Deputado de extrema-esquerda alega ter levado um soco de Bolsonaro. Mas não será apenas mais um soco imaginário?

21
55

rio225187

Fonte: G1

O senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) diz ter sido agredido com um soco na barriga pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) nesta segunda (23) pouco antes da visita de integrantes da Comissão da Verdade do Senado e do Rio de Janeiro ao prédio do antigo DOI-Codi, atual 1° Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. Bolsonaro nega a agressão.

A confusão teve início quando Bolsnoraro, que não pertence a nenhuma comissão, quis se juntar ao grupo que fez a visita ao prédio e foi rechaçado pelo senador João Capiberibe (PSB-AP). Houve empurra-empurra e xingamentos. Na confusão, o senador Randolfe diz ter levado um soco de Bolsonaro.

“Ele claramente nos agrediu covardemente. Ele usou o mecanismo de entrada por baixo. É o procedimento dele, que todos conhecem. Mais uma vez a presença do Bolsonaro aqui era para tumultuar e impedir que a visita se concretizasse. Ele não acompanhou o roteiro da visita. Ele não cumpriu seu objetivo. O Bolsonaro é um Brasil que nós vamos virar a página”, disse.

“Na entrada, eu e senador Capiberibe nos colocamos à frente e dissemos para o Bolsonaro que ele não podia entrar, e que não era bem-vindo. Ele disse: ‘Olha só quem quer me impedir de entrar no meu quartel!’. Falei: ‘O senhor não integra esta comissão e não tem nada a ver com essa visita’. Ele me chamou de ‘moleque’, abaixou e deu um soco por baixo, no meu estômago. Depois do soco, eu empurrei ele, ele me empurrou e me chamou de ‘vagabundo’. Eu disse que o ‘cara de pau’ é ele, que não deveria estar lá”, disse Randolfe.

O senador afirmou que o Psol irá entrar com uma representação no Conselho de Ética contra o deputado. “Ele claramente atentou contra o decoro parlamentar, ao tentar impedir o trabalho de comissão parlamentar e agredir um parlamentar.”

Depois da confusão, Bolsonaro acabou entrando no prédio. Ele contou que fez a visita ao local a uma distância dos membros da comissão. “Fiquei a uns dez metros de distância para não me misturar. Visitei o prédio todo e depois fui tomar um café na sala da Companhia de Motos. O Capiberibe colocou a mão no meu peito e não queria me deixar entrar. Houve uns empurrões, mas entrei mesmo assim. Para a infelicidade de vocês (jornalistas) não houve agressão, como vocês gostariam. O senador Randolfe gritou, me chamou de ‘vagabundo’ e outros elogios, por assim dizer, mas não houve agressão. A democracia que eles defendem é assim, não aceita o contraditório”, disse Bolsonaro.

Ao G1, o deputado negou que tenha dado um soco no estômago de Randolfe. “Dei um empurrão nele por baixo, que estava me impedindo de entrar [no quartel]”, disse. Segundo o parlamentar, que chegou antes da comitiva ao local, pela manhã, o comandante do quartel disse que todos os parlamentares poderiam fazer a visita.

O objetivo da visita desta segunda (23) é ser o ponto de partida para uma campanha que visa transformar o local num centro de memória, a exemplo do que foi feito no antigo Dops de São Paulo e em centros de tortura na Argentina, no Uruguai e no Chile

Pela manhã, manifestantes fizeram um protesto em frente ao quartel reivindicando a reabertura dos arquivos da época da ditadura militar e a punição para as pessoas que serviram ou trabalharam para o regime.

Meus comentários

A extrema-esquerda segue cada vez mais delirante e psicótica. Primeiramente, o deputado Randolfe confessa: “Na entrada, eu e senador Capiberibe nos colocamos à frente e dissemos para o Bolsonaro que ele não podia entrar, e que não era bem-vindo.”.

Isto é, Randolfe confessa um crime de cerceamento do direito de ir e vir de Bolsonaro. Randolfe poderia pedir para que a polícia impedisse Bolsonaro de entrar, mas como sabe que isso não ocorreria, tentou, de maneira fascista e criminosa, impedir o direito de ir e vir de Bolsonaro.

Pois bem. Randolfe confessou e fim de conversa. É como diriam os investigadores norte-americanos: “E nós temos uma confissão…” Nós não estamos imaginando que ocorreu uma violência contra Bolsonaro. Nós temos uma confissão de Randolfe.

Mas assim que Bolsonaro entrou no prédio do 1° Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, na Zona Norte do Rio, Randolfe diz ter sido agredido por um soco. Claro que ele não tem a confissão de Bolsonaro, e nem mesmo uma evidência de que isso ocorreu. E, como sempre ocorre com a extrema-esquerda, eles tem sempre a Mídia Ninja para filmar tudo. Se não há vídeos do Mídia Ninja, o que tem Randolfe em seu favor?

Podemos claramente suspeitar que para ofuscar o crime de cerceamento de direito de ir e vir, cometido por Randolfe contra Bolsonaro, o ultra-esquerdista surge com a denunciação de um soco, muito provavelmente ocorrido apenas em sua imaginação.

Eles realmente não cansam de baixar o nível do debate público.

Anúncios

21 COMMENTS

  1. No site do G1 tem um vídeo (link abaixo), que mostra o momento do suposto soco. Pra mim, parece mais uma cutucada pro outro sair da frente. Mas sabe como é, esquerdista é muito sensível.

    g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/09/visita-da-comissao-da-verdade-ao-rio-e-marcada-por-confusao.html

  2. Ele queria mesmo levar o soco, PSOL está desesperado para cassar o Bolsonaro, o único que denuncia as farras eleitoreiras com dinheiro público para a militância gay.

  3. Luciano, bom dia, Aproveitando que foi citada a Mdia Ninja, pergunto: At onde o povo est sendo manipulado por esses movimentos (esquerdistas) e como discernir aquilo que legtimo protestar? Um abrao, Fora PT. Date: Tue, 24 Sep 2013 03:02:09 +0000 To: walmensy@hotmail.com

  4. “O objetivo da visita desta segunda (23) é ser o ponto de partida para uma campanha que visa transformar o local num centro de memória, a exemplo do que foi feito no antigo Dops de São Paulo e em centros de tortura na Argentina, no Uruguai e no Chile”

    Isso me preocupa mais do que a histrionice do esquerdalha, já que nesses países houve um procedimento idêntico para anular a anistia dos crimes ocorridos no período da ditadura – mas anulação somente para os militares, que irão para a cadeia. Eu lembro de uns dois anos atrás ler no jornal que a argentina estava prendendo seus ex-militares, e hoje o nível de sociopatia por lá está quase ao nível da Venezuela.

  5. Dizem que a verdade sobre um fato tem sempre três lados:
    1) o lado de quem conta a história,
    2) o lado de quem é o objeto da história e
    3) o lado verdadeiro mesmo.

    Essa comissão da verdade só quer saber a verdade do lado dos torturados. Sobre os crimes que eles cometeram, ninguém quer falar…

  6. Caro Luciano, poderia dar uma ajuda aqui pros cariocas? O Psol aqui domina a opinião pública, mídia e boa parte da classe-média chique e “politizada” das faculs (e a média-pobre dos subúrbios e Baixada), e provavelmente vai levar as eleições por aqui. Fora esse artigo, como desmascarar de vez essa canalha travestida de “alternativa” realista, moderna e esclarecida?

    Abs

  7. Luciano, você acredita que o deputado Jair Bolsonaro agiu corretamente nesta batalha política contra o esquerdalha Randolfe? Faltou alguma coisa?

  8. Só faltou o senador randofe imitar a maria do rosário:
    …mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?…mas o que é isso?

  9. O processo foi rejeitado: http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/10/conselho-de-etica-rejeita-processo-contra-jair-bolsonaro.html
    Mas olha o que disse o líder do PSOL na câmara: “Apesar da decisão ter sido desfavorável ao partido, Valente afirmou que o julgamento público é o que mais interessa. “PSOL continuará denunciando as maracutaias, as falcatruas, a falta de ética que perdura ainda e essas atitudes agressivas”, afirmou.”
    Ou seja, como a notícia do arquivamento não vai ter tanta repercussão, em termos de guerra política esses calhordas do PSOL já ganharam. A menos que o Bolsonaro seja macho e processes esses FDP de volta por calúnia e difamação.

Deixe uma resposta