O vale-crime da esquerda não funcionou desta vez: Líderes do grupo Black Bloc são presos no Rio por suspeita de vandalismo

5
73

bloc

Fonte: BOL

Três administradores da página no Facebook atribuída ao grupo anarquista “Black Bloc RJ” foram presos na madrugada desta quarta-feira (4) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. A operação da DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática) também resultou na apreensão de dois menores investigados por envolvimento com a atividade.

Os adultos foram autuados em flagrante pelo crime de quadrilha armada, que é inafiançável, e por incitação a violência. Já os dois adolescentes foram indiciados pelo atos infracionais análogos aos delitos. Eles continuarão presos à disposição da Justiça.

As pessoas que se autodenominam “black blocs” são conhecidas por atuar na linha de frente das manifestações públicas que se espalharam pela cidade. Para a polícia e o governo do Estado, o grupo anarquista é responsável pelas várias cenas de vandalismo que ocorreram nos protestos.

Um dos líderes do Black Bloc, cuja identidade não foi revelada, foi detido em casa, no bairro Cachambi, na zona norte do Rio.

Durante a operação, os agentes apreenderam máscaras em geral, entre as quais equipamentos de proteção contra gás, computadores, imagens de pedofilia, uma faca e um artefato com pregos afixados nas pontas –conhecido popularmente como “jacaré”.

“Ao ser lançado ele vai encontrar alguma coisa ou alguém e pode ferir manifestantes, policiais e jornalistas, por exemplo. Esse instrumento é muito típico dos roubadores de carga”, disse a chefe de Polícia Civil do Rio, Martha Rocha, em referência ao jacaré.

“Ao analisar a página deles, vimos que há um comando para que cada integrante faça 10 instrumentos desse. A Polícia Civil sustenta que essas pessoas têm desígnio para incitar ações criminosas”, completou ela.

A delegada afirmou ainda que a operação é decorrente de um dos inquéritos policiais instaurados no início de julho para investigação pontual dos black blocs. “Ontem (terça-feira) conseguimos seis mandados de busca dirigidos aos administradores dessa página no Facebook no Rio de Janeiro. Apenas um deles não foi preso, porque está fora do Brasil, na Bolívia”, disse.

Segundo Martha, antes de ser preso, um dos jovens fez uma convocação na página do grupo para que os outros black blocs usassem o artefato nas manifestações previstas para o dia 7 de setembro, no próximo sábado, quando se comemora a Independência do Brasil.

Na página do Black Bloc no Facebook, há mensagens de repúdio às prisões. Os administradores da página dizem que a ação policial é “ditatorial”.

Na noite de terça-feira (3), duas pessoas foram detidas e conduzidas à delegacia por policiais militares durante um protesto denominado “baile de máscaras”, na Cinelândia, no centro.

No ato, os PMs cumpriram pela primeira vez a decisão judicial que obriga a identificação criminal de pessoas que estejam usando máscaras durante manifestações públicas no Rio. Com isso, se necessário, o manifestante pode ser levado à delegacia.

Segundo o delegado titular da DRCI, Ruchester Marreiros, 18 pessoas supostamente envolvidas em atos de vandalismo durante as manifestações que ocorrem desde junho já tiveram os nomes identificados pela Polícia Civil.

A Ceiv (Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas), criada por decreto pelo governador Sérgio Cabral (PMDB) no fim de julho, informou que há outras 50 pessoas identificadas apenas por fotos e vídeos.

A comissão é composta por integrantes do MPE (Ministério Público Estadual) do Rio, das polícias Militar e Civil e da Secretaria Estadual de Segurança Pública.

Meus comentários

Quando me disseram que o Black Bloc havia feito um “exame de consciência”, logo suspeitei que havia algo errado. No dia em que um esquerdista começar a julgar moralmente suas ações, acho que será o fim do mundo.

Mesmo com uma quantidade enorme de delitos identificada pela polícia, eles ainda reclamam que são “vítimas de uma ditadura”. A ação é sintomática: eles tiram o vale-crime do bolso.

Para quem não se lembra, o termo vale-crime foi usado por Felipe Moura Brasil para tratar de esquerdistas que tentam justificar a prática de crimes com desculpas esfarrapadas.

Claro que nenhum Black Bloc vai responder convincentemente ao questionamento abaixo, de Felipe:

Qual é o limite da renda mensal que moralmente autoriza alguém a cometer crimes? Há quanto tempo é preciso estar nessa faixa? Só ela basta para tanto? Ou é preciso combiná-la com humilhações sofridas pelo Estado, pela polícia, pela extrema direita fascista e pela classe média que a Marilena Chaui odeia? Como se pontuam essas coisas? Quem as verifica? As violências sofridas nas mãos dos demais criminosos supostamente pobres contam ou não contam pontos? Dizer-se vítima de preconceito é o suficiente, ou é preciso comprovar as perdas e danos? Os negros e gays têm mais direitos ao vale-crime do que os brancos? Diga-me: um adolescente rico que tenha sofrido estupros do pai ou do padrasto ou de quem quer que seja também está moralmente autorizado a cometer crimes, ou a riqueza o desqualifica? Quem está mais autorizado: o riquinho estuprado, que, sei lá, ainda perdeu a mãe, assassinada por um traficante em um legítimo ato de crueldade, ou um pobre que nunca sofreu abusos sexuais e cujos pais vão muito bem, obrigado?

Conforme nos lembrou o leitor Cidadão, eles continuam usando vitimismo para validação de seu vale-crime.

Segue um exemplo de poema adaptado de Bertold Bretch:

Primeiro levaram os Black Blocs, Mas não me importei com isso.
Eu não era Black Bloc.

Em seguida levaram alguns Anonymous, Mas não me importei com isso
Eu também não me intitulava como Anonymous.

Depois prenderam os militantes de grupos sociais,
Mas não me importei com isso porque não me associei a ninguém.

Depois agarraram manifestantes comuns, Mas como não saí as ruas também não me importei.

Agora estão me levando, Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém,
Ninguém se importa comigo.

No texto acima, vemos o truque de se fingirem de “protetores do povo” para validarem a prática de crimes e vandalismos diversos.

Nesse outro momento, tentam se fingir de “presos políticos”, mesmo que na verdade sejam terroristas:

Boa noite, companheirxs Diante dos fatos ocorridos durante o dia de hoje, os administradores desta página acreditam ser de suma importância que, além de se esclarecer alguns pontos, possamos abrir, por meio deste texto, uma janela de diálogo com todos os assinantes. Primeiramente, façamos um levantamento geral do número de companheiros detidos: 6 administradores da Black Bloc RJ e 1 criador de conteúdo. Destes, 4 foram encaminhados para o presídio de segurança máxima de Bangu, sem julgamento prévio. Cabe informar, ainda, que a chefe de Polícia Civil declarou que as detenções não devem se esgotar por aí. Como bem se sabe, a repressão não começou com essas prisões, e nem deve terminar depois delas. Apesar disso, é importante que mantenhamos nossa união e nosso foco em torno da exigência do reconhecimento dos nossos direitos, com o máximo de bom senso possível, apesar do ódio que esse tipo de situação gera. Como já se era de esperar, a grande mídia, mais uma vez, deturpa os fatos com a finalidade de manipular a opinião pública, a fim de nos separar ainda mais da população, fazendo com que esta não nos enxergue como parte componente do povo. O que estão tentando fazer conosco faz parte de um programa amplo de criminalização dos movimentos sociais de cunho questionador e negador da ordem vigente, fortemente incentivado pelo Estado e pela casta dominante. Esses esforços repressores só comprovam o receio que causamos com a nossa união e posicionamento. Não podemos deixar que nos façam acreditar que a fé por um futuro livre e digno seja algo passível de punição. Precisamos, mais do que nunca, nos mobilizar e articular forças contra essa ditadura absurda que tenta nos calar de diversas formas! Não temos líderes, não temos bandeiras, não temos pátria, não temos donos! ANISTIA AOS NOSSOS PRESOS POLÍTICOS JÁ!!! NÃO IRÃO NOS CALAR!

Se a própria argumentação já é digna de cadeia, o que não dirá dos atos criminosos cometidos com o endosso desse tipo de “lógica”?

Cadeia é o melhor lugar para eles.
Anúncios

5 COMMENTS

  1. Luciano, vamos às atualizações sobre esse assunto:

    1) Marilena Chaui, quem diria, é a marxista-humanista-neoateísta que queríamos neste momento para combater algo que transita entre o marxismo-humanismo-neoateísmo e o anarquismo puro, pois desentocou de seu vocabulário aquele “fascista” que serve para qualquer ocasião. Os black blocs cariocas ficaram p da vida com isso, como pode ver aqui. Para rebater, conforme verá nos comentários, eles a estão chamando… de fascista. Fascismo para lá, fascismo para cá e estamos naquela situação em que quem combate o MHN sequer precisa se levantar da cadeira, pois tiranossauros e velociraptores estão se digladiando e sem querer salvando as pessoas de sua sanha. Além de chamá-la de fascista, também estão usando aquele raciocínio de ressignificação de termos, agora dizendo que “fascismo é deputado preso continuar deputado”, por exemplo. Eu chamaria isso de esculacho, pois é mais preciso para denominar, até porque no fascismo um deputado preso perderia o mandato e também a própria vida;

    2) Se boi preto reconhece outro boi preto, talvez usar capuz preto signifique algo parecido, pois black blocs paulistanos estão no presente momento tomando as dores dos cariocas presos. São 30 gatos pingados, o que pode fazer crer que o Badernaço que queriam para 7 de Setembro esteja mais mesmo para rebelião no playground;

    3) Em relação aos vídeos em um dos computadores apreendidos, pode ser que haja um equívoco e não seja de pedofilia (OK, estou pegando a informação da página do Black Bloc RJ e obviamente que eles irão defender a si próprios). Segue o link e eles estão dizendo que o delegado é o mesmo que falou que Amarildo e família seriam traficantes (ainda que tenham surgido evidências de que Amarildo tenha mesmo sido morto por traficantes). OK, vamos dar um desconto nessa história, pois já houve caso de pessoas presas por portar vídeos que aparentavam ser de pedofilia, mas envolviam apenas adultos com aparência de jovens, como um caso envolvendo um fã porto-riquenho da atriz pornô Little Lupe;

    4) Mais um coitadismo dos encapuzados, como se pode ver aqui aqui. Coitado do João Cabral de Melo Neto vendo sua obra principal sendo usada para tal propósito:

    Morte e vida subversiva O meu nome é Anarquista Mas como não tenho um grupo definido Como há muitos Anarquistas por essas trilhas Que negam e enfrentam as ordens do dia Deram então em chamar nossa conduta de subversiva Como há muitos Subversivos Que bebem da doce fonte anarquista E quem pouco entenda da questão aqui dita Fiquei tendo conduta subversiva E fama de fascista Mas isso ainda diz pouco: Há muitos sem medo de enfrentar um tal. Um tal ditador que se chamava Cabral E foi o mais repressivo, tirano e ofensivo. Assassinou, mentiu e nada de responder: A questão inquietante: Cadê o Amarildo? Que era pai de 6 filhos! Como então defender o que acredito Desafiar o meu inimigo de peito aberto e rosto limpo? Apesar de corajoso e desimpedido, Lá no fundo do meu ínfimo Grita o receio de me juntar aos tantos Amarildos! Achei na máscara que cobre o rosto Uma forma edificante de descobrir o que consigo Por mim e pelos tantos, que comigo aqui caminham. Pela mãe e pelo pai Pela lágrima dos filhos de Amarildo, que ontem era Careli! Mas ainda é pouco: Como expressar o que penso Desse mundo, dessa terra Se há tantos como eu Lutando diversas guerras? Se essa guerra nem é minha Nem é dele, nem é dela. Ela é nossa! Nossa guerra de todo dia Mas se em mim não acredita Eu te entendo, realmente. Me chame subversivo, de corpo e de mente Só não me chame “mascarado-terrorista -inimigo do povo”, só porque nego a ordem vigente. Porque aí já é mentira! A mentira suja que te impõem dia-a-dia Dizem que o nome disso é mídia Mas parece mesmo doutrina nazista Racista, machista e imperialista! Se quiser um jogo limpo, vem pra rua que eu te explico. Te digo que sou reprimido, criminalizado e ofendido. Mas sem coitadismo! Que do caos que a gente cria e dos gritos que a gente grite Pode vir um futuro livre. E essa liberdade vai ficando de herança Para os filhos e para as filhas do Amarildo, de Maria e Zacarias.

    5) Black blocs blackblocarão, ainda mais após a resolução judicial que autoriza a polícia a pedir que mascarados se identifiquem:

    http://www.youtube.com/watch?v=O7rIzSPZEVU

    Observe no vídeo a clareza da retórica de proteção mafiosa dos encapuzados, como se pode ver no cartaz com a clássica bobagem de que se alguém ficar neutro, escolheu o lado do opressor (Luciano, seria bom você desmontar essa rotina).

  2. Caro Luciano Ayan nao entendo por que esse grupo que prega abertamente a violencia nao e bloqueado pelo Facebook e eu fiquei fora do ar por duas semanas so porque postei uma materia e um video com orientacoes e cuidados medicos que os gays devem ter. Muito estranho isso.

Deixe uma resposta