Ingenuidade política e conivência com o crime tem um preço: Justiça de São Paulo anula nomeação de reitora da PUC-SP

19
126

30nov2012---anna-cintra-chega-a-sede-da-puc-sp-em-perdizes-para-assumir-posto-de-reitora-e-enfrenta-protesto-de-estudantes-alunos-acamparam-em-frente-a-entrada-da-universidade-1354281247811_615x300

Fonte: Educação UOL

A 4ª Vara Civil do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) anulou na quarta-feira (1º) a posse da reitora da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Anna Maria Marques Cintra (foto). Apesar de ter sido a terceira colocada na eleição para a reitoria, o grão-chanceler da PUC, o cardeal Dom Odilo Scherer, nomeou Anna Cintra para ocupar o cargo no fim do ano passado.

A Justiça entendeu que a medida adotada por Scherer foi arbitrária e ocorreu “em detrimento da comunidade universitária”. Além de Anna Cintra, o vice José Eduardo Martinez também deverá perder o cargo, decidiu o juiz Anderson Cortez Mendes.

A ação foi movida pelo Centro Acadêmico 22 de agosto, da faculdade de direito. O juiz ainda determinou  ainda que o professor Marcos Tarciso Masseto ocupe o cargo de maneira interina, como indicado pelo Consun (Conselho Universitário) no fim do ano passado.

Em nota, a PUC-SP e a Fundação São Paulo, mantenedora da universidade, disseram que ainda não foram notificadas da decisão.

“A reitora Anna Maria Marques Cintra continuará desempenhando normalmente suas funções e tão logo as partes sejam notificadas da decisão mencionada será interposto recurso de apelação endereçado ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo”, informa o texto.

Após indicação do cardeal Dom Odilo, os estudantes decretaram greve e chegaram a ocupar a reitoria da instituição. À época, os alunos eram favoráveis à nomeação do primeiro colocado da lista, Dirceu de Mello, para a reitoria. Os professores da PUC-SP apoiaram a manifestação dos alunos.

Em reunião realizada em novembro, o Consun decidiu suspender temporariamente a homologação da lista tríplice com os três candidatos mais votados na eleição para a reitoria para evitar a posse de Anna Cintra.

Mesmo diante dos protestos e da decisão do conselho, o cardeal manteve o nome da professora, que passou a ser reitora da instituição. Em seguida, o centro acadêmico entrou na Justiça, que afastou Anna Cintra do cargo. Logo depois, outra decisão permitiu que ela voltasse à reitoria da PUC-SP.

Meus comentários

A maior culpada de toda a situação é a Igreja Católica, a dona da PUC. Se a Igreja pediu perdão por causa dos crimes da Inquisição, agora precisa pedir perdão aos seus fiéis (e não estou entre eles) por ter deixado a situação ridícula acima ocorrer em seu ambiente.

Simplesmente, os diretores da PUC-SP permitiram que professores marxistas se infiltrassem em suas fileiras, sendo contratados para exatamente atacar a Igreja Católica de dentro da PUC-SP. Com o poder de coerção psicólogica que todo doutrinador marxista possui, eles doutrinaram uma legião de alunos dentro da própria PUC-SP.

Quando uma eleição ocorreu, ao fim da qual a escola poderia escolher seu novo reitor a partir dos 3 nomes mais votados, a patuléia estudantil se revoltou, pois Anna Cintra é mais conservadora do que a matilha financiada pelo PT gostaria.

Mas o que querem esses estudantes? Que as aulas da PUC-SP continuem servindo para doutrinar mais militantes para o PT. Que o espaço da PUC-SP sirva para “eventos artísticos” baseados em inserções anais de crucifixos. Um passo para isso já foi dado tempos atrás quando Zé Celso incitou o assassinato de padres dentro da PUC-SP, sob a gestão de Dirceu de Mello (apoiado pelos alunos militantes). Para esse nível de tolerância, é preciso de um reitor marxista cultural.

Mesmo que a PUC-SP tenha entrado com o recurso, isso não muda o fato de que a escola está sofrendo a humilhação de ser processada por seus alunos, que querem quebrar as regras de uma instituição privada para impor suas leis psicopáticas lá dentro. É exatamente o que o ex-Padre Beto está fazendo ao entrar com uma ação judicial para reverter sua excomunhão. (Aliás, a ação da figurinha carimbada de Bauru já foi derrubada na justiça, dias depois)

Quem leu Gramsci sabe que a Igreja Católica é um espaço estratégico a ser ocupado por marxistas culturais, que usarão o espaço para pregar ódio a religião católica, além da doutrinação em humanismo, marxismo e o tradicional discurso da guerra de classes. Esse espaço vale ouro para a ala mais radical da esquerda, pois Gramsci pediu que eles ocupassem esse espaço. E o que a diretoria da PUC faz? Dá espaço para professores marxistas, e ainda paga salário para que eles finjam dar aula (enquanto na verdade estão doutrinando alunos em marxismo).

Isso só pode ser uma ingenuidade política doentia, ou uma desonestidade extrema, e recentemente já me convenceram que, pela reação da diretoria da PUC-SP (ao entrar com recursos, por exemplo), devo descartar a segunda hipótese. A ingenuidade política, portanto, deve ser apontada como o elemento que levou a entidade dona da PUC a se tornar praticamente cúmplice de pessoas que pregam ideologias criminosas usando seu espaço e dinheiro.

Alguns poderão dizer: “Mas a diretoria da PUC-SP não pode ser considerada tão culpada, pois entrou com mais de um recurso contra essa ação”. Mas é exatamente esse o problema! Se entrou com um recurso, foi por que surgiu uma ação a partir de dentro da escola para beneficiar os marxistas culturais. E isso só pode ocorrer por que a Igreja Católica pagou o salário destes professores para que eles pudessem fazer lavagem cerebral em seus alunos.

Que ao menos essa situação patética e grotesca na qual a PUC-SP se enfiou sirva para que eles aprendam uma coisa ou duas sobre política.

Anúncios

19 COMMENTS

  1. Justiça? Que Justiça? A justiça deveria priorizar a prisão dos mensaleiros e a punição de criminosos e corruptos, ao invés de direcionar quem deve ser o reitor de uma escola privada. Luciano, como você diz em seus exemplos, isso é tão ridículo quanto entrar com uma ação para escolher o gerente geral de uma empresa só pq ele é marxista.

  2. Luciano,

    Nesse seu trecho “Isso só pode ser uma ingenuidade política doentia, ou uma desonestidade extrema, e recentemente já me convenceram que, pela reação da diretoria da PUC-SP (ao entrar com recursos, por exemplo), devo descartar a segunda hipótese.”, creio que ocorreram as duas situações. A segunda no período forte da teologia da libertação com dom Arns. A primeira está ocorrendo agora com dom Odilo. Talvez nem devamos culpar tanto dom Odilo, já que pegou a diocese de São Paulo depois de décadas de TL e infiltração gramscista.

  3. Cada vez mais é importante demolir a esquerda. O estado interventor deles chegou ao seu limite de baixeza moral, e não conseguem mais fazer nada de útil em prol da sociedade. Uma instituição privada deveria escolher a forma como quer trabalhar, quem são seus funcionários e que posições eles ocupam. O Dirceu de Mello não tem vergonha na cara de depender de um bando de vagabundos desocupados que não tem a menor noção de moral. Se querem escolher o reitor, que montem suas escolas. Vão estudar vagabundos e deixem de jogar fora o dinheiro de quem paga pelos seus estudos.

  4. É um caso extremo de politização da Justiça, e a esquerda entra com ações absurdas para aproveitar essa vulnerabilidade. Essa decisão do TJ é uma aberração, pois os estatutos da universidade atribuem o poder de nomear o reitor ao cardeal, dentro da lista tríplice eleita. A nomeação pelo Grão-Chanceler faz parte dos estatutos da Pontíficie e é feita de acordo com os três nomes mais votados. O TJ simplesmente quer rasgar os estatudos da PUC.

  5. Será que o Daniel Sottomayor é aluno de professor marxista? Deve ser. No programa do Bial, ele disse que o estado laico foi criado pela Revolução Francesa. O burro não sabe que a criação do estado laico veio com o protestantismo de Lutero. E a Revolução Francesa matou em 3 meses mais do que a Inquisição Espanhola matou em 4 séculos.

  6. Entre ingenuidade e desonestidade dos diretores e Administração, fico com a segunda opção, mesmo me doendo dizer isso por eu ser católico. A CNBB já provou reiteradas vezes que não representam os católicos sinceros, não defende a Doutrina Social da Igreja. A própria CNBB está infestada e dominada por prelados comprometidos com o PT e a Nova Ordem Mundial.

    Dois fatos corroboram o que eu falei:

    1) O fato vergonhoso, vazado na mídia, de que a CNBB submeteu à aprovação do Gilberto Carvalho o texto da nota pedindo o veto parcial ao PLC 03/2013 (dias antes de ser aprovado). Sem falar que o texto da nota, caso se retirasse o nome da CNBB, poderia ser atribuído a qualquer órgão laico de classe ou associação de bairro, em nada se dando conta de que se tratasse de uma nota de uma instituição religiosa, muito menos daquela que forjou os valores ocidentais.

    2) Quem fundou a CNBB? Dom Hélder de Barros Câmara, maçom de grau 33 e que semeou o vírus da Teologia da Libertação (infiltração marxista) no clero brasileiro, cujos discursos tinham teor esquerdista fácil de perceber até para um hippie chapadão.

  7. “A mídia brasileira é de direita” – Lula no XIX Foro de São Paulo

    Escolha a alternativa:
    A: Lula é louco
    B: Lula é perverso

  8. Luciano, como já falei antes, sou sedevacantista. Então as palavras do antipapa João Paulo II “pedindo perdão pela Inquisição” só agradam os retardados que desconhecem sobre Inquisição.

    Só idiotas uteis inda acreditam que a Inquisição foi algo diabólico.

    Vindo do antipapa João Paulo II, não me surpreende.

    Os falsos papas pós-vaticano II só querem agradar o mundo e ficar “bem na fita”.

  9. Bolívia: caminho aberto para uma igreja que substitua a católica

    Depois de participar da missa de encerramento da JMJ Rio2013, o presidente da Bolívia, Evo Morales, regressou a seu país com novos brios para reforçar a fundação da denominada “Igreja Católica Apostólica Renovada do Estado Plurinacional”.

    O bispo de Oruro, uma das dioceses onde se faz esse experimento, Dom Cristóbal Bialasic, adverte que o governo (de Morales) pretende dividir a fé dos bolivianos com isso que “não é bem uma Igreja, mas sim uma seita”.

    “Sejamos sinceros – disse Dom Bialsasic –, é uma seita que se começou a formar e é promovida pelo Estado, nem tanto pelo Estado, mas pelo governo”.

    O bispo afirma que é arbitrária a maneira como se quer consolidar esta iniciativa. O próprio Morales em 2008 qualificou a Igreja Católica como um “instrumento de dominação”.

    A estratégia do presidente boliviano é similar à medida do – em 1926 – regime perseguidor da Igreja no México, liderado por Plutarco Elías Calles, que nomeou o sacerdote cismático José Joaquín Pérez Budar (Santiago Juxtlahuaca, 16 de agosto de 1851 – Cidade do México, 9 de outubro de 1931) como patriarca da “Igreja católica apostólica mexicana” para substituir a Igreja Católica.

    Na Bolívia já se fala da imposição de um “arcebispo primaz”, o ex-sacerdote católico Ariel Ticona, um padre que foi expulso da Igreja Católica por mau comportamento.

    Como boa parte das estratégias seguidas por Morales, esta é reflexo de algo que já se fez na Venezuela, no Peru e no Equador: atacar a Igreja Católica.

    Em uma ocasião recente, Evo Morales manifestou suas dúvidas de que os roubos de bens da Igreja católica na Bolívia não tinham sido cometidos pelos próprios bispos desse país.

    A imprensa boliviana qualificou de “oportunista” a viagem de Evo Morales ao Brasil para participar da missa de encerramento da JMJ. O que ele queria, segundo a imprensa, eram fotos com o Papa Francisco, que ele considera um partidário da teologia da libertação.

    “São atitudes lamentáveis”, considera Dom Bialasic. “É uma invenção do governo. Dá pena porque muita gente vai se deixar levar por esse engano”, afirmou.

    A “Igreja Católica Apostólica Renovada do Estado Plurinacional” está completamente alinhada com o regime político, que tenta impor um novo culto oficial no país.

    http://www.aleteia.org/pt/mundo/noticias/bolivia-caminho-aberto-para-uma-igreja-que-substitua-a-catolica-3117001

    Como disseram no FB: “A esquerda PORCA é isso. Ou você toma uma atitude e vai pra rua gritar contra esses porcos, ou eles avançarão contra nós.”

  10. A Igreja tem que se reafirmar, está se tornando muito “mansa” (num sentido negativo, de pouca ação, quase apatia) nos últimos anos, como uma instituição privada pode aceitar um circo desses? Se ela tem suas regras elas tem que ser respeitadas, não importa o quanto o sujeito pague, ele não tem direitos além dos que já estavam previstos. A pergunta é: Quem vai fazer a Igreja se afirmar? Cheia de bispos TL infiltrados que trabalham mais pelo silêncio deixando sujeitos muito piores entrarem nas instituições da Igreja e trabalharem contra elas.

  11. A solução é: a Igreja Católica tomar as rédias dessa merda e mudar o estatuto, para que a reitoria seja escolhida pela Igreja, sem votação dos merdas desses alunos. Segundo: chutar a bunda de todos os professores e alunos marxistas gramcianos filhos da puta.

    • Concordo, agora é hora de aproveitar e tornar a universidade mais rígida, os alunos não gostam agora? Então perdem o poder. Criar dispositivos para expulsar para quaisquer atos que ataquem a Igreja dentro da Universidade.

  12. Esses “estudantes” não tem a menor vergonha na cara e agora estão gritando por “um estado laico”. Eles tentam confundir a audiência, pois o estado laico só fala sobre o estado, e não sobre propriedades privadas. Se o dono de um boteco quiser colocar um crucifixo lá, ele pode, e não adianta gritar “quero estado laico”. Olha o baixo nível de gente que esse antigo reitor Dirceu de Mello está organizando.

  13. Prezado Luciano. Você tem toda a razão. Caso a PUC não fosse tão ingênua e desatenta, não estaria passando por essa situação estapafúrdia. Tenho para mim, que o Juiz da primeira instância seja um “ativista jurídico”, que se afasta de suas funções institucionais e da lei, para fazer “justiça social” e tomar partido na “luta dos excluídos”, dos “poderosos contra os oprimidos”, dos “fracos contra os poderosos” e assim por diante. Todavia, os Tribunais de Justiça ainda têm uma visão mais tradicional e de respeito ao ordenamento legal. Com certeza a sentença de primeiro grau, que se consubstancia numa excrescência jurídica, será revertida no TJSP.

  14. “O assessor especial para assuntos internacionais da presidência, Marco Aurélio Garcia, disse neste sábado durante o Foro de São Paulo que “a obra” do falecido presidente venezuelano Hugo Chávez “ainda está em aberto” e “deve ser concluída”.

    Garcia participou do segundo dia de debates do fórum que reúne 10 países de esquerda da América Latina, realizado em São Paulo até amanhã, domingo, e hoje foi dedicado à análise do legado político e ideológico de Chávez, morto em 5 de março passado vítima de um câncer na região pélvica.

    O assessor da presidente Dilma Rousseff considerou que a morte do líder bolivariano “foi uma gigantesca perda para a Venezuela, para toda América Latina e, especialmente, para o Brasil”.

    Garcia destacou a “proximidade” que havia tanto no aspecto pessoal como no ideológico entre Chávez e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que coincidiram no poder durante oito anos, e com Dilma.

    O político sustentou que Hugo Chávez “foi um ardoroso nacionalista” que “defendia a soberania frente às ameaças imperiais”, mas que usou esse mesmo “frenesi” a favor de uma maior integração regional.

    A Chávez, entre outros líderes latino-americanos, García atribuiu “o fortalecimento” do Mercosul (que a Venezuela preside durante este semestre), da União de Nações Sul-americanas (Unasul) e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

    No entanto, sustentou que “a obra” de Chávez não foi concluída e que os partidos do leque da esquerda latino-americana devem levá-la adiante.

    Entre outros aspectos dessa “obra” inconclusa, García citou a necessidade de que a Venezuela realize “uma transformação produtiva” e que a região realize “seus sonhos de verdadeira independência”.

    Neste dia de homenagem à memória do líder bolivariano, a delegação venezuelana é liderada por Adán Chávez, irmão do presidente morto e governador do estado de Barinas, onde os dois nasceram.

    As 19 sessões do Foro de São Paulo terminam amanhã e na sessão de encerramento é esperada a presença do presidente da Bolívia, Evo Morales.”

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2013/08/03/assessor-de-dilma-diz-que-obra-de-chavez-precisa-ser-concluida.htm

    Mas esses bostas da esquerda não diziam que “nacionalismo” era só de direita? Caiu a máscara e reconheceram o nacional-socialismo.

  15. Como ex-aluno da PUC, tenho a seguinte opinião: você acertou no diagnóstico (“A maior culpada de toda a situação é a Igreja Católica”), mas pecou no embasamento (“Isso só pode ser uma ingenuidade política doentia”).

    A Igreja sabe muito bem o que se passa dentro da PUC. Ela tolera o status quo esquerdista dentro da Universidade por questões tanto políticas quanto mercadológicas. A PUC já não vai bem das pernas financeiramente se rendendo ao marxismo cultural, imagina se resolver do dia para a noite contestá-lo. Vai acabar marginalizada intelectualmente como o Mackenzie e tendo que virar uma Universidade caça-níqueis como uma Uninove ou Unip da vida. E se na prática o ensino la dentro está tão sucateado quanto nessas duas últimas citadas, não é de interesse global e institucional da Igreja minar a tradição acadêmica da PUC, especialmente se tratando da autonomia ideológica em relação à Santa Sé.

    Veja bem, não digo que é uma estratégia das mais acertadas, mas pondere: numa sociedade já tomada pela Revolução Cultural Gramsciana, é mais interessante para a Igreja tomar as rédeas intelectuais da PUC ou explicitar seu respeito a autonomia acadêmica de uma rede de ensino que ela apenas gerencia? A questão é delicada, mas entenda que é diferente, por exemplo, da Igreja aceitar a Teologia da Libertação dentro dos seus quadros clericais. Os alunos e professores da PUC não são porta-vozes da Igreja Católica, enquanto os padrecos da TL introjetam o discurso marxista no próprio corpo doutrinário católico.

    Acho que a Igreja tem sim é que deixar claras suas posições e coibir as ingerências impetradas pelos corpos discente e docente da Universidade. Mas, nesse caso, bater de frente com algo que vai bem além dos poderes da Igreja (a revolução cultural extrínseca à religião institucionalizada) é dar mais pano pra manga pra idiotas como, por exemplo, um neo-ateu que me contestou na caixa de comentários do Bule Voador por eu ter me dito ex-aluno da PUC. O animal disse que eu estava criticando o neo-ateísmo porque tinha sido doutrinado por professores a serviço da Igreja, não passa pela cabeça do débil mental que 90% dos professores de lá são ateus e de esquerda. Vai vendo a faca de dois gumes que é essa história toda…

    Só sei que enquanto coisas como essas:

    http://uploaddeimagens.com.br/images/000/063/880/full/pig.png?1375705226

    não forem veementemente divulgadas, como você bem faz no seu blog, a estupidez intelectual tupiniquim continuará majoritária não só em todas as Universidades, mas em todas as instituições possíveis e imagináveis.

Deixe uma resposta