada em cada viatura. O que o legislativo eleito local se obrigou, no caso, foi criar a um soviete de segurança pública (soviete = conselho, em russo) com membros que jamais seriam eleitos nem pra um delegado de festa junina.
    Em suma, o executivo estadual coagiu a donzela a se vender como prostituta, dando por paga uma bala para que atirasse mais que no meio de seu próprio pé.
    Pense ser um vereador que votou contra “O PROJETO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA”, bem aquele que ia afinal por viaturas torrando gasolina nas suas avenidas. Como você explicaria isso pra quem te vota? Mais fácil vender a dignidade. Quem não venderia?
    Mensalão é pouco depois disso. Essa linha de suborno federativo continua, imersa em sombras, e ninguém pode nos dizer até onde esta casta rota de prostituição institucional dirigiu nossas vidas. Não temos ideia.
    Uma coisa que foi impressa em minha individualidade política desde então, foi a existência fundamental e inegociável do legislativo autônomo. Todo totalitarismo vive mais do que bem, SEM ele, sempre se alicerçando em falsificações que emulam sua existência: sovietes, conselhos, mesas, coletivos, pastorais, etc.
    Não é possível um totalitarismo com um legislativo autônomo. São inimigos naturais.
    Por isso todo o esforço de gangrenamento de nosso legislativo, entre as iniciativas:
    • Humoristas idiotas úteis, aglutinadores de ódio contra nossos políticos.
    • Infiltrados deliberados fúteis, que preferem futilidades à utilidades.
    • Infiltrados permitidos safados, que querem é encher os bolsos (ou cuecas) mesmo.
    • Infiltrados marxistas.
    • Corvos jornalistas especializados em carne de democracia.
    • Esforço de mídia e educação para criar uma cultura de desprezo à política.
    • Atulhamento de baixas questões, capaz de criar um zumbido político ininteligível.
    • Criação de um sistema legal eleitoral impraticável sem corrupção, para depois se pratidar a denúncia ideológica seletiva.
    • Desprezo ao pacto federativo, deixando os legislativos estaduais contando caramujos e mandando tudo pra cima, inviabilizando o legislativo federal e transformando o Brasil no maior estado unitário que o mundo já conheceu. Grande demais para ser viável.
    Entre outras.
    Desculpe, amigo, mas esse assunto mexe demais comigo. E se puder me acrescentar algo, tudo é mais que bem vindo.
    Talvez seja mesmo a hora de fazer um blog para não me pendurar no seu.
    Um abraçaom do pé vermeio.

  5. Luciano, gostaria de te disponibilizar um vídeo de animação que é voltado para a faixa etária juvenil e adolescente, mas com alto teor político e histórico. Se achar útil para exemplificar questões básicas da guerra política, este episódio retrata a verdade sobre humanismo, ideia de um mundo melhor por meio de revoluções, e principalmente a questão dos esquerdistas: beneficiário vs funcional. Abc.

    • Muito interessante a citação desse anime. Refletindo hoje, aqueles que dizem lutar por um “mundo melhor” são iguais ao Shishio Makoto (principal vilão e pra mim o melhor), que incumbia a si mesmo a missão de salvar o Japão do Governo Meiji, sem ao menos se importar com as opiniões dos próprios japoneses. De fato é uma animação muito rica e que tem muito ensinamento aproveitável, tanto pra jovens, quanto pra adultos.

    • Galera, eu acho que Code Geass e Death Note são também bons exemplos de como funcionam a mente revolucionária. Sobre tudo este último.
      Quem acompanha, sabe que o discurso do Kira é messiânico e eugenista, sabe que ele conseguiu criar um culto à pessoa (sendo que Misa Amane é a melhor demonstração possível desse culto).

  6. Esqueci de dizer um detalhe importante. Eu pensei em te passar este vídeo, tendo em mente a continuação daquele projeto para crianças que certa vez vc deu início. Tá lembrado?

    • Valeu, Gordon, pela dica.

      Ainda há um trabalho a ser concluído (de produção de conteúdo) para os adultos, e depois com certeza vou dar sequência no projeto de educação sobre ceticismo político para crianças e adolescentes.

      Tenho que concluir a seção de jogos de rótulos, propaganda, mais mapeamentos de rotinas, etc.

      Abração,

      LH

      • Sem pressa, Luciano. Sabemos o quanto você está ocupado. Só queria disponibilizar o vídeo para saber o que você acha, se gostou, etc.

      • ** Camarada Stalin em resumo

        1. Acho que o Luciano não vai publicar livro algum, por isso é macho–beta
        2. Ainda tem que ler livro do Narloch e do Olavo, que não surtem efeito nenhum

      • Ô burrinho…

        1. Er… não sabe nada mesmo de biologia, não? Machos-alfa e machos-beta são definidos por PODER construído, e não por livros publicados. E o problema não está em ser macho-alfa ou beta, mas sim em CULTUÁ-LOS, de forma subserviente, como os esquerdistas fazem. Ademais, quem disse para o doidinho que minha profissão é escritor? De onde ele tirou essa idéia maluca?
        2. Parece que os livros do Narloch são petardos fortes contra as mentiras de professores marxistas, e as descobertas do Olavo sobre o Foro de São Paulo levaram à conscientização de MUITA GENTE sobre a organização criminosa para tomada de poder montada pela esquerda marxista. Só por isso, o Olavo já merecia uma medalha.

        Ah, uma coisa. Meu livro será publicado, e não basearei meu sustento nele. Se vender 1.000 cópias isso resultará em 1.000 pessoas da direita que pensarão estrategicamente, sob a ótica da dinâmica social e interpretando os frames da esquerda. Meu sucesso será medido pelo DANO causado à esquerda, e não pelo número de exemplares vendidos.

        Não há nada que você possa fazer contra isso 😉

  7. Legal desta animação é que protagonista é a favor de ajudar apenas as pessoas ao seu redor, que se identificam com ele e, acima de tudo, que aceitam a sua ajuda. Não fala em mudar o mundo pra melhor e nem tem a pretensão de ser um herói. E é isso que o torna um herói para o público. Os vilões são justamente o contrário. Querem mudar o mundo, estabelecerem uma nova era através de revoluções (que sempre funcionam na base da força e violência) e impor um governo totalitário. Diria que essa é uma obra rara, comparando com os desenhos que estamos acostumados a ver. Geralmente os mocinhos são retratados como “aqueles que podem mudar o mundo para melhor”. Acho que está aí uma boa ferramenta artística que pode ajudar a desintoxicar a cabeça da molecada (e se brincar, até de adultos) através das mensagens contidas.

  8. Luciano,

    Meio off: você tem algum texto falando de uma rotina preferida dos esquerdistas de que os conservadores são contra os pobres e rico se acha e vive o tempo todo sonegando impostos?

    Se não tem, poderia fazer um e até mostrar que é o contrário e que é a esquerda que odeia os pobres (os usando para eleições, estimulando coisas ruins na periferia, fazendo coisas que vão contra o interesse deles, etc.) e as coisas boas que os ricos e a classe média faz?

  9. “Direita” virou conceito de plantão para definir toda e qualquer opinião divergente. Quem não rende homenagens incondicionais ao PT é de “direita”.

Deixe uma resposta