Jogo esquerdista: Se não for do meu jeito, é contra os pobres

8
111

download

Última atualização: 26 de agosto de 2013 – [Índice de Jogos] [Página Principal]

Como chantagistas emocionais, os esquerdistas precisam apelar às emoções humanas, como empatia,  mesmo que precisem mentir até dizer chega. Neste caso, eles dirão que estão do lado dos pobres, e você, do lado dos ricos.

A dinâmica é sempre a mesma. O esquerdista irá fazer uma proposta de inchaço estatal, e, em seguida, dirá que este inchaço é para “ajudar os pobres”. E mesmo que ele não faça uma proposta de inchaço estatal, irá, ao mesmo, lutar para manter o inchaço existente.

Quando você contestar o inchaço estatal, ele irá lhe posicionar para a platéia como inimigo dos pobres. Ele, o “amigo dos pobres”, dirá que toda a questão agora se resumiu entre ser amigo dos pobres ou inimigo deles, o que é o mesmo que dividir a questão entre inimigo dos ricos ou amigo dos ricos. Nesse momento, frases como “você não quer ajudar os pobres” ou “você não liga para a miséria humana” se tornarão clichês evidentes.

Para não dizerem que estou exagerando, observem os frames utilizados no discurso de um esquerdista petralha que postava aqui na caixa de comentários deste blog: “Vocês são anti-governo trabalhista, anti-políticas sociais, anti-ascensão dos padrões de consumo dos mais pobres… não querem ver as classes ‘inferiores’ subindo na vida… meu Deus, como isso é ridículo, é de um egoísmo irreal, bruto e tacanho, é de uma falta de compaixão tremenda… vocês não tem solidariedade… e um dia tudo será feito por meio do estado”.

Como podemos ver, há uma omissão de informações a toda vez que o esquerdista usa o mesmo tipo de discurso, mas eles sempre deixam a pista de que estão praticando uma fraude.

Não é que a questão é definida entre ajudar os pobres X não ajudar os pobres, mas sim ajudar os pobres via ação estatal X ajudar os pobres via ação privada. Sim, esse é o detalhe que eles omitem. Na verdade, os esquerdistas usam os pobres apenas como pretexto para inchaço estatal, e a direita quer superar esse inchaço estatal, buscando outras maneiras de ajudar os pobres.

Se a direita fosse contra os pobres, não iria ganhar de lavada dos esquerdistas na ajuda voluntária a eles, como demonstrou Ann Coulter tempos atrás ao citar o ótimo livro “Who Really Cares?”, de Arthur Brooks.

Vamos aos fatos. Com o inchaço estatal, realmente é possível que alguma assistência seja dada aos pobres. Mas na verdade os esquerdistas poderiam criar uma espécie de Rotary de esquerdistas, e fazer assistencialismos mais vastos, sem depender do estado para ajudar os pobres, e sem criar receita para aparelhamento estatal, corrupção e lobby. Assim, a direita continuaria buscando sua forma voluntária de ajudar aos pobres, e os esquerdistas poderiam buscar as suas, envolvendo inclusive a criação de fazendas comunitárias, empresas sem lucro e casarões habitados por 30 famílias.

Em suma, ajudar aos pobres não implica em inchaço estatal, a não ser que os pobres estejam sendo usados como pretexto para inchar o estado, que é o que ocorre com toda instância deste jogo esquerdista. Desta forma, eles mentem ao dizer que a questão é dividida entre ajudar ou não os pobres, mas sim em inchar ou não o estado.

Neste jogo, portanto, o esquerdista irá omitir os fatos para esconder sua real intenção (inchar o estado), para fingir que ele quer ajudar os pobres, mas a direita não. Evidente é uma falácia do falso dilema, onde são dadas duas opções: (1) ajudar os pobres, inchando o estado, (2) se recusar a ajudar os pobres, não inchando o estado. Em outras palavras, o esquerdista bate o pézinho dizendo: “Se não for do meu jeito, você é contra os pobres”.

Tudo não passa de uma chantagem emocional grotesca e extremamente imoral, fazendo uso da triste situação das pessoas que vivem sob condições precárias como um pretexto para um baita de um negócio. Sim, pois o inchaço estatal não passa de um grande negócio para dar poder a burocratas.

É claro que existem muitas outras formas de ajudarmos os pobres, e de maneira muito mais eficiente do que inchando o estado. Mas aí é que podemos notar que o esquerdista não tem interesse de fato em ajudar os pobres, a não ser que isso seja feito via inchaço estatal.

Para tirar a dúvida, oferte a ele desafios neo-esquerdistas, e veja se ele vai aceitar. Com certeza, ele não aceitará, pois como já disse, o interesse do esquerdista é inchar o estado, e o discurso de “ajuda aos pobres” é apenas um pretexto.

Abusar da miséria humana como pretexto para dar poder a burocratas. A isso se resume o discurso de um esquerdista.

Anúncios

8 COMMENTS

    • Luciano e frequentadores do blog,

      O PT e os outros congêneres que há (infelizmente) mundo afora, utilizam-se de um veeeelho recurso, desde os bons tempos da Grécia Antiga, que é o SOFISMA.

      Esse recurso de oratória, é bom que se diga, recurso de quem já está sem recursos, consiste em afirmar algo como premissa maior, que é verdadeiro, encontrar uma premissa menor discutível e concluir a seu favor, ou a favor da mentira. Vejam:

      Premissa maior: os pobres necessitam de ajuda.
      Premissa menor: o Estado tem que ajudar os pobres.
      Conclusão: quem não apoia o Estado é cruel com os pobres!

      O SOFISMA acaba sendo um recurso para mentir com algum disfarce, ou mentir para aqueles que não têm o alcance para enxergar a mentira. É a embromação.

      No texto transcrito, provavelmente de um MAV, há outro componente bem perigoso, alarmante: “um dia tudo será feito por meio do Estado”. Isso prova que o projeto do PT para o Brasil sempre foi e continua sendo o socialismo furado ( o do socialismo, só para o povo!) como disseram que implantaram em alguns países bem conhecidos pelo sofrimento de seus povos, inclusive ocorrendo nos dias de hoje!

      Se alguém estiver tendo dificuldade em encontrar um bom motivo para dar o seu “fora PT”, por meio do voto, esse é um motivo prá lá de excelente! Quem quer as vidinhas venezuelana ou cubana, só para citar os mais próximos e atuais?

      Talvez os “petistas” (entre aspas, sim, pois, nesses inúmeros casos, não o são por ideologia) com promessas de ótimos ganhos com colocação arranjada, carguinhos prometidos, se a presidenta vencesse e o ex-presidento viesse a se candidatar em 2018, esses nem se importem com um Brasil Socialista, pois estariam garantidos, como na “ilha de Fidel” – não me refiro à Cuba, que é uma ilha, mas àquela particular, dele, na qual construiu até um delfinário – um aquário de golfinhos!!!! (Leiam o livro A Vida Secreta de Fidel ( Ed. Paralela))
      Já vimos, provado por A + B, nas muuuuitas notícias dos escândalos, que os petistas no poder mostram o seu projeto pessoal de “sua ilha com delfinário”. Eis porque Cuba é, por eles, tão prestigiada. Eis porque o socialismo tem sido, mundo afora, um bom negócio!!!

      BR45IL ou CI13A ?

  1. Enquanto isso, Luciano, os pequenos produtores rurais que são na maioria das vezes pobres só se ferram com essas leis absurdas ambientais que só existem no Brasil.

    Esse daqui corre o risco de perder toda a sua propriedade devido a essas leis ambientais absurdas que só existem no Brasil.

    Por isso, Luciano, que quando der, fale, sobre essas leis absurdas ambientais como a Reserva Legal, da qual o produtor tem que reservar de 20 a 80% de sua propriedade e que vai contra a propriedade privada.

    É um assunto muito bom de ser desmascarado, além, é claro, de termos mais um arsenal contra a esquerda que finge lutar pelos pobres, pela soberania nocional, mas não fala nada sobre o que acontece com os produtores rurais e sobre o mal que essas ONGs ambientais, que gostam de plantar por lá, mas querem que preservemos aqui, fazem ao nosso país.

    Para quem ainda não sabe sobre os absurdos da reserva legal, vai um link com uma breve história sobre isso e com algumas poucas rotinas desmascaradas: http://vamosserracionais.blogspot.com.br/2011/08/contra-reserva-legal.html

  2. So nao entendi Luciano Ayan quando e que a esquerda ajuda o pobre se incha a maquina administrativa? Para mim acontece exatamente o contrario e se isso contece ele so ajuda aos militantes, companheiros. E so ver os 39 ministerios criados para encher o caixa do PT.

  3. Enquanto isso, ningém, NINGUÉM toca, nem de leve, no assunto Controle de Natalidade. Os esquerdistas por medo de perder sua razão de existir, e os de direita por medo de desagradar a patrulha. No episódio do desabamento daquelas casas na beira do rio, o que mais me chamou a atenção foi o fato de que a mãe que jogou a filha pequena pela janela segundos antes da casa desabar está grávida de outro filho! Quem vai bancar a criação dessa criança até a idade adulta?
    Alguma hora alguém vai ter que meter a mão desse vespeiro ideológico/religioso/ e da previdência social. É muito simples: quem mal pode se manter não deve ter filhos.

  4. No debate presidencial de 2014 temos só adversários de esquerda e eles continuam usando o jogo da pobreza até de forma ingênua, bastando algum jornalista ou adversário ter um QI acima de 50 para refutar as falácias. Como tem gente com QI acima de 85, eu me pergunto por que será que ninguém refuta esses comunistas….

Deixe uma resposta