Brasil247 e a apologia da escravidão – Pt. 4 – Mais um truque de frame para tentar proibir as manifestações contra a escravidão cubana… e novas contradições quânticas

9
49

django-unchained-leonardo-dicaprio

Fonte: Brasil247

O que move o mundo são as ideias. Para frente ou para trás. A instalação do nazismo, na Alemanha dos anos 1930, foi precedida pela publicação do ideário de Adolf Hitler, o livro Mein Kempf. Na China comunista, Mao Tsé-Tung tinha o seu Livro Vermelho, de leitura obrigatória nas escolas. De ambos nasceram ideologias totalitárias, cegas aos direitos humanos, avessas à diversidade, pregadoras da violência.

Hoje, no Brasil, o conjunto dos ideais disseminados por alguns dos mais conhecidos colunistas da mídia tradicional aponta para um caminho análogo, sem volta, de interdição do debate, aviltamento do adversário, exclusão do diferente. Corteja o totalitarismo já superado pela sociedade brasileira.

“Escravos, escravos!”. A palavra de ordem dos médicos cearenses contra seus colegas cubanos, que se preparavam para receber as primeiras noções sobre que Brasil é esse que eles vieram apoiar, não foi gritada por acaso. Essa figura foi gravada no imaginário coletivo dos médicos cearenses – e pode estar se multiplicando em outras regiões brasileiras – por três, em particular, colunistas adulados na mídia tradicional.

Do conforto de suas redações, Reinaldo Azevedo, primeiro, classificou em Veja os médicos cubanos, cujo trabalho é elogiado em todo o mundo no qual eles atuam em programas do tipo Mais Médicos, da Finlândia à África, de “escravos”. Na Folha, a decana Eliane Cantanhêde disse que os profissionais viajariam em “aviões negreiros”. Augusto Nunes, para não ficar atrás, escreveu em seu blog que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, se tornou uma “princesa Isabel às avessas”. Todos, sem exceção, com a mesma imagem de degradação do ser humano.

Não ocorreu à trinca de colunistas circunscrever suas diatribes ao irmãos Castro, Fidel e Raúl, ou a Karl Marx e Frederic Engels, os grande teóricos do comunismo. Não. Eles pularam na jugular de cada um e de todos os médicos cubanos que atenderam, sob supervisão da Organização Panamericana de Saúde, ao chamamento oficial do governo brasileiro.

Na leitura de Azevedo, Eliane e Nunes, depreende-se que eles são “escravos” porque merecem. Vivem em Cuba porque são covardes para enfrentar a sua ditadura. Isso de um lado. Noutra hipótese, felizes, percorrem o mundo para agirem como arautos do socialismo, espiões à luz do dia, propagandistas de uma ideologia ultrapassada. Nenhuma linha sobre o trabalho que os médicos cubanos desempenharam no Haiti pós terremoto que devastou o país em 2010, classificado de “maravilhoso” por seus colegas de primeiro mundo (finlandeses). Nada sobre a ação pacificadora na África, na década de 1970. Nenhuma referência ao mundialmente exemplar programa de medicina da família executado dentro da própria Cuba, que por este tipo de expediente tem um Índice de Desenvolvimento Humano maior que o do Brasil. Zero.

Igualmente, os três colunistas não comentaram sobre os médicos de outros países – Espanha, Portugal, Argentina, Itália – que igualmente aceitaram a proposta do governo brasileiro para preencher vagas que os médicos brasileiros recusaram – com salários de R$ 10 mil por mês. Afinal, por que entrar em questões mais complexas para análise, se o mais importante é se divertir pela humilhação aos cubanos?

Sabe-se que, por este tipo de posicionamento rasteiro, a mídia tradicional está se afogando pela soma de dívidas demais e leitores de menos. Mas guarda-se ainda, é claro, um tipo de influência muito útil os momentos mais intensos de polaridade ideológica. Nessas horas, diante de programas como o Mais Médicos, que, efetivamente, podem mudar para melhor o padrão de atendimento de saúde nos rincões do País. Os mesmos rincões que não recebem médicos desde seu desbravamento.

Os três colunistas poderiam usar seus espaços para discutir, porque, afinal, a chamada classe médica jamais, em tempo algum, como um todo, voltou seus esforços para o Brasil real. A orientação da medicina brasileira é cobrar, e caro, pelo menor atendimento. Os médicos querem os grandes hospitais, jamais os pequenos pronto-socorros. Podia-se alegar, até aqui, que faltava incentivo para o avanço pelas artérias do País, mas agora não há mais. A remuneração oferecida pelo governo superou todas as expectativas. O programa Mais Médicos, por outro lado, nada mais é que uma cópia escarrada do que já existe em diferentes partes do mundo, notadamente nos países mais avançados, como Inglaterra e Alemanha. Lá como cá foi preciso importar profissionais para superar carências. O que fazer, então, para dizer que o Mais Médicos não presta?

Ocorreu aos três colunistas chamarem os cubanos – esquecendo-se de todos os outros – de escravos. Uma distorção não apenas da situação que eles vivem em Cuba, mas uma covardia contra cada um e todos os integrantes do grupo recém-chegado. A opção foi criar um clima hostil, de guerra, de oposição total e completa à presença deles aqui. Viraram a mira de seus canhões para os mais fracos e indefesos.

Após chamar os profissionais de escravos, restará aos colunistas continuar o linchamento moral sobre eles. Poderiam, como Gandhi ou Luther King, atuarem pela conciliação entre o homens, mas se inspiraram em Hitler e Mao para disseminar o ódio. O resultado foi visto no Ceará.

Meus comentários

Ser um colunista do Brasil247 é realmente uma profissão degradante. Deve ser pior que ter a mãe na zona. Em um momento onde deviam ficar corados de vergonha, tentam arrumar desculpas esfarrapadas e uma quantidade incalculável de fraudes intelectuais para justificar o injustificável.

Agora a onda da vez é dizerem que as manifestações contra os médicos cubanos são uma “abominação”, pois isso seria humilhante para esses médicos. O problema é que isso gera (mais) uma contradição colossal para os petralhas, pois quando a cubana Yoani Sanchez esteve no Brasil, manifestantes aparelhados pelo PT e seus asseclas PSOL e PSTU foram vaiá-la. Mas se vaia em direção a um cubano que vem ao Brasil é lícita, como eles podem então definir como “abominável” a vaia aos médicos cubanos?

Petralhas podem dizer que ele suspeitavam que Yoani era agente dos Estados Unidos, mas outros tantos suspeitam que entre os “médicos” também temos agentes de Fidel. Portanto, ou o PT, ops, digo o Brasil247 considera imoral a vaia aos médicos cubanos, e daí considera imoral a vaia a Yoani, ou então considera moral a vaia a Yoani, e igualmente moral a vaia aos médicos cubanos.

Mas na verdade o Brasil247 apela para a chantagem emocional, dizendo que ao apontarem evidências de escravidão na vinda dos médicos cubanos, colunistas como Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes fazem “interdição do debate, aviltamento do adversário, exclusão do diferente”. Na verdade, o Brasil247 mente em todos os rótulos, já que apontar as evidências de escravidão abre, ao invés de interditar o debate, e desenvolve empatia pelos médicos cubanos, ao invés da abominável escravidão imposta sobre eles, e consideram os mesmos médicos como cidadãos merecedores de direitos humanos, ao invés de excluí-los como diferentes. Sim, pois é o PT que determina que médicos cubanos merecem um valor muito menor do que os outros médicos.

Quando o Brasil247 diz que as críticas humanitárias de Azevedo e Nunes fazem a “degradação do ser humano”, novamente tentam o truque da inversão. Degradação do ser humano é forçar pessoas a viverem em uma ilha, sem poder chegar ao Brasil com suas famílias, e sem possibilidade de irem para outro país em definitivo.

Ao invés de refutar as evidências que demonstram a escravidão cubana, o Brasil247 fala de trabalhos feitos no Haiti e na África, elogiando ambas atuações. Mas citar a qualidade de um trabalho feito não muda o problema moral da escravidão. É como o personagem de Leonardo DiCaprio no filme “Django Livre”, de Quentin Tarantino. Ele poderia elogiar as aptidões de seus escravos lutadores o quando quisesse, que isso ainda não muda o fato da escravidão ser imoral. Na verdade, tudo isso torna a coisa ainda mais imoral. Ora, se os médicos cubanos são tão bons, poderiam passar por um programa chamado Revalida Plus, mais radical, e serem merecedores de um salário ainda maior. Mas ainda assim continuam escravos de Fidel… Atenção para este frame: quanto mais méritos forem apontados para os médicos cubanos, mais abjeta é toda a situação, pois significa que estamos falando de pessoas que poderiam (em tese) ter alto valor de mercado e ainda continuam como escravas.

Desesperado, o texto diz que “os três colunistas não comentaram sobre os médicos de outros países – Espanha, Portugal, Argentina, Itália – que igualmente aceitaram a proposta do governo brasileiro para preencher vagas que os médicos brasileiros recusaram – com salários de R$ 10 mil por mês”. Pois é, só que o colunista do Brasil247 se esqueceu de que isso mostra a diferença cruel de tratamento. Os médicos de Portugal, Argentina e Itália passarão pelo Revalida e não são escravos, enquanto os médicos cubanos não passarão pelo Revalida e vivem como escravos.

Em um momento infantil, o texto diz que “por este tipo de posicionamento rasteiro, a mídia tradicional está se afogando pela soma de dívidas demais e leitores de menos”. Estranho, pois recentemente vimos a revista Caros Amigos se afundar em dívidas, e o posicionamento desta revista era exatamente o oposto daqueles que se opõem à escravidão cubana. Assim, dizer que “por não apoiar escravidão cubana, a mídia tradicional está com menos leitores” não passa de um discurso irrelevante e sem evidências. Na verdade, toda a mídia tradicional está perdendo leitores para a mídia digital, mas não há evidências de que essa perda de leitores de uma mídia ocorre por que alguém deixa de apoiar ações moralmente criminosas (no mínimo) do governo petralha.

Usando o jogo Se não for do meu jeito, então é contra os pobres, o colunista também diz que o programa Mais Médicos pode “mudar para melhor o padrão de atendimento de saúde nos rincões do País”. Mas, ainda assim, o governo pode pagar 10 mil reais por mês para cada profissional que lá estiver, e isso não justifica o pagamento de dinheiro à Cuba, e nem a ausência do Revalida para os médicos cubanos. Em suma, o problema não é a importação de médicos…

O mais engraçado é eles terminarem o texto dizendo que quem critica a escravidão cubana, além do envio do dinheiro à Cuba (e não aos profissionais) e a ausência do Revalida para estes médicos, está “disseminando o ódio”. Daí, dizem que este é um comportamento típico de “Hitler e Mao”.

Não, petralhas,  comportamento típico de Hitler e Mao é o comportamento de todos os líderes do PT e da escória que dirige Cuba. São estes que escravizam seres humanos, e se aproveitam de discursos emocionais, embebidos de ódio contra os adversários, para esconder o fato de que a negociata de humanos por um estado é inacreditavelmente abjeta.

Enquanto isso, os colunistas da direita lutam pela alforria daqueles que são escravizados por governos totalitários e genocidas.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Eu queria ser um cara tipo doutor de faculdade pra entender essa situação melhor.. sempre vejos nessas discussoes uma posição ou totalmente contra o pt ou a favor.. nunca nada imparcial, reconhecendo oq essa situação vai trazer de bom e repudiando o q isso traz de ruim.. poxa.. se realmente é verdade que eles vao preencher vagas que medicos brasileiros se recusaram a preencher entao qual o problema nisso??.. como disse o rafinha bastos.. se ta achando tuim esses medicos cubanos entao vai pro interior do pará… se acham que 10000 reis é pouco, oq importa? eles nao estao vindo a força e aposto que eh mais que podem ter em cuba.. criticar a vinda deles com o argumento de que o brasil enviou dinheiro a cuba e nao aos medico acho besteira.. protestem contra o envio desse dinheiro mas nao contra a vinda dos medicos (que querendo ou nao vai ser benefica pro pais), se eles nao estao fazendo nenhuma prova.. protestem contra isso.. nao contra a vinda deles.. aposto meu anus que se fossem medico ingleses ou americanos ngm falava nada de revalida… acho que se todos medicos fazem tal prova eles tbm deveriam fazer.. mas isso nao justifica vaia-los como se fossem culpa deles.. mto menos criticar a competencia da medicina cubana sendo que com os poucos recursos que tem eles fazem um grande trabalho por la…. (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/05/estudante-brasileira-relata-cuba-atraves-de-experiencias-proprias-e-derruba-mitos.html)… sempre vejo o povo falar que cuba vive na miseria por causa do regime de fidel mas nunca levam em conta o bloqueio americano ao pais…

    • Lá vamos nós de novo…

      Eu queria ser um cara tipo doutor de faculdade pra entender essa situação melhor.. sempre vejos nessas discussoes uma posição ou totalmente contra o pt ou a favor..

      Nada disso, aqui estou contra o PT, PSDB, PMDB e qualquer partido de esquerda. Não venha arrumar uma dicotomia que não existe…

      poxa.. se realmente é verdade que eles vao preencher vagas que medicos brasileiros se recusaram a preencher entao qual o problema nisso??..

      Se você não percebeu o problema moral na contratação de escravos então avise logo, para mantermos uma boa distância de você…

      como disse o rafinha bastos.. se ta achando tuim esses medicos cubanos entao vai pro interior do pará…

      Ninguém é obrigado a nada para “negociar” que o governo não alugue escravos…

      se acham que 10000 reis é pouco, oq importa? eles nao estao vindo a força e aposto que eh mais que podem ter em cuba..

      Sim, estão vindo à força, pois não há opções para quem está em Cuba..

      criticar a vinda deles com o argumento de que o brasil enviou dinheiro a cuba e nao aos medico acho besteira..

      “Achar besteira” não é um argumento moral para justificar a contratação de escravos… Tá fraquinha a argumentação aí, hein…

      protestem contra o envio desse dinheiro mas nao contra a vinda dos medicos (que querendo ou nao vai ser benefica pro pais), se eles nao estao fazendo nenhuma prova.. protestem contra isso..

      E quem disse que os protestos são por outro motivo? Falácia do espantalho de tua parte.

      nao contra a vinda deles.. aposto meu anus que se fossem medico ingleses ou americanos ngm falava nada de revalida…

      Então mostre casos de ingleses ou americanos que foram liberados do Revalida para fazer a prova… 🙂

      acho que se todos medicos fazem tal prova eles tbm deveriam fazer.. mas isso nao justifica vaia-los como se fossem culpa deles..

      Mas quem disse que vaia precisa de justificativa? heheheheh….

      mto menos criticar a competencia da medicina cubana sendo que com os poucos recursos que tem eles fazem um grande trabalho por la….

      Você está histérico de fato, e não leu o texto. Se os médicos cubanos são competentes, então tem mercado pelo mundo, e, por isso, a escravidão está sendo ainda mais danosa a eles…

      Se você disser que os médicos cubanos são os MELHORES DA GALÁXIA, a coisa fica ainda pior os escravagistas…

      (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/05/estudante-brasileira-relata-cuba-atraves-de-experiencias-proprias-e-derruba-mitos.html)… sempre vejo o povo falar que cuba vive na miseria por causa do regime de fidel mas nunca levam em conta o bloqueio americano ao pais…

      Como é? Derrubar mitos com evidência anedota? haahhahahaha… O cara não sabe que evidências anedotas é que são propagadoras de mitos.

      Como exemplo, o mito da “miséria cubana por causa do bloqueio americano ao país”. Ué, mas ainda existe comércio com Europa, América Latina, Ásia, etc…

      Essa mentirinha reconfortante de fingir que Cuba tem miséria “por causa do bloqueio americano” não cola mais.

Deixe uma resposta