Brasil247 e a apologia da escravidão – Pt. 2 – A realidade petralha imita a piada do Vanguarda Popular

4
108

escravos

Fonte: Brasil247

A negra Natasha Romero Sanches, de 44 anos, é uma doutora cubana. Formou-se por uma universidade pública e, neste sábado, desembarcou no Brasil. Já nesta segunda-feira, passará por um treinamento na língua portuguesa, antes de ser enviada a um dos 701 municípios que não atraíram o interesse de nenhum médico brasileiro e abrigarão estrangeiros nesta primeira fase do Mais Médicos. Indagada por jornalistas sobre o fato de parte da sua bolsa de R$ 10 mil ser apropriada pelo governo cubano, ela não se queixou. “O meu salário é suficiente”, disse ela, afirmando ainda que trabalha por amor e pela vocação de salvar vidas (leia mais sobre a chegada de outros médicos cubanos no site Tijolaço).

Aos olhos da jornalista Eliane Cantanhêde, a doutora Natasha é uma escrava. Veio ao Brasil não num voo comercial, mas num “avião negreiro” (leia maisaqui). Assim como Cantanhêde, diversos outros jornalistas escreveram artigos ou postaram mensagens no Twitter sobre a “escravidão” de cubanos. Foi o caso, por exemplo, de Reinaldo Azevedo, de Veja.com, de Ricardo Noblat, do Globo, e de Sandro Vaia, ex-diretor de Redação do Estado de S. Paulo – além do inacreditável Augusto Nunes, que definiu o ministro Alexandre Padilha como uma Princesa Isabel às avessas (leia aqui).

É possível que esses colunistas realmente acreditem que os médicos cubanos foram escravizados pelos irmãos Castro. E que o Brasil, sob as garras do PT, se converteu numa brutal tirania que trafica pessoas – argumento que se enfraquece diante do fato de que dezenas de países já assinaram convênios semelhantes para a importação de médicos com o governo cubano.

Evidentemente, a doutora Natasha não é uma escrava, assim como os outros médicos de Cuba que chegaram ao Brasil neste sábado (para saber mais sobre o tema, leia o artigo de Hélio Dolye sobre como funciona o sistema de remuneração dos profissionais de saúde cubanos). O que todos eles pediram na chegada foi apenas respeito, para que possam desempenhar bem as suas funções (leia mais aqui).

Mas será que Eliane Cantanhêde e seus colegas são realmente pessoas livres? Eliane, por exemplo, se vê forçada a criticar qualquer iniciativa vinculada ao Partido dos Trabalhadores e até a inventar crises inexistentes. Foi ela, por exemplo, quem, no início deste ano, anunciou um apagão iminente – que ainda não aconteceu. Ela também esteve na linha de frente do chamado “lobby do tomate”, apontando uma inflação fora de controle, que não se materializou.

Seus coleguinhas, muitas vezes, também parecem presos e acorrentados a grilhões ideológicos. Funcionam num sistema binário, que exclui a reflexão – se algo é ligado ao PT, só pode estar errado. Ocorre que, muitas vezes, eles apenas vocalizam interesses econômicos, políticos ou comerciais não deles – mas dos seus patrões. Barões midiáticos que, num sistema ainda concentrado como o brasileiro, distorcem o fluxo das informações. Basta dizer que, entre os dez homens mais ricos do País, quatro são ligados a grandes grupos de comunicação.

É possível que a doutora Natasha não desfrute de toda a liberdade que gostaria de ter. Mas não se pode descartar a hipótese de que ela seja uma mulher mais livre do que Eliane e seus colegas que a vêem como uma escrava.

Meus comentários

O Brasil247 cometeu algo que eu achava que jamais teriam a cara-de-pau de fazer: usar a novilíngua de forma explícita e do jeito mais involuntariamente cômico possível, sem medo do ridículo.

Quando o site Vanguarda Popular citou Orwell, dizendo “Guerra é paz, Liberdade é escravidão, Ignorância é Força”, não era para que os esquerdistas fizerem exatamente o mesmo. A ideia ali era uma sátira. Parece que o pessoal do Brasil247 não percebeu a sutileza da piada…

Basicamente o que eles tentam é dizer que a cubana Natasha, ao dizer que seu “salário é suficiente”, não é uma escrava, mesmo estando presa a um país do qual não pode fugir. Seu discurso é evidentemente uma expressão do medo daqueles que são prisioneiros de uma ilha dominada por governantes psicopatas. Mas ela seria, na ótica do Brasil247, uma pessoa livre, mesmo que “não desfrute de toda a liberdade que gostaria de ter”.

O site também diz que a jornalista Eliane Cantanhêde não é uma pessoa livre, pois ela é “forçada a criticar o PT”. Mas de onde o Brasil247 tirou a idéia de que ela é “forçada” a isso? Leitura mental? Se for esse o nível de argumentação do Brasil247, então poderíamos dizer que eles são “obrigados a elogiar o PT”? Nada mais ridículo, pois tanto os colunistas do Brasil247 como a Eliane Cantenhêde ainda teriam opções no mercado.

Na verdade, Eliane pode optar por ir a um outro país, se for aceita por lá, e não precisa mais comentar sobre qualquer assunto da política nacional. Também pode mudar de profissão e escolher o emprego que quiser. Também pode se converter ao petismo exacerbado e virar colunista do Brasil247. Isso a torna uma pessoa livre. Natasha não tem esse direito, pois tem “vínculo permanente” com Cuba, conforme o próprio ministro Padilha confessou. Não há adoçante que torne a argumentação do Brasil247 palatável. Eles copiaram Orwell à risca, mesmo sem perceber que inversões desse tipo só merecem ser qualificadas como humor involuntário.

Claro que um post assim não poderia deixar de concluir com mais uma falácia grotesca. Para eles, a alegação de que Cuba trafica escravos “se enfraquece diante do fato de que dezenas de países já assinaram convênios semelhantes para a importação de médicos com o governo cubano.”

Se for assim, então o argumento de que as FARC traficam drogas se enfraquece diante do fato de que seus produtos são comercializados em vários países. Da mesma forma, o Talibã não é uma organização terrorista, pois suas ações são realizadas em vários países do Oriente Médio.

É, eu avisei. Na questão dos escravos cubanos, é só deixá-los discursarem, que eles enfiam o pé na m… cada vez mais.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. É, o mundo evoluiu bastante, agora ao invés de navios de escravos temos aviões de escravos.
    Talvez quando colonizarmos marte até tenhamos uma nave de escravos.

    Pobre Princesa Isabel, deve estar se revirando no túmulo.

    E lendo esse argumento psicopata:
    “se enfraquece diante do fato de que dezenas de países já assinaram convênios semelhantes para a importação de médicos com o governo cubano.”,
    então, na época em que a escravidão era praticada em muito mais países, não tinha problema, afinal de contas “se quase todo mundo faz então tá certo”, só na mente dos esquerdistas mesmo.

    Pros esquerdistas de algumas dezenas de países autorizarem o estupro, o roubo e o assassinato então tá de boa, se dezenas de países aprovam… são muito retardados mesmo.

    • Errata do último parágrafo:
      Pros esquerdistas se algumas dezenas de países autorizarem o estupro, o roubo e o assassinato então tá de boa, se dezenas de países aprovam… são muito retardados mesmo.

    • na verdade, essa leviandade, esse caos social, os esquerdopatas já estão institucionalizando aqui faz tempo!!! por exemplo, o que é a violência cotidiana, a escalada do crime, senão resultado da corrupção e da impunidade que descem lá de cima, do Planalto, do Congresso, da Presidência dessa Republiqueta lulista?!!!

Deixe uma resposta