Bullying, instinto animal e o que isso tem a ver com a guerra política?

7
201

lions-fight-rt-rs

No blog Educação UOL, o psiquiatra Içami Tiba publicou um conteúdo interessante sobre bullying e o instinto animal. Tirando algumas bobagens iludidas e humanistas, vou aproveitar o que é útil, especialmente quando ele diz:

Todos os animais têm instintos, que regem seus comportamentos. Todos os humanos são mamíferos e, em nós, são nítidos os instintos de sobrevivência e de perpetuação da espécie em cada um dos seus indivíduos. A grande diferença é que os humanos, por serem inteligentes, desenvolveram a civilização e a cidadania.  A lei instintiva da matilha procura eliminar seu componente mais fraco, mais lento ou defeituoso, pois estes enfraquecem a matilha, enquanto os civilizados os protegem.

Sendo assim, segundo Tiba, temos “resquícios de comportamentos animal nos relacionamentos sociais humanos”. Nada mais previsível, de acordo com a teoria de Darwin.

Ele fala um pouco mais do desenvolvimento do “bully”:

Na escola, os alunos não aprendem somente o que os “professoras ensinam”, pois eles imitam e copiam os comportamentos dos mais fortes, nunca do mais fraco. Os pais em casa, também por ficarem tanto tempo fora de dela, quando estão juntos com os filhos tornam-se tolerantes e submissos aos caprichos e delinquências dos tiranos domésticos. Os tiranos domésticos tiranizam também nas ruas. A grande oportunidade para ser líder é descobrir quem não reage, o que tem medo, o que pode ser dominado. Esta não-reação é o principal componente para que o bullying prossiga. O agressor se torna líder e impõe à vítima toda a sorte de abusos. Este vítima, além da dificuldade de reagir, torna-se refém das suas ameaças e entra em pânico. É quando apresenta calado os sinais de abusado pelo bullying.

Um ponto esclarecedor abaixo:

Não há dois líderes numa matilha. Um é líder e todos os outros são seguidores. Quando um mais fraco é atacado pelo líder, é atacado também pelos seus seguidores. Assim ocorre com o bullying. Quando um líder ataca a sua vítima, naturalmente outros jovens sem educação adotam o mais forte como líder e também atacam a mesma vítima.

Grande parte dos debates políticos na Internet são instâncias da guerra política e, por causa do meio virtual, quase sempre são focados em agressões e humilhações lançadas contra a outra parte. A esquerda sabe fazer isso muito bem, aproveitando-se de seus instintos naturais. A direita, em muitos casos, tenta restringir esse instinto, tornando-se, em muitos casos, uma caricatura de si própria.

O que fazer nesta questão? A única regra decente, em termos de dinâmica social, é saber que, se temos condições para isso, devemos bater no “bully” com o dobro da força. No mundo virtual, isso é uma moleza, pois nossas forças são equiparadas. Basta, enfim, ter a vontade.

Entendendo esse conceito fica mais fácil assimilarmos a noção de que sermos sarcásticos e ofensivos não é apenas uma reação de raiva, mas uma ação estratégica de combate ao “bullying”. O “bullying”, neste caso, inclusive deixa de fazer sentido, sendo mais um embate de forças do que a luta de um valentão contra um fracote.

Ao revidarmos sarcasmo com sarcasmo, retaliação com retaliação, intimidação com intimidação e ridicularização com ridicularização estamos usando nossos instintos naturais a nosso favor, e de uma forma moral.

Não devemos mentir para nós mesmos, e ao tentarmos acreditar na arrogância do bom mocismo, não apenas deixamos de ser quem somos como também passamos a lutar contra nós mesmos.

Na dúvida, a dica é clara: acompanhe sites de esquerda e veja a seção de comentários. Veja a pressão psicológica, junto com intimidação e ridicularização, que eles fazem contra seus oponentes. Em seguida, relembre o que você é biologicamente. Não é preciso de um grande salto lógico para saber que estamos moral e biologicamente justificados a “bater com gosto” (em termos metafóricos, antes que eles façam chiliques, claro) nos esquerdistas.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Luciano, estou lendo o livro Bullies do Ben Shapiro. Ele retrata muito bem isso sobre o prisma da guerra política. Os democratas e toda sua rede hostilizam seus opositores sem dó e isso acaba intimidando o adversário. Além disso, os democratas ficam com a fama de bonzinhos, justiceiros e preocupados com o povo.

  2. Há ainda um ponto sobre a hostilidade… Como bem lembra Saul Alinsky, se você exagerar na dose, o efeito acaba voltando… Não seria melhor, então, quando o esquerdista estiver, digamos, espumando, adotar uma medida mais polida para aumentar o contraste e conquistar a simpatia?

  3. Bab condenada a 9 anos de priso por abuso sexual de criana

    TJ-DFT – 18/07/2013

    *Indique esta notcia aos seus amigos* [image: Perguntas e Respostas JurisWay] por ACS – publicado em 18/07/2013 21:30 A 2 Turma Criminal do Tribunal de Justia do Distrito Federal e dos Territrios – TJDFT manteve, na sesso desta quinta-feira, 18/7, a condenao da bab R.M.S. pelo crime de atentado violento ao pudor, por ter abusado sexualmente de uma criana de 5 anos. A criana ficava com a bab, em sua residncia, em Sobradinho-DF, enquanto sua genitora ia trabalhar.

    Segundo ficou comprovado no processo, a bab, aproveitando-se dos momentos em que ficava sozinha com a vtima, levava-a para a cama, abraava-a por trs e a embrulhava em um lenol. Aps, retirava a roupa da criana e passava a acariciar sua genitlia, com movimentos masturbatrios, introduzindo o dedo mdio na vagina da criana. Aps, a bab obrigava a menor a acariciar sua genitlia.

    O Juizado de Violncia Domstica e Familiar contra a Mulher de Sobradinho condenou a bab pena de 10 anos e 6 meses de recluso. A defesa recorreu, alegando insuficincia de provas, mas o recurso foi apenas parcialmente provido para reduzir o tempo de priso.

    O relator da apelao, desembargador Roberval Belinati, assinalou que o acervo probatrio dos autos suficiente para justificar a condenao da bab pelo crime de atentado violento ao pudor, haja vista que as declaraes prestadas pela vtima, em todas as fases, aliadas aos depoimentos da genitora e ao laudo de exame psicolgico, atestam a violncia sexual narrada na denncia, comprovando que a bab, por diversas vezes, constrangeu a criana a praticar e permitir que com ela praticassem atos libidinosos.

    O revisor do recurso, desembargador Silvnio Barbosa dos Santos, e o vogal, desembargador Joo Timteo de Oliveira, acompanharam o voto do relator, mantendo a condenao da bab. A pena aplicada pelo juzo *a quo* foi considerada exacerbada e por isso foi reduzida pelos desembargadores para 9 anos de recluso, em regime inicial fechado.

    Processo: 2010.06.1.004898-7 APR

    http://www.jurisway.org.br/v2/noticia.asp?idnoticia=102357

    Em 6 de agosto de 2013 00:36, Luciano Ayan

  4. Luciano, e em relação ao Sakamoto? Lá, como sabemos, quem bate forte são justamente os combatentes do marxismo-humanismo-neoateísmo, que sempre descem a lenha no que o dono do blog fala, enquanto marxistas-humanistas-neoateístas por lá costumam ser aquele pessoal que só deixa um elogio à postagem e só, no máximo com um ou outro tentando falar mais alto. Ali, como sabemos, os anti-MHNs sentem-se bem à vontade na seção de comentários e parece que o dono do blog sente os golpes, ainda que pareça passar a seção em brancas nuvens e, por vezes, desdenha das pessoas que lá vão comentar, chamando-as de ignorantes e assumindo que não lê os comentários (tudo bem que soa um pouco como o Boça falando “p… mundo injusto”, mas…)..

  5. Na escola tinha uma maneira infalível de se livrar dos Bullies. Eles sempre vem bater ou dizer alguma coisa com algum tipo de risadinha e provocação como se fosse a coisa mais normal do mundo.

    A solução era dar uma boa bofetada ou provocar de volta, nem que no início apanhasse, de preferência com uma ridasinha pra acompanhar. Sempre funcionava, em um mês te deixavam em paz, afinal você também estava “só brincando”. Os outros se encorajam a fazer o mesmo, e de pancada em pancada ele se torna cada vez mais cauteloso, até o ponto em que você poderá dar três ou quatro bofetadas. No fim ele apanha mais que bate. Afinal de contas, o que aparece mais? Dez ferimentos em dez pessoas ou dez ferimentos em uma?

    O bully não irá te espancar, se fizer isso vira um criminoso, e ninguém mais vai achar engraçado. A regra nº1 do bully é nunca admitir que vai bater ou xingar alguém porque está irado ou se sente ameaçado, ele não pode deixar transparecer sua raiva interior e suas contradições, assim que ele escolhe alguém que representa um ameaça a sua posição de destaque, ele ataca. E lembrem-se ele só está “brincando”.

    É por isso que tantos levam as suas provocações até as últimas consequências e, na maiorias das vezes, não sofrem nenhum tipo de reprimenda ou punição. Pior, os outros acham engraçadinho e até ficam amigos do bully.

    É so “brincar” também, e aqueles que tem mais cérebro sempre conseguem inventar a melhor “brincadeira”.

    • Meu pai me ensinou a dar um prejuízo, Ele pode ser mais forte mais não é invulnerável, dê uma mordida, um arranhão, um soco ou um chute no saco. Da próxima ele pensa duas vezes.

Deixe uma resposta